Monday, May 30, 2011

Quando a Grécia entrar em incumprimento

What happens when Greece defaults, por Andrew Lilico (Telegraph, via Business Insider):

[P]resumably we will now see either another Greek bailout or default within days.

What happens when Greece defaults. Here are a few things:

- Every bank in Greece will instantly go insolvent.

- The Greek government will nationalise every bank in Greece.

- The Greek government will forbid withdrawals from Greek banks.

- To prevent Greek depositors from rioting on the streets, Argentina-2002-style (when the Argentinian president had to flee by helicopter from the roof of the presidential palace to evade a mob of such depositors), the Greek government will declare a curfew, perhaps even general martial law.

- Greece will redenominate all its debts into “New Drachmas” or whatever it calls the new currency (this is a classic ploy of countries defaulting)

- The New Drachma will devalue by some 30-70 per cent (probably around 50 per cent, though perhaps more), effectively defaulting 0n 50 per cent or more of all Greek euro-denominated debts.

- The Irish will, within a few days, walk away from the debts of its banking system.

- The Portuguese government will wait to see whether there is chaos in Greece before deciding whether to default in turn.

- A number of French and German banks will make sufficient losses that they no longer meet regulatory capital adequacy requirements.

- The European Central Bank will become insolvent, given its very high exposure to Greek government debt, and to Greek banking sector and Irish banking sector debt.

- The French and German governments will meet to decide whether (a) to recapitalise the ECB, or (b) to allow the ECB to print money to restore its solvency. (Because the ECB has relatively little foreign currency-denominated exposure, it could in principle print its way out, but this is forbidden by its founding charter. On the other hand, the EU Treaty explicitly, and in terms, forbids the form of bailouts used for Greece, Portugal and Ireland, but a little thing like their being blatantly illegal hasn’t prevented that from happening, so it’s not intrinsically obvious that its being illegal for the ECB to print its way out will prove much of a hurdle.)

- They will recapitalise, and recapitalise their own banks, but declare an end to all bailouts.

- There will be carnage in the market for Spanish banking sector bonds, as bondholders anticipate imposed debt-equity swaps.

- This assumption will prove justified, as the Spaniards choose to over-ride the structure of current bond contracts in the Spanish banking sector, recapitalising a number of banks via debt-equity swaps.

- Bondholders will take the Spanish Banking Sector to the European Court of Human Rights (and probably other courts, also), claiming violations of property rights. These cases won’t be heard for years. By the time they are finally heard, no-one will care.

Critica televisiva II - "Spartacus, sangue e arena"

A série consegue apresentar o seu protagonista como um personagem completamente irritante.

Crítica televisiva - "O evento"

Uma conspiração tão poderosa, com tantos recursos e com ligações a tão alto nível não arranjaria uma maneira mais simples de tentar matar o presidente dos EUA?

Kevin Carson sobre o "Political Compass"

The Political Compass: Don’t Waste Your Time (Center for a Stateless Society):

The quiz explicitly identifies the economic Right with libertarianism and neoliberalism.  The horizontal Left-Right axis, the explanatory page says, is “economic.”  “Margaret Thatcher would be well over to the right, but further right still would be someone like that ultimate free marketeer, General Pinochet.”  The fact that the designers of the quiz refer to “Pinochet, who was prepared to sanction mass killing for the sake of the free market,” and that that they equate support for free markets as a right-wing position, says it all.

Remember the old “Pinochet was politically authoritarian but economically libertarian” canard?  Right.  Pinochet sent soldiers into factories and asked managers to point out union troublemakers for arrest.  The clear intent was to prevent the owners of a “factor of production” — labor power — from exercising full bargaining rights on the market.  Imagine if he’d carried out a similar program of terror against the owners of capital to force them to offer better terms to labor — do you think the designers of this quiz would call that “economically libertarian”? Pinochet took land from the people cultivating it and restored it to a landed oligarchy based on quasi-feudal titles.  He “privatized” taxpayer-funded state property to crony capitalists on sweetheart terms.  Somebody obviously never heard of the distinction between “pro-market” and “pro-business.”

Some of the questions have a “have you stopped beating your wife?” quality to them.  For example:  “Because corporations cannot be trusted to voluntarily protect the environment, they require regulation.”  Or “A genuine free market requires restrictions on the ability of predator multinationals to create monopolies.”
I believe the main reason corporations rape and pillage the environment is that the government is actively intervening to protect them from the consequences of pollution — subsidizing waste, preempting tort liability, and the like.  The main function of government is to subsidize the operating costs of monopoly and enforce the entry barriers that protect monopolies against competition.

But the implicit framing of the questions suggests the government and big business are naturally enemies, with state intervention as the only way to prevent corporate malfeasance.  So how’s a left-wing free marketeer like me, who believes big government props up big business, supposed to answer questions like those?  Given the designers’ preconceptions, there’s no way to answer truthfully without giving a false impression.

And how about this little gem:  “What’s good for the most successful corporations is always, ultimately, good for all of us.”  Want to guess whether an “Agree” or “Disagree” puts you closer to the “free market” end of the spectrum?

The test placed me squarely in the middle of the Economic Left/Right axis.  I suspect my answers cancelled each other out because, while I regard all my positions as perfectly consistent with genuine free market libertarianism (as opposed to being a shill  for big business and the plutocracy), the compass works from the unstated assumption that any critique of corporate power is somehow “anti-business” or “anti-market.”

Sunday, May 29, 2011

Estados paralelos - a solução para Israel/Palestina?

Parallel states: A new vision for peace, por Mark LeVine and Mathias Mossberg (Al-Jazeera):

The language of sharing rather than division has long been associated with a binational or even one-state solution that have both been dismissed because their implementation would effectively mean the end of Israel as a Jewish state. But sovereignty and control can be shared while retaining a two-state structure that allows each side to secure and preserve its unique identity. Specifically, two states could be established in parallel over the same territory, both covering the whole area between the Mediterranean and the Jordan River.

Parallel states

Termed a "parallel states" solution, this concept has been developed over the last four years by a team of Israeli, Palestinian and international scholars, policymakers and even protagonists in the conflict. It is built upon a new understanding of sovereignty that breaks the previously exclusive link with territory, and reorients the basis of identity, citizenship and rights away from land and towards the relation between the state and the individual citizen. Citizenship would follow the citizen wherever she or he may live within the territory of Israel/Palestine, not the territory itself.

Building on existing institutions and frameworks of the Government of Israel and the Palestinian Authority, two parallel states, Israel and Palestine would be established, whose jurisdictions would be extended to Israelis and Palestinian citizens whether they lived in Israel proper, the West Bank, or Gaza.

