Thursday, June 30, 2011


Patents out of control por Alex Tabarrok (Marginal Revolution):

Apple has been granted an incredibly broad patent giving them monopoly rights to gesture recognition on multitouch displays.
“It covers the basic user interface concept of moving touch-screen content with multitouch gestures–not just one particular way to programmatically recognize one particular gesture for this purpose, but any or all ways to do so,” Mueller said. “This patent describes the solution at such a high level that it effectively lays an exclusive claim to the problem itself, and any solutions to it.”
Patents are supposed to increase the progress of the useful arts. But does anyone really believe that gesture technology would have been left undeveloped without the prospects of a 20-year monopoly?

Sarajevo, 1914 - It's June, the twenty-eight, and Europe just died

o espectador portuguez:

Os erros da NATO na Líbia

Analysts blame faulty assumptions for prolonged Libya war (CNN):

It was supposed to have been over in a few days. World powers would go in with fighter jets and the world's most sophisticated precision-guided weapons to render Libyan leader Moammar Gadhafi powerless.

But that's not the way things happened.

As NATO's airstrikes crossed the 100-day mark, analysts blamed a host of faulty assumptions, including success based solely on surgical airstrikes, for a protracted war that some fear could drag on for more months. (...)

The basic problem, McGregor said, stemmed from presuppositions about the fortitude of the Libyan opposition. (...)

"This revolt never really had the strength to succeed," McGregor said. "There was this feeling among the rebels that all we have to do is show up. But you should take a couple of years to get it organized first. If you're just going to run out on the streets, the results will be predictable."

Four months on, the rebels are not capable of supporting themselves, McGregor said. They are out of fuel, oil production has shut down, and they have few available resources. They will soon face even shortages of food and water, McGregor said. (...)

Part of that failure was a lack of consideration of the makeup of the Libyan population, said University of Texas political scientist Alan J. Kuperman, author of "The Limits of Humanitarian Intervention."

"The fundamental error by the White House and NATO was to imagine that the Libyan people were united in opposition to Gadhafi," he said.

"In reality, Libya is divided along lines of clan and tribe, some of whom benefit greatly from Gadhafi, and therefore defend him fiercely," he said. "Any expert on ethnic conflict and intervention could have told the White House that ahead of time."

In that respect, said Thomas Donnelly, director of the Center for Defense Studies, the Libyan war has the potential for fallout that is worse than what happened after President George W. Bush declared "mission accomplished" weeks after Saddam Hussein's 2003 ouster in the Iraq war.

"To imagine that Libyans are going to come together -- is a hope, but not a plan," Donnelly said. "It was a mistake to get involved in such a feckless way."

Behind the rhetorical rallying cry of protecting civilians, Donnelly said, has always been the real aim of NATO -- to kill Gadhafi. (...)

The Libyan regime has also proven itself to be more robust and resilient than anyone imagined. It would be a mistake, said Donnelly, to assume that killing Gadhafi would mean a collapse of the entire system.

The Libya conflict has sometimes been compared to NATO's air war in the Balkans in the 1990s. Many people thought the Serbs would go down instantly once NATO began bombing. They didn't. And eventually, it was the threat of a ground invasion that led to the capitulation of then-Yugoslav President Slobodan Milosevic.

Gadhafi, however, faces no such threat. And some believe the arrest warrant issued by the International Criminal Court this week will only help strengthen his resolve to stay in power.(...)

Monday, June 27, 2011

Ainda sobre a Grécia e o euro

Ambição e feminismo

Against (feminist) ambition, por Chris Dillow:

The Times yesterday ran some features on what it means to be a 21st century woman, which highlighted one of my gripes against a particular form of feminism - its elevation of ambition.

For example, Kathy Lette complained about the glass ceiling, Mary Beard decried the fact that it was not a compliment to call a woman ambitious, and Noreena Hertz advised young women: “Don’t feel guilty about striving for power.”

What all this omits is that ambition - in men and women - is a bad thing.

Now, to be clear, I do not mean ambition in pursuit of excellence. It’s admirable to want to be the best musician, athlete, economist or street-sweeper.

Instead, the problem is with ambition in the pursuit of what MacIntyre called the goods of effectiveness - power and wealth, the sort that Noreena advocates.  (...)

Of course, everything I’ve said applies to men’s ambition as well as women’s. So why pick on feminism? In one big sense we shouldn’t. But there are two things that worry me.

One is that this particular form of feminism helps to legitimate ambition. And people are never more ruthless than when they believe they have right on their side.

The other is that feminism - in this sense - is a diversion. In encouraging women to climb up hierarchies, it deflects attention from the question: should our economic and political life be structured hierarchically at all?

Saturday, June 25, 2011

Grécia - reestreturação ou default

Greece must restructure its debt or face a messy default (CNN):

The question of whether Greece should restructure its debt has acquired a rhetorical ring -- the country has few options left. Greece is due to repay over half of its outstanding €330 billion in debt by 2015 -- that compares to its earnings (gross domestic product) of just €210 billion a year in 2011, with an economy which is contracting and a workforce which is going on strike.(...)

I'll spare you the detailed numbers: Martin Wolf of the Financial Times has argued the case convincingly. A more sensible question is whether a managed default on that debt -- in other words, paying back less than what was borrowed with the assent of its creditors -- can be arranged? Or will Greece be forced to default without the support of its peers in the eurozone?

Proposals exist for creating a European mechanism for restructuring sovereign debt. In the Greek case, much depends on timing since the next tranche (worth €12 billion) of the current EU/IMF loan is due in late July. If eurozone (EZ) ministers continue to disagree about terms for this disbursement, or more generally on a new Greek loan programme between now and their next meeting on 11 July, not only could political pressures in Greece lead to an uncontrolled unilateral default -- euphemistically termed a "credit event" -- but the effects of default could well spill over into Spain, Italy and even Belgium.

How would a managed default work? The Greek banking system (including the Greek Central Bank) holds about 40% of domestically-issued Greek sovereign debt and 60% is held by the ECB and multitude of private banks, chiefly in France and Germany.

The actual figure held by private banks may be smaller since they have been reducing their exposure while the ECB takes up the slack. Critically, eurozone ministers and the ECB would need to agree on a package of debt restructuring. In order not to trigger a "credit event," such debt restructuring would be "voluntary" and involve exchanging the old debt for new debt that has the same face value but much longer maturity and lower interest rates. This is the preferred outcome of many economists.

Suppose that the repayment date on sovereign debt were increased to 20 years and the coupon reduced to a near-German level of 3% (the current averages are 7.5 years and 4.5%). Greece would be better off in that it could obtain new EU finance, and its required budget surplus needed to service debt interest would fall significantly.

How does the above scenario compare with total default? Total sovereign debt repudiation -- followed almost certainly by Greece's immediate exit from the euro -- may have considerable emotional appeal, but it would not lead quickly to the country's solvency. A "new drachma," even ignoring the administrative and legal difficulties of its rapid introduction, would have a market value far below that of the euro. Because the assets of the Greek banking system are denominated in euro, a return to the drachma would require massive bank recapitalization. Household debt, such as credit cards and mortgages, would need to be paid back at a higher drachma price.

Moreover, although a large drachma devaluation would make exports far cheaper, necessary imports would be far dearer, resulting in serious inflation.

If the government froze nominal wages, the real wage would fall leading to further political unrest. In the short term at least Greece would find it almost impossible to borrow. Uncontrolled default combined with a euro-exit would not be pretty.

The irony of the current situation is that EZ finance ministers appear more likely to try to muddle through -- awaiting 2013 when the new bailout fund, known as the European Stability Fund (ESF) emerges -- rather than to opt for a controlled default now of the sort outlined above. But muddling through will simply reinforce the view of the financial markets that sooner or later Greece, and perhaps Ireland and Portugal too, must default unilaterally. Eurozone ministers are playing a very dangerous game; Greece must insist on a sensible restructuring.

Peter Falk (1927-2011)

No seu papel mais famoso

Friday, June 24, 2011

Aposta climática - resultado

Em dezembro de 2010, eu propus a seguinte aposta:

Proponho um desafio aos que dizem que os factos não comprovam que a Terra esteja a aquecer (parece-me ser o caso de pelo menos alguns "insurgentes", p.ex.).

A NASA publica uma lista de temperaturas médias no planeta (que é o que interessa para a questão do aquecimento global, não se há arrefecimento local em Londres ou aquecimento local no meu sofá quando o Pantufa lá dorme), medida em centésimos de grau Celsius acima da temperatura média entre 1951 e 1980.

