Thursday, September 30, 2010

Porque Portugal está condenado ao colapso

O principal problema de Portugal, mais do que o deficit, é o quase nulo crescimento económico; e esse baixo crescimento é o resultado de nos últimos 10 anos os preços (e salários nominais) terem crescido muito mais depressa em Portugal (e na periferia da UE - Grécia, Espanha, Irlanda) no que no resto da Europa (suponho que o principal incentivo para isso tenham sido os juros baixos propiciados pela moeda única).

E o resultado desses preços altos é que os sectores que estão em competição com o exterior (seja porque exportam, seja porque competem com as importações), como a indústria ou a agricultura, perderam "competitividade" e deixaram de ser viáveis, ficando o país largamente reduzido aos sectores que tem que ser produzidos no lugar onde são consumidos, como o comércios, serviços e imobiliário, uma situação que não é sustentavel a prazo.

E há solução para isso? Não. Mesmo que fosse possível deflacionar (seja por uma deflação mesmo, seja saido do euro e desvalorizando o "novo escudo"), o resultado disso seria um aumento enorme do valor da dívida - p.ex., se tivessemos uma deflação de 30% (um número que costuma ser sugerido), isso significaria um aumento de 43% no valor real da dívida.

Desta forma, estamos entre a morte lenta do "não produzir nada" e a morte rápida da deflação e falência total; ou seja, acho que não há solução dentro do sistema.

[Artigo publicado no Vias de Facto; podem comentar lá se quiserem]

Descoberto um planeta habitável (II)?

Possible earthlike planet found in the Goldilocks zone of a nearby star!, por Phil Plait:

But the amazing thing is that the planet’s distance from the star puts it in the Goldilocks Zone: the region where liquid water could exist on its surface! (...)

If you’re too close to a star, it’s too hot to support liquid water. If you’re too far, it freezes. This defines a rough region from the star — the Goldilocks Zone, for obvious reasons — where liquid water can exist on the surface of a planet. This depends on the star, of course, but also on other factors like the planet’s atmosphere; Venus could have liquid water, but its super-thick atmosphere produces a runaway greenhouse effect which has heated it to 460° C (900° F). If Mars had a thick atmosphere, it might support liquid water! So the planet itself matters here too.


Gliese 581g, as the new planet is called, is in the zone where the temperature is just right. And with a mass of just three times that of the Earth, it’s unlikely to be a gas giant.

However, this does not mean the planet is habitable, or even very Earthlike. It may not even have any water on it at all. For now, we can’t know these things, so beware of any media breathlessly talking about life on this planet, or how we could live there.

There are some things we can speculate on with some solid footing. The orbital period of 37 days puts it pretty close to the star – since the star is a red dwarf, it’s cooler than the Sun, so being closer doesn’t necessarily mean you overheat. But it does mean the star exerts strong tides on the planet, which have the effect of slowing the planet’s rotation until it equals the orbital period. This has almost certainly happened to this planet, so in other words, one day on this planet = one year, and the planet always shows the same face to its star like the Moon does to the Earth.

That makes things a bit dicier for habitability. The side facing the star may get very hot, while the dark side gets very cold. If the planet has an atmosphere that gets mitigated somewhat (the hot air on the day side will flow over to the night side and vice versa, smoothing out the highs and lows in temperature), and may make the planet more clement. However, we have no clue if this planet has an atmosphere at all.

I also want to note that the mass found (3x Earth) is the minimum mass of the planet! It may be more massive, though it’s unlikely to be much more. The Doppler method doesn’t give an exact mass, only a lower limit. That’s frustrating, but that’s the way the math works out.
[Via Razib Khan]

Wednesday, September 29, 2010

Descoberto um planeta habitável?

Newly discovered planet may be first truly habitable exoplanet:

The planet is tidally locked to the star, meaning that one side is always facing the star and basking in perpetual daylight, while the side facing away from the star is in perpetual darkness. One effect of this is to stabilize the planet’s surface climates, according to Vogt. The most habitable zone on the planet’s surface would be the line between shadow and light (known as the “terminator”), with surface temperatures decreasing toward the dark side and increasing toward the light side.
“Any emerging life forms would have a wide range of stable climates to choose from and to evolve around, depending on their longitude,” Vogt said.
The researchers estimate that the average surface temperature of the planet is between -24 and 10 degrees Fahrenheit (-31 to -12 degrees Celsius). Actual temperatures would range from blazing hot on the side facing the star to freezing cold on the dark side.
If Gliese 581g has a rocky composition similar to the Earth’s, its diameter would be about 1.2 to 1.4 times that of the Earth. The surface gravity would be about the same or slightly higher than Earth’s, so that a person could easily walk upright on the planet, Vogt said.
 [Via Marginal Revolution e arbesman.net]

Se for verdade, terá sido antes de Maio de 2011.

Uma maneira optimista de ver a coisa

Ganho 1.373,12 €.

Tuesday, September 28, 2010

A tecnologia amish

Amish Hackers:

The Amish have the undeserved reputation of being luddites, of people who refuse to employ new technology. It's well known the strictest of them don't use electricity, or automobiles, but rather farm with manual tools and ride in a horse and buggy.  In any debate about the merits of embracing new technology, the Amish stand out as offering an honorable alternative of refusal. Yet Amish lives are anything but anti-technological. In fact on my several visits with them, I have found them to be ingenious hackers and tinkers, the ultimate makers and do-it-yourselfers and surprisingly pro technology. 

Já agora, passando da Venezuela para o vizinho do lado

Piedad Cordoba banned from politics for 18 years, no "Bloggings by Boz", sobre uma senadora colombiana destituida do cargo e baninda de ocupar cargos politicos pelo Procurado-Geral, sob a acusação de ligações às FARC:

What bothers me about this story is that the Attorney General removed her from office and banned her from politics without a judicial trial. In my opinion, that's anti-democratic. An executive branch going after a opposition politician like this reeks of political persecution.

The Attorney General should not be able to make this decision unilaterally. If the evidence is solid, then charge her with a crime and let her face an open trial. Otherwise, she should be left alone.

Resultados das eleições venezuelanas

PSUV - pró-Chavez
MUD - oposição de direita
PPT - oposição de esquerda

Ou as virtudes dos sistemas eleitorais maioritários.

Sugestões de leitura

Who should own schools?, por Chris Dillow, sobre quem faz mais sentido serem os proprietários (ou, pelo menos, os gestores) das escolas - os pais, os professores ou o Estado?

The view from somewhere smart, por Razib Khan, sobre a história dos "cristãos orientais" nos últimos 1500 anos (muita gente achará isso um tema chato, mas algumas passagens têm interesse actual: p.ex., parece que actualmente o pais árabe em que a minoria cristã tem melhor estatuto é a Síria, enquanto que após a "libertação" do Iraque pelos EUA houve uma "limpeza étnica" dos cristãos locais; o que muitos "defensores da civilização cristã contra a jihad islâmica" acharão disso?).

Sunday, September 26, 2010

Uma terceira via na Venezuela?

Leftist Venezuelan politician Henri Falcon challenges Chavez's authority (Washington Post):

BARQUISIMETO, VENEZUELA - The most popular politician in this tidy city plunges into the crowds, handing out small loans to small businesses and pledging to build new homes.

He's not President Hugo Chavez, the best-known populist on the continent. His name is Henri Falcon, and as governor of the western state of Lara, he has sought to carve out space for what he calls moderate leftists seeking an alternative to Chavez.

The objective is ambitious: Win enough seats to give the party he helps lead, Fatherland for All, a viable future as a leftist movement without the demagoguery and authoritarianism that critics say characterizes Chavez's government. If the more traditional and conservative opposition also advances, Fatherland for All could become the kingmaker in a new congress.(...)

Falcon, 49, who is not running for congress but is the party's most recognizable leader, said he is banking on support from voters who dislike both Chavez and the traditional opposition.(...)

O atalho para a servidão

The Shortcut To Serfdom, por Conor Friedersdor.

Friday, September 24, 2010

Colômbia: o lado escuro de Alvaro Uribe

Colombia: The dark side of Alvaro Uribe:

After Alvaro Uribe accepted a job at Georgetown University, a Colombian humorist suggested the former president should teach a course on wiretapping.


On his first day of class last week, Uribe was met by protesters who held up banners calling him a mass murderer.

Back in Colombia, meanwhile, nearly a dozen of Uribe’s former advisers are under investigation for abuse of power and could end up in prison. (...)


First elected in 2002, Uribe quickly sought congressional approval of a constitutional amendment so he could stand for re-election in 2006. At the time, the Colombian constitution banned presidents from serving more than one four-year term.

The amendment was approved but accusations emerged that government ministers secured the support of key lawmakers by offering them jobs and other benefits. Two legislators were convicted of receiving payoffs and Uribe’s former interior and social protection ministers are now under investigation for bribery.
Even more serious is a scandal known as DAS-gate, which, according to Shifter, “makes Watergate look like child’s play.”

The DAS is the Colombian equivalent of the FBI and during the Uribe administration its agents illegally monitored the telephone calls and actions of opposition politicians, human rights workers, journalists and even Supreme Court justices.

At the time, dozens of pro-Uribe lawmakers were being investigated by the Supreme Court for their financial and political links to right-wing death squads. They included Senator Mario Uribe, the president’s cousin, who later resigned and went to prison. Experts say the president’s men wanted to embarrass and discredit the court judges.

“Uribe believed the Supreme Court was out to get him,” said Alfonso Cuellar, an editor at Semana news magazine, which broke the DAS-gate story. “That was not true but that’s what Uribe believed because he was surrounded by a small group of people who fed him rumors.”