As sovereignty would no longer be tied to territory, demography would no longer determine the viability of each state, and Jews and Palestinians, and indeed, members of the Diasporas of both societies, could in theory live anywhere within the space of Israel/Palestine without disturbing the basic ethnic composition, and thus character, of either state.

A parallel states structure addresses the core Israeli concerns of remaining Jewish and democratic, while allowing most if not all Israeli settlers to remain in place (although the boundaries of such settlements would be limited to their built up area rather than the much more expansive areas allotted to them under Israeli occupation). At the same time, it addresses the Palestinian need to implement the right of return for Palestinians throughout historic Palestine and be secure on their land.

Moreover, a parallel state structure would allow Israelis and Palestinians to retain their national symbols, have political and legislative bodies that are responsible to their own electorate, and retain a high degree of political independence. Put simply, the contours of political authority and security would be shared by the two states in a manner that guarantees the long-term secure existence of each community, something the Oslo era two-state solution could never achieve.

External security would have to be coordinated in a common security envelope and with a joint Israeli-Palestinian security and defence policy. Internal security would require a close cooperation, as is the case already today, but on a more equal basis.

Economic cooperation could be expanded, and with the help of the international community the Palestinian economy could be brought up to a higher level, so a meaningful and mutually beneficial exchange could take place.

This is particularly important, because the Oslo peace process, while billed as an economic as much as political peace, in fact exacerbated the structural imbalances and inequalities between Israel and the Occupied Territories, in particular through the policy of closures of the Territories that almost destroyed the Palestinian economy.

Jurisdiction could be separate in some areas, harmonised in other and unified in yet some other areas. Parallel jurisdiction is not a novel legal concept and has several international precedents that can serve as models for cooperation between Palestinians and Israelis

Saturday, May 28, 2011

Pode haver ditaduras de esquerda?

O Andé Azevedo Alves e o Nuno Gouveia referem (aparentemente discordando) a posição de que "não há ditaduras de esquerda".

Será que podem haver "ditaduras de esquerda"? A resposta a isso é complicado, sobretudo por uma razão - não é muito claro o que quer dizer "ditadura". Imagino pelo menos 3 sentidos possíveis para a palavra "ditadura":

1 - regime politico em que uma elite (ou, no caso extremo, um individuo) impõe a sua vontade ao povo

2 - regime politico em que não há limites ao poder dos governantes (não há separação dos poderes, "estado de direito", etc.)

3 - as duas coisas ao mesmo tempo (isto é, só será uma "ditadura" se verificar simultaneamente as condições 1 e 2)

Pondo as coisas de outra maneira, qual é o antónimo de "ditadura"? Se formos pelo sentido 1, será "democracia", se formos pelo sentido 2, será talvez "liberdade".

Para complicar ainda mais a questão, hoje em dia muita gente (tanto de esquerda ou de direita, tanto pró como anti-ditaduras...) usa os dois sentidos como equivalentes, sem se lembrar que são conceptualmente diferentes (a conversão actual da direita liberal à democracia e da esquerda radical ao liberalismo de costumes contribui ainda mais para essa confusão, já que diminui a quantidade de pessoas empenhadas em notar que "democracia" e "liberdade" não são forçosamente sinónimos)

Regressando à questão - é possivel uma ditadura de esquerda? Se adoptarmos a definição 1 (e a 3, que implica a 1), possivelmente não - afinal, o dogma fundamental do pensamento de esquerda é o igualitarismo, a ideia que todos devem ter a mesma participação na distribuição da riqueza e na tomada de decisões; desde que se fala em esquerda e direita que a esquerda tem tido como bandeira a participação do maior número de pessoas no processo politico (desde a defesa da supremacia do parlamento sobre o rei - o motivo original da divisão "esquerda/direita" -, passando pela república, o sufrágio universal, o "aprofundamento da democracia participativa", etc.). Ora, um regime em que o poder está nas mãos de uma minoria é a negação disso tudo; o próprio facto de as ditaduras originadas a partir do movimentos de esquerda sentirem a necessidade de terem "democrático" no seu nome (ex. "República Democrática Alemã") demonstrará que há uma contradição intrinsica entre ideias de esquerda e uma ditadura (e por isso os ditadores que se dizem de esquerda têm que fingir que os seus regimes são democracias - pelo contrário, ditadores de direita não tem problema nenhum em defender que cabe aos "grandes homens" liderar as "multidões de medíocres", ou coisa parecida).

Mas, se definirmos "ditadura" pelo sentido 2, já não há nenhuma contradição no conceito de "ditadura de esquerda" - um bom exemplo poderá ser a França durante o Terror, em que um comité responsável perante um parlamento eleito por sufrágio universal mandava cortar cabeças a torto e a direito (mas o regime de Napoleão, uns anos mais tarde, já não seria uma ditadura "de esquerda").

Thursday, May 26, 2011

Sobre a reestruturação da dívida

Este post já é "velho" (tem quase 2 meses, e o autor não tem regressado ao tema) mas lembrei-me dele agora.

Tempo de falarmos um pouco de “corte de cabelo”. E não de “resgate”, por José Manuel Fernandes (Blasfémias):

Mas uma coisa é dizer que não podemos deixar de passar por uma cura de emagrecimento, outra condenar o país a um regime de pão e água sem fim à vista. O que o Governo tem feito PEC atrás de PEC tem sido apenas apertar o cinto sem mudar de hábitos – ora, como sabem todos os que algum dia fizeram dieta, sem mudanças de hábitos a gordurinha regressa com a maior das facilidades. Os credores externos, como se tem visto, também não são capazes de impor – via Fundo Europeu e FMI – mais do que uma dieta louca e sem perspectivas. É por isso que os resgates grego e irlandês não aliviaram a pressão nos mercados da dívida.

Há uma semana, na sequência da demissão do Governo, o Wall Street Journal escrevia em editorial que Portugal “necessita de reformas, não de austeridade”. Só que as reformas defendidas por aquele jornal, se não iludiam alguma austeridade – pois será sempre necessário diminuir as despesas do Estado –, passavam, sobretudo, por criar um ambiente mais favorável à criação de riqueza e ao crescimento. Ora isso não acontece criando novas taxas encapotadas como a que pretende “subsidiar” os futuros despedimentos, antes fazendo diminuir todas as contribuições e impostos que penalizam a criação de postos de trabalho. Ou diminuindo o IRC, aproximando a sua taxa da praticada pela Irlanda, por exemplo, para conseguir atrair investimentos estrangeiros.