Em Maio do ano passado, a temperatura média global era de 64 (isto é, mais 0,64 ºC do que a temperatura média entre 1951 e 1980). Entre 1998 e 2010, a temperatura média em Maio foi de 49 (ou 48 virgula qualquer coisa).

Que desafio proponho? Uma espécia de aposta: se em Maio de 2011 (dados que devem estar disponíveis em Junho) a temperatura média anunciada no site da NASA foi maior que 64 (isto é, a temperatura deste ano), ganho eu; se for menor que 49 (a média de 1998 a 2010), ganham os meus oponentes (seja lá quem forem, já que esta aposta é dirigida "a incertos"); se for entre 49 e 64 (acima da média, mas abaixo da deste ano), teremos um empate.

E qual o objecto da aposta? Simplesmente o (ou os) derrotado publicar um post a dizer que perdeu a aposta, a recapitualar os termos da aposta e a linkar para os vencedores. Se assim o entender, o vencedor poderá também publicar um post a dizer que ganhou (em caso de empate, ninguém terá que publicar post nenhum, mas também poderão publicar um post a dizer que houve empate).

Note-se que isto não implicaria alguém ter que mudar de posição sobre a questão "a Terra está a aquecer?"; afinal, um mês pode perfeitamente ser um outlier (além de que a questão que se discute não é apenas se a Terra está a aquecer, mas também quais as causas disso, possiveis efeitos, etc.); isto pretende ser apenas uma experiência, nada mais.
Nos comentários, acabei por fazer uma semi-aposta com o Ecotretas:
Isto, se a temperatura for maior que 64, claro que não terá que fazer nada (afinal, você disse que não queria apostar).

Mas se for menor que 49, eu faço o tal post a dizer que você ganhou.
Há uns dias pensei em ir ver os resultados, mas depois pensei "Este mês de Maio foi quentíssimo (e se foi quente em Portimão, claro que foi quente no mundo inteiro!), logo ganhei a aposta; como só era para publicar caso perdesse, nem vale a pena pensar no assunto"; ainda pensei em publicar um post dizendo algo como "se os negacionistas do aquecimento global não fossem uns medricas com medo de apostar (mesmo a feijões) eu teria derrotado-os". Note-se que em nenhum momento eu fui ver a temperatura efectiva!

Bem, eu (convencido do meu triunfo) não fui, mas o Ecotretas foi, e afinal a temperatura média em Maio foi de... 42, das mais baixa deste século.

Ou seja, o Ecotretas ganhou a aposta!

[Post publicado no Vias de Facto; podem comentar lá]

Os abusos sexuais nas prisões

Naqueles filmes passados em prisões, uma cena recorrente é o do prisioneiro recém-chegado estar à mercê de ser violado pelo colega de cela ou (mais normalmente) por um dos prisioneiros mais fortes, ou mais importantes na hierarquia "alternativa" criada entre os presos.

No entanto, pelo menos nos EUA, parece que é mais provável que um guarda prisional cometa abusos sexuais contra um detido do que outro detido (comentário do economista Bryan Caplan sobre isso: "You might think that no one would be more inclined to sexual abuse than criminals in unisex confinement.  But if you give authority to relatively normal people who can leave the prison anytime they like, they're worse").

Thursday, June 23, 2011

É boa ideia a Grécia sair do euro?

Should Greece leave the euro? (Investors Chronicle), por Chris Dillow:

The Greek crisis has led to calls for the country to leave the euro and adopt a new drachma. This, though, is no solution.

If this were to happen, then - obviously - the new drachma would fall very sharply against the euro. This would mean that Greece would be even less able to repay its euro-denominated debt. In this sense, the move would have to be accompanied by a default. The alternative would be for the debt to be redenominated into drachmas. But this would be a default in all but name, as foreign holders of Greek debt would be repaid in a devalued currency.

Faced with huge losses on their loans, investors would be loath to lend to the Greek government and would - for a few years at least - do so only at exorbitant interest rates, to compensate them for the risk of further falls in the drachma. To reduce such punitive borrowing costs, Greece would still have to run budget surpluses.
But wouldn't a devaluation make it easier to achieve such surpluses? With the drachma cheap, Greek exports would be competitive again and foreigners will flock to the country for cheap holidays. Greece could then grow its way out of debt.

Only for a short period. If workers get higher wages to compensate for higher import prices, then competitiveness doesn't change: what exporters gain from the cheap currency is lost through higher wage costs. History shows that this is exactly what happened to Greece when it had the old drachma. Between 1987 and 2000 - when Greece joined the euro - the drachma halved relative to the Deutschemark. But during this time, Greek relative unit labour costs rose by 35.5 per cent compared to a rise of just 3.6 per cent in Germany. Greece actually lost price competitiveness, because wages rose to offset the cheaper exchange rate. Remember, Greece joined the euro in part precisely because the devaluation-inflation-devaluation cycle had failed to improve the country's fortunes.

Of course, devaluation might work if wages stayed low. But to achieve this would require fiscal austerity to reduce workers' bargaining power. And it would impose a large real wage cut upon workers who would face soaring import prices. In this sense, devaluation is not an alternative to austerity, but a complement to it.
Leaving the euro, then, would not solve Greece's problem. It would, though, add to the woes of other peripheral nations. Having seen one country leave the euro, investors would believe that there would be a risk of others following. They would therefore require a currency risk premium to hold the bonds of Portugal and Ireland, and possibly Spain. These countries would thus face higher borrowing costs.

Worse still, insofar as the Greek devaluation does give the Greek economy a short-term boost, it will do so at the expense of these nations: tourists will go on holiday to Greece rather than Spain or Portugal.
For these reasons, the desire to keep the euro intact has a solid economic foundation. It's not just down to politicians' vain desire to keep the "European project" alive.

Of course, just because something would have nasty consequences does not mean it won't happen. It could. But let's be clear. Greece leaving the euro is no solution. There's no happy ending to this story.

Ron Paul Introducing Bill To Legalize Marijuana on Kudlow – CNBC – June 22nd 2011

A filosofia de Nozick em 14 pontos

Antecedentes: The Ideological Turing Test, de Bryan Caplan, e esta entrevista de Paul Krugman.

The Turing Test: Who Can Successfully Explain Robert Nozick?, por Brad DeLong (via Marginal Revolution):

I would maintain that only liberals [i.e, social-democratas - Nota de M.M.] can successfully explain Nozickian political philosophy--certainly I have never met a believer in Nozickianism who can do so, and I expect never to do so.

Why? Well, let me sketch out the logic of Robert Nozick's argument for his version of catallaxy as the only just order. It takes only fourteen steps:
  1. Nobody is allowed to make utilitarian or consequentialist arguments. Nobody.
  2. I mean it: utilitarian or consequentialist arguments--appeals to the greatest good of the greatest number or such--are out-of-order, completely. Don't even think of making one.
  3. The only criterion for justice is: what's mine is mine, and nobody can rightly take or tax it from me.
  4. Something becomes mine if I make it.
  5. Something becomes mine if I trade for it with you if it is yours and if you are a responsible adult.
  6. Something is mine if I take it from the common stock of nature as long as I leave enough for latecomers to also take what they want from the common stock of nature.
  7. But now everything is owned: the latecomers can't take what they want.
  8. It gets worse: everything that is mine is to some degree derived from previous acts of original appropriation--and those were all illegitimate, since they did not leave enough for the latecomers to take what they want from the common stock of nature.
  9. So none of my property is legitimate, and nobody I trade with has legitimate title to anything.
  10. Oops.
  11. I know: I will say that the latecomers would be poorer under a system of propertyless anarchy in which nobody has a right to anything than they are under my system--even though others have gotten to appropriate from nature and they haven't.
  12. Therefore they don't have a legitimate beef: they are advantaged rather than disadvantaged by my version of catallaxy, and have no standing to complain.
  13. Therefore everything mine is mine, and everything yours is yours, and how dare anybody claim that taxing anything of mine is legitimate!
  14. Consequentialist utilitarian argument? What consequentialist utilitarian argument?
Contrariamente a DeLong, não diria que apenas "liberals" sabem descrever a filosofia de Nozick; já li algures um georgista descrever o nozickianismo de uma forma semelhante.