This month, new details emerged about the infiltration campaign from a DAS agent cooperating with the investigators. Alba Florez, who has been dubbed by the Colombian media as the DAS Mata Hari, said she persuaded the bodyguards and personal assistants of Supreme Court judges to spy on their bosses.

Sugestão de leitura

After Barrington Moore: Draft for September 25, 2010 50th Anniversary Conference, por Brad DeLong

John Stuart Mill was perhaps the last who was substantially at home in and competent in all the branches of moral philosophy: political theory, psychology, history, public administration, political economy, sociology, etc.

Afterwards young scholars paying their dues found it simply impossible to learn everything and still have time to write anything. And since it is much easier to teach undergraduates what you know than what you don't, specialization in research drove specialization in curriculum as well. But dividing up the social sciences makes sense even for professors and graduate students only if the beast is cut at the joints, so that the problems in understanding the world that fall in the debatable lands between two disciplines are few and unimportant. And dividing up the social sciences makes no sense for undergraduates: What use are economics B.A.s who know no political science or history? None at all.(...)

Call [the] problematic presented by the history of the world from 1914 to 1975 the "Barrington Moore problematic": it is to understand the historical and social origins of dictatorship and democracy, of slavery and freedom, of ideology and rationality, of poverty and prosperity. Humanity had moved from societies of illiterate farmers producing little more than subsistence dominated by thugs with strong arms and sharp spears to urban, literate, industrial orders. That produced Abraham Lincoln but also Vladimir Lenin, Franklin Delano Roosevelt but also Mao Zedong, Konrad Adenauer but also Augusto Pinochet. And Adolf Hitler as the sole member of the my-regime-killed-50-million club. Why? How? And what could be done to make it stop? (...)

Can the Barrington Moore problematic serve a role similar in the next generation to the one it has served in the past two?

I would say not.

Adolf Hitler is sixty-five years in his grave. Societies in transition to urban-market-mass political modernity and how to keep more Lenins and Hitlers from arising in them does not seem to be the globe's most urgent problem any more. And our most recent modern monsters seem of a different and perhaps older kind: Saddam Hussein reminded me more of the Caliph Uthman or of Mehmet II than of Hitler. Hamas, Al Qaeda, and Hezbollah seem more like updated versions of the Assassins of Syria rather than of the Comintern. Rwanda seems more like the Sicilian Vespers with radios than like the terror-famine of the Great Leap Forward.

Thursday, September 23, 2010

Eleições venezuelanas - o meu endorsement


Vamos ver quantos milhões de votos o meu apoio vai valer nas eleições na Venezuela (eu até tenho uma profunda ligação ao país - o meu avô ainda trabalhou muitos anos numa padaria em Maracaíbo ou coisa parecida...).

Wednesday, September 22, 2010

Noticiário Local

Câmara de Portimão aprova quase o dobro da construção depois de o terreno mudar de proprietário

Anterior dono teve aprovação prévia para 2485 m2 de construção. Novos donos, entre os quais um antigo vice-presidente da câmara, conseguiram que lhes fossem aprovados 4545 m2.

Susan Sontag sobre a ficção científica (em 1965)

The Imagination of Disaster [PDF].

O texto é interessante sobretudo por uma razão - a autora faz uma resenha dos vários "roteiros-tipo" dos filmes de ficção científica, o que, há distância de mais de 40 anos, permite ver as diferenças e semelhanças dos filmes de FC dos anos 50/60 com os actuais.

Bryan Caplan sobre Cristovão Colombo

Columbus: The Far Left is Dead Right:

The far left's radical critique of Columbus Day rubs a lot of people the wrong way. But the facts are on their side. Columbus was not just a brutal slaver; he was a pioneer of slavery. I flipped through a dozen books on Columbus and slavery in the library today, and none of them disputes this - though the hagiographies generally omit "slavery" from the index.


Can you condemn a man just for being a slaver? Of course. It's almost as bad as you can get. And Columbus didn't even have the lame excuses of a Thomas Jefferson, like "I grew up with it," or "I couldn't afford not to do it."

The lamest excuse of all is that we have to judge Columbus by the standards of his time. For this is nothing but the cultural relativism that defenders of Western civilization so often decry. If some cultures and practices are better than others, then we can fairly hold up a mirror to Columbus and the Spanish conquerors, and find theirs to be among the worst.

Tuesday, September 21, 2010

Eleições venezuelanas - sondagens e previsões

POLL NUMBERS!!! Venezuela's 26S legislative election, por "Boz":

Polls:
Datanálisis:PSUV 27, Opposition 24, Undecided 30%
Hinterlaces:PSUV 37,Opposition 41, Undecided 17%
Keller: PSUV 32, Opposition 46, Undecided 19%


Polls with undecided voters removed:

IVAD: PSUV 54, Opposition 46
GIS XXI: PSUV 53, Opposition: 47
Datanálisis: PSUV 52, Opposition 48
Keller: PSUV 43, Opposition 57


Chavez approval:

IVAD: 66%
Hinterlaces 46%
Datanálisis: 44%
Keller: 37%

Consultores 21: 36%
The next National Assembly? , por "Daniel":

Sobre o "Tea Party"

The misguided reaction to Tea Party candidates, por Glenn Greenwald:

The "tea party" movement is, in my view, a mirror image of the Republican Party generally.  There are some diverse, heterodox factions which compose a small, inconsequential minority of it (various libertarian, independent, and Reagan Democrat types), but it is dominated -- in terms of leadership, ideology, and the vast majority of adherents -- by the same set of beliefs which have long shaped the American Right (...)

All that said, there are some reactions to the Tea Party movement coming from many different directions -- illustrated by the patronizing mockery of Christine O'Donnell -- which I find quite misguided, revealingly condescending, and somewhat obnoxious.  In two separate appearances (...) Karl Rove, that Paragon of Honor, insisted that she lacks the "character and rectitude" to be in the Senate (...)

It's hard to avoid the conclusion, at least for me, that, claims to the contrary notwithstanding, much of the discomfort and disgust triggered by these Tea Party candidates has little to do with their ideology.  After all, are most of them radically different than the right-wing extremists Karl Rove has spent his career promoting and exploiting?  Hardly.  Much of the patronizing derision and scorn heaped on people like Christine O'Donnell have very little to do with their substantive views (...) and much more to do with the fact they're so . . . unruly and unwashed.  To members of the establishment and the ruling class (like Rove), these are the kinds of people (...) who belong in Walmarts, community colleges, low-paying jobs, and voting booths on command, not in the august United States Senate.

Class/Cultural reactions to the tea party, por Lisa Kramer:

I can’t fully agree with him that the Tea Party is just Republican Plus.  The name alone suggests something else, as does the 1776 iconography and the overtaking of old charges of “liberalism” with 21st century charges of “socialism.”  When the spectacle is stripped away, I do see something that, at its core, is much closer to libertarianism than traditional Republicanism, even the more vitriolic Republicanism of the last decades.  But that’s a lot of layers of spectacle to strip away, so I understand why the point can be debated.

(...)

The limitation of Greenwald’s argument is that it makes class and culture almost interchangeable.  Over and over again, the enemy is regarded as “effete Guardians of Elite Political Power” or “the ruling class.”  (...) I just don’t buy it.  Cultural hierarchy seems to have little to do with class hierarchy; even Sarah Palin, who Greenwald labels another victim of cultural bias, was raised comfortably middle class.

A extrema-direita, os judeus e Israel

Numa discussão nos comentários deste post (e também aqui), Luis Cardoso escreve que "que nunca vi um partido de extrema-direita que fosse filo-semita, filo-sionista, filo-judaico, etc. O que me leva a tirar a conclusão que o anti-semitismo e a oposição ao estado de Israel é como que a pedra-de-toque do extremismo de direita" e que "julgo que o posicionamento perante os judeus e o estado de Israel é a prova definitiva do extremismo de direita, prova superada com distinção por Wilders".

Há uma certa circularidade nesta opinião (afinal, se um partido que seja pró-Israel ou pró-judeus não pode ser de extrema-direita, claro que nunca se irá encontrar um partido de extrema-direita filo-semita, filo-sionista ou filo-judaico), mas imagino que o raciocinio de LC seja algo como "como no último século os movimentos geralmente considerados de extrema-direita eram normalmente anti-semitas, podemos considerar o anti-semitismo uma marca da extrema-direita" (e aí já não é um raciocinio circular).

Mas será que não há mesmo uma extrema-direita pró-Israel? Eu até não poria o PVV holandês na mesma divisão que outros partidos usualmente chamados de "extrema-direita", como a FN francesa ou o PNR português (o PVV parece-me muito um partido "one-issue" sem grande construção ideológica por detrás), mas o que dizer, p.ex., do BNP britânico (um partido cujos estatutos até há pouco tempo não aceitavam não-brancos, e cujo o lider tem um passado de ligações aos neofascistas italianos), que recentemente também adoptou uma linha pró-Israel? Ou, recuando no tempo, de Xavier Vallat, o "comissário para os assuntos judaicos" do regime de Vichy, que iniciou a implementação das leis anti-semitas, que em 1936 disse que o governo de Leon Blum era os "talmudistas" a governar a França, mas que em 1967 organizou manifestações de apoio a Israel durante a Guerra dos Seis Dias?

Vamos pensar a questão de forma mais aprofundada - porque é que a extrema-direita não gosta dos judeus (afinal, com tantos grupos étnicos que há no mundo, porque é que foram escolher os judeus como objectos de ódio?); a mim parece-me que a resposta é simples: a extrema-direita normalmente é nacionalista, e tem muito a mitologia da "terra e dos antepassados" ("o solo e o sangue") - ora, os judeus, como um grupo espalhado por todo e mundo e com uma grande história de mobilidade (ela própria provocada pelos anti-semitas...) são a antitese disso, são o protótipo dos "cosmopolitas desenraizados".