Infelizmente, ou talvez não, nunca se conseguirá cortar o suficiente nas despesas, e suficientemente depressa, para conseguir acertar as contas do défice, pagar os juros, começar a amortizar nos nossos gigantescos empréstimos (públicos e privados) e ainda inverter a tendência para continuar a aumentar impostos. Por isso, se queremos ter margem para introduzir reformas pró-crescimento, temos, como defende o Wall Street Journal, de reestruturar a dívida. Para muitos economistas a nossa situação é tal que teremos sempre que fazê-lo, com ou sem reformas – é ler, por exemplo, a entrevista a este jornal, na quarta-feira, de Barry Eichengreen, um ex-consultor do FMI considerado pela The Economistcomo um dos cinco economistas com ideias mais importantes para a pós-crise. Na sua opinião “usar dinheiro do Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira e do FMI para’adocicar’ o acordo com os detentores de obrigações, de modo a fazer esta reestruturação da forma mais ordeira possível, seria melhor do que outro empréstimo de resgate, como os empréstimos iniciais à Grécia e à Irlanda, que negam a necessidade de reestruturação”. Rogoff tem defendido o mesmo.

Mesmo assim falar de reestruturação da dívida continua a ser falar de um tabu. Nenhum político nem nenhum banqueiro quer sequer tocar no assunto. E se se percebe a aversão dos banqueiros – reestruturar a dívida significa deixar de pagar, ou pagar mais tarde, aquilo que devemos –, a aversão dos políticos só se compreende por estes, aqui como em Bruxelas ou em Atenas, se terem especializado em negar a realidade para, julgam eles, não assustarem “os mercados”.

Na gíria dos economistas estas operações de reestruturação têm o curioso nome de “haircut” (corte de cabelo) e significam que os credores assumem como perdida parte dos empréstimos que fizeram. Na prática isso significa, como se escrevia num papper do think tank inglês Open Europe, uma transferência de parte dos custos da austeridade portuguesa dos já muito penalizados cidadãos nacionais para os credores, enviando-lhes também a mensagem de que devem ser mais prudentes quando financiam países estruturalmente deficitários como o nosso. Há muita justiça neste raciocínio, pelo que se pergunta: porque não de discute mais abertamente o cenário de uma reestruturação da dívida, única forma de a nossa economia recuperar algum espaço de respiração?

Julgo que por uma razão psicológica – reestruturar a dívida implica uma bancarrota parcial, e desde 1890 que Portugal não se vê em tal situação – e por o tema desagradar aos nossos credores, com a Espanha e a Alemanha à cabeça. Porém, se este “corte de cabelo” for trabalhado em conjunto com a Irlanda e a Grécia, que já estão a pedir a renegociação das condições dos respectivos resgates, Portugal conseguiria evitar o pior dos problemas, uma reacção muito negativa dos mercados. De resto, depois do que se passou esta semana, é difícil imaginar o que de pior nos poderá acontecer. Mau, mau será ir ao mercado durante o mês de Abril continuando a não olhar ao preço insustentável do dinheiro e fazendo apenas juras de que não necessitamos nem de ajuda, nem sequer de um amparo. Já chega de adiar soluções e tornar cada vez mais difícil uma saída sustentada da crise. Já basta, e cito uma imagem do diário espanhol ABC, de continuar a conduzir pela faixa errada da auto-estrada jurando que todos os outros é que estão enganados.
[Post publicado no Vias de Facto; podem comentar lá]

Wednesday, May 25, 2011

Como agir em caso de um ataque zombie

As recomendações do Center for Disease Control do governo dos EUA.

Tuesday, May 24, 2011

Os empregos mais bem pagos nos EUA

The 15 Highest Paying Jobs In America, na Business Insider. Tirando gestores e advogados, é quase tudo na área médica; é interessante porque há uma lenga-lenga recorrente sobre "a economia moderna é cada vez mais tecnológica levando a um cada vez maior prémio salaria para os profissionais qualificados"; ora, embora efectivamente estes 15 empregos sejam altamente qualificados (excluindo talvez os CEOs), não me parece que sejam especialmente "tecnológicos", o que parece refutar essa explicação (apesar da conversa "os engenheiros informáticos que ganham fortunas em Sillicon Valley graças à revolução tecnológica", "engenheiro informático" não aparece na lista).

Monday, May 23, 2011

Consequências imprevistas no Afeganistão

38 years of unintended consequences, por Ken MacLeod:

In 1973 an Afghan politician called Daoud overthrew his cousin, the king, and proclaimed a republic. In this he had the help of the moderate faction of Afghanistan's communist party, the PDPA, led by Babrak Karmal. The PDPA's base was the large part of Afghanistan's small technical intelligentsia that had been to university in the Soviet Union and seen the future in the bright lights of Tashkent. Under the republic the party reunited and grew somewhat stronger. President Daoud decided in late April 1978 to crush it. Unfortunately for him, the PDPA had enough cadres in the army's officer corps to improvise a coup, and it was Daoud who got crushed. The coup was welcomed by joyous crowds in Kabul, making it the Saur (Spring) Revolution. The revolutionaries set out to reform Afghanistan's feudal countryside, but managed to alienate the peasants, to say nothing of the landlords and mullahs. Faced with increasingly violent opposition, the revolutionaries split along old factional lines between moderates and radicals. The president, Taraki, gave the moderate leader, Karmal, the job of ambassador to Czecheslovakia. Taraki then flew to Moscow, consulted with Brezhnev, and returned with the intention of dealing with the radical leader, Amin. Amin shot Taraki first, and pressed on in the teeth of an escalating insurgency, appealing all the while for Soviet military aid. The US, seeing opportunity, began arming the Afghan counter-revolutionaries. In December 1979 the Soviet Union answered Amin's appeals for aid by moving in troops to stabilise the situation, killing Amin, and installing Karmal.

The US, Pakistan, and Saudi Arabia then massively stepped up their aid to the counter-revolutionaries, and organised the flow of thousands of Muslim militants to Afghanistan. One of these militants was a young civil engineer called Osama Bin Laden. One of his former colleagues said Osama was popular with the mujahadin because of his money and his construction skills, adding almost as an afterthought: 'And of course his pleasant personality!'

The cascade of unintended consequences just keeps rolling along. There seems no reason to think it will now stop.

Friday, May 20, 2011

NATO's Secret Ground War in Libya

NATO's Secret Ground War in Libya

The War on Libya - PART III

In Part I of this text, the events which led up and set the backdrop for the present conflict in Libya were discussed.

Part II examined the central role of media distortion and misinformation in justifying the NATO war on "humanitarian grounds".