Já agora, um anarco-capitalista poderia descrever o pensamento de Nozick incluirndo uns pontos adicionais para explicar como é que do ponto 3 (e sem violar o 1) não se chega à conclusão que os Estados são ilegítimos e um anarco-socialista talvez tentar uma síntese, explicando o processo em que a partir de pressupostos que implicam a ilegitimidade do Estado e da actual distribuição da propriedade se chega à justificação do Estado e da actual distribuição da propriedade.

Wednesday, June 22, 2011

Genes vs. ambiente vs. livre-arbitrio

Genetic Determinism vs. Parental Irrelevantism, por Bryan Caplan:

Still, if someone were to caricature my position as "parental irrelevantism," I would take no offense.  It's an inaccurate summary of my position, but not wildly inaccurate.  I really do think that parents' influence on kids' long-run outcomes is greatly over-rated.  Calling me a "parental irrelevantist" is arguably a useful simplification of my actual, subtler position.

Unfortunately, when people caricature me, they usually try to pin a totally inaccurate label on me: "genetic determinist."  I am not a genetic determinist.  Not even close.  The simplest twin study conclusively disproves genetic determinism.  Identical twins are genetically identical, but they're not identical for any complex trait.  Identical twins don't have the same lifespan, the same IQ, the same happiness, the same friends, or the same income - even when they're raised together.  Since genetic determinism predicts that identical twins will be identical for all traits, genetic determinism is demonstrably false.

Not only am I not a genetic determinist; I'm not a determinist of any kind.  The empirical evidence in favor of my own free will is overwhelming: Introspection reveals free will to me during my every waking moment.  There are many reasons why identical twins aren't phenotypically identical.  But free will has to be the most overlooked.  As I write in Selfish Reasons to Have More Kids:
I doubt that scientists will ever account for my sons' differences, because I think their primary source is free will. Despite genes, despite family, despite everything, human beings always have choices--and when we can make different choices, we often do. Some choices are moment-to-moment: To keep working or give up, lie or tell the truth, abandon or defend your views on immigration policy. Other choices are cumulative: You can't change your weight, education, or income by snapping your fingers, but in the long run they depend on diet, study, and effort--all of which you're free to choose.
E também o primeiro comentário ao post:
I think free-will is most often ignored because from the point of view of studying human behavior, it is entirely uninteresting. As students of human behaviors, what is interesting to us is what we can study and predict. It is how we can take the unknown, the unpredictable or the incomprehensible and turn it into the known, the predictable and the understood. The bounds of free-will are what we can study scientifically. Free will itself is 1-R^2: A topic best left to philosophy.

A felicidade causa o suicidio?

Happiest places have highest suicide rates:

Countries and U.S. states that rank near the top in happiness also rank near the top in suicides rates, U.S. and British researchers suggest. (...)

Canada, the United States, Iceland, Ireland and Switzerland each indicate relatively high levels of happiness levels, but also high suicide rates. Nevertheless, the researchers note that because of variation in cultures and suicide-reporting conventions, the findings are only suggestive.

Comparing happiness and suicide rates across U.S. states presents an advantage because cultural background, national institutions, language and religion are relatively constant nationwide.

States with people who report they are generally more satisfied with their lives tend to have higher suicide rates. For example, Utah is ranked first in life-satisfaction but has the ninth-highest suicide rate, while New York is ranked 45th in life satisfaction but has the lowest suicide rate in the country.

Sobre "puritanismo", "anti-consumismo", "elitismo", etc.

Thaddeus Russell. A Renegade History of the United State, por Kevin Carson, e Life, Labour And Lecturing…, por "bensix".

Bradley Manning e a "slippery slope"

Pvt Manning proves 'slippery slope', por

Treatment of the US soldier shows there is a fine line between torture of enemy combatants and American citizens.(...)

Torture advocates opined that the use of non-maiming techniques (i.e., "torture lite") is a lesser evil, and might be legitimately employed by American interrogators to break a recalcitrant terrorist suspected of possessing valuable intelligence (e.g. the whereabouts of that ticking bomb) in order to keep Americans safe. In those years, torture advocates never envisioned the use of such tactics on a US soldier, for if they had, their claims would not have gotten such traction in the mainstream media (or been fetishised in the Jack Bauer character of the popular television program 24).

Domestic torture

Yet, today here we are, subjecting an American soldier to some of the techniques that were cleared for use by the CIA on Abu Zubaydah in 2002. The panoply of tactics applied to Abu Zubaydah includes many that Manning has been spared, such as waterboarding and the confinement box.

This development was hardly unforeseeable. Opponents of torture had staked their positions in the early debate with warnings not only that torture is illegal and ineffective, but also with historic evidence that states which authorise the torture of enemies embark down a slippery slope.

In the Bush administration's inner circle, officials who opposed the authorisation and use of interrogational abuse as illegal and counterproductive to national security were excluded from decision-making. Interrogation policy was guided and gassed by the presumptions that violence and degradation would work to elicit true information, a claim that in the American case has been proven patently false - but still gets trumpeted as true by those who resist being encumbered by facts and evidence.

Presumptions of efficacy and rightlessness had the predictable effect of expanding the universe of those deemed to be torturable in the quest for actionable intelligence. Over the last decade, thousands of foreign prisoners taken into US custody in Afghanistan, Guantanamo and Iraq were subjected to systematic and wanton abuses, the vast majority of whom were either entirely innocent (arrested by mistake, rounded up in sweeps through villages or sold for bounty) or who had no meaningful intelligence.

This universe continues to expand because there has been no serious and sustained effort to confront the abject failures and high costs of the torture policy. Rather, the false presumptions of efficacy and rightlessness continue to be persuasive to those who make or endorse US interrogation policy.

Efeitos dos mercados em que "o vencedor leva tudo"

New value transference essay no. 4 - winner-take-all, por Half Sigma (um blogger de extrema-direita, mas que até costuma acertar em questões económicas):

The most important concept for understanding how the economy really works (after supply and demand) is winner-take-all. Unfortunately, this has been left out of basic economics textbooks. For example, the term “winner-take-all” does not appear anywhere in N. Gregory Mankiw’s textbook, The Principles of Economics. Nor are similar concepts such as “tournament theory” or “rent-seeking.” Buried on page 302, he does note that economies of scale can give rise to natural monopolies. The implication is that this is a minor factor in economics.

In most industries, a competitive market in which no one buyer or seller becomes dominant is an unstable system. It’s sort of like trying to drop a pencil on the floor in hopes that it will land pointing upright. This never happens; the pencil always falls down, and always in some random direction. While people are aware that if the pencil points to 47 degrees after being dropped, there’s nothing special about 47 degrees; if the pencil were dropped again it would point in some other random direction. Unfortunately, when it comes to economic competitions, people have a natural tendency to attract significance to the winner. If someone makes billions of dollars in his market, it must mean something. He must have created more value or done something better than everyone else. What people don’t get is that, if a market is a natural winner-take-all market, then some participant has to win, regardless of whether or not that participant has done anything to deserve winning. It’s like spinning a roulette wheel. The ball has to land somewhere, but whatever number it lands on is no more deserving of any other number, it’s just sheer luck. Because one participant has to win a winner-take-all competition, the lightest edge can tip the contest in a participant’s favor. That factor might be that the participant has a slightly better product, but it’s just as likely if not more likely to be better marketing, better salesmen, the willingness to behave unethically, better at schmoozing those who can supply the business with capital and better at knowing the right people, or just sheer luck.

One may say that in winner-take-all markets, there are economies of scale favoring bigger companies. These economies of scale could be production economies of scale, but more often they are what I call marketing economies of scale.

Take Coca-Cola. It doesn’t take a huge amount of startup capital to start making and selling soda, and you can probably make it for approximately the same price as Coca-Cola can. But no one will buy your soda. What does Coca-Cola have that you don’t have? Coca-Cola has the distribution channels locked up and has brand recognition. Coca-Cola is an example of a business with marketing economies of scale, and I would also say that Coca-Cola possesses a great deal of marketing capital (which doesn’t show up on the company’s balance sheet). People perhaps more often call this “goodwill,” after the accounting term for the amount paid for a company which exceeds its book value. But they are not really the same thing. “Goodwill” could simply mean that the book value was not the same as the true economic value of the assets, or it could mean that the buyer overpaid.

