Friday, May 27, 2016

Juros baixos e investimento

Na última Visão, o economista Avelino de Jesus pareceu-me repetir um argumento que por vezes é feito contra a política de juros baixos:
- Para as famílias e empresas cheias de dívidas, os juros negativos permitem um certo desafogo... 
Aparentemente sim, mas os investidores não têm incentivo para investir. Se as taxas forem muito baixas, o investimento não estará a ser remunerado. Sem investimento não há emprego (...). Enquanto devedor, posso beneficiar de uma taxa de juro negativa, mas enquanto trabalhador ou empresário sou penalizado
Essa posição, de que baixos juros levam a menor investimento porque a remuneração da poupança é menor não faz grande sentido no contexto da atual política de juros baixos, como pode ser explicado aqui (atenção que isso poderia ser verdadeiro se os juros baixos fossem fixados por uma lei proibindo empréstimos ou depósitos acima de uma dada taxa de juro; mas é claramente falso no caso de juros baixos motivados por o banco central emprestar aos bancos comerciais a juros baixos ou negativos).

Se fosse só por isso nem se justificava escrever um post, tanto o assunto já foi debatido, com argumentos de um lado e do outro; mas o que me chamou a atenção foi a continuação da entrevista, uns parágrafos abaixo:
- E como se relança o investimento? O programa de compra de dívida do BCE foi feito para isso 
Os bancos não têm falta de dinheiro para o investimento. Há é falta de projetos e de confiança, porque dinheiro há.
Penso que isso encerra a questão, não? Afinal (mesmo com os tais juros baixos) não há falta de capital disponível para ser investido; o que falta são oportunidades lucrativas de investimento.

Monday, May 23, 2016

A crise venezuelana

A respeito da crise venezuelana, creio que não se pode aplicar a justificação que a esquerda radical costuma dar quando uma sociedade "socialista" entra em colapso ("o mal foi o poder ter ficado nas mãos de uma elite de burocratas, em vez da economia ter sido verdadeiramente gerida pelos e para os trabalhadores") - se olharmos para as prováveis causas da crise (pouco investimento nas empresas produtoras de energia, câmbio sobrevalorizado, preços artificialmente baixos de certos produtos, etc.), são tudo decisões que foram populares (ou, pelo menos, não foram impopulares) quando foram tomadas, logo provavelmente teriam à mesmo sido tomadas se a decisão fosse, não por decretos de Chavez, mas por um congresso geral de conselhos operários ou coisa parecida.

Friday, May 20, 2016

Recordando a Comuna de Paris

Remembering the Paris Commune, por Roderick Long, nos Bleeding Heart Libertarians:

This month marks the 145th anniversary of the violent suppression of the Paris Commune by the French national government. 
The Paris Commune remains a potent symbol for many people – though what exactly it symbolizes is a matter of dispute. To conservatives, the Commune stands for a reign of terror and mob rule. For many radicals, including anarchists and Marxists (even though at the time, Marx himself opposed the Commune as a “desperate folly” and urged would-be insurrectionists to work within the system), it signifies a community that importantly prefigures their own preferred social and political systems. 
The Commune wasn’t quite any of these things. While it bears responsibility for some foolish decisions (such as trying to relieve bakers of their long hours by forbidding them to work at night, which is a bit like trying to cure a disease by punishing anyone who shows symptoms of it) and some wicked decisions (most notably, executing the noncombatant hostages), on the whole the Commune behaved in a rather moderate and restrained fashion, and was far from being the sanguinary monster of conservative nightmares. (...) The invasion and massacre instituted by the national government at Versailles in May 1871 to put down the Communards’ insurrection has far more claim to be described as a reign of terror than anything the Commune itself did. 
While it certainly has inspired anarchists and attracted their sympathy (Louise Michel being the most prominent anarchist figure to emerge from the movement), the Commune was not in any real sense an anarchist project. Yes, it was a working-class insurrection, but one aimed at establishing, and one that did in fact establish, a government. (...) 
Nor can the Marxists plausibly claim the Commune as a precursor. While generally statist-left-leaning in their policies, most leaders of the Commune had no interest in abolishing private property; as Marx himself noted, “the majority of the Commune was in no sense socialist.” The term “Commune” refers not to communism but to the independent mercantile cities, called “communes,” that flourished in Europe at the end of the medieval period. 

Wednesday, May 18, 2016

Repensando "Música no Coração"

A castanho, a votação nas eleições legislativas alemãs do Partido da Direita Alemã (1949), do Partido do Reich Alemão (de 1953 até 1961), do Partido Nacional Democrático da Alemanha (desde 1965) e da União do Povo Alemão (em 1998); a azul, a votação nas eleições legislativas austríacas da Federação dos Independentes (até 1953) e do Partido da Liberdade da Áustria (desde 1956).