The following text examines US-NATO war plans and intelligence operations pertaining to Libya, prior to the onset of the insurrection in Eastern Libya and the adoption of UN Security Council Resolution 1973.

From the outset, the conflict in North Africa was intended to lead into an all out NATO war. The Pentagon and NATO are not only arming the Transitional Council in violation of international law, they also had forces on the ground from the start.

Conformismo e cooperação

Conformity and lack of shame, no blog Dusk in Autumn:

How could pro-social behavior ever emerge without powerful pressures to conform to the set of roles that are there to make sure social life goes along without a hitch?

Well, as it turns out the Anglophone countries are dramatically more pro-social than more conformist, formal, and ritualistic countries such as Japan, Spain, Italy, and -- yes -- France. The OECD recently released a bunch of data on social indicators in the rich countries, one subset of which deal with social cohesion. Only one of these indicators measures a costly action rather than cheap beliefs, so we'll look at that one. At the link, go to section 8 and find the spreadsheet for "Pro- and anti-social behavior." They've already made a visually simple chart that I won't paste here since it would get shrunken too much to be legible.

Their pro-social indicator is just the percent of people who in the past month either volunteered their time, gave money, or helped out a stranger. The average for the OECD is 39% making these small but helpful sacrifices. America leads the world at 60%, with Ireland just a shade behind, followed by Australia, New Zealand, the UK, Switzerland, the Netherlands, and Canada, who score from 54% to 59%. (There is a large drop-off with the next group of countries.) The more formal countries mentioned earlier are much less pro-social: only 31% of the French sacrifice in these ways, 30% of Spaniards, 27% of Italians, and 26% of Japanese.

Is this pattern general? Yes. The OECD report also has a good-enough measure of conformity -- the percent of communities that report some degree of tolerance for minorities, gays, etc. It's not perfect, but it is a measure of how much deviation from the norm is sanctioned. Among the developed countries, here is the relationship between pro-social behavior and tolerance:

The fit is very tight. Spearman's rank correlation is +0.74 (two-tailed p less than 1 x 10^(-7) ).

Thursday, May 19, 2011

Qual a diferença entre "fantasia" e "ficção cientifica"

Isto lembrou-me que há dias dei com uma questão em que nunca tinha pensado - qual é exactamente a diferença entre a "fantasia" e a "ficção cientifica" como géneros literários/cinematográficos?

Uma hipótese que me ocorre - a FC é democrática/socialista/capitalista enquanto a "Fantasia" é aristocrática: em ambos os tipos de história, os personagens conseguem fazer coisas que nós actualmente não conseguimos; no entanto, numa história de FC esses "poderes especiais" (ou, pelo menos, os poderes especiais relevantes para o avanço da narrativa) são poderes a que qualquer pessoa* pode ter acesso, desde que tenha acesso às máquinas/tecnologias que estão por detrás desses poderes; já numa história de Fantasia pelo menos alguns personagens têm poderes intrinsicos a si próprios, que não estão abertos ao "comum dos mortais".

P.ex., na FC qualquer pessoa pode lançar raios... se tiver uma pistola de raios; já na Fantasia se um personagem poder lançar raios, é porque ele tem um poder intrinseco de lançar raios (seja porque nasceu assim, seja porque foi alvo de alguma benção / maldição, etc.).

É verdade que é frequente na FC haver personagens extraterrestres com poderes especiais, mas normalmente esses poderes são coisas que dão colorido à história mas não têm grande influência na narrativa (exemplo - uns cálculos mentais que o Spock fez uma vez, os as metamorfoses periódicas do Dr. Who) - um pouco como o "multiculturalismo" nas sociedades ocidentais (em que a "diversidade" cultural é celebrada, desde que tenha a ver com coisas sem influência real - culinária, danças, etc.).

Por outro lado, tenho certeza que facilmente se arranjará montes de contra-exemplos para a minha teoria, ou situações dificeis de classificar (p.ex, a Guerra das Estrelas é considerada Ficção Cientifica, mas os Jedi e Sith não são simples pessoas normais equipadas com sabres de luz, são pessoas que nascem já com poderes especiais; todavia, dá-me a ideia que esses poderes especiais acabam por funcionar mais como um adereço do que como outra coisa qualquer; para o que interessa para o avanço da narrativa, penso que a diferença entre um Jedi e uma pessoa normal resume-se a serem melhores condutores e espadachins).

*neste post, "pessoa" significa qualquer ser consciente, seja humano, marciano ou elfo

"Literatura séria" vs. Fantasia/Ficção Cientifica

Makers of Worlds, por Roderick T. Long:

Imagine a world – call it Mundavia – in which the dominant genre of literature is one in which plots, dialogue, and setting can be freely invented, but all the characters have to be real people. You can have Napoléon Bonaparte and Lady Gaga rappelling down the side of a Martian volcano while being shot at by Archimedes with a rocket launcher, and all will be well – but invent a nonexistent valet for Napoléon and you will at once be regarded as having abandoned mainstream literature for a specialised genre: call the latter genre Pseudoprosoponic Fiction, or Pseu-Fi.

In Mundavia, the choice to write (or to read) Pseu-Fi is regarded as just that – a choice. People ask why, e.g., Jane Austen and Joseph Conrad write Pseu-Fi, and speculate as to whether they will ever do justice to their obvious talents by switching to the mainstream. Those who write Mundavian Mainstream fiction, by contrast, are never asked why they chose that genre, because it’s not even regarded as a genre; it’s the default, by contrast with which everything else is defined as a genre.

Our world is a lot like Mundavia, with the exception that instead of licensing invented settings while forbidding invented characters, the mainstream fiction of our world licenses invented characters while forbidding invented settings. People your story with imaginary characters, and your work will still be accepted as mainstream; but place your story in an imaginary world (as I just did in inventing Mundavia), and you will be regarded as having chosen a specialised genre – either science fiction or fantasy, depending on the details.

Wednesday, May 18, 2011

Legalizar a heroína

Juan Williams: 'Ron Paul is changing the Republican Party more so than the Republicans Realize'

Juan Williams realça o facto de Ron Paul ter conseguido defender a legalização de drogas incluindo heroína num debate para as primárias republicanas organizado pela Fox News na Carolina do Sul (a very republican state) e... obter uma salva de palmas. Começa aos 3m20s.

Monday, May 16, 2011

Re: Produtividade

Ludwig Krippahl sobre a produtividade: «Uma grande virtude da economia, enquanto ciência, é ter conceitos rigorosos e quantificáveis. Um grande defeito da economia, enquanto política, é dar a esses conceitos o mesmo nome que, na linguagem comum, damos a conceitos diferentes. Um exemplo disto é a “produtividade”» (via A Douta Ignorância).