In industries where marketing capital is important, the result tends to be oligopolies rather than monopolies. A lot of industries are like this. There are four big accounting firms. It’s my opinion that a smaller firm actually performs superior work for the same price and that professional services firms have diseconomies of scale from a quality of work perspective, but because the big firms have the most prestige, they get all of the business. Arthur Andersen, the company that audited and enabled Enron, was once one of the most prestigious professional service firms despite the fact that, in hindsight, they sucked really bad and were unethical.

Software is an industry with true production economies of scale. Additional units of software can be sold for zero marginal cost, and it costs just as much money to develop a program that’s used by one customer as it is to develop a program that’s used by a hundred million customers.


In comments, some have insisted that it’s necessary for such vast rewards to exist because otherwise people won’t take “risks” and there won’t be any technological progress or innovation.

There is absolutely no scientific evidence to support the above theory. Everything we know about human behavior shows that there’s an optimism bias, and that people overestimate their chances of winning difficult-to-win competitions. If people truly understood the odds, no one would ever buy lottery tickets. Behavioral theory tells us that too many people are trying to win winner-take-all competitions rather than the other way around.

Most real invention takes at big companies and is done by salaried employees who don’t retain any of the profits from their labor. There would be no basis for Microsoft, Dell, Apple, Google or Facebook existing were it not for the fact that there are thousands of engineers toiling anonymously at companies like Intel and Motorola making Moore’s Law a reality.

Tecnologia, bem-estar e crescimento do PIB

The Great Ephemeralization, por Timothy Lee:

Suppose we lived in the world of Harry Potter, and one day in the late 1950s RCA hired a wizard to wave his magic wand and transform all of the world’s black and white sets into color sets. This would clearly represent a large increase in the standard of living—a larger increase, in fact, than the non-magical process whereby people have to buy new, more expensive, televisions. Yet the government in the alternate universe would almost certainly have recorded a smaller increase in GDP. Our own BLS would see consumers buying more expensive televisions while in the Harry Potter universe consumers would be happy with the old, cheap ones. Hence, consumers circa 1970 would be wealthier in that universe than in ours, but official GDP statistics would show just the opposite.  (...)

[Tyler] Cowen writes that the Internet is producing wealth that “is in our minds and in our laptops and not so much in the revenue-generating sector of the economy.” This isn’t exactly wrong, but it fails to appreciate the extent to which the software industry is entangled with the “revenue-generating sector of the economy.” The digital revolution isn’t just introducing novel ways to amuse ourselves, it’s rapidly displacing a wide variety of “revenue-generating” products and services: typewriters, newspapers, magazines, books, maps, cameras, film development, camcorders, yellow pages, music players, VCRs and DVD players, encyclopedias, landline telephones, television and radio broadcasts, calendars, address books, clocks and watches, calculators, travel agents, travelers checks, and so forth. (...)

Every time the software industry displaces a special purpose device, our standard of living improves but measured GDP falls.

Monday, June 20, 2011

Fukushima - a maior catastrófe industrial da história?

Fukushima: It's much worse than you think (Al-Jazeera, via Marginal Revolution):

Scientific experts believe Japan's nuclear disaster to be far worse than governments are revealing to the public.

"Fukushima is the biggest industrial catastrophe in the history of mankind," Arnold Gundersen, a former nuclear industry senior vice president, told Al Jazeera.

Sunday, June 19, 2011

A ascenção governamental de duas famílias ligadas à política

2001-2002 - Ministério da Saúde (por afinidade)
2002-2005 - Ministério da Defesa
2005-2008 - Ministério da Saúde (por afinidade)
2011-? - Ministério das Finanças e Ministério dos Negócios Estrangeiros (creio que o 2º e o 3º lugares da hierarquia do governo)

Saturday, June 18, 2011

Os erros

A questão da concentração de erros que surge numa crise é crucial porque de forma simultânea parece que todos os agentes económicos falham naquilo em que a função empresarial é única: antecipar procura, preços de inputs (incluindo de taxas juro) e de outputs (incluindo taxas de retorno exigido). Em situação económica normal estas falhas existem em contínuo, por isso empresas têm prejuízos e são obrigadas a corrigir a sua actividade, empresas até desaparecem nesse processo. Mas as falhas de uns dão-se ao mesmo tempo da correcta antecipação de condições económicas (e preferências de consumidores) futuras por outros.

Assim, perguntar como é que nesse dado ponto, em todos os sectores, todos os empresários parecem ter falhado na antecipação de procura, dos preços de input e outputs faz todo o sentido.

Por vezes, na procura de culpados pela crise, parece surgir a ideia que esses empresários, gestores, accionistas, aforradores, mercados de capitais, mercados de mercadorias, mercado imobilário, credores, etc., cuja interaccção é altamente descentralizada e feita de acções correctivas constantes, conseguem acumular uma série de erros (sem origem em nada de especial) e de repente esses enganos como que se materializam todos. Os preços estão incorrectos, a procura de produto A, B, C, está incorrecta, a poupança disponível é outra, a preferência por certo tipo de casas a dado preço falha completamente, o risco de negócio foi altamente desvalorizado, e ficam todos na vertigem de falência (bancos, empresas, pessoas).

Qualquer teoria sobre ciclos económicos tem de responder a este aspecto e de forma consistente com a sua própria visão, se bem que Keynes sugere no fundo que isto é apenas um comportamento bipolar estrutural nos consumidores e empresários. No fundo deu lugar ao economista como um psicanalista que tem de conduzir os agentes pela sua depressão até conseguir elevar outra vez ao optimismo.

Friday, June 17, 2011

Erros dos agentes económicos e recessões

Murray Rotbard, o Carlos Novais e o André Azevedo Alves levantam a questão "Como é que a dada altura se dá uma concentração de erros na actuação dos agentes económicos num determinado ponto do tempo?", dedicando-a especiamente a Krugman, Stieglitz e aos keynesianos.

Em primeiro lugar, vamos recordar a teoria keynesiana das recessões:

- os agentes económicos decidem ter mais moeda em seu poder do que a que têm (isso não implica que todos os agentes decidam aumentar o seu stock de moeda - basta que o saldo entre os que querem aumentar e os que querem reduzir seja positivo)

- para terem mais moeda em seu poder, os agentes vão querer gastar (seja em consumo, seja em investimento) menos do que ganham, ou seja vão querer vender mais do que compram

- mas como os compras do Desidério são as vendas da Natalina, o desejo de toda* a gente comprar menos do que vende apenas leva a que as vendas totais caiam (*não é necessário ser "toda a gente", basta o tal saldo liquido referido 2 pontos acima)

- contra-argumento: se as vendas caiem, os produtores vão baixar os preços; com os preços mais baixos o valor real da moeda aumenta, os agentes já não têm razão para querer vender mais do que compram e a economia volta a funcionar

-contra-contra-argumento: os agentes demoram a ajustar os preços, porque, como dito aqui, pensar em mudar os preços, calcular que novos preços praticar e mudá-los efectivamente (imprimindo novos menus, p.ex.) tem um custo; alem disso, como a maior parte dos agentes não vão baixar substancialmente os seus preços antes dos seus fornecedores também os baixarem substancialmente, pode levar anos até à combinação de pequenas baixas consecutivas de preços produzir a tal baixa geral de preços necessária para pôr a economia outra vez a funcionar

Essencialmente, a teoria keynesiana das recessões é isto (depois há uma carrada de pontos adicionais - armadilhas de liquidez, aceleradores, multiplicadores, "balance sheets", etc. - mas não afectam o fundamental).

Aliás, a teoria monetarista das recessões também é essencialmente isto - os keynesianos tendem a considerar que as recessões ocorrem porque os agentes querem deter mais moeda, enquanto os monetaristas tendem a achar que as recessões ocorrem porque a quantidade de moeda diminui; mas na prática, e atendendo às várias definições de "moeda" - M1 M2, M3,...  - a diferença entre "os agentes querem deter mais moeda" e "a quantidade de moeda em circulação diminuir" é bastante ténue (se eu transferir dinheiro de uma conta a prazo para uma à ordem, isso tanto pode ser considerado um aumento da procura de M1 como uma diminuição da oferta de M2).

Agora, vamos regressar à questão dos erros dos agentes e de porque razão eles se concentram num determinado momento. Mais exactamente, no caso do modelo keynesiano (ou keynesiano/monetarista) das recessões, que erros os agentes cometeram? A única coisa aqui que pode ser considerado um erro é não baixarem logo os preços. Portanto, porque razão é que a maior parte dos agentes cometem, ao mesmo tempo, o erro de praticar preços mais altos do que os adequados?