[Post publicado no Vias de Facto; podem comentar lá]

Tuesday, May 17, 2016

Irlanda - crescimento artificial graças à Pfizer?

Em parte (o crescimento irlandês parece que é mesmo o maior da Europa, mas será menor do que as estatísticas milagrosas de 7% ou 8%).

Doing the maths: how real is Ireland's economic growth? (Independent)

The ESRI estimates that the Irish economy grew by 6.7pc in 2015 and is forecasting GDP growth of 4.8pc for this year. GNP, which is generally regarded as a better measurement of the underlying performance of the Irish economy, is also growing strongly, with the ESRI reckoning that it grew by 5.2pc last year and that it will grow by a further 5.3pc this year.

But how real is this economic growth? (...)

Measuring the true level of Irish economic activity has always been a tricky topic for economists. The generally accepted international standard is gross domestic product (GDP). The problem with GDP for Ireland is that it includes the undistributed profits of foreign-owned multinationals. This has the effect of artificially boosting the value of Irish economic output, since those profits belong not to Irish residents, but to the multinationals' overseas shareholders.

It is for this reason that gross national product (GNP), which excludes undistributed multinational profits, is the usually preferred measure of Irish economic output. (...)
Unfortunately, just when it seemed as if it was safe to trust the GNP figures once more, a new cloud has appeared on the horizon.

While re-registration may have had its day, a new but closely related phenomenon has since emerged to take its place: tax inversion.

Tax inversion takes place when a much larger, usually American, company agrees to be taken over by an Irish-registered company.

Under existing international tax law, this allows the enlarged company to be classified as 'Irish' and to qualify for our 12.5pc corporate profits tax rate - rather than Uncle Sam's punitive 35pc rate.

Since 2012, at least 21 major US corporations with a combined value of well over a third of a trillion dollars have gone through the tax inversion process. Many of these tax inversions have involved Irish-registered companies including Medtronic's takeover of Covidien, Perrigo's acquisition of Elan and Actavis' takeover of Allergan. 
However, it is the latest tax inversion-driven deal that has focused attention on the emerging problem. In November 2015, Pfizer, the world's largest pharmaceutical company, announced that it had agreed a $160bn 'merger' with Allergan, which, following the previous Actavis transaction, is an Irish-registered company.

This means that the combined Pfizer/Allergan will be tax-resident in Ireland - and presumably that the $21bn of undistributed profits that Pfizer has on its balance sheet would be added to the Irish GNP figure. (...)

Professor FitzGerald doesn't specifically address the tax inversion issue in his June 2015 paper, but he does identify another potential problem, aircraft leasing, with up to 20pc of the world's civil aviation fleet either owned or managed by Irish-based leasing companies.

So how on Earth is one supposed to make sense of official Irish economic statistics?
In fairness to the CSO, it is not unaware of the problem. It set up a Large Cases Unit in 2009 to liaise with the largest Irish-based companies in an effort to identify potential distortions.

However, even with the best will in the world, the CSO is constrained, as it is obliged to produce its data in accordance with international standards - standards that aren't always appropriate to Irish conditions.

"GDP and GNP are very imperfect measures of how the economy is actually doing. The focus should be on domestic demand; investment, consumption and government spending," says Goodbody Stockbrokers economist Dermot O'Leary.

Using these indicators, Mr O'Leary reckons the Irish economy grew by 4.5pc in 2015 and that it will grow by a further 4pc in 2016.

"We are living in a 4pc-plus economy, rather than in a 7pc economy. If you compare that with the rest of Europe, we still have the best-performing economy," he says. (...) 
With GDP and now GNP having been apparently skewed by factors such as non-repatriated profits, companies re-registering and now tax inversions, readers of Irish economic statistics would be well advised to proceed with caution.
Também sobre isto - Pfizer as Irish firm would swamp Ireland's national accounts (1 de novembro de 2015)

[Publicado também no Vias de Facto; podem comentar lá]

Friday, May 13, 2016

Já que tanto se fala em "liberdade de educação"...

Sociedade sem Escolas [pdf], de Ivan Ilich:

Devo meu interesse pela educação como uma função pública a Everett Reimer. Antes de nosso primeiro encontro em Porto Rico, em 1958, nunca havia questionado o valor de estender a obrigatoriedade escolar a todo o povo. Juntos, chegamos à conclusão de que a maioria dos homens tem seu direito de aprender cortado pela obrigação de freqüentar a escola.