Concordo com a opinião de Krippahl que a produtividade em economia tem um significado diferente de na linguagem comum; mas não concordo propriamente com grande parte das objecções concretas que ele levanta (há uma que realmente acho importante - "Se a produtividade é calculada, por exemplo, dividindo o PIB pelas horas de trabalho, dizer que a economia cresce porque a produtividade aumenta é como dizer que eu estou mais gordo porque o meu peso aumentou. É uma explicação ilusória porque não exprime uma relação causal. É apenas uma tautologia, assim por definição").

Então, onde eu acho que está o problema da diferença entre a produtividade na linguagem económica e na linguagem comum? Em duas coisas:

1 - Na linguagem comum é usual usar "produtividade" como um sinónimo de "produção", o que leva frequentemente a comentários "temos que pôr esta gente do RSI a trabalhar para subirmos a produtividade", ou "como é que querem que o país seja produtivo com tantos feriados e pontes?". Se a segunda observação ainda poderá fazer algum sentido (se definirmos produtividade como [produção]/[nº de trabalhadores], em vez de como [produção]/[nº horas trabalhadas]), a primeira não faz sentido nenhum (na verdade é de esperar que pôr pessoas pouco qualificadas a trabalhar vá reduzir a produtividade, já que é natural que o numerador aumente menos que o denominar)

2 - na linguagem comum, "produtividade", aplicada a um trabalhador, costuma ser usada para se referir a uma caracteristica intrinseca desse trabalhador - um trabalhador "mais produtivo" é um trabalhador que produz mais do que outro na mesma situação; quando o trabalhador A produz mais que o B por usar ferramentas melhores, não é costume dizer que o A "é mais produtivo"; também não é comum comparar produtividades em diferentes profissões ou sectores - ninguém diz que um médico é mais produtivo que um enfermeiro: o usual é dizer que um enfermeiro é muito ou pouco produtivo em comparação com os outros enfermeiros, e o mesmo para um médico.

Por outras palavras, na linguagem comum, "baixa produtividade" é basicamente usada como sinónimo de "preguiça" e/ou "incompentência".

Agora, há um detalhe - se os economistas (e os jornalistas) fossem 100% rigorosos no uso dos termos, talvez não não haouvesse grande problema; afinal, o termo técnico para "produção por hora trabalhada" é "produtividade aparente do trabalho", mas toda a gente diz apenas "produtividade do trabalho".

Assim, quando a forma simplificada de usar o termo técnico se conjuga com o significado vulgar, a expressão "a produtividade em Portugal é muito baixa" soa como "os portugueses são uns mandriões!".

[Aliás, a tautologia que que Krippahl refere tem provavelmente a sua origem nisso - é verdade que dizer "Portugal é pobre porque tem baixa produtividade" é completamente circular, no sentido económico da palavra "produtividade"; mas para quem está habituado ao uso vulgar, parece uma explicação profunda para o atraso português - "o mal é que somos uns calões")]

Wednesday, May 11, 2011

Re: Os limites naturais à dimensão das empresas

Acerca desta questão (a teoria de que, no mercado é difícil as empresas crescerem muito, porque começam a ter os mesmo problemas de gestão eficiente que uma economia estatizada), eu iria primeiro fazer uma desvio por um assunto aparentemente paralelo - a diferença de visões entre Hayek e Hoppe (e provavelmente Mises) sobre qual o verdadeiro problema de uma economia estatizada[pdf].

Há primeira vista parecem opiniões semelhantes mas no fundo são bem diferentes e têm implicações diferentes; a posição hayekiana é que um sistema de direcão centralizada da economia não funciona porque o conhecimento está disperso por inúmeros indivíduos e um decisor central nunca terá acesso à informação toda; já a visão de Mises (ou pelo menos a que Hoppe lhe atribui) é de que, com a economia nacionalizada, não há verdadeiros mercados de factores de produção, logo não há preços (ou, se há, são preços inventados pelos burocratas), sendo impossível o cálculo económico.

Ora, onde eu quero chegar é que, embora Doug French use os argumentos de Mises para considerar que há limites ao tamanho das empresas (e que as fusão levam à "destruição de riqueza"), tal conclusão faria mais sentido vista pela perspectiva hayekiana.

Pela teoria de Hayek (que as decisões centralizadas tendem a ser más porque os decisores não têm toda a informação), será mais ou menos directa a relação "maior a empresa" > "pior gerida". Já a teoria de Mises (que a inexistência de mercados impede o cálculo económico racional) terá implicações muito diferentes sobre a concentração empresarial:

Em primeiro lugar, a visão hayekiana implicará que os problemas surgem com a dimensão absoluta da empresa - quanto maior a empresa, mais difícil será aos administradores estarem a par de tudo; já a visão miseana parece indicar que o problema estará na dimensão relativa das empresas: se as empresas crescerem mas o mercado também crescer (p.ex., devido a uma maior globalização), a proporção das alocações de bens que continua a ser feita através do mercado (em vez de por decisões administrativas intra-empresa) não se irá reduzir, logo por aí não haverá problema.

Em segundo lugar, o problema não será tanto a grandeza das empresas, mas sim a concentração vertical (ao pôr as transações internas da empresa fora do sistema de preços) - isto é, haverá problemas em uma empresa possuir simultaneamente as fabricas de conservas e os barcos de pesca; mas uma empresa poderá possuir 90% das fábricas de conservas do mundo que (desde que não se meta no negócio dos barcos) não haverá razão para ter problemas de eficiência (afinal, ela continua a comprar o peixe e a vendar as conservas no mercado).

Em terceiro lugar, mesmo que a empresa conserveira possua muitos barcos de pesca, isso não terá problemas relevantes desde que continue a existir um sector independente significativo (de barcos não integrados no grupo e que vendem a sua produção)  - nos seus cálculos internos, a empresa poderá avaliar o seu peixe pelo preço a que este se transacciona no mercado. Só se o sector independente fosse tão pequeno que tornasse o mercado residual é que isso iria afectar o cálculo económico. Ou seja, enquanto o modelo hayekiano implicará, como já disse, um decréscimo gradual de eficiência à medida que a empresa cresce, o modelo miseano implicará mais uma espécie de "stick de hóquei" das "deseconomias de escala", em que a empresa pode crescer (e até integrar-se verticalmente) sem grandes problemas, até se chegar a um ponto em que esse crescimento acabaria por reduzir o mercado à insigificância e aí a eficiência da gestão cairia brutalmente.