Imagine-se que, esta noite, por volta das 5 da manhã, a temperatura terrestre descia 10º; seria de esperar que muita gente amanhã vestisse roupa fresca (pelo menos, no Hemisfério Norte) e só quando saíssem à rua é que percebessem que estava muito mais frio do que esperavam; não há nenhum mistério em muita gente cometer o euro de se vestir "à fresca" - afinal, se toda a gente foi afectada por um descida inesperada da temperatura, é natural que comentam o mesmo erro ao vestir-se.

Da mesma maneira, se houver um aumento geral da procura de moeda, e portanto, uma redução geral da procura de bens e serviços (o que não exclui que possa haver um aumento da procura de alguns bens ou serviços especificos), é também perfeitamente normal que a maior parte das empresas se veja com preços mais elevados do deveria ser; da mesma maneira, nenhum mistério aqui.

De qualquer forma, sinceramente, nem me parece fazer grande sentido dirigir a pergunta "Como é que a dada altura se dá uma concentração de erros na actuação dos agentes económicos num determinado ponto do tempo?" especialmente aos keynesianos; afinal, na teoria keynesiana das recessões os "erros dos agentes" nem desempenham grande papel no mecanismo das crises; mesmo os tais preços demasiado altos que demoram a ser reduzidos nem chegam bem a ser "erros", mas simplesmente o resultado de tanto os nossos processos mentais como as decisões organizacionais não ocorreram a uma velocidade instantânea. De certa maneira, a visão keynesiana das recessões é uma espécie de "several rights make a wrong": uma carrada de agentes, todos eles tomando a melhor decisão possivel (dentro dos limites humanos à capacidade de tomar decisões perfeitas), e a combinação de decisões individualmente boas produzindo um mau resultado. Aliás, tanto nos anos 30 como agora, grande parte da polémica entre keynesianos e "anti-keynesianos" consiste nos "anti-keynesianos" a dizer que a crise foi provocada por erros, maus investimentos, trabalhadores especializando-se nos ramos errados, etc., enquanto os keynesianos dizem que é apenas um problema de procura agregada insuficiente

P.S. com "anti-keynesianos" estou, como é óbvio, apenas referindo-me aos críticos "pela direita" do keynesianismo; não estou incluindo marxistas,  "economistas radicais", etc.

Thursday, June 16, 2011

Porque é que a deflação é pior que a inflação? Não é. É melhor.

Porque é que existe a tendência para considerar uma inflação amena um mal menor e não dizer o mesmo de uma deflação amena?

1. Salários:

As pessoas estão habituadas há muito a comparar os seus salários nominais com o índice de preços e esperar uma actualização ou aumento nominal dos salários, e para isso tem de existir uma iniciativa da empresa para os aumentar. Mas se a empresa nada fizer o poder de compra desce.

Em deflação, se essa mesma empresa não tomar uma acção que tem de comunicar e executar, os salários reais aumentarão. Para ajustar o nível de salários a empresa terá de tomar a iniciativa de os baixar nominalmente.

Aparentemente a deflação é melhor do ponto de vista dos trabalhadores porque a não-acção por parte da empresa beneficia-os. A acção implica assumir uma atitude. Em inflação, é o trabalhador que é obrigado a tomar uma acção.

2. Devedores e Credores:

Em inflação não antecipada, os devedores são beneficiados e os credores e aforradores são prejudicados, em deflação não antecipada o contrário. Mas onde é que do ponto de vista sistémico podemos provar que o sistema económico, prejudicando uns e beneficiando os outros, ganha na sua totalidade (maior crescimento? melhor informação?what?)?

Ter em conta que a pequena poupança de uma larga faixa de pessoas não sofisticada é efectuada por detenção de moeda e pequenos depósitos que são os prejudicados com a inflação e os beneficiados com a deflação que torna possível a poupança sem risco nominal sob a forma de moeda detida, traduzindo-se isso em independência do sistema financeiro (e na medida em que os depósitos à ordem são verdadeiros depósitos e não estão assim dados como crédito ao banco).

Mas com inflação, a poupança tem de ser canalizada para produtos financeiros que cubram ainda que só em parte a inflação (nem que seja em depósito a prazo no banco - uma operação de crédito ao banco). O que significa ficar dependente do sistema financeiro, da sua saúde, dos seus altos e baixos, das comissões, etc.

3. O adiamento/antecipação do consumo

O argumento do adiamento do consumo é igualmente falacioso e isso prova-se observando os sectores de altíssimos ganhos de produtividade onde os produtos ganham sistematicamente maior qualidade a preço mais baixo. Costumam ser aqueles com produtos que toda a gente quer comprar e onde todas as empresas gostariam de estar por serem os produtos da moda. Essas empresas vivem em deflação de preços constante e os consumidores com produtos que se tornam obsoletos rapidamente. Existe "adiamento"?

Mas se existisse realmente um efeito de adiamento de consumo em que medida é que isso seria pior que uma antecipação do consumo? Só na velha e falaciosa perspectiva Keynesiana de que é possível o aumento de consumo mantendo recursos disponíveis para o investimento, e a de que, por outro lado, a diminuição do consumo não liberta recursos para... o investimento.

Mais uma nota em relação a este suposto adiamento do consumo. A deflação benigna a dar-se é o resultado do crescimento económico, é uma sua consequência. Os custos baixam, os preços baixam. Rendimento e recursos sobram agora e ficam disponíveis para produzir e consumir mais produtos. Portanto, é contraditório dizer-se que haveria adiamento de consumo no sentido de que parecer que a produção até desceria. Para a deflação benigna se dar o crescimento económico tem de acontecer e isso significa maior produção e consumo. É um efeito simultâneo.

Quanto à simples posse de moeda, em deflação, o mesmo stock de moeda ganha poder de compra sem ser necessária a adição de mais unidades monetárias. Esse aumento do poder de compra desse stock de moeda inalterado constitui em si um incentivo ao consumo. A tendência será para preservar o poder de compra do stock de moeda médio detido. Se este aumentar, será utilizada a componente de poder de compra adicional. Em termos reais, o efeito tende a ser neutro.

Outro ponto relevante é que a inflação é canalizada através de pontos específicos da economia, por pessoas e empresas que recebem novas quantidades de dinheiro e que as utilizam com ganho, por serem as primeiras a utilizar essas novas quantidades a preços que não reflectem essa nova quantidade de moeda. Já o processo de deflação benigna tende a ser distribuído, é uma consequência de algo positivo que está a acontecer - diminuição de custos, mas a inflação é um processo exterior ao sistema económico natural e como tal tende a ser veiculado por pontos específicos resultado de relações de poder económico-político.

E sabemos também que neste sistema inflacionário, as bolhas assim induzidas, costumam criar muita riqueza dita "especulativa" porque os "especuladores" têm acesso a crédito artificialmente fácil e barato à custa dos males que essa inflação provoca em todos os outros. Exemplo prático teórico: financiamento conseguido a taxa de juro artificialmente baixa - dada a expansão de moeda subjacente - para comprar um cabaz de matérias-primas a um dado preço X, para ser vendido ao preço Y mais alto por simples antecipação do próprio efeito de inflação por si induzido. Claro que os efeitos nunca são assim tão directos, são mais difusos e mais imprevisíveis, e nunca se sabe o que aumenta de preço relativo por boas razões, daquilo que simplesmente entrou num processo típico de bolha.


A deflação como resultado de estabilidade monetária e crescimento económico favorece em muito os pequenos e médios rendimentos e torna impossível a especulação maligna (a que resulta de uma simples distorção artificial de preços e não de uma legítima antecipação de preços ou preferência dos consumidores, etc.).

A inflação monetária surge genericamente porque alguém tem o poder coercivo de impor uma dada moeda; e tal como antes os monarcas e banqueiros inflacionavam a moeda (retirando percentagens crescente de ouro e prata das moedas ou inflacionando as notas e contas correntes relativamente ao ouro e prata físico realmente detido em depósito), hoje, os regimes e bancos usam a inflação de forma similar. Mas a inflação pode ser infinita. E isso é recorrente em toda a história da civilização. A moeda colapsa. Pelo caminho, para travar um processo inflacionário ou apenas o desacelerar é preciso por em prática e aceitar as dores de uma deflação maligna. Aquela que resulta de preços terem de descer depois de terem subido, como por exemplo o imobiliário. Essa é a deflação a que se atribuem os males de toda e qualquer deflação, até porque frequentemente este processo coloca os bancos em falência técnica e sujeitos a corridas a bancos, dado que os depósitos à ordem ficam sob suspeita. Consequência destes depósitos à ordem serem uma operação de risco em vez de um simples depósito civil.