Hillary Clinton e os extra-terrestres

Hillary and the Extraterrestrials, por Jesse Walker:

Every now and then an interviewer will ask her about sky saucers, and she'll reply with an apparently earnest pledge to open the government's files on the subject, sometimes adding that we can't say for sure whether we're alone in the universe. Now The New York Times has put together a detailed story on her interest in extraterrestrials (...)

It's easy to mock this, but I've decided it's actually one of the few things I like about Hillary Clinton. I've got three reasons:

1. At least she wants to be transparent about something. I'd rather she pardon Snowden, end the Leak Scare, stop the war on whistleblowers, and battle Washington's overclassification epidemic. But a smidge is better than nada.

2. Almost every aspect of Clinton's public persona feels like it was designed by a committee of PR professionals after they spent a year asking focus groups what they'd like to see in a firm-but-caring suburban grandmother. Her interest in something vaguely weird and disreputable is one of the few signs she's not a pod person.

3. If she is a pod person, this is our chance to find out.

Wednesday, May 11, 2016

Quem votou nos vários candidatos Republicanos?

The Four Corners Of The GOP (Trump Owns Three Of Them), por David Wasserman (FiveThirtyEight):

Thus far, the two best predictors of GOP voter preferences have been white socioeconomic status and an area’s partisanship. (...)

HighBlue (...)

These liberal, elite urban and academic havens aren’t home to many GOP voters, but they dominate the Northeast, Mid-Atlantic and West Coast and punch above their weight in the delegate count. This is the only quadrant where Kasich and Marco Rubio have combined for more votes than Trump. (...)

LowBlue (...)

They’re all traditionally Democratic-leaning areas of low socioeconomic status where Trump has posted his highest percentages in the country. These GOP voters tend to live in the midst of racial minorities, urban Democratic machines or declining industrial bases, and their sense of alienation is rocket fuel for Trump’s nativist and protectionist message. (...)

HighRed (...)

Well-educated Mormons in the West and well-heeled conservatives in suburbs of Milwaukee and Dallas have had little use for Trump. This is Cruz’s best quadrant and Trump’s worst. In fact, it’s the only quadrant where Trump is losing. (...)

LowRed (...)

Deeply red areas with low white socioeconomic status are mostly located in the South and the Sun Belt and include many areas popular with retirees. Cruz hasn’t performed much worse in LowRed than he has in HighRed, but Trump does much better in LowRed than HighRed
Em suma, a maior base de apoio de Rubio e Kasich terão sido os eleitores de classe alta/média-alta vivendo em zonas metropolitanas/cosmopolitas tipicamente Democratas; provavelmente aqueles Republicanos cujas principais preocupações são os impostos, e não tanto a imigração ou a defesa da civilização cristã.

Os apoiantes mais entusiastas de Trump  serão eleitores de classe baixa/média-baixa vivendo em zonas tipicamente Democratas, como grandes cidades (ou então algumas zonas de maioria negra do Sul) - provavelmente os sectores mais conservadores da classe operária branca, a facção do eleitorado Republicano que pretendia ser caricaturada pelo personagem "Archie Bunker" de "Uma Família às Direitas".

Já os maiores apoiantes de Cruz eram os eleitores de classe alta/média-alta vivendo em zonas tipicamente Republicanas - as clássicas famílias da classe média religiosa e respeitável das pequenas cidades do Oeste (já agora, veja-se também as exit polls, que indicavam que as maiores votações de Cruz eram entre os evangélicos com formação universitária).

Finalmente, entre os eleitores de classe baixa/média-baixa vivendo em zonas tipicamente Republicanas, Trump foi também o vencedor, mas também com muita força para Cruz;  trata-se aqui, sobretudo, do "Sul profundo".

Monday, May 09, 2016

As contradições dos defensores e dos críticos dos contratos de associação

Nesta polémica (e similares, como as do cheque-educação), noto frequentemente uma curiosa inversão das posições habituais.

Por um lado, à esquerda ouve-se frequentemente dizer que há total liberdade de educação, que quem quiser pode matricular os filhos num colégio privado, tem é que pagar do seu bolso; mas quem diz isso são por regra as mesmas pessoas que, noutros contextos, são quem mais diz que a dependência económica restringe a liberdade (p.ex., que os contratos de trabalho não são verdadeiramente livres, já que os empregados, como não possuem os "meios de produção", são obrigados a trabalhar para os patrões), e que aqui defende entusiasticamente a conceção "burguesa" da liberdade ("és livre -se tiveres dinheiro, podes fazer o que quiseres").