Além disso, provavelmente como um resquicio da velha oposição entre "terra" e "dinheiro" (aristocracia tradicional vs. burguesia urbana), parte da direita mais radical tende a seguir uma linha de defesa da "propriedade sólida" (terras, fábricas, etc.) contra a "propriedade fluida" (dinheiro, títulos, etc.), com uma distinção entre os "bons capitalistas" (agricultores, industriais...) e os "maus capitalistas" (comerciantes, banqueiros, "especuladores"...). Ora, os judeus (em parte também por culpa dos anti-semitas...) dedicavam-se largamente ao comércio e à finança, ou seja, eram o protótipo dos "maus capitalistas"; além disso, entre os judeus que não eram banqueiros nem comerciantes (suponho que, apesar do mito, os banqueiros judeus fossem uma minoria entre a população judia), também havia uma grande proporção de "intelectuais", grupo também não muito apreciado por muita extrema-direita.

E onde é quero chegar com isso? Muito simples - todas estas razões só se aplicam aos judeus da Diáspora; não há nenhuma razão especial para a extrema-direita odiar os judeus de Israel: os israelitas não são "cosmopolitas desenraizados", não são uma etnia espalhada pelo mundo - pelo contrário, são uma comunidade nacional a viver no seu território supostamente ancestral; ainda por cima, Israel cultiva a imagem de uma potência agricola (e militar), em contraste com a imagem de comerciantes/banqueiros/intelectuais urbanos "decadentes" dos judeus da diáspora. Ou seja, o facto de alguém ser um defensor entusiasta de Israel não significa que não possa ser de extrema-direita; aliás, acho que alguêm até pode detestar os judeus da diáspora e defender Israel exactamente pelas mesmas razões.

[Post publicado no Vias de Facto; podem comentar lá]

Monday, September 20, 2010

O cigarro electrónico vs. os reguladores

Electronic Cigarettes and the Fog of (Class) War, por Thomas Knapp, no Center for a Stateless Society:

A week ago, after 27 years at an average of probably two packs of cigarettes a day (and “smokeless tobacco” before that; I switched when I discovered that girls I wanted to kiss objected to the whole mouth full of tobacco thing), I’d have called you crazy if you suggested I was within a week or so of becoming an ex-smoker.

It’s true, though. I had two-and-a-half packs of cigarettes left last Tuesday. Now, on Sunday, I’ve still got half a pack. I’ve cut my smoking by about 75% through “vaping” — getting my nicotine from an “electronic cigarette” that delivers a smokeless vapor without all the tars and gunk that you get from burning tobacco — and when this pack is gone I expect to never buy another.

About the time a friend was putting together an “electronic cigarette” package to send me, the US Food and Drug Administration was mailing letters to several manufacturers/sellers of e-cigs, informing them that the regulatory hammer is about to come down.


I’m dismayed, but hardly surprised, to learn that the US government, the tobacco companies and their “non-profit” anti-smoking counterparts are conspiring to keep me (and millions of other Americans) on tobacco. Smoking, and pretending to oppose it, are big moneymakers for the political class.

(...)
 
The tobacco companies fought FDA regulation tooth and nail, but once it became reality they embraced it and made the best of it. What is the best of it? In a word, monopoly.


One of FDA’s first acts was to ban flavored cigarettes (except for menthol). The main target was the clove cigarette, which is usually imported. One competitor down.

Buried in FDA’s new authority is a grandfather clause. Existing cigarette brands and types are somewhat protected, but new products require “approval.” Anyone who follows the ongoing saga of pharmaceutical development knows that FDA approval entails hundreds of million dollars in trial, submission and lobbying costs.

(...)
 
Enter the electronic cigarette: No tobacco involved. Nicotine and flavorings are delivered in a liquid (propylene glycol or vegetable glycerine), slightly heated to produce a fog or vapor. While the full health implications aren’t yet clear, it’s a safe bet that e-cigs are safer than “real” cigarettes. Cigarette smoke is full of carcinogen-laden “tars.” E-cig vapor isn’t. There’s no “secondhand smoke” because there’s no smoke at all.

Even thought they’re currently only a tiny portion of the nicotine market, e-cigs are driving all the usual suspects crazy.

Big Tobacco wants them gone ASAP because they threaten tobacco profits.

The FDA wants to bring them under its regulatory authority because authority is what regulation is all about.

If you’re surprised to hear that the American Lung Association has condemned e-cigarettes, you shouldn’t be. They rake in more than $50 million per year, mostly by leveraging the scare value of tobacco-related lung disease. “Non-profit” or not, the continued solvency of ALA depends largely on the continued popularity of their bête noire, smoking.

The alleged Axis of Anti-Smoking — Big Government and Big Non-Profits — are fully aligned with Big Tobacco on the issue of electronic cigarettes. If we take their claims at face value, smoking kills more than 400,000 Americans per year … and they want to keep it that way.

If you ever find yourself falling for the lie that government is on your side, remember that the FDA and its “private sector” cronies are willing to inflict the equivalent of the 9/11 attacks, 130 times over — every year, year after year — as the price of preserving their own power and profits.

Há prejuizos sociais na educação (II)?

Ocorre-me também outro mecanismo (este mais convuloto) pelo qual a educação possa ser socialmente negativa.

Vamos regressar à teoria que "há grandes externalidades potenciais na criação intelectual ". Mas agora vamos assumir uma hipótese arriscada - que os indivíduos mais dados à "criação intelectual" aprendem melhor lendo livros numa biblioteca pública do que assistindo a aulas formais. Poderíamos sugerir duas razões para isso:

a) As pessoas que passam mais tempo "perdidas nos seus pensamentos" em principio serão mais dadas a produzirem novas ideias do que aquelas mais dadas a concentrar a sua atenção no mundo exterior; mas, sendo pessoas mais viradas para o seu mundo interior do que para o mundo exterior, em principio também serão mais dadas a querer aprender coisas motivadas por "curiosidade interior" do que por exigência externa

b) Muitas vezes as novas ideias surgem como combinação de outras; ora, uma pessoa cuja aprendizagem seja fruto de um currículo formal tenderá a ter um conjunto de conhecimentos semelhantes ao que muitas outras pessoas também têm (porque também aprenderem por esse currículo), logo haverá pouco espaço para fazer novas combinações de ideias (afinal, se há tanta gente com o mesmo conjunto de conhecimentos, é provável que muita gente já tenha descoberto as combinações possíveis que possam ser feitas); pelo contrário, é possível que um autodidacta tenha conhecimentos sobre ramos que não é normal a mesma pessoa conhecer (estilo, electricidade e arqueologia) - assim, a probabilidade de descobrir uma combinação de ideias que ninguém descobriu antes é maior (pelo simples facto de serem poucas as pessoas que conheçam todas as ideias base que serviram para a sua invenção/descoberta)

Agora uma digressão - uma pedopsiquiatra escocesa falecida há algum tempo, Sula Wolff, fez ao longo da sua carreira muitos estudos sobre crianças "esquizóides"*, largamente sintetizados no seu livro Loners; uma coisa que ela concluiu é que a adaptação social e funcional desses indivíduos melhorava significativamente quando deixavam a escola - uma passagem em que ela cita a mãe de um dos seus antigos pacientes (dos tais que basicamente ficou "bom" quando deixou a escola regular): 

"He didn't really enjoy being at school and trying to learn wahat other people wanted him to learn nor the way they tried to do it. He always wanted to go his own way. He hasn't basically changed. It's just easier when you are not at school. (...) [He] is a non-conformist and if press [him] too far, you'll disturb him." (...)

"[there are] a lot of individuals with basically nothing wrong with them but at the extreme of the personality... school adive to insist and conformity (...) really makes matters worse"
Por outro lado, Wolff também faz referência a vários estudos indicando alguma ligação entre brilhantismo intelectual e/ou artístico e tendências esquizóides, concluindo que "a number of eminent scientists, artists and philantropists, as well and eccentrics and recluses, appear to have personality features congruent (...) with the characteristics of our own schizoid/schyzotypal young children", e (como exemplos dessa tese) dedicando um capitulo inteiro a diagnosticar retroactivamente Ludwig Wittgenstein e Opal Witeley como esquizóides.

Bem, e o que é que isso tudo interessa para aqui? É que se aceitarmos os pressupostos que a) pessoas com tendências esquizóides têm dificuldade em adaptar-se ao sistema escolar; e b) há uma associação entre tendências esquizóides e a criatividade intelectual e/ou artística, isso pode sugerir a hipótese que havia proposto uns parágrafos acima: que as pessoas mais dadas à criação intelectual funcionam melhor fora da escola (não necessariamente, já que haver uma correlação entre A e B e entre A e C não implica que haja entre B e C).

Portanto, o meu raciocinio original era que uma externalidade positiva da educação seria através do progresso técnico/científico/intelectual (que beneficia toda a gente); mas, se conluirmos que as pessoas mais dadas à criação intelectual aprendem melhor fora da escola (ou que as pessoas que aprendem fora da escola são mais dadas à criação intelectual - parece a mesma coisa mas não é), então o raciocínio inverte-se - ou melhor, até continua a haver uma externalidade positiva na educação em sentido lato (incluindo auto-educação), mas haverá uma externalidade negativa na escolaridade formal.

Mas será que este ponto é relevante? Penso que não, por duas razões.

Em primeiro lugar, a teoria que propus neste post (recordo: «os indivíduos mais dados à "criação intelectual" aprendem melhor lendo livros numa biblioteca pública do que assistindo a aulas formais») é capaz de ser mais um cliché romântico do que algo solidamente estabelecido.