A deflação benigna, pelo contrário, dá-se por causa do crescimento económico. Não é infinito no sentido quantitativo porque o ouro e prata não desaparecem. Só precisamos é de um sistema de direito civil pleno (um, onde o contrato de depósito é... um depósito), ou seja, um de reservas de 100%

a ciência económica, os neoclássicos e os equívocos epistemológicos

Lendo o post do Miguel Madeira: Os economistas e a economia

Creio que em primeiro lugar é preciso enquadrar o que serão esses tais de neoclássicos (e ter em conta que os clássicos do séc- 18 e séc.19 não têm culpa do que os neoclássicos fazem - e claro, existe também muito valor nas contribuições destes últimos, como é óbvio).

Atentar a esta descrição na wikipédia:

"Neoclassical economics is a term variously used for approaches to economics focusing on the determination of prices, outputs, and income distributions in markets through supply and demand, often mediated through a hypothesized maximization of utility by income-constrained individuals and of profits by cost-constrained firms employing available information and factors of production, in accordance with rational choice theory.[1] Neoclassical economics dominates microeconomics, and together with Keynesian economics forms the neoclassical synthesis, which dominates mainstream economics today"

E assim esta "neoclassical synthesis, which dominates mainstream economics today" é que importa analisar porque é o que forma a quase totalidade do pensamento académico e político do pós Keynes. Se na micro-economia os neoclássicos predominam, na macroeconomia os neoclássicos não põe essencialmente em causa o neo-keynesianismo e ao qual se junta, diferentes formas de monetaristas. E uns e outros são muitas vezes indistinguíveis.

Ou seja, uns e outros constroem fantasias matemáticas, os mais neoclássicos com enfoque em muitos aspectos micro (como a tentativa de transpor utilidades ordinais em preferências cardinais para depois fantasiarem sobre soluções óptimas), os mais keynesianos sobre a modelização de variáveis ditas-macro e a mesma tentativa de chegar a recomendações e soluções óptimas.

Para mim, sobre isso e na tradição "austríaca"-libertarian:

- o eficientismo (também comum à doutrina dita liberal que vem de Chicago, e que igualmente provoca danos sérios ao liberalismo) não é um objectivo último em si mesmo. A maximização seja lá do que for, será apenas um factor de ponderação: a pessoa humana contém e deseja exercer as suas preferências subjectivas e o seu livre arbítrio, não são formigas imbuídas de uma matriz matemática que as impulsiona individualmente à máxima maximização social, seja esta determinada por neoclássicos ditos liberais e por mecanismo ditos privados (mas regulados, claro, por neoclássicos, para suprir “certas” deficiências do mercado, como informação assimétrica e imperfeita, etc.) nem por mecanismos colectivistas.

- e nem se o eficientismo constituísse um objectivo último inquestionável seria passível de determinação a não ser talvez como ferramenta de aproximação e modelização em sentido muito restrito, e aqui, no domínio da discussão teórica pura, é preciso contestar a validade de tentar transpor a verdade aceite que as preferências das pessoas são meramente ordinais (prefiro A a B a C) em cardinais (prefiro A três vezes mais que B e 4 vezes mais que C). Este truque é o que permite os neoclássicos brincar com os seus modelos matemáticos, depois de terem sido obrigados a reconhecer que o máximo que as pessoas conseguem fazer é ordenar preferências.

E uns e outros falham completamente na análise da moeda, crédito, ciclos económicos, na própria definição de taxa de juro, e essa é a razão porque as bolhas e crises continuam. A doutrina económica vigente recusa-se a colocar em causa a lógica dos bancos centrais e os males provocados pela expansão artificial do crédito permitida pelo sistema de reservas parciais quando tudo se resume a:

Faz sentido falar em investimento sustentável (a priori, tendo em conta a taxa de juro do mercado, preços dos recursos, expectativa de procura e preço final do produto, etc) quando este é financiado por emissão de moeda e não por poupança monetária prévia?

Continuando e um ponto de importância crucial na citação de João Pinto e Castro (JPC):

"A microeconomia - disciplina rainha da síntese neoclássica - adotou, aliás, uma metodologia oposta à da ciência experimental: partindo de um certo número de axiomas, vai por aí fora deduzindo teoremas em catadupa ao jeito de um manual de geometria. Tanto os axiomas como os teoremas são falsos, mas isso não incomoda os guardiões da teoria económica."

A ironia é que JPC parece insurgir-se contra o apriorismo e fazendo o caso pelo experimentalismo, embora se dê ao cuidado de dizer que os axiomas estão errados. Ou seja, fica por saber, se JPC achasse os axiomas certos, se JPC consideraria errado que as deduções certas (vamos considerar que seriam de lógica inabalável a partir dos tais axiomas certos) constituiriam verdades ou não.

A outra ironia é que JPC está certo no sentido em que a matemática no estudo a acção humana, com as suas preferências subjectivas e recursos e tempo escasso para escolher meios para atingir esses seus fins subjectivos, é à partida axiomaticamente de validade falsa.

Mas partindo do axioma da acção humana (o homem não pode não agir), a lógica e dedução argumentativa construída a partir daí torna-se universalmente verdadeira, como dizer, duas pessoas quando acordam uma qualquer troca de livre vontade, aumentam ambos a sua utilidade (muito diferente de pretender mensurar tal coisa).

E ainda para juntar à colecção de ironias, na verdade o "método científico" que é vigente ainda hoje em economia (Milton Friedman foi um radical pelo positivismo, construir modelos, fazer medições e previsões é a única via, à semelhança das ciências naturais) passa por pretender manter válido o experimentalismo, a observação de estatísticas, a colecção de dados, para a construção de modelos e os seus parâmetros, na mais pura tentativa de replicação do método experimental das ciências naturais. Uma mistura de estatística com matemática que por vezes vezes disfarçam o mais puro absurdo - o meu exemplo preferido disto é o multiplicador keynesiano (o investimento multiplica por X o rendimento), que considero um sério embaraço intelectual.

JPC não poderia ter arranjado melhor forma de resumir vários equívocos de natureza fundamental sobre a epistemologia corrente da ciência económica e a sua alternativa axiomática-dedutiva não-matemática da escola praxeológica de Mises.

PS: é engraçado como a matemática é uma ciência axiomática-dedutiva-apriorística, mas não pode aplicar-se à acção humana (e instintivamente devíamos ficar aliviados por isso), mas como a economia tem também de ser axiomática-dedutiva-apriorística, mas do tipo reflexiva-argumentativa. Os filósofos deviam dar conta disso. Só o homem pode estudar o homem e a sua interacção com o exterior, usando ferramentas do homem - a reflexão argumentativa, e não a matemática pura que falaria como que consigo própria.

Ainda a economia neoclássica e o liberalismo económico

Acerca da tendência de muitas pessoas para associarem a metodologia neoclássico ao liberalismo, suspeito que haverá aí uma confusão entre "positivo" e "normativo" - os neoclássicos seguem o pressuposto que os indivíduos pretendem maximizar o seu bem-estar pessoal, e derivam as suas teorias a partir daí. Isso é um juizo "positivo" (os neoclássicos consideram isso como sendo um facto, sem fazerem juízos de valor sobre se isso é bom ou mau); mas suspeito que muitos críticos e provavelmente também muitos defensores da economia neoclássica raciocinam (talvez sub-conscientemente) como se esse juízo positivo implicasse também um juízo normativo (de que é "bom" os indivíduos agirem com o objectivo de maximizar o seu bem-estar pessoal).

Wednesday, June 15, 2011

Os economistas e a economia

João Pinto e Castro escreve sobre a questão "Por que é que os economistas aparentam saber tão pouco sobre a economia?".