Há direita e entre os liberais, há a contradição simétrica - na questão da educação, defendem que para alguém ser livre, é preciso que o Estado o subsidie para poder adquirir os bens (neste caso, o serviço) que deseja. Claro que a direita parece ter um mínimo de coerência, dizendo que esses subsídios é receber de volta o dinheiro que pagamos de impostos (ou que não se pode obrigar as pessoas a pagar duas vezes pela educação); mas quem diz isso são os mesmos (ou pelos menos escrevem nos mesmos blogues...) que, quanto, se fala em progressividade fiscal, publicam logo uma carrada de posts dizendo que uma pequena percentagem da população paga o IRS quase todo - é verdade que isso é falacioso, já que o IRS nem é o principal imposto em termos de receita, mas é esse o argumento que eles fazem. Ora, a partir do momento em que se adota a posição de que grande parte da população contribui, comparativamente, pouco para os impostos, isso implicaria logicamente considerar que para grande parte da população os tais subsídios para pôr os filhos nos colégios privados são isso mesmo - subsídios; não são nenhuns impostos "devolvidos". A contradição torna-se ainda mais óbvia quando vão mais longe na argumentação e dizem que são sobretudo os mais pobres que ficam pior, já que enquanto as pessoas de maiores rendimentos, mesmo depois de pagar os imposto, têm dinheiro para pagar um colégio privado, os mais pobres não têm capacidade de fazer o tal duplo pagamento (os impostos e mais a educação privada), sendo assim obrigados a frequentar a escola pública - os mesmos pobres que, recorde-se, são descritos pelos mesmos (nas tais discussões sobre o sistema fiscal) como não pagando impostos quase nenhuns (logo, para eles os tais subsídios não teriam quase nenhuma componente de devolução de impostos).

Friday, May 06, 2016

Escolas com contrato de associação e RSI pago em géneros

Quase que aposto que por norma as pessoas que são contra as escolas com contrato de associação são as que são mais a favor do RSI ser pago em dinheiro e não em géneros, e que por outro lado grande parte dos defensores do RSI em géneros são a favor as escolas com contrato de associação.

Wednesday, May 04, 2016

A direita portuguesa é peculiar?

No Observador, o Luís Aguiar-Conraria interroga-se sobre "[onde] está a direita liberal em Portugal?".

Mas haverá algo de excecional em Portugal a esse respeito? Afinal, se formos ver a maior parte dos países europeus, pelo menos a nível de representação política, quem domina na direita não são os liberais - em quase todos esses países as maiores forças de direita são, ou os conservadores, ou os democratas-cristão (que tanto uns como os outros têm muito das suas raízes na reação clerical-aristocrática contra o liberalismo oitocentista - e ao principio a "democracia-cristã" tinha pouco a ver com "democracia") , ou a extrema-direita, não os liberais, que frequentemente são representados por partidos relativamente pequenos; claro que se pode argumentar que os Liberais-com-L-grande podem ter pouco influência mas os políticos nominalmente conservadores por vezes defendem posições liberais-com-l-pequeno: veja-se o apoio da Merkel ao acolhimento dos refugiados ou a legalização do casamento homossexual no Reino Unido de David Cameron; mas mesmo essas posições foram largamente contra importantes setores e/ou contra a posição habitual dos respetivos partidos.

Da mesma forma, também nos EUA, há tempos o Paul Krugman escrevia um artigo um pouco parecido com o do LA-C, notando "[[t]here ought in principle, you might think, be people who are pro-gay-marriage and civil rights in general, but opposed to government retirement and health care programs — that is, libertarians — but there are actually very few" (o artigo talvez tenha sido é prematuro no parágrafo seguinte, quando refere a "corresponding empty box on the other side, which is maybe even emptier; (...) I remember the good old days when rampaging union workers — who presumably supported pro-labor policies, unemployment benefits, and Medicare — liked to beat up dirty hippies. But it’s hard to find anyone like that in today’s political scene", já que ontem à noite talvez o Partido Republicano tenha consumado uma viragem nesse sentido).

E, já agora, noto que os partidos da direita parlamentar portuguesa são ambos afiliados ao Partido Popular Europeu (originalmente democrata-cristão, em transição para uma organização genericamente de centro-direita), não a nenhuma das organizações internacionais supostamente liberais, logo não se pode exigir que sejam coerentes a defender uma ideologia que eles não reivindicam como a sua (tanto o PSD como o CDS dizem que lá há espaço para liberais, mas não dizem que são liberais).