Em segundo, toda esta discussão (dos benefícios sociais da educação) tem a ver com a questão sobre se justifica "subsidiar" (seja através do Estado ou de patrocínios ou bolsas atribuídas por privados) a educação. Ora se existirem pessoas que preferem aprender e aprendam melhor como autodidactas, duvido que a existência de "cenouras" (bolsas, patrocínios, subsidios, benefícios fiscais, etc.) seja suficiente para os fazer frequentar a escola formal; o que levará uma pessoas dessas a frequentar a escola serão mais os "paus" (escolaridade obrigatória, leis exigindo certas licenciaturas para certas profissões, etc.)


*O "transtorno de personalidade esquizóde" é uma condição caracterizada por "por um retraimento dos contactos sociais, afectivos ou outros, preferência pela fantasia, actividades solitárias e a reserva introspectiva, e uma incapacidade de expressar seus sentimentos e a experimentar prazer"; não confundir com esquizofrenia (os esquizofrénicos normalmente tem esses sintomas, mas têm também alucinações, ouvem vozes, etc.; pelo contrários, os esquizóides têm perfeita noção da realidade, mesmo que não participem muito nela); e, já agora, nem "esquizóide" nem "esquizofrénico" têm NADA A VER com ter várias personalidades.

Há prejuizos sociais na educação?

Aqui, aqui e (mais ou menos) aqui abordei a questão sobre se há benefícios sociais na educação. Agora venho abordar a questão oposta - será que a educação pode ter "externalidades negativas"?

Há pelos menos um modelo que pode implicar isso - a chamada "teoria do sinal"; segundo essa teoria, a verdadeira função da escola não é ensinar; a vantagem de ter um curso (ou, já agora, o 12º ano, ou o 9º, ou a 4ª classe...) não é saber fazer determinadas coisas, mas mostrar (sinalizar) que se é inteligente/trabalhador/etc. o suficiente para ter conseguido tirar esse curso, e que são verdadeiramente essas qualidades que os empregadores procuram, e não o curso em si.

Se esse teoria for verdadeira, poderá haver externalidades negativas na educação - se o verdadeiro objectivo de adquirir instrução é mostrar que se é inteligente/trabalhador/disciplinado/... a educação torna-se largamente um jogo de soma nula - o efeito de adquirir mais instrução é sobretudo mostrar que se é mais inteligente/trabalhador/disciplinado que as outras pessoas, logo o meu beneficio por ser mais instruído é um prejuizo para os outros; e se todos adquirirmos mais instrução, ficamos mais ou menos como estávamos antes - ter o 12º ano passa a "sinalizar" o mesmo que antes a 4ª classe, um mestrado passa a ter um valor semelhante a ter o 12º e a única diferença é que passamos todos mais tempo sem começar a ganhar dinheiro (tal qual como se todas as pessoas num estádio de futebol se levantarem para ver melhor).

Mas será que essa teoria é verdadeira? Eu acho que não (com umas excepções que vou referir mais à frente), sobretudo por uma razão: a maior parte das pessoas não parece concordar com essa teoria (se assim fosse, slogans como "temos que apostar na educação" não teriam o apelo que têm, e mesmo entre os economistas só uma minoria concorda com ela); isto pode parecer a falácia ad populum, mas não é: pelo menos na sua versão mais "hard", o que a "teoria do sinal" diz é que as pessoas vão tirar cursos para mostrar que são mais capazes, e os empregadores pagam mais a quem tenham uma dada formação porque acham que se eles conseguiram obter essa formação é porque são pessoas capazes - ou seja, essa versão teoria implica que as pessoas se comportam conscientemente de acordo com a teoria; mas, se fosse assim, a maior parte das pessoas concordaria com essa teoria.

Claro que podemos desenvolver uma versão soft da "teoria do sinal", em que o processo ocorre de forma inconsciente:

- as pessoas com mais instrução não são mais produtivas por causa da instrução, mas pelas suas qualidades pessoais que levam também a que adquirem mais instrução (como a teoria do sinal preconiza)

- os empregadores pagam mais a pessoas instruídas, não por pensarem "se ele tirou este curso, deve ser trabalhador/inteligente", mas simplesmente por constatarem (sem perderem tempo a pensar na relação causa-efeito) que as pessoas instruídas são mais produtivas em média;

- as pessoas tiram cursos, não para mostrarem que são inteligente/trabalhadoras, mas simplesmente, ou porque querem, ou porque vêm que as pessoas com mais instrução ganham mais

É possivel, mas mesmo assim custa-me a acreditar que os oftalmologistas que tratam dos meus olhos desde os 8 anos fossem capazes de fazer isso se não tivessem ido para uma faculdade de Medicina.

Na verdade, suspeito que deve haver uma espécie de deformação académica nos economistas que defendem a "teoria do sinal": basicamente, há dois tipos de cursos - cursos em que se "aprende coisas" (Sociologia, História, Economia, etc.) e cursos em que se "aprende a fazer coisas" (Engenharia, Medicina, Contabilidade, etc.). Atenção que isto pode parecer a clássica (e a meu ver incorrecta) distinção entre "ciências sociais" e "ciências exactas" mas não é - Gestão é um curso em que se "aprende a fazer coisas", mas, a ser uma ciência, será "social", não "exacta"; não faço ideia se há algum curso nas ciências exactas em que seja mais de "aprender coisas" do que "aprender a fazer coisas", mas é possível que haja (talvez alguns cursos de Zoologia ou Astronomia?) - e um clássico exemplo da diferença entre as duas filosofias académicas é uma anedota comparando dois cursos de "exactas" ("o engenheiro do Técnico sabe porque é que o prédio que construiu caiu; o engenheiro do ISEL não sabe porque o prédio que construiu ficou de pé").

Ora, sendo Economia um curso onde se "aprende coisas", é natural que alguns economistas tendam a minimizar a utilidade, em termos de contributo para a produtividade, da formação académica, já que o curso que eles (nós) tiraram (tiramos) realmente não contribui muito para a produtividade (eu, pelo menos, a única coisa que aprendi no curso que uso no meu trabalho foi em Introdução à Informática, uma cadeira semestral do 1º ano).

No entanto, vejo duas situações em que a teoria do sinal talvez se aplique:

Aplica-se com certeza quando a questão não é "vou estudar mais?", mas sim "vou estudar aonde?" - o principal critério que leva alguém a escolher a universidade X em vez da Y (tanto para estudar, como para contratar empregados) é a Y ter fama de ser fácil e de qualquer um ser lá admitido.

Interrogo-me se não se aplicará também na questão 12º vs. 9º ano (embora essa questão agora tenha acabado) - afinal, no ensino secundário / via de ensino não se aprende quase nada que só por si seja útil na vida laboral (leitores que tenham só o 12º - quantas vezes usaram Os Maias ou os números complexos na vossa vida profissional?), mas penso que há muitos empregos (normalmente de "colarinho-branco") em que se contrata mais facilmente pessoas com o 12º do que com o 9º. Uma hipótese é que seja exactamente uma questão de "sinal" - quem tem o 12º não sabe muito mais coisas "úteis" do que quem tem o 9º, mas é de supor que seja mais inteligente e/ou aplicado; uma hipótese alternativa a essa é que esses 3 anos adicionais de escola contribuam para o desenvolvimento de "soft skills" úteis, como maior flexibilidade mental ou mesmo "hábitos de vida" de classe média.

Há benefícios sociais na educação? (III)

Finalmente, o que talvez seja a razão principal para que um puro mecanismo de mercado pode produzir uma quantidade de educação abaixo do "óptimo social".

Vamos imaginar que não existia um mercado para empréstimos para educação - aí, mesmo que os benefícios (actualizados) de tirar um curso forem maiores que o custo (incluindo custos de oportunidade) de tirar o curso, haverá pessoas que até poderiam ir tirar esse curso se tivessem dinheiro, mas não o vão fazer porque não teriam como se sustentar e pagar as despesas enquanto tiravam o curso.

Nesse caso, a "produção" de pessoas com uma dada formação seria inferior ao "óptimo" (já que o custo marginal de "produzir", digamos, um anestesiologista seria inferior ao beneficio marginal de um anestesiologista - medido pelo acréscimo de rendimentos que um anestesiologista teria - mas mesmo assim esse anestesiologista não seria formado).

Mas esta condição que estou a colocar (inexistência de um mercado eficiente de empréstimos à educação) é realista? Acho que sim:

- em primeiro lugar, os empréstimos à educação que existem actualmente são largamente incentivados pelo Estado, pelo que é provável que muitos não existissem num "mercado livre"

- em segundo, um empréstimo à educação que verdadeiramente não criasse "constrangimentos de tesouraria" ao benficiários seria um que durante o curso pagasse, não só livros e propinas, mas também o equivalente ao ordenado que o beneficiários receberia se estivesse a trabalhar em vez de a estudar (ou talvez um valor um pouco abaixo, assumindo que estudar é mais divertido que trabalhar) e que, depois, pudesse ser amortizado em suaves prestações durante 20 ou 30 anos - ou seja, um empréstimo que cobrisse todo o custo da educação, e tivesse um prazo de amortização comparável ao perído em que a educação gera rendimentos (que é basicamente o tempo de vida activa do individuo). Posso estar enganado, mas penso que não são frequentes os empréstimos com essas condições.

Mas porque é que o mercado de financiamento da educação tem esses constrangimentos?

Penso que uma das razões é que nunca se vê anúncios dizendo "Leilão - Licenciatura em Economia, média de 13 valores, tirada no ISEG em 1995. Os interessados poderão consultar o certificado de habilitações entre as 10 e as 18 horas, aos dias de semana. Base mínima de licitação: 2.000 euros". Ao contrário de uma casa, não é possivel hipotecar um curso, para ser vendido em leilão caso o devedor não pague o empréstimo (talvez a engenharia genética, usando genes de planária, possa um dia permitir isso).