Antes de abordar esse texto, vou antes citar uma passagem de Pacheco Pereira que me parece relevante: "A nossa situação actual de país tutelado por burocracias internacionais, assim como o ascenso nos últimos anos de uma dominante tecnocrática de "pensamento único" com origem na hegemonia do discurso económico (aliás mais empresarial do que económico), reduzindo a política à economia, favorece estas concepções que são aliás muito fortes na actual maioria" . (destaque meu)

Onde é que eu quero chegar com isto? É que muitas das ideias que são apresentadas à opinião pública como sendo "as ideias dos economistas" são na realidade ideias vindas da área da gestão empresarial, um disciplina completamente distinta (na minha faculdade, até havia um funcionário que dizia que bastava olhar para a roupa para se distinguir um estudante de economia de um de gestão de empresas) - um exemplo é o conceito de "competitividade" (como em "Portugal perdeu competitividade"), que é muitas vezes referido nas páginas de economia dos jornais como se fosse um conceito "económico", mas a que grande parte dos economistas torce o nariz (até porque a primeira coisa que um futuro economista aprende no seu curso é talvez a teoria da vantagem comparativa de David Ricardo, segundo a qual um país, mesmo que seja mais atrasado que outro em tudo, terá sempre um sector em que será mais competitivo; ora, num mundo que funcione de acordo com a visão de Ricardo, a ideia de um país ser globalmente mais ou menos competitivo não faz sentido).

Agora, vamos analisar o artigo do JPC:

Todavia, a síntese dessa investigação que é servida aos estudantes e à opinião pública ignora sistematicamente as limitações da racionalidade humana e as falhas dos sistemas económicos que delas decorrem, em favor de uma visão cor-de-rosa do funcionamento dos mercados desregulados.

Talvez seja o curso que eu tirei que era peculiar, mas nunca dei por isso - passava-se muito mais tempo a falar de falhas de mercado do que a dizer "o mercado desregulado é o melhor".
Assim, embora o estudo do comportamento dos agentes económicos demonstre que os pressupostos da microeconomia estão errados, ela continua a ser ensinada como se nada fosse. A microeconomia - disciplina rainha da síntese neoclássica - adotou, aliás, uma metodologia oposta à da ciência experimental: partindo de um certo número de axiomas, vai por aí fora deduzindo teoremas em catadupa ao jeito de um manual de geometria. Tanto os axiomas como os teoremas são falsos, mas isso não incomoda os guardiões da teoria económica.
Agora entramos no terreno favorito dos modernos críticos da ciência económica, que é basicamente dizer "a ideia que os agentes económicos são perfeitamente racionais e procurando maximizar a sua utilidade está errada, e esse erro metodológico conduz a erro de previsão e de recomendação de politicas". Mas, se pensarmos bem, quais foram os erros a que esse pressuposto levou?

Se, como se deduz do texto, o problema é com a visão cor-de-rosa do funcionamento dos mercados desregulados, isso não tem nada a ver com a metodologia neoclássica - os argumentos pró-regulação em questões como externalidades, concorrência imperfeita, bem públicos, selecção adversa, etc. baseiam-se totalmente no modelo neoclássico do "individuo perfeitamente racional e procurando maximizar a sua utilidade" (na verdade, em questões como os bens públicos ou a selecção adversa, até me parece que é o lado "estatista" que exagera nessa visão, ao assumir que, sem intervenção do Estado, vai toda a gente ser free-rider ou que ninguém vai subscrever um seguro de saúde se for um bocadinho mais saudável que o cliente típico desse seguro).

Mesmo a tese neo-keynesiana de as recessões ocorrem porque os preços demoram a ajustar-se (se tiver disposição, ei-de escrever algo sobre isto) é perfeitamente enquadrável nesse modelo - é só assumir que pensar em mudar os preços, calcular que novos preços praticar e mudá-los efectivamente (imprimindo novos menus, p.ex.) tem um custo e portanto não é "racional e maximizador da utilidade" estar sempre a ajustar os preços à procura.
Os economistas empregam-se sobretudo no estado, nos bancos, na universidade e na televisão. As duas últimas ocupações devem ser consideradas normais, pois alguém deve explicar aos mortais que, por muito mal que as coisas corram, vivemos no melhor dos mundos, apenas perturbado pela inoportuna intervenção de políticos condicionados pelo voto popular. O fascínio dos economistas pelos bancos também não causa estranheza: afinal, como lapidarmente proclamou o assaltante Willie Sutton, "é lá que está o dinheiro".

Já é mais difícil entender-se o que fazem tantos economistas - de facto, a larga maioria deles - a trabalhar no estado, tendo em conta a sua paixão pelo mercado e pelo setor privado e a aversão instintiva que lhes desperta o setor público. Os economistas amam loucamente o mercado livre, a concorrência sem freios, o empreendedorismo audaz e a globalização absoluta - mas só de longe. Dir-se-ia que temem repetir o desapontamento dos Hebreus antigos quando, depois de vaguearem décadas pelo deserto em busca da Terra Prometida, acabaram por descobrir que, afinal, lá não brotavam das pedras o leite e o maná.
Isto é um disparate sem pés nem cabeça - admito que provavelmente a maioria esmagadora dos liberais sejam economistas, mas a maioria (esmagadora?) dos economistas não são liberais (até porque para um economista o liberalismo não é intelectualmente estimulante - é muito mais "divertido" andar a descobrir "falhas de mercado" e pensar em politicas que poderiam ser feitas para resolver essas falhas do que simplesmente dizer "o mercado resolverá o problema por si"; a única variante de liberalismo que me parece divertida para um economista é o anarco-capitalismo, que esse também abre grande margem para para a especulação intelectual sobre como é que as agências de segurança, os tribunais arbitrais e/ou os condomínios privados irão substituir as funções do Estado) - a respeito disso, ver os comentários a este post n'A Douta Ignorância.

A redução da TSU

Há uma coisa um bocado confusa nesta conversa sobre a redução da contribuição patronal para a TSU - quando se fala em reduzi-la em 4% (ou lá o que for), estão a falar de reduzi-la em 4 pontos percentuais (passando de 23,75% para 19,75%) ou mesmo de reduzi-la em 4% (de 23,75% para 22,8%)?

Por um lado, eu suspeito que estão a falar de 4 pontos percentuais (uma redução de 4% pareceria-me quase insignificante). Mas por outro por vezes lê-se coisas como "alguns especialistas vão mais longe que a redução de 4%, chegando a defender uma redução de até 50%" (e nesse caso estamos claramente a falar de percentagens, já que uma TSU de 23,75% nunca poderia ter uma redução de 50 pontos percentuais).

Tuesday, June 14, 2011

O (ainda não) governo belga

Quando a Bélgica finalmente tiver um governo e este começar a tomar medidas, será que muita gente não irá sentir saudades de não o ter?

Sunday, June 12, 2011

Evolução da votação do BE por distritos

A respeito da votação do BE, no Expresso escreve-se "a matriz urbana do eleitorado do BE afirmou-se mesmo assim. Lisboa e Porto foram os únicos distritos com descida abaixo da quebra nacional".

Onde é que os jornalistas do Expresso aprenderam a fazer contas?

Distrito 2011 2009 var
Madeira 5.567 8.446 -34%
Açores 3.966 6.965 -43%
Leiria 13.351 23.519 -43%
Aveiro 19.338 35.183 -45%
Porto 50.985 92.929 -45%
Lisboa 66.833 124.244 -46%
Faro 16.414 31.017 -47%
Braga 20.435 38.898 -47%
Total 288.118 557.091 -48%
Coimbra 13.033 25.508 -49%
Setúbal 29.620 58.827 -50%
Viana do Castelo 5.925 12.098 -51%
Beja 3.890 8.264 -53%
Santarém 13.747 29.379 -53%
Castelo Branco 4.614 10.668 -57%
Évora 4.230 10.167 -58%
Viseu 5.786 13.971 -59%
Vila Real 2.801 6.958 -60%
Guarda 3.102 7.730 -60%
Portalegre 2.743 7.109 -61%
Bragança 1.738 5.211 -67%

[fonte: Legislativas 2011]

Até não contesto muito a parte do "urbano" (ou será mais "litoral" ?), mas a parte de "Lisboa e o Porto foram os únicos..." é puro delírio (mesmo que não contemos as ilhas como "distritos", e Aveiro, Leiria, Faro...?).

Friday, June 10, 2011

Reflexões sobre a derrota do Bloco de Esquerda

Tem surgido várias explicações sobre a derrota do BE - muito radical?, muito moderado?, as duas coisas ao mesmo tempo?, pouco aberto aos movimentos sociais?, etc.  Algo paradoxalmente, acho que todas essas explicações estão certas, e vou tentar explicar porquê.