Claro que uma coisa são os partidos políticos, outra são os intelectuais - efetivamente nos últimos anos tem surgido um movimento (nomeadamente on-line) de pensadores e autores liberais, e alguns deles por vezes defendem posições que talvez não sejam as mais puristas nalgumas questões (mas não sei se a polémica da escolas será o melhor exemplo; de qualquer forma, admito que um radical de esquerda - como eu - não seja a pessoa mais adequada para definir quem é e quem não é verdadeiramente "liberal"). Suponho que o que se passará também seja que se calhar pessoas que no Reino Unido ou nos EUA se considerariam "conservatives" em Portugal se consideram "liberais", já que em Portugal "conservador" (que muitas vezes é usado pejorativamente) ou "tradicionalista" está mais associado ao miguelismo ou ao salazarismo do que ao conservadorismo de tipo anglo-saxónico.

O LA-C escreve que "que a nossa Direita [é] peculiar e que, na verdade, mais do que reduzir o peso do Estado, o que pretend[e] [é] mesmo substituí-lo pela Igreja"; isso faz lembrar um pouco o que o Krugman dizia de que "conservatism is instead about preserving traditional forms of authority: employers over workers, patriarchs over families". Mas, vendo bem, não há nenhuma peculiaridade nisso, nem nenhum segredo oculto que "a direita" ou os "conservadores" estejam a esconder - os textos teóricos do conservadorismo (tanto do continental como do anglo-saxónico) e da democracia-cristã repetem constantemente o tema da defesa do "corpos intermédios" (família, comunidade local, igreja, profissão, etc.) contra simultaneamente o estatismo e o individualismo, e a ideia que o estatismo e o individualismo se reforçam um ao outro, já que ambos enfraquecem os tais corpos intermédios (e que a defesa dos direitos individuais seria a desculpa favorita do Estado centralizado para invadir a autonomia dos pequenos grupos). O livro que Robert Nisbet escreveu com a intenção de apresentar a ideologia conservadora (Conservatism: Dream and Reality, publicado em português como O Conservadorismo) praticamente quase só fala disso do principio ao fim. Ou seja, a posição de reduzir o tamanho do Estado para assim fortalecer a Igreja não é nenhum segredo oculto nem nenhuma exceção portuguesa - é algo que está escarrapachado nos textos dos autores conservadores, por todo o mundo ocidental (ok, eles referem os corpos intermédios em geral, não apenas a Igreja em particular, mas esta costuma vir incluída).

Monday, May 02, 2016

Ainda sobre os "liberais" norte-americanos

Ainda a respeito da minha ideia de que o "liberalismo" norte-americano talvez possa ser considerado, apesar de tudo, como uma derivação do liberalismo "histórico", há um aspeto (à primeira vista secundário, ou até folclórico) que acho interessante analisar: o cinema norte-americano, frequentemente apresentado pelos conservadores como sendo um bastião "liberal".

E o que é de notar é que o cinema "liberal" até não é particularmente coletivista, ou é mesmo bastante individualista (num certo sentido de "individualismo") - há umas semanas, na revista do Expresso, numa critica a um filme, alguém até referia que o típico filme "liberal" girava à volta do conflito entre um individuo e uma instituição poderosa. E dá-me a ideia que os enredos típicos de filmes com mensagem "liberal" andavam num destes tipos:

O que foi historicamente o "liberalismo"?

Uma passagem de "Porque Falham as Nações?" que me inspira a escrever mais qualquer coisa: no capítulo respeitante à Revolução ("Gloriosa") Inglesa de 1688, depois de falarem de muitas das reformas feitas pelo novo regime (abolição de grande parte das concessões monopolistas, reforma fiscal substituindo uns impostos por outros, etc.) os autores referem a evolução da despesa pública (página 236):

O Estado começou a expandir-se, tendo as despesas atingido 10% do rendimento nacional. Isso apoiou-se numa expansão da base tributária, em particular no que se referia ao imposto de consumo, que incidia sobre a produção de uma longa lista de bens produzidos internamente. Tratava-se de um orçamento de Estado muito elevado para a época...

Cultura, tecnologia e instituições - uma hipótese

Ali em baixo, sugeri a ideia de que uma cultura que valorize mais a inteligência que a "inteligência emocional" - ou, noutras palavras, mais o raciocino lógico-abstrato do que a capacidade de relacionamento interpessoal - poderá tender a produzir simultaneamente mais progresso tecnológico e instituições inclusivas. Que raciocínio fiz eu para chegar a essa hipótese (que até prefiro que esteja errada - como bom esquerdista, prefiro explicações baseadas nas instituições e estruturas socais, que têm a implicação de que basta mudar "o sistema" para resolver os problemas do mundo)?

Vamos por partes.

Procurando as instituições inclusivas e extrativas na prática (III)

Mas, ainda a respeito disto, a Bloomberg lançou um indíce de países mais "inovadores", o que talvez possa ser também usado para medir o crescimento "inclusivo".