Além disso, se estivéssemos a falar de empréstimos a 30 anos, estaríamos a falar de um investimento com uma elevada incerteza (a juntar ao risco da ausência de bens penhoráveis) - mesmo que tenhamos uma ideia do retorno financeiro médio de uma dada licenciatura, há uma grande incerteza sobre o percurso que um individuo específico vai fazer, ainda mais durante décadas. E empréstimos não costumam ser uma boa maneira de financiar investimentos com uma grande incerteza - já que o banco tem perdas nos casos em que a coisa corre pior do que o esperado, e não tem nenhum ganho adicional quando corre melhor que o esperado (só recebe o juro contratualizado). Uma alternativa seria os estudantes que tivessem recebido o empréstimo pagarem, não a clássica amortização+juros, mas sim um percentagem do seu rendimento (creio que Milton Friedman chegou a sugerir um sistema desses); aí o tal problema desaparecia - o banco perdia nos casos que corriam pior que o esperado, mas tinha lucros extras no que corriam melhor que o esperado - mas em compensação este sistema tem o mesmo problema dos impostos sobre o rendimento: em principio reduzirá os incentivos ao trabalho das pessoas abrangidas por ele (já que quanto mais ganham, mais terão que pagar ao financiador).

Diga-se que, antes do aparecimento do ensino gratuito, não me parece que se tenha chegado a desenvolver um mercado relevante de empréstimos à educação, seja na variante "juros", seja na variante "participação no rendimento" (há uma história de Arthur Conan Doyle que envolve alguém com um fortuna misteriosa ter pago o curso a um estudante de medicina, em troca de metade dos seus rendimentos, e, quando sabe do negócio, Sherlock Holmes comenta algo como "que negócio invulgar" - o que indica que isso não era frequente). O que havia era, isso sim, uma grande tradição de instituições ou pessoas ricas pagarem, a fundo perdido, a educação de "jovens promissores" - desde o proprietário rural que pagava os estudos do filho do caseiro até às universidades que atribuíam bolsas a bons alunos de baixos rendimentos, passando pelos seminários da Igreja.

Já agora, a respeito da teoria de Friedman de que não se justifica subsidiar os estudos por outras razões que não as de equidade, estando errada, não deixa de estar certa: é errado dizer que se não subsidiasse os estudos não iria haver problemas de eficiência, apenas de equidade; mas seria correcto dizer que é largamente por questões de equidade que se justifica subsidiar os estudos - já que é muito por questões de equidade (ou falta dela) que surge o problema que discuto neste post: quanto mais desigualitária for a distribuição da riqueza, maior será a tendência para haver pessoas que não têm dinheiro para financiarem os seus estudos e precisam de empréstimos/subsídios/bolsas/patrocínios (o que parece bater certo com o facto de, por norma, as sociedades mais igualitárias terem maiores níveis de crescimento económico).

Há benefícios sociais na educação? (II)

Outra situação em que há uma espécie de externalidades na educação é em situações tipo-Qwerty:

Imagine-se que, como num país há poucos engenheiros químicos, instalam-se poucas empresas químicas; como há pouca indústria química, os estudantes seguem pouco o curso de engenharia química. Numa situação destas, um pais pode ficar "preso" numa economia dominada por actividades de baixa qualificação (ou sair de lá lentamente), pelo que a subsidiação do ensino pode acelerar o desenvolvimento económico.

Há um argumento que pode ser dado contra este modelo, mas acho que na prática ele é largamente válido. Para explicar, quer o contra-argumento, quer o contra-contra-argumento, vou recorrer a um exemplo.

Imagine-se dois países (regiões, cidades...): em Asgarth, há muita indústria química e muitos licenciados em engenharia química; em Shamballa, há pouco de ambos, e esta situação reproduze-se pelo mecanismo descrito nos primeiros parágrafos.

Agora, o contra-argumento: não há nenhuma razão para as indústrias químicas preferirem instalar-se em Asgarth do que em Shamballa - afinal, em Asgarth há mais engenheiros, mas também há mais empresas a concorrer por mão-de-obra, logo não é líquido que seja mais vantajoso abrir um fábrica em Asgarth; também não há necessariamente razão para mais pessoas em Asgarth tirarem o curso de engenharia química - é verdade que lá há mais empresas do ramo, mas também há mais gente à procura de trabalho no ramo, logo, de novo, não é liquido que haja mais facilidade de um engenheiro químico arranjar emprego em Asgarth do que em Shamballa.

Para o contra-contra-argumento, vamos regressar ao século XIX e a Alfred Marshall:
Uma indústria localizada obtém uma grande vantagem de oferecer um mercado constante para os ofícios. Os empregadores tendem a se dirigir a qualquer local onde saibam ser possivel fazer uma boa selecção de trabalhadores com a habilidade específica de que necessitam; enquanto homens à procura de emprego naturalmente vão aos lugares onde existem muitos empregadores que têm necessidade das suas habilidades e onde, consequentemente, é possível encontrar um bom mercado. O proprietário de uma fábrica isolada, mesmo que tenha bom acesso a uma copiosa oferta de mão-de-obra, é muitas vezes obrigado a grandes deslocamentos por falta de mão-de-obra especializada; e o trabalhador especializado, quando perde o emprego em um desses lugares, não tem um refúgio fácil (Principles of Economics).
Para aqui, o que interessa é sobretudo a última frase: a facilidade de arranjar, na indústria química, quer emprego, quer empregados, até pode ser, em média ao longo tempo, similar em Asgarth e em Shamballa, mas o mercado de trabalho em Shamballa será muito mais instável do que em Asgarth, com longos períodos em que uma empresa não consegue substituir um trabalhador que se reformou, e também com longos períodos em que um trabalhador de uma empresa que fechou não consegue arranjar outro emprego (pondo as coisas de outra maneira - o salário de um engenheiro químico até pode ser igual em Asgarth e Shamballa, mas a volatilidade ao longo do tempo será muito maior em Shamballa, o que não é benéfico nem para empregados nem para empregadores).

Assim, será muito mais atractivo, quer abrir um indústria química, quer tirar um curso de engenharia química em Asgarth do que em Shamballa. Mas, se em Shamballa se começar a subsidiar a formação de engenheiros químicos, a sua quantidade aumentará, tornando mais atractiva a implementação de indústrias, podendo originar um ciclo vicioso de desenvolvimento que leve Shamballa ao nível de Asgarth.

Note-se que este argumento a favor da subsidiação do ensino não implica que essa subsidiação seja dirigida a algum sector específico (como no exemplo com a engenharia química) - uma politica geral de subsidiação do ensino irá aumentar a quantidade de profissionais qualificados em vários ramos, criando condição para que pelo menos nalguns esse aumento das qualificações dê origem ao tal ciclo vicioso de desenvolvimento (com a vantagem extra de não serem necessários peritos do Ministérios da Educação e da Economia a tentarem adivinhar quais os sectores a "apostar").

Há benefícios sociais na educação?

Ali em baixo, PR comenta:

"A ideia de que a educação traz benefícios para a sociedade é de facto generalizada mas eu não encontro grandes externalidades [O Milton Friedman dizia mesmo que não havia nenhuma e que por isso não se justificava subsidiar os estudos por outras razões que não as de equidade)".
À primeira vista, o argumento acerca dos benefícios sociais da educação parece evidente: alguém com uma dada formação (digamos, um engenheiro químico) beneficia-se, não apenas a si, mas também as pessoas para quem trabalha (patrões ou clientes), eventualmente também os seus colegas de trabalho (se a sua formação for complementar à deles), etc. Mas, se pensarmos um pouco, isso passa-se em qualquer transacção comercial: alguém que decide ir vender gelados para a praia também beneficia os seus clientes além de ele próprio. Ou seja, só por aí não há nenhuma "externalidade" no sentido económico (no fundo, só há uma "externalidade" quando o benefíco marginal é maior que o preço cobrado). Assim, que externalidades poderá haver no investimento em educação?

Do ponto de vista teórico, consigo imaginar três (note-se que isto é apenas uma especulação teórica - não estou a dizer que estes efeitos existam na realidade, nem que não existam...).

Em primeiro lugar, há grandes externalidades potenciais na criação intelectual - uma ideia só precisa de ser tida uma vez e por uma pessoa para estar disponível para toda a gente (incluindo as gerações futuras). Ora, a formação académica (ou algo equivalente) não é condição suficiente para a tal criação intelectual (longe disso - um individuo pode saber tudo sobre física que isso não quer dizer que alguma vez vá inventar ou descobrir uma nova teoria no ramo), mas é uma condição quase necessária - para alguém "inventar" a teoria da relatividade tem que conhecer previamente as equações de Maxwell, umas fórmulas lagrangeanas, que a velocidade da luz é (?) constante, etc. Assim, quanto mais gente formada existir, maior é a probabilidade de serem feitas novas descobertas e/ou invenções (e não refiro apenas ao campo cientifico/tecnológico).

A problemática do rei Artur

Dragonquest; or, A Voyage to Arcturus, por Roderick T. Long, sobre a questão da existência do rei Arthur. Long levanta uma questão interessante (que imagino que se poderá também aplicar a outras figuras, como Robin Hood - ou talves até a Jesus Cristo? - ou mesmo a criaturas como o Yeti) - não só não há certeza sobre a sua existência, como não há certeza sobre o que contaria como "existência"; isto é, qual o grau de semelhança que um senhor da guerra bretão da Alta Idade Média teria que ter com a lenda para podermos considerar que estávamos em presença do "rei Artur"?