Desta forma, parece-me que a visão hayekiana realmente implicará que os próprios mecanismos da economia de mercado não deixarão as empresas crescer muito (já que se irão tornando ineficientes); já a visão miseana parece-me implicar que haverá uma espécie de limite máximo à concentração (quando esta fosse tão grande que "sufocasse" a existência de um verdadeiro mercado de bens de produção e de capital - mantendo o meu exemplo, quando a empresa tivesse integrado verticalmente a pesca e o fabrico de conservas, e ao mesmo tempo tivesse um grau esmagador de concentração horizontal na pesca), mas que, enquanto se mantiverem abaixo desse limite, grandes grupos económicos poderão ir crescendo sem que enfrentem dificuldades de gestão relevantes.

Nota - quando falo em "visão miseana", estou a guiar-me sobretudo pela interpretação que Hoppe dá de Mises no paper linkado logo ao principio.

[Enquanto estava a escrever este post, a minha ideia era sobretudo usá-lo como ponto de partida para talvez me meter nesta conversa; mas também é relevante para aqui]

Sobre capitalismo, "alienação", etc. (incluindo princesas)

Este post de Chris Dillow vem mesmo a propósito desta discussão.

Tuesday, May 10, 2011

Juros do empréstimo do FMI/FEEF entre 5,5 e 6%

Segundo o Diário Económico - há dias falou-se de "entre 3,5% e 4,5%", o que, para falar a verdade, até me pareceu uma pechincha.

Agora, se os juros forem realmente entre 5,5 e 6%, penso que até será mais alto que os juros que a Grécia e a Irlanda estão a pagar.

De qualquer maneira, não faz grande sentido toda esta disucssão que há desde a última semana, se o "plano de ajuda" é bom ou mau sem ainda se saber bem qual vai ser o juro a pagar.

Monday, May 09, 2011

A nova arma secreta do exército norte-americano

Revelada ao mundo pela primeira vez.

A vontade indómita e a sociedade "industrial-burguesa"

Lendo o post d'O Insurgente de André Abrantes Amaral sobre o romance The Fountainhead de Ayn Rand, uma coisa que me ocorre é que o texto não precisava de grandes alterações para soar como aqueles manifestos romanticos "anti-bugueses" dizendo "o que é importante é expressar a nossa criatividade, não o dinheiro ou o reconhecimento social" (a única coisa que falta é a parte de "o dinheiro ou", mas é dificil ganhar dinheiro se os nossos bens ou serviços não forem apreciados pelos outros).*

Também duvido que numa sociedade de pessoas que "acreditam nas suas capacidades e não as desvirtuam para serem reconhecidos, (..) que não aguardam qualquer agradecimento, [a]creditam na criatividade do homem quando não controlada por quem a receia ver fluir, [n]ada esperam dos demais e têm fé em si mesmos" fosse viável a existência de empresas (pelo menos, a partir de uma certa dimensão) - afinal, pessoas com essa atitude dificilmente aceitariam estar numa empresa a fazer coisas de maneira diferente da forma como elas próprias achariam que deveriam ser feitas (o que acontece em qualquer organização, e em principio quanto maior mais acontece); afinal, a atitude de "eu cumpro as politicas da empresa mesmo que pessoalmente não concorde com elas" é uma forma de abdicar da sua individualidade em troca do reconhecimento alheio (note-se que aqueles livrinhos estilo "Como ter sucesso nos testes psicótecnicos" normalmente recomendam "na dúvida, deia a resposta mais normal possível", o que parece indicar que as empresas querem funcionários que se ajustam facimente às expectativas sociais)...

Não que uma sociedade sem empresas ou organizações me incomadasse muito, mas suponho que incomodasse a Rand, com o seu entusiasmo pelos big bussiness; em termos de individualistas radicais, um Lysander Spooner ou um Ted "Unabomber" Kaczinsky (anti-grandes empresas) são muito mais logicamente coerentes (bem, em defesa de Rand, tenho a ideia que ela defendia esse espírito não para toda a gente, mas apenas para uma elite; e uma sociedade em que apenas uma elite tem o tal individualismo que não liga ao reconhecimento social já será compativel com grandes empresas - serão os outros que irão trabalhar nelas como subalternos).

Dois textos (vagamente) sobre o assunto:
*note-se que escrito pela minha pena caneta pelo meu teclado isso não é necessariamente uma crítica

Adenda: convém notar que este post pretende ser um comentário ao post do A.A.Amaral, não à obra de Rand, que nunca li (embora já tenha visto no canal Hollywood um documentário sobre a carreira do Gary Cooper).

Sunday, May 08, 2011

direito de propriedade e a vontade geral

Pelas palavras de Roderick T. Long bem se pode ver que o direito de propriedade se torna crucial para se deduzir um sistema legal a partir de conceitos básicos e de alcance relativamente simples, onde o uso da violência está circunscrito a um mínimo e onde a individualidade se encontra protegida por inerência.

Eu tenho aqui e ali insistido que os direitos negativos e um sistema libertarian podem ser compatíveis com formas de organização colectivas como uma social-democracia assim exista um razoável direito de secessão (caso em que a participação num dado sistema colectivo se pode presumir como voluntário e unânime).

O que vejo difícil é que o caminho contrário possa ser estabelecido. Numa qualquer versão de vontade geral, um sistema legal pode ser o que essa vontade geral determinar, e é impossível de ser deduzido. E isso em si mesmo, à partida constitui uma fraqueza de consistência.

Ainda acerca disto

Um pouco por acaso, deparei-me agora com um texto de Roderick T. Long que acaba por estar ligado à teoria que expus aqui, no quarto parágrafo a contar de baixo:

The reason libertarians accept such strong property rights claims is that, ironically, a) it’s much harder to justify rights to external property (i.e., property beyond self-ownership) in libertarianism than in almost any other moral or political theory, and b) because of this, property rights claims have to be extremely strong in order to get justified in libertarianism at all. (...)

The answer to the first question is that property rights claims, like all rights claims (at least in the sense of “rights” that prevails in political theory), are claims to the legitimate use of force. If I say that Wilhelmina has a property right to her shovel, I am saying not just that it would be morally wrong to deprive her of it, but also that it would be morally permissible for her (or for someone acting on her behalf) to use force to prevent anyone from taking her shovel.

To justify a property rights claim, then, is to justify a claim to the legitimate use of force. And this is generally much harder in libertarian theories than in nonlibertarian ones. After all, nonlibertarians typically endorse the use of force in order to promote all sorts of good causes, so if property rights turn out to be conducive to such causes (as in fact they usually are), then they’ll be fairly easy for a nonlibertarian to embrace. But for libertarians, a basic respect for other people’s moral agency implies that no use of force is justified unless in response to someone’s initiation of force. Hence in order for a scheme of property rights to be justified in a libertarian framework, it must be shown not just that violating such rights has bad results but that violating such rights counts as initiatory force against some person – a much higher bar.