O índice por ordem (os nomes estão em inglês, pelos motivos já explicados) - diga-se que eu não percebo muito bem como a Bloomberg fez esta ordenação (até porque a página onde apresentam isso nem é muito fácil de navegar):

1º Korea, South
2º Japan
3º Germany
4º Finland
5º Israel
6º United States
7º Sweden
8º Singapore
9º France
10º United Kingdom
11º Denmark
12º Canada
13º Australia
14º Russia
15º Norway
16º Switzerland
17º Austria
18º New Zealand
19º Belgium
20º Netherlands
21º Ireland
22º China
23º Spain
24º Italy
25º Poland
26º Slovenia
27º Malaysia
28º Luxembourg
29º Greece
30º Portugal
31º Czech Republic
32º Hungary
33º Ukraine
34º Hong Kong SAR
35º Turkey
36º Iceland
37º Romania
38º Croatia
39º Bulgaria
40º Serbia
41º Latvia
42º Slovak Republic
43º Lithuania
44º Tunisia
45º Malta
46º Thailand
47º Brazil
48º Argentina
49º South Africa
50º Morocco

Procurando as instituições inclusivas e extrativas na prática (II)

Agora o passo seguinte seria ir comparar estes resultados com alguma medida da "produtividade total dos fatores" (TFP) para ver se os países mais "inclusivos" (isto é, os tais com democracia, estados "grandes", pouca micro-regulação económica e poucas diferenças de riqueza) teriam um crescimento maior da TFP (a melhor medida de crescimento inclusivo, por oposição ao crescimento extrativo, que seria o derivado do crescimento da quantidade de fatores de produção - trabalho e capital - utilizados) que os "extrativos" (os tais com regimes autoritários, estados "pequenos", muita micro-regulação e grandes diferenças de riqueza).

A minha primeira ideia era não fazer isso, já que não sabia onde encontrar esses dados e, de qualquer maneira, as estimativas da TFP tendem a ser muito duvidosas; entretanto comecei a ler este artigo de Noah Smith e primeiro pensei "olha, afinal até há estatísticas à mão sobre isso - talvez as possa usar"; mas minutos depois desisti da ideia, por duas razõess: por um lado porque esses dados eram só para os países da OCDE;e, por outro, e mais importante, a leitura do post afinal reforçou a minha opinião original sobre a pouca credibilidade das estatísticas da TFP.

Mas se algum leitor souber de alguma estatística de dados da TFP com muitos países e confiar nesses valores, e estiver disposto a fazer a comparação para ver se os países "inclusivos" têm maior, menos ou igual crescimento da produtividade que os "exclusivos"...

Procurando as instituições inclusivas e extrativas na prática (I)

Procurando ver se, olhando para dados quantificáveis, se poderia identificar algo como as tais instituições "extrativas" ou "inclusivas", peguei nos índices da Freedom House sobre democracia e liberdades civis [PDF] e nos da Heritage Foundation sobre liberdade económica, e também na estimativa da CIA para o indíce de Gini sobre a repartição do rendimento.

"Why Nations Fail"

Um livro e um blogue que andei a ler.

Basicamente, a tese dos autores é que muitos países não se desenvolvem devido ao que eles chamam "instituições económicas extrativas", isto é, o uso do poder pelas elites para extraírem riqueza do resto da população (exemplos - tributos, escravatura, trabalho forçado, monopólios comerciais, corrupção, etc.); isso tenderá a suprimir o crescimento económico, no melhor dos casos por reduzir os incentivos à inovação, e no pior por decisão deliberada de suprimir inovações por estas poderem desestabilizar os equilíbrios sociais tradicionais. Por sua vez, essas "instituições económicas extrativas" estarão associadas a "instituições políticas extrativas", em que o poder está nas mãos de uma elite reduzida.

Segundo eles, o atraso económico não é o resultado de políticas erradas ou de problemas culturais, geográficos/ambientais ou genéticos, mas de uma política deliberada das elites dominantes.

Para começar, isto faz-me lembrar uma coisa que se ensina nos cursos de Economia - que há um trade-off entre equidade e eficiência, já que as intervenções do Estado para reduzir a desigualdade económica tendem a distorcer os incentivos, e portanto a reduzir a eficiência.