Long também sugere que Artur, a ter existido, talvez não fosse um "rei", mas sim apenas o comandante militar de uma aliança de chefes celtas; nomeadamente a ideia de uma "Távola Redonda" onde era suposto os cavaleiros sentarem-se em pé de igualdade faria mais sentido assim do que se estivéssemos a falar de um rei e seus vassalos (mas é possível que sejam as posições políticas de Long - uma espécie de "anarco-capitalista de esquerda", se é que isso faz sentido - o estejam a inclinar para a ideia de Artur ter sido simplesmente uma espécie de "coordenador" de uma confederação voluntária entre iguais).

Já agora, também The Origins of the Arthurian Legend [pdf], por Geoffrey Ashe (provavelmente o único historiador mais ou menos sério inclinado para a existência histórica do rei Artur). A tese de Ashe: Geoffrey de Monmouth, na sua Historia Regum Britanniae, refere que o rei Artur teria combatido na Gália ao lado dos imperadores Leo e Lucius e do papa Sulpicius contra os germanos; ora, a História desconhece completamente o "imperador Lucius" e o "papa Sulpicius"; no entanto, houve um imperador romano do oriente chamado Leo, que reinou mais ou menos no mesmo tempo que o imperador do ocidente Lucerius e que o papa Simplicius. E no tempo de Leo-Lucerios-Simplicius, houve efectivamente um chefe bretão (Riothamos) que lutou ao lado dos Romanos contra os Visigodos e os Burgúndios (embora não seja muito claro se era um "bretão" da Grã-Bretanha, da Bretanha ou das duas). Assim, a conclusão de Ashe é que "Lucius" e "Sulpicius" eram, na realidade, "Lucerius" e "Simplicius", e que "Riothamus" e "Artur" seriam a mesma pessoa; esse explicação têm é um incoveniente: poria é a existência do rei Artur cerca de meio século antes de grande parte dos acontecimentos em que as lendas clássicas o colocam.

Gerar e gerir alternativas económicas a partir de baixo

O meu artigo publicado na edição portuguesa do Le Monde Diplomatique de Julho:


Gerar e gerir alternativas económicas a partir de baixo

As crises repetem-se e, com elas, as declarações de que elas podem ser uma oportunidade para corrigir problemas sistémicos que afectam as economias e as sociedades. Mas pouco ou nada se faz, mesmo ao nível da tão anunciada regulação dos mercados e do sistema financeiro. No entanto, por muito que isso não agrade ao pensamento único neoliberal, olhar para as crises passadas pode fornecer elementos úteis para juntar às medidas económicas a partir de cima, que tardam em chegar, esboços de alternativas criadas a partir de baixo. É o caso das «moedas locais» e das empresas «recuperadas», como aconteceu até no Norte de Portugal. Experiências locais e parciais, por certo, mas cujo êxito abre caminhos que importa conhecer e aprofundar.

[Ler o resto no Vias de Facto]

Sunday, September 19, 2010

«Vocês têm um problema e precisam de falar connosco sobre isso, mesmo que não queiram»

Parece que os tais mineiros chilenos por vezes têm se recusado a falar com a equipe de psicólogos que foi destacada para os acompanhar, argumentando que não têm problema psicológico nenhum; a reacção dos psicólogos tem sido cortar-lhes o acesso à televisão quando os mineiros não querem falar com eles.

We know best: doctors tussle with miners [Via Marginal Revolution]:

Monitoring the mental health of the miners is itself a challenge. For the initial two weeks after they were found alive, the miners assented to daily hour-long conference calls, in which psychologists peppered them with questions in an attempt to build a profile of the group and the individual members.

As the miners regained weight and strength, however, their antagonism to the daily sessions increased. ''If there is one group that is not exactly disposed to psychologists it is miners,'' said Dr Rodrigo Figueroa, a psychiatrist with Chile's Catholic University who was hired by the Chilean government to monitor the mental health treatment.

(...)


In an effort to dominate the miners, the team of psychologists led by Mr Iturra has instituted a series of prizes and punishments. When the miners behave well, they are given TV and mood music. Other treats - like images of the outside world are being held in reserve, as either a carrot or a stick should the miners become unduly feisty.

In a show of strength, the miners have at times refused to listen to the psychologists, insisting that they are well. ''When that happens, we have to say, 'OK, you don't want to speak with psychologists? Perfect. That day you get no TV, there is no music - because we administer these things,''' said Dr Diaz. ''And if they want magazines? Well, then they have to speak to us. This is a daily arm wrestle.''
 [Post publicado também no Vias de Facto; podem comentar lá]

Thursday, September 16, 2010

O problema da dívida externa

Até há pouco tempo, eu estava convencido que, num país integrado numa moeda única, não havia qualquer problema em ter dívida externa, e que o conceito de "dívida externa" nem fazia grande sentido nesse caso.

Actualmente, acho que estava errado - mesmo numa moeda única, há problema se o Estado, individuos e/ou empresas deverem muito ao exterior: pode-se facilmente caír num ciclo vicioso de endividamente-deflação-endividamento.

Imagine-se que, num país, por qualquer razão, os preços baixam - em principio isso aumenta a procura externa (as exportações tornam-se mais competitivas) e nenhuns ou quase nenhuns efeitos tem sobre a procura interna (aumenta a riqueza real de quem tem dinheiro ou é credor de dívidas e diminui a dos devedores, sem efeitos sobre a riqueza global).

Mas agora imagine-se que a maior parte das dívidas dos nacionais é ao estrangeiro - nesse caso, uma redução dos preços levará a que, em termos reais, a divida ao estrangeiro (e os juros pagos) aumente; e como essa aumento diminui o rendimento disponível interno, faz também reduzir a procura interna.

Ora, se o endividamento for tão grande que este efeito seja maior que o efeito do aumento da procura externa, temos o tal ciclo vicioso: a redução dos preços faz reduzir a procura, o que por sua vez faz os produtores reduzirem ainda mais os preços, aumentando ainda mais o valor real da dívida e reduzindo ainda mais o rendimento disponível e a procura, num processo que talvez só acabe à medida que os devedores vão falindo (acabando-se assim a dívida).

Dizendo as coisas de outra maneira, podemos concluir que uma elevada divida externa leva a que, a partir de certa altura, a curva da "procura agregada" fique inclinada para trás - em vez do cenário clássico, em que quanto menor os preços maior a procura, temos um cenário em que menores preços levam a menos procura.

Economia de crescimento zero

Aqui e ali têm aparecido referências românticas quanto à possibilidade de uma economia de crescimento zero alegadamente porque os recursos estão a acabar, etc.

As consequências lógicas de crescimento zero é:

- as pessoas deixariam de poupar, consumindo toda a produção
- E assim, não existiria o investimento em aumentando a produtividade (que reduz o número de recursos por output)
- para atingir o pleno emprego, os salários terão de descer até um ponto de equilíbrio (como alternativa a o crescimento permitir pagar os actuais salários a todos)

A possibilidade do crescimento zero ser compatível com aumento de produtividade é manter a produção total só que com menos recursos, o que poderia incluir a diminuição gradual das horas de trabalho por dia.

No final, o argumento dos "recursos estão a acabar" deve ser visto no contexto dos preços, porque se estão a acabar, os preços vão subindo incentivando formas alternativas de utilização na direcção de recursos renováveis (como conceito genérico, pode ser reutilização, etc).

No final, é o consumidor, a sua cultura e valores, que determina a relação entre crescimento de produtividade e a escolha entre maior produção ou menor utilização absoluta de recursos (o que inclui menos horas de trabalho por dia).

Sunday, September 12, 2010

Sobre a Educação Sexual

Os "progressistas" que acham que aulas de educação sexual (ou lá como se chamam) vão reduzir problemas como a gravidez adolescente e os "conservadores" que acham que vão corromper a educação que os jovens recebem na "família" vivem num mundo de fantasia.

Saturday, September 11, 2010

Salazar, democrata-cristão?

O historiador Ribeiro de Menezes defende que "Salazer era um democrata-cristão convicto" (via O Insurgente), ao que Fernanda Cancio responde com o seu artigo "obviamente infame".

A minha opinião sobre o assunto: isso é como dizer que Lenine era um social-democrata - falso no sentido moderno da palavra, mas largamente verdadeiro no sentido (ou, pelo menos, num dos sentidos) que a palavra tinha na época.

Em tempos distantes, um amigo meu que era do CDS (à altura eu era simpatizante do PSR) emprestou-me um livro com a encíclicas papais referentes à doutrina social da Igreja, à democracia-cristã, etc. E, do que me lembro dessa leitura, dá-me a ideia que, no principio do século, "democracia-cristã" era pouco mais que um novo nome para "catolicismo social", ou uma tentativa de criar um catolicismo politico desligado do legitimismo monárquico; essa "democracia-cristã" não tinha muito a ver com o que hoje em dia se chama democracia-cristã, e ainda menos com o que usualmente se chama "democracia" (aliás, num desses textos até dizia qualquer coisa como "podem usar o nome «democracia-cristã», mas cuidado para evitar confusões com a outra «democracia»"; ou seja, a democracia-cristã do principio do século XX era um bocado como as "democracia populares" e as "Republicas Democráticas" da segunda metade desse século); arrisco-me a dizer que só após a II Guerra Mundial é que passa a existir com importância uma "democracia-cristã" claramente alinhada com o que usualmente se chama "democracia" (aliás, o tal historiador lista o "parlamentarismo" entre os inimigos da "democracia-cristã")

Diga-se que se formos escavar as fundações de alguns partidos democratas-cristãos modernos, não é difícil encontrar alicerces anti-democráticos (e anti-liberais, anti-socialistas, etc). Um exemplo - em tempos falou-se muito da entrada da extrema-direita no governo austríaco; mas o próprio partido austríaco da direita "moderada" e "boazinha", o democrata-cristão Partido Popular, mais não é que a "reactivação" do Partido Social-Cristão de Karl Lueger e Dolfuss (seguir os links para quem não saiba do que estou a falar).