And this in turn means that under libertarianism, rights to external property can be justified, if at all, only as an extension of the right of self-ownership. Only if imposing your will on my stuff counts as (indirectly) imposing your will on me will I, or my agent, be justified in using force to stop you. But by the same token, if external property rights are an extension of self-ownership, then they will have to be much harder to override (assuming self-ownership is hard to override) than if they derived from some less sacred source. Hence libertarianism has to endorse either very strong property rights claims or no property rights claims at all.

Personalidade e política

Numa conversa no Facebook sobre o que poderemos chamar a teoria da personalidade Jung/Myers/Briggs/Keirsey (sigam os links para perceber do que se trata - para simplificar vou chamar "MBTI", embora não tenha sido exactamente esse o modelo em discussão), pareceu emergir uma tendência para liberais terem o tipo de personalidade INTJ, o que faz lembrar a teoria de que anarco-capitalistas tenderão a ser INTJ e anarco-socialistas INTP.

Isso levantará duas grandes questões - 1) Será verdade ou apenas o resultado de simples acaso? 2) Qual o mecanismo? Nomeadamente, o que poderá levar os "J" a irem mais para a direita e os "P" para a esquerda?

A respeito da primeira questão, eu não me admirava que "introvertidos" e "intuitivos" estejam largamente sobre-representados em discussões em fóruns da internet (os "extrovertidos" preferem falar com pessoas de carne e osso e os "sensitivos" não têm grande interesse em discussões muito aprofundadas); também é provável que o gosto dos introvertidos pela introspecção e dos intuitivos por teorias e modelos abstractos os torne mais predispostos a fazerem testes on-line de personalidade; finalmente, é provável que os intuitivos sejam mais interessados em politica que a média. Assim, temos que uma pessoa com um posicionamento politico claro e que esteja a falar on-line sobre tipos de personalidade será muito provavelmente um INxx.

Há uns tempos foi feito um estudo nos EUA comparando o "liberalismo"-conservadorismo em matérias económicas e sociais, não com o MBTI mas com outro modelo - o dos "5 factores da personalidade" ("neuroticismo", "extroversão", "abertura", "agradabilidade" e "conscienciosidade" - de novo, ler o link); ora, há estudos [pdf] mostrando uma correlação entre 4 dos "5 factores" e o MBTI (mais exactamente, "extroversão" está - surpreendentemente - correlacionada com E, "abertura" com N, "agradabilidade" com F e "conscienciosidade" com J).

Bem, e que conclusão chegava o tal estudo? Que o conservadorismo económico estava associado com positivamente com "extroversão" e "conscienciosidade" e negativamente com "agradabilidade", "neuroticismo" e "abertura"; já o conservadorismo social estaria positivamente associado com "conscienciosidade" e negativamente com "abertura" (no caso do conservadorismo social, as associações parecem-me bastante intuitivas). "Traduzindo" da terminologia dos "5 factores" para a do o MBTI (que tem a vantagem de usar siglas em vez de palavras que eu nem sei bem como traduzir), o conservadorismo económico seria então tipicamente ESTJ e o conservadorismo social xSxJ.

Agora, a segunda questão: poderia haver algum mecanismo lógico que levasse um INTP a ser um socialista libertário ou um anarco-socialista, e um INTJ a ser um liberal ou um anarco-capitalista?

Uma possivel razão para ancaps e liberais serem muitas vezes "J" - um Estado tem sobre o seu território direitos muito semelhantes aos de um proprietário sobre a sua propriedade (no fundo, o Estado pode-se considerar um proprietário imobiliário em ponto grande; e numa sociedade anarco-capitalista, um proprietário imobiliário seria muito parecido com um Estado em ponto pequeno); quando esse assunto se discute, liberais e sobretudo ancaps levantam muitas diferenças entre a autoridade do Estado e a autoridade do proprietário, mas por norma a discussão acaba por chegar ao ponto "o proprietário adquiriu legitimamente a sua propriedade (e, se não for o caso, a sua expropriação é aceitável), e o Estado não adquiriu legitimamente o seu território"; mas tal implica ter um teoria bem definida sobre em que situações é justa a aquisição de propriedade, e considerar que a justiça ou injustiça de uma situação actual pode ser determinada com base em acontecimentos de há centenas de anos; tal é muito mais atractivo para um "J"; um "P" tenderá a considerar tanto o Estado como a Propriedade (e se calhar tudo...) como simples convenções, que foram estabelecidas e podem ser alteradas se assim se entender, logo tenderão a vé-los como instituições relativamente semelhantes (por alguma razão o anarco-capitalismo de Murray Rothbard, jusnaturalista, é muito mais popular que o de David Friedman, que penso ser mais contratualista).

Outra possivel razão: nem INTPs nem INTJ gostam muito que lhe venham dar ordens - como "I", gostam de estar sozinhos, como "N" preferem a imaginação à realidade (logo preferirão actividades em que tenham margem para inventar em vez de simplesmente executar) e como "T" são pouco dados a estarem emocionalmente dependentes de outros pessoas; mas um INTJ, seguro de si e das suas ideias, não terá grande problema em dar ordens a outros se tal for necessário; já um INTP dificilmente terá a firmeza suficiente ou a motivação para impor a sua vontade a outros - a sua atitude natural será mais "não me venham chatear muito, que eu também não chateio ninguém" (compare-se esta descrição do tipo INTJ - "INTJs are natural leaders, although they usually choose to remain in the background until they see a real need to take over the lead. When they are in leadership roles, they are quite effective, because they are able to objectively see the reality of a situation, and are adaptable enough to change things which aren't working well. They are the supreme strategists - always scanning available ideas and concepts and weighing them against their current strategy, to plan for every conceivable contingency" com a do tipo INTP - "INTPs do not like to lead or control people. They're very tolerant and flexible in most situations, unless one of their firmly held beliefs has been violated or challenged, in which case they may take a very rigid stance.")