Mas, se pensarmos um bocadinho, facilmente concluímos que não há nenhum conflito entre equidade e eficiência - o que há é um conflito entre intervenção do Estado e eficiência, seja essa intervenção feita para reduzir desigualdades ou, pelo contrário, para enriquecer elites. Provavelmente a razão porque nos cursos de Economia se enfatiza a questão da equidade vs. eficiência é porque só nos países em que o Estado redistribui de cima para baixo é que se pode publicar estudos académicos sobre os efeitos disso; já nos países em que o Estado redistribui de baixo para cima uma tese académica à volta do tema "Efeitos sobre a alocação dos recursos da quota de 10% que a primeira-dama tem em todas as empresas: uma análise econométrica multi-seccional" dificilmente seria aprovada para publicação e os vizinhos do autor talvez achassem falta dele (basicamente, os Estados que redistribuem de cima para baixo podem dar-se ao luxo de tolerar críticos, já que a maioria da população é beneficiária líquida do sistema e assim os críticos do Estado Social são largamente inofensivos - por mais estudos que se publiquem sobre "ineficiências", propostas para abolir ou reduzir brutalmente a redistribuição dificilmente ganharão eleições; pelo contrário, a redistribuição de baixo para cima tem a oposição potencial da maior parte da população, logo tem que recorrer à repressão aberta para se manter).

Dito de outra maneira, a ideia do conflito entre equidade e eficiência talvez seja mais um exemplo de como características exclusivas dos países WEIRD (Western, Educated, Industrialized, Rich, Democratic) são tratadas como se fossem regras universais, quando na verdade são exceções "estranhas" (se comparadas com a maior parte dos países do mundo e/ou com a maior parte da história humana).

[Já agora, recomendo este post de Branko Milanovic sobre a "ricardian windfall", que me parece se referir a um caso particular desta situação]

A análise dos autores é um pouco mais complexa do que apresentei acima, já que é largamente uma análise trilateral - a nível político, eles distinguem entre instituições inclusivas centralizadas (em que existe um poder estatal suficientemente forte para manter a lei, e em que muita gente participa no poder político), instituições extrativas centralizadas (em que existe à mesma um poder estatal forte, mas nas mãos de uma elite) e instituições descentralizadas (em que não existe um poder estatal forte); segundo eles, as instituições extrativas centralizadas podem ter um tipo especifico de crescimento económico, a que eles chamam também de "extrativo": crescimento económico motivado apenas pela acumulação de recursos - mais trabalho e/ou mais poupança; já o crescimento económico duradouro, motivado não apenas pelo aumento dos recursos disponíveis, mas pela adoção de formas mais eficientes de utilizar esses recursos (melhores métodos de trabalho, produtos mais sofisticados, etc) requererá instituições inclusivas (faz um certo sentido - é possivel obrigar as pessoas a poupar mais ou a trabalhar mais, mas já não é tão fácil obrigá-las a descobrir formas mais eficazes de produzir); já as sociedades sem instituições políticas centralizadas não teriam nenhum dos tipos de crescimento económico - nem o motivado pela inovação, nem o motivado pela acumulação forçada de recursos.

[A respeito da diferença entre os dois tipos de crescimento económico, recomendo o artigo The Myth of Asian Miracle, de Paul Krugman, onde este argumenta que o crescimento económico dos "tigres" asiáticos, tal como dos países comunistas nos anos 50, foi unicamente gerado por altas taxas de poupança e por aumentos do nível de escolaridade, e não, como no Ocidente, por progresso tecnológico - creio que se trata do mesmo fenómeno a que Acemoglu e Robinson chamam "crescimento extrativo"]

Pelo que percebi, os autores incluem nas "instituições inclusivas" os regimes liberais clássicos do século XIX e os "estados sociais" do século XX e XXI (ou seja, os regimes sem redistribuição e os que redistribuem de cima para baixo), e nas "extrativas" o feudalismo, a escravatura, o comunismo, o fascismo, o sistema latifundiário latino-americano, o colonialismo, etc., etc... Nesse aspeto (e ignorando eu quais as suas orientações políticas), parecem-me seguir o que penso que era a linha tradicional do "liberalismo" norte-americano - apresentar o New Deal, a New Frontier, a Great Society, etc., como a continuação do espírito do liberalismo oitecentista (por alguma razão auto-denominavam-se "liberais") e os vários inimigos dos EUA como variantes da oposição aos valores da Liberdade, Igualdade e Democracia.

Agora, algumas observações críticas.