De qualquer forma, penso que é melhor chamar Salazar, p.ex., de "católico social", ou talvez de "social-cristão", do que de "democrata-cristão", para evitar as confusões em volta do "democrata".

[Artigo publicado no Vias de Facto; podem comentar lá se quiserem]

Thursday, September 09, 2010

Anarquismo subconsciente mundano

Lucia Crespo, no jornal de negócio, escrevendo a propósito da lista de "Os mais poderosos da economia portuguesa" diz:

"Dizem que ele corrói. O poder. Que é uma máscara que faz cair as outras máscaras. Que desmascara. Dizem mesmo que a melhor forma de conhecer uma pessoa é dar-lhe poder. E o modo de a conhecer ainda melhor é tirar-lhe esse mesmo poder"

Stephen Hawking - a gravidade é Deus?

"...Professor Stephen Hawking argues that the Big Bang, rather than occurring following the intervention of a divine being, was inevitable due to the law of gravity."

"...Because there is a law such as gravity, the universe can and will create itself from nothing"

Dado que a força da gravidade entre massas (o que leva a massa a atrair massa) ainda encerra muitas questões em aberto, talvez a teologia deva responder sobre como a gravidade possa ser uma manifestação de Deus.

Hawking parece, a confirmar pela leitura do seu novo livo, que a não-existência se torna em existência devido à gravidade. Claro que outra questão é como a vida e a consciência de vida toma lugar, e depois, como um ser moral sai disso tudo.

Wednesday, September 08, 2010

Somália: o padrão-"papel impresso"

O paper Somalia After State Collapse: Chaos or Improvement?, publicado pelo Independent Institute, contem alguma informação sobre a Somália em 2006 (não sei se se terá alterado muito nos últimos 4 anos).

Uma parte que achei particularmente interessante foi o sistema monetário - com o colapso do Estado, a Somália não regressou ao padrão-ouro, ou mesmo ao padrão-camelo (como os ancaps poderiam esperar), nem a um sistema de moedas locais geridas por um sistema de democracia participativa (como os ansocs poderiam esperar).

O que aconteceu foi que as notas que haviam sido emitidas pelo Estado somali até 1990 continuam a circular, e alguns "senhores da guerra" emitem notas (mais ou menos) idênticas a essas; mas, no caso das notas "novas", só são aceites aquelas que sejam em denominações que já existissem antigamente (isto é, se alguém lançar no mercado notas no valor de "100.000 xelins", ninguém as vai aceitar).

O resultado é que o valor do xelim somali acabou por estabilizar no custo de produção das notas (nesse valor, não compensa imprimir mais notas, já que as notas valeriam o mesmo que custava produzi-las) - em 2001, uma nota de 1.000 xelins atingiu um valor equivalente a US$0,04, que é o custo de produzir uma nota. Desde 2001 até 2006 (quando foi escrito o artigo), não parece ter havido inflação visível na Somalia.

Vendo as coisas de uma certa maneira, isso não será muito diferente do que acontecerá com qualquer dinheiro-mercadoria (seja ele ouro, prata, camelos, sal, cigarros, carapaus em conserva ou cacau) - o valor do dinheiro será determinado pelo preço da mercadoria que lhe serve de base.

[No entanto, creio que há uma diferença entre usar como moeda produtos com uma oferta largamente inelástica - como ouro ou prata - ou produtos com uma oferta largamente elástica - como papel-impresso ou sal; talvez um dos meus próximos posts seja sobre isso] 

Fuck the South

Não é por concordar ou discordar, mas esta carta (por um americano democrata/esquerda) a expressar-se de forma politicamente incorrecta consegue ser brilhante e hilariante. Via shanerichmond:

November 3, 2004

"Fuck the South. Fuck 'em. We should have let them go when they wanted to leave. But no, we had to kill half a million people so they'd stay part of our special Union. Fighting for the right to keep slaves - yeah, those are states we want to keep.

And now what do we get? We're the fucking Arrogant Northeast Liberal Elite? How about this for arrogant: the South is the Real America? The Authentic America. Really?

Cause we fucking founded this country, assholes. Those Founding Fathers you keep going on and on about? All that bullshit about what you think they meant by the Second Amendment giving you the right to keep your assault weapons in the glove compartment because you didn't bother to read the first half of the fucking sentence? Who do you think those wig-wearing lacy-shirt sporting revolutionaries were? They were fucking blue-staters, dickhead. Boston? Philadelphia? New York? Hello? Think there might be a reason all the fucking monuments are up here in our backyard?

No, No. Get the fuck out. We're not letting you visit the Liberty Bell and fucking Plymouth Rock anymore until you get over your real American selves and start respecting those other nine amendments. Who do you think those fucking stripes on the flag are for? Nine are for fucking blue states. And it would be 10 if those Vermonters had gotten their fucking Subarus together and broken off from New York a little earlier. Get it? We started this shit, so don't get all uppity about how real you are you Johnny-come-lately "Oooooh I've been a state for almost a hundred years" dickheads. Fuck off.

Arrogant? You wanna talk about us Northeasterners being fucking arrogant? What's more American than arrogance? Hmmm? Maybe horsies? I don't think so. Arrogance is the fucking cornerstone of what it means to be American. And I wouldn't be so fucking arrogant if I wasn't paying for your fucking bridges, bitch.

All those Federal taxes you love to hate? It all comes from us and goes to you, so shut up and enjoy your fucking Tennessee Valley Authority electricity and your fancy highways that we paid for. And the next time Florida gets hit by a hurricane you can come crying to us if you want to, but you're the ones who built on a fucking swamp. "Let the Spanish keep it, it’s a shithole," we said, but you had to have your fucking orange juice.

The next dickwad who says, "It’s your money, not the government's money" is gonna get their ass kicked. Nine of the ten states that get the most federal fucking dollars and pay the least... can you guess? Go on, guess. That’s right, motherfucker, they're red states. And eight of the ten states that receive the least and pay the most? It’s too easy, asshole, they’re blue states. It’s not your money, assholes, it’s fucking our money. What was that Real American Value you were spouting a minute ago? Self reliance? Try this for self reliance: buy your own fucking stop signs, assholes.

Let’s talk about those values for a fucking minute. You and your Southern values can bite my ass because the blue states got the values over you fucking Real Americans every day of the goddamn week. Which state do you think has the lowest divorce rate you marriage-hyping dickwads? Well? Can you guess? It’s fucking Massachusetts, the fucking center of the gay marriage universe. Yes, that’s right, the state you love to tie around the neck of anyone to the left of Strom Thurmond has the lowest divorce rate in the fucking nation. Think that’s just some aberration? How about this: 9 of the 10 lowest divorce rates are fucking blue states, asshole, and most are in the Northeast, where our values suck so bad. And where are the highest divorce rates? Care to fucking guess? 10 of the top 10 are fucking red-ass we're-so-fucking-moral states. And while Nevada is the worst, the Bible Belt is doing its fucking part.

But two guys making out is going to fucking ruin marriage for you? Yeah? Seems like you're ruining it pretty well on your own, you little bastards. Oh, but that's ok because you go to church, right? I mean you do, right? Cause we fucking get to hear about it every goddamn year at election time. Yes, we're fascinated by how you get up every Sunday morning and sing, and then you're fucking towers of moral superiority. Yeah, that's a workable formula. Maybe us fucking Northerners don't talk about religion as much as you because we're not so busy sinning, hmmm? Ever think of that, you self-righteous assholes? No, you're too busy erecting giant stone tablets of the Ten Commandments in buildings paid for by the fucking Northeast Liberal Elite. And who has the highest murder rates in the nation? It ain't us up here in the North, assholes.

Well this gravy train is fucking over. Take your liberal-bashing, federal-tax-leaching, confederate-flag-waving, holier-than-thou, hypocritical bullshit and shove it up your ass.

And no, you can't have your fucking convention in New York next time. Fuck off."

A salvação para os Democratas?

Do Marijuana Ballot Initiatives Help Democrats Win?, por Joshua Green (The Atlantic).

Tuesday, September 07, 2010

As condições para vida inteligente extra-terrestre (e o seu aspecto possivel)

O comentário de um leitor a What Are Alien Species Like? Symmetrical, Solid, and Seeing (Probably) no Science Not Fiction:

Consequently if we want to understand what an alien looks like we must understand the environment they come from.


I could point here to the Drake equation. The drake equation does not have enough variables and needs extra inputs. The implied question is would life occur under different environments than ours? The answer is most likely no. There are a number of very unique circumstances that conspired to produce us.

The key is chemistry. Water is a very good solvent. Hydrocarbons cannot dissolve materials as well and this impedes development of complex life. Also carbon has four places to form bonds allowing complex chains necessary for carbon based life. Silicon also has four bonds and is not as easy to use with water. Extremophiles can survive outside the basic chemistry and environment but are restricted in the optimal growth necessary for intelligent life.

Additionally earths liquid metal core maintained by the low orbit of the moon is a fairly unique planetary event. The liquid core creates a magnetic field protecting us from the suns radiation. The tectonic plate action helps to cool the outer layer enough to support life preventing Venus like greenhouse effects. Additionally black smokers, underwater volcanoes allow life to get started. Tides and seasons allow a repeatable cycle helping evolution.