Thursday, June 09, 2011

"Empate técnico"

Andam algumas pessoas indignadas com as sondagens terem durante semanas dado "empate técnico" quando afinal o PSD ganhou por uma margem considerável.

Convém lembrar que a expressão "empate técnico" não quer dizer “a sondagem prevê que o PS e o PSD empatem na votação final”, quer dizer “a sondagem não consegue prever qual dos dois vai ser o mais votado” (na verdade, se a margem de erro da sondagem for suficientemente grande, é perfeitamente possível termos um "empate" técnico na sondagem - a diferença entre dois partidos ser menor que a margem de erro - e ao mesmo tempo um grande diferença nas votações dos dois partidos).

De qualquer forma, a ideia de que havia um empate técnico nas sondagens entre o PS e o PSD talvez não fosse totalmente correcta - se uma sondagem dá o PSD um bocadinho à frente do PS, mas com uma diferença inferior à margem de erro, podemos falar em "empate técnico"; mas se todas as sondagens darem o PSD um bocadinho à frente do PS, se calhar já não é bem "empate técnico" (é aplicar este raciocínio que o Luís Aguiar-Conraria fez no Margens de erro a respeito das últimas legislativas, mas invertendo os partidos).


Entre Portimão e o Vau. Estes pássaros só existem na Extremo-Oriente e no Sul da Península Ibérica - é estranho como é que vieram cá parar.

Tuesday, June 07, 2011

Better Off? Ron Paul for President 2012, the Revolution Continues!

Qual é afinal o género da bactéria E. coli?

Bem, se eu fizesse uma pesquisa na net penso que rapidamente descobriria, mas o facto é que toda a gente se refere a ela simplesmente como a "E. coli".

[Com género refiro-me ao "genus", não a "gender"]

Monday, June 06, 2011

Portimão - o concelho mais "bloquista" de Portugal? (editado)

Não fui ver os concelhos todos do país, mas atendendo a que a maior votação distrital do BE foi em Faro (8,16%), e que nesse distrito a melhor votação concelhia foi em Portimão (9,63%), é bastante provável que Portimão seja o concelho do país onde o BE teve mais votos (até porque tradicionais "ilhas" bloquistas tiverem votações inferiores - 8,45% em Salvaterra de Magos, 8,96% no Entrocamento).

Já agora, também suspeito que a freguesia mais bloquista do "continente" seja o Parchal (em Lagoa, Algarve), com 13,48% (embora em Rabo de Peixe, nos Açores, o Bloco tenha tido 14,74%).

Ainda sobre isso - Qual a causa da força do Bloco em Portimão? (um post meu de 2009) e O Bloco e o Algarve (2009) e Portimão e o BE (2005), por Jorge Candeias.

Adenda - o concelho mais "bloquista" de Portugal é a  Marinha Grande (9,77%)

Previsões eleitorais avulsas - rescaldo

Falhas - o PSD elegeu 4 deputados e o PS (em vez de 3-3).  O PAN e o MPT tiveram mais votos que o MEP e o PNR.

Ou seja, só acertei no que era fácil acertar.

Saturday, June 04, 2011

Previsões eleitorais avulsas

Resultados para o Algarve (deputados) - PSD: 3; PS: 3; CDS: 1; BE: 1; CDU: 1

Admito a possibilidade do deputado que atribuo à CDU ir para o PSD ou para o CDS

Pequenos partidos mais votados no "Continente": MRPP, MEP e PNR (não necessariamente por esta ordem).

Friday, June 03, 2011

Aprofundar a democracia - mandatos revogáveis

Quatro propostas para uma Democracia (mais) Real III, por Pedro Viana:

Terceira proposta: os mandatos são reversíveis.

A relação entre eleitor e seu representante assenta num elo de confiança, através do qual o cidadão acredita que aquele em quem vota vai representar a sua opinião.  No entanto, o mais frequente é esse elo de confiança ser rapidamente quebrado, a partir do momento em que o representante começa a tomar posições contrárias às que enunciou como suas antes do processo eleitoral (...).

Por tudo isto, é imperioso atribuir a cada eleitor a possibilidade de mudar de representante assim que constatar que aquele em quem votou traiu as suas expectativas. Nos sistemas políticos assentes em círculos uninominais, existe a possibilidade de recall, em que através da recolha dum certo número mínimo de assinaturas de eleitores que votem no círculo em causa é possível exigir uma nova eleição. Em círculos plurinominais, como os que existem no sistema político português, e cujo aprofundamento defendo nesta primeira proposta, um modo de atribuir a cada eleitor a possibilidade de mudar de representante seria através da atribuição dum código a cada eleitor que assim o desejasse, no momento em que votasse em urna electrónica. Cada um dos votos nessas condições teria associada uma assinatura cifrada, contendo a identificação do votante. Só através do código único na posse do eleitor, é que seria possível desvendar a identificação do votante, permitindo a este alterar o seu voto. Na prática, poderia ocorrer algo como isto: em qualquer altura no decorrer duma legislatura, alguém na posse de tal código, poderia dirigir-se, por exemplo, a uma loja do cidadão, mostra identificação, insere-a numa urna electrónica, digita o código associado ao seu voto anterior, acede a este e muda-o como bem entender (até para voto em branco, com os efeitos aqui propostos). No final recebe um novo código, associado ao novo voto, e a definição dos deputados eleitos pelo(s) círculo(s) em causa é imediatamente re-avaliada. Eventualmente, as consequências desta re-avaliação poderiam efectivar-se apenas a cada 6 meses após o início da legislatura, mas os deputados poderiam acompanhar permanentemente o que se estava a passar.

"Banqueiros e governador reúnem de emergência"

Sol - Os principais banqueiros reuniram-se ontem de emergência com o governador do Banco de Portugal (BdP) para encontrar soluções que evitem uma crise de crédito que pode estar iminente na economia portuguesa, apurou o SOL.

Thursday, June 02, 2011

Postos fora do euro?

De vez em quando fala-se da possibilidade da Grécia ser "posta fora" do euro. Da mesma maneira, no debates com Louçã e Jerónimo, Paulo Portas repetiu a tese de que, se não tivessemos chamado o FMI/FEEF o Estrado teria entrado em bancarrota e teriamos que abandonar o euro.

Na verdade, pelo que sei, os tratados europeus não fazem qualquer referência a um país poder ser "expulso" do euro; mais, mesmo por vontade própria um país membro da UE não pode sair do euro - um país-membro pode não adoptar o euro (como faz o Reino Unido, a Suécia, a Polónia, etc) mas, a partir do momento em que o adopte, só pode sair do euro se também abandonar a União.

É verdade que, mesmo que os tratados não permitem expulsar um país do euro, os outros países poderiam criar um sistema engenhoso para expulsarem um - era só abandonarem todos o euro, e depois criarem um "euro-II" entre eles, deixando a Grécia ou Portugal com o "velho" euro, mas isso deveria levantar montes de complicações jurídicas.

Agora, a respeito da relação entre a bancarrota e uma eventual saída do euro - a tese de que um Estado que caísse na bancarrota teria que saír do euro não faz sentido, como expliquei; no entanto, concordo há uma ligação entre os dois temas: o custo de saír do euro é muito menor para um país falido do que para um país "normal", logo a falência de um país aumento a possibilidade de este abandonar a moeda única. Porquê?

Sair do euro (no caso de um país que se espera que a moeda própria desvalorize) teria basicamente dois grandes problemas:

a) como a dívida do país está denominada em euros, sair do euro e desvalorizar a moeda irá aumentar brutalmente o valor dessa dívida face à riqueza nacional (a menos que o país re-denomine a sua dívida para "novos dracmas" ou "novos escudos", mas isso será uma espécie de incumprimento com outro nome)

b) a própria expectativa de saída do euro iria levar as pessoas que têm contas bancárias nesse país a transferi-las para outros, antes que o dinheiro fosse subsituito por "novos [qualquer coisa]", o que faria os bancos nacionais entrarem em ruptura; e o tempo que demoraria entre a decisão de saír do euro e a saída ser efectivamente posta em prática (para imprimir as novas notas, reprogramar os multibancos, etc.) seria mais que suficiente para essa "fuga" acontecer

Mas agora imagine-se um país cujo Estado e os principais bancos estejam falidos - nesse caso os dois problemas acima referidos tornam-se largamente irrelevantes (falido por falido...)

[Post publicado no Vias de Facto; podem comentar lá]