Assim, para uma pessoa que não gosta de receber ordem mas não tem problemas em as dar, um sistema de micro-autoridades descentralizadas, como na combinação liberal de um Estado pequeno (ou não existente, no caso dos ancaps) e de autoridade hierárquica no local de trabalho é aceitável; já para uma pessoa que não gosta nem de dar nem de receber ordens, é mais atractiva "a abolição de todas as formas de autoridade e dominação, na politica, no trabalho, na família, na educação...", à maneira socialista libertária (claro que se poderia argumentar que para um INTP faria mais sentido defender um sociedade de pequenos produtores autónomos, à Prodhoun, Spooner ou Tucker do que uma sociedade de colectivos de trabalhadores, à Bakunine ou Kropotkine, mas pode ser que este ache que, a partir do momento em que a tecnologia obriga muitas pessoas a trabalhar em conjunto, o colectivo autogerido é um mal menor comparado com a autoridade de um patrão).

Claro que isto é um raciocínio puramente especulativa, até porque é duvidoso que a teoria da personalidade em que se baseia tenha um sólido fundamento cientifico.

Friday, May 06, 2011

Economic Crisis: How to Cause Them

Hoppe: “Economic Crises: How to Cause Them and How to Make Them Worse by ‘Curing’ Them”

2nd Austrian School Conference, Mises Institute Brasil, in Porto Alegre (via LvMI)

Especialização e Estado Social

Um post já velhinho do blog Dusk in Autumn argumentando que o Estado Social é o resultado da especialização económica:

[C]omparative advantage would be a disaster in the real world (however well it works in some mathematical models). Nassim Taleb points out how fragile it is to the assumption that prices stay constant. For example, if one country specializes in wine and another in wool, things go all hunky-dory for awhile -- until wine is replaced by something else as the fashionable thing to drink, or there is some once-a-century natural disaster that wipes out your ability to make wine, or there's what Schumpeter called "creative destruction" where a more advanced industry replaces a more primitive form (such as the automobile replacing the horse and buggy).

Whatever the mechanism, suddenly the former suppliers are getting a lot less in exchange for a unit of their product than they were just before -- perhaps nothing at all if they're out for good. And this applies not just to whole industries but to individual workers. We all specialize in some set of skills in the hopes that they will be needed for as long as we have to work, perhaps with the occasional update. But when we're unemployed for more than a few months, and especially when we sense that our job description has been eliminated completely, we figure that that skill set ain't worth what it used to be, and that we're shit outta luck.

In a society where people have broad and general tasks, not being able to sell your labor to an employer isn't so bad. If you're a hunter-gatherer, you can provide lots of healthy food by yourself, defend yourself and family, and have enough time left over for leisure. Same thing if you're a nomadic herder -- you have a broad enough base of skills to fall back on to support yourself if you can't sell your labor. And ditto for farmers -- you may try to get seasonal work threshing wheat when the opportunity is there, but for most of the year you'll be "out of work" in that sense, but you have a wide enough range of skills to support and defend yourself on your own plot of land.

Some of these cases can get worse than others -- like if you specialize in the crops you plant and a natural disaster wipes out your monoculture crop for a year or two -- but in general you can get by without selling your hyper-specialized labor like the econ 101 textbook tells you to.


Again there is some variation within these pre-industrial economies, but the point remains. Hunter-gatherers have no extensive, permanent welfare state structures, and that's because their lifestyle is the most robust to negative shocks. They eat such a wide variety of animals and plants that it would take the most perfect of perfect storms to make all of those skills useless at the same time. Herders also lack welfare state features, and again that's because they are not very specialized, and therefore are not so likely to go extinct through bad luck. For example, they pasture their livestock across a variety of grazing lands during the year, own a largish number of animals over whom they can diversify risk, etc. Farmers are a bit more specialized since they tend to plant only a few (perhaps just one) staple crops and are lucky to have even a handful of animals. It's not surprising, then, to see proto-welfare state institutions in farmer societies, such as long-term third-party charity groups who provide alms to the destitute or run hospitals for the poor.

Still, it takes the incredibly precarious lifestyle of industrial people to cause real fear about "job security" -- i.e., the ability to keep providing for yourself and family. If you lost your job and couldn't find work for six months, could you feed yourself? No, because you never learned to hunt wild game or gather and process plant foods so that they're safe to eat, you never bothered investing in a dozen or so cattle just in case, and you haven't been planting a variety of crops either. Forget whether you can continue your Netflix service or not -- you can't even feed yourself. You surely couldn't defend yourself against violence either, if the country were invaded or if a local crime wave broke out. (Defense spending, which dominates in the national budget, is a social safety net program -- just in case the bad guys show up, when you won't know what to do.) That's how narrow our specialized skill set has become.

Thus, we really do not have a plan B to fall back on if our specialized labor finds no buyer. Lazy thinkers will say that you should just specialize in something else -- except that it's too late. Specialized labor that is at all valuable takes time to specialize in.

As eleições escocesas

Face à vitória esmagadora (e inesperada há uns meses atrás) do SNP, relembro este meu antigo post (a parte "provavelmente não vai haver referendo nenhum, já que os partidos pró-União ... têm a maioria no parlamento escocês" deixa de fazer sentido, claro).

Monday, May 02, 2011

O melhor comentário que vi ate agora sobre a questão "onde nasceu Obama"

Neste comentário de um leitor da National Review:

What I just don't understand, is that anyone who believed this tale had to beleive that in 1961 a woman who was 8-9 months pregnent would fly from HNL to Nirobi to deliver a baby.

First, this was very very expensive (it would have cost somthing like $10K or more in today's money) and would involve a flight to the mainland, then on to New York, then to London, then to Nirobi. The trip would be hard, and would take at least a week. Multiple flights on multiple airlines would have been required.

Second, does any person seriously think that a student could have afforded this?

Third, does any person seriously believe that any mother to be would have subjected themselves to such a trip... for what? And then hide the trip so their kid could become president?

Fourth, does anyone seriously belive that the airlines would even let her on the plane?

Putting aside the arguements about documents ( note: the republican governor of HI vouched for the accuracy of the original document released in 2007) the entire premise is truly odd.

That anyone would for even a single moment believe is hard to fathom.

Evolução histórica dos casamentos por escolha vs. arranjados

Love and arranged marriage, por Razib Khan e Evolutionary History of Hunter-Gatherer Marriage Practices, por Robert S. Walker, Kim R. Hill, Mark V. Flinn e Ryan M. Ellsworth

Uma análise económica da "Estrela da Morte" na "Guerra das Estrelas"

The Economics of Death Star Planet Destruction, no Overthinking It (via Marginal Revolution).

Onde Bin Laden estava a viver

Ao lado da Academia Militar do Paquistão.

A nova constituição húngara

Hungary’s new constitution, por Matthew Shugart:

Hungary has a new constitution, effective 1 January 2012. It may not be an exaggeration to say that it represents an authoritarian turn in the country’s institutional framework.