We also have very circular orbits creating stable environments in order for life to develop. We have Jupiter as a big protector from collisions giving life an average window of 700 million years to develop between impacts. The earth is large enough to produce life without risking mars like atmosphere evaporation or Venus greenhouse. The land mass is large enough for creatures to evolve out of the oceans and develop tools and fire. All of these conditions would have to be replicated in order to produce intelligent life.

Certain characteristics are necessary and have evolved several times taking the same form. Eyes for example have evolved several times and always look the same. It would be safe to assume hearing, taste and smell share this characteristic. Theses sensors are usually located close to the brain and usually some place high. Hands with opposable thumbs would be evident if the aliens evolve from trees which they most likely do.
Assume all these factors could be replicated the question becomes what factors could be different and still have intelligent life. The asteroid that destroyed the dinosaurs could be different. Comparing the Ichthyosaurus and Dolphins is a good example. Both creatures look and perform the same. One is a dinosaur and the other is a mammal. Assuming the underlying architectures roughly parallel our evolution our fellow aliens may be more dinosaur like if they missed an asteroid.

If they have had a few extra asteroids they maybe different again.

If the aliens are more evolved they may be more silicon machines than biological.
The surprise would be how similar to us they really are and probably could even be mistaken for human.
The real difference would be language and culture.

If you want to understand the form of an alien species you have to examine its environment.

Filhos, pais e literatura

Tyler Cowen (e Milan Kudera) aborda(m) de os protagonistas dos romances frequentemente não terem filhos. Nos comentários, alguém levanta a questão de que "it's [not] children per se that are the literary problem, it's the parent child relationship. After all, in children's literature the first thing you have to do is get rid of the parents, either by making the child an orphan (Harry Potter, the Water Babies, Oliver Twist, Star Wars, Great Expectations) or by exiling the children (Narnia)".

O post em sim não tem grande sumo (limita-se a constatar o facto), mas a discussão nos comentários é interessante.

Os gangs reduzem o crime?

More Gangs, Less Crime, por  Russell S. Sobel:

Street gangs, such as the famous Crips and Bloods, are often viewed as a cause of crime and violence. Popular media coverage on TV and in the newspapers often portrays the brutal activities of such gangs. This is understandable for the simple reason that areas with more violent crime also have more youth street gangs. The implication would seem clear: to reduce crime, just break up gangs.
 
However, an article I recently coauthored with Brian J. Osoba, "Youth Gangs as Pseudo-Governments: Implications for Violent Crime," calls this conventional wisdom into question. Our analysis suggests not that gangs cause violence, but that violence causes gangs. In other words, gangs form in response to government's failure to protect youths against violence. The surprising implication of our insight is that efforts to reduce gang activity could actually increase violent crime.

(...)

Applying this concept to street gangs suggests that gangs evolve in response to a high level of pre-existing violence in communities. More important, it suggests that the net effect of gangs is to reduce the level of violence—i.e., if the gangs did not exist, there would be more violent crime. In the end, the threat of gang retaliation prevents some violent crimes that would have otherwise taken place.

(...)

These findings imply that law-enforcement efforts to break up gangs could actually result in more violence. Enforcement efforts that destabilize the gang structures within a city will make it more difficult for gangs to offer protection and will interfere with gangs' ability to make treaties or truces. Indeed, in a separate article, David B. Skarbek and I, using a different data set, found that, as police budgets devoted to gangs increased, holding other factors constant, gang drive-by shootings per capita rose

Friday, September 03, 2010

"O Livro Negro de Deus"?

Em tempos pensei em escrever um texto com este titulo indo à biografia autorizada de Deus e ver quantas pessoas ele matou (e depois eventualmente comparar com Hitler, Estaline, Mao, etc.).

Mas entretanto achei aqui (via Marginal Revolution) uma contagem já feita (no contexto de uma comparação entre Deus e o Diabo):

How many people did God kill in the Bible?

It's impossible to say for sure, but plenty. How many did God drown in the flood or burn to death in Sodom and Gomorrah? How many first-born Egyptians did he kill? There's just no way to count them all. This list doesn't include those figures.

SAB, Brick Testament Number Killed Cumulative Total
Lot's wife for looking back Gen.19:26, BT 1 1
Er who was "wicked in the sight of the Lord" Gen.38:7, BT 1 2
Onan for spilling his seed Gen.38:10, BT 1 3
For dancing naked around Aaron's golden calf Ex.32:27-28, 35, BT 3000 3003
Aaron's sons for offering strange fire before the Lord Lev.10:1-3, Num.3:4, 26:61, BT 2 3005
A blasphemer Lev.24:10-23, BT 1 3006
A man who picked up sticks on the SabbathNum.15:32-36, BT 1 3007
Korah, Dathan, and Abiram (and their families) Num.16:27, BT 12+ 3019+
Burned to death for offering incense Num.16:35, 26:10, BT 250 3269+
For complaining Num.16:49, BT 14,700 17,969+
For "committing whoredom with the daughters of Moab" Num.25:9, BT 24,000 41,969+
Midianite massacre (32,000 virgins were kept alive) Num.31:1-35, BT 90,000+ 131,969+
God tells Joshua to stoned to death Achan (and his family) for taking the accursed thing. Joshua 7:10-12, 24-26, BT 5+ 131,974+
God tells Joshua to attack Ai and do what he did to Jericho (kill everyone). Joshua 8:1-25, BT 12,000 143,974+
God delivered Canaanites and Perizzites Judges 1:4, BT 10,000 153,974+
Ehud delivers a message from God: a knife into the king's belly Jg.3:15-22, BT 1 153,975+
God delivered Moabites Jg.3:28-29, BT 10,000 163,975+
God forces Midianite soldiers to kill each other. Jg.7:2-22, 8:10, BT 120,000 283,975+
The Spirit of the Lord comes on Samson Jg.14:19, BT 30 284,005+
The Spirit of the Lord comes mightily on Samson Jg.15:14-15, BT 1000 285,005+
Samson's God-assisted act of terrorism Jg.16:27-30, BT 3000 288,005+
"The Lord smote Benjamin" Jg.20:35-37, BT 25,100 313,105+
More Benjamites Jg.20:44-46 25,000 338,105+
For looking into the ark of the Lord 1 Sam.6:19 50,070 388,175+
God delivered Philistines 1 Sam.14:12 20 388,195+
Samuel (at God's command) hacks Agag to death 1 Sam.15:32-33 1 388,196+
"The Lord smote Nabal." 1 Sam.25:38 1 388,197+
Uzzah for trying to keep the ark from falling 2 Sam.6:6-7, 1 Chr.13:9-10 1 388,198+
David and Bathsheba's baby boy 2 Sam.12:14-18 1 388,199+
Seven sons of Saul hung up before the Lord 2 Sam.21:6-9 7 388,206+
From plague as punishment for David's census (men only; probably 200,000 if including women and children) 2 Sam.24:13, 1 Chr.21:7 70,000+ 458,206+
A prophet for believing another prophet's lie 1 Kg.13:1-24 1 458,207+
God delivers the Syrians into the Israelites' hands 1 Kg.20:28-29 100,000 558,207+
God makes a wall fall on Syrian soldiers 1 Kg.20:30 27,000 585,207+
God sent a lion to eat a man for not killing a prophet 1 Kg.20:35-36 1 585,208+
Ahaziah is killed for talking to the wrong god. 2 Kg.1:2-4, 17, 2 Chr.22:7-9 1 585,209+
Burned to death by God 2 Kg.1:9-12 102 585,311+
God sends two bears to kill children for making fun of Elisha's bald head 2 Kg.2:23-24 42 585,343+
Trampled to death for disbelieving Elijah 2 Kg.7:17-20 1 585,344+
Jezebel2 Kg.9:33-37 1 585,355+
God sent lions to kill "some" foreigners 2 Kg.17:25-26 3+ 585,358+
Sleeping Assyrian soldiers2 Kg.19:35, 2 Chr.32:21, Is.37:36 185,000 770,358+
Saul 1 Chr.10:14 1 770,359+
God delivers Israel into the hands of Judah 2 Chr.13:15-17 500,000 1,270,359+
Jeroboam 2 Chr.13:20 1 1,270,360+
"The Lord smote the Ethiopians." 2 Chr.14:9-14 1,000,000 2,270,360+
God kills Jehoram by making his bowels fall out 2 Chr.21:14-19 1 2,270,361+
Ezekiel's wife Ezek.24:15-18 1 2,270,362+
Ananias and Sapphira Acts 5:1-10 2 2,270,364+
Herod Acts 12:23, BT 1 2,270,365+

Ou seja, sem contar com o dilúvio, Sodoma, Gomorra e os primogénitos do Egipto, Deus terá morto 2.270.365 pessoas (hum, sem contar com o Holocausto, quantas terá morto Hitler? E Estaline sem as depurações dos anos 30? E Mao, sem o Grande Salto em Frente e a Revolução Cultural?). Aparentemente, não é muito comparado com as matanças e ditadores do século XX (Deus estará ao nível de um Chang Kai-Shek ou de um Pol Pot, pelos vistos).

Já agora, um comentário que me parece interessante, ainda que não original no conteúdo: "Is it just me or...does it seem that God took a prozac before jumping into the [New Testament].None of these deaths occur in that portion. Why the sudden case of bi-polar disorder?" (para falar a verdade, dá-me a ideia que 3 dessas mortes ocorrem no NT; de qualquer forma, a corriqueira comparação entre o "Deus cruel" do VT com o "Deus bonzinho" do NT esquece que o VT pretende cobrir séculos, enquanto o NT se passa em pouco mais de 30 anos; provavelmente não seria difícil pegar no VT e extrair uma parte cobrindo 30 anos em que Deus até fosse compassivo - p.ex., quando os hebreus andaram vagueando pelo deserto e Deus mandava-lhes "maná").