Os autores acabam por não dar um critério muito claro para definir se uma dada instituição é extrativa ou inclusiva, o que torna difícil testar o modelo. Por exemplo, nas instituições económicas extrativas, é claro que eles consideram como "extrativas" aquelas em que os ricos se mantêm ricos através de meios coercivos e/ou por ligações ao poder políticos (trabalhos forçados, escravatura, servidão, concessões de monopólios comerciais, privatizações fraudulentas, etc.); também incluem as situações em que grandes proprietários rurais cobram pesadas rendas aos camponeses, mas pode-se considerar também uma variante do caso anterior (na medida em que o Estado e a propriedade do solo são conceitos muito semelhantes - um Estado tem sobre o seu território direitos muito semelhantes aos que um proprietário imobiliário tem sobre a sua propriedade; se calhar por alguma razão em inglês "Estado" - "state" - e "propriedade imobiliária" - "estate" - se dizem de forma muito parecida; e de qualquer forma é duvidoso que grandes desigualdades na repartição da terra possam surgir por vias puramente mercantis); mas fiquei sem perceber muito bem se eles consideram também como "extrativas" situações em que grandes desigualdades (e sobretudo situações de monopólio ou oligopólio) resultem do simples mecanismo do mercado.

Além disso, no caso da propriedade intelectual, eles parecem considerá-la ao mesmo tempo "inclusiva" e "extrativa": numas situações apresentam o reforço da propriedade intelectual como uma instituição inclusiva, que permite aos inventores lucrarem com o seu trabalho, em vez de ele ser aproveitado de graça pelos que já são ricos, mas noutras (pelo menos numa passagem do livro, acerca do parlamento britânico ter rejeitado um pedido de - creio - James Watt para prolongar uma patente) dão a entender que prazos muito prolongados de propriedade intelectual são "extrativos". É verdade que isso até pode ter uma certa lógica - é perfeitamente possivel considerar-se que um inventor deve ter direito a "x" anos de monopólio, logo uma patente no ano x-1 será simplesmente garantir ao trabalhador o fruto do seu trabalho e no ano x+1 será um monopólio injustificado concedido pelo Estado à custa do interesse geral; mas o problema disso é que, de novo, torna difícil testar (e falsificar) a teoria (se um país com fortes proteções à propriedade intelectual tiver alto crescimento económico, pode ser considerado uma prova de que instituições inclusivas conduzem ao crescimento, e se tiver baixo, é a prova que instituições exclusivas limitam o crescimento...).

No caso das instituições políticas, há um problema similar: os autores considerem que as instituições políticas inclusivas são melhores para o crescimento que as extrativas; e também consideram que o poder centralizado é melhor que o fragmentado (ou seja, para os autores uma espécie de "centralismo democrático" parece ser o ideal). Qual é o problema aqui? É que historicamente (pelo menos até à Revolução Francesa, que complicou a questão) tem (ou tinha) havido uma clara associação entre democracia e descentralização - as monarquias eram grandes estados ou impérios, e as repúblicas e democracias eram cidade-estados (como a Grécia clássica ou a Itália renascentista), federações (como as Províncias Unidas, a Suíça ou a Comunidade Polaca-Lituana), ou sociedades sem Estado em que cada aldeia se governava democraticamente (um bom exemplo poderão ser os habitantes do Atlas marroquino, que os autores até referem no blog).

Aliás, no século XVIII a regra país pequeno → república; país grande → monarquia parecia tão dominante que Montesquieu, n'O Espírito das Leis, chegou a formalizá-la: num Estado pequeno, como uma cidade, é fácil reunir todo o povo para tomar decisões, e mesmo que seja um senado aristocrático os seus membros conhecem facilmente os problemas da cidade, logo uma república - democrática ou aristocrática - será o melhor regime; num Estado maior, os cidadãos perdem a noção de um interesse comum a defender (passando em vez disso a haver múltiplos interesses e casos particulares), logo a república já não funcionaria e o melhor regime seria uma monarquia; num Estado mesmo muito grande, os notáveis locais, protegidos pelas grandes distâncias, seriam tentados a se tornarem de facto independentes, e para impedir isso uma monarquia tradicional (limitada pelas leis e pelos costumes) não bastava, sendo necessário um déspota com poderes absolutos que governasse pelo medo e pelo terror [PDF].

Quais as implicações disso para o modelo de Acemoglu e Robinson? De novo, torna difícil testar a teoria - se, no mundo real, os sistemas políticos mais inclusivos são (ou foram durante milénios) também aqueles com um poder central fraco ou inexistente, os dois aspetos da teoria entram em contradição - p.ex., se um sociedade fragmentada de cidades-estado republicanas tiver grande crescimento económico, isso confirma a teoria da superioridade das instituições inclusivas, ou pelo contrário refuta a teoria da superioridade das instituições centralizadas? Ou se uma sociedade ainda mais fragmentada de tribos com chefes que pouco mandam e em que qualquer decisão implique reunir um conselho de aldeia tiver baixo crescimento económico isso refuta a teoria da superioridade das instituições inclusivas ou, pelo contrário, confirma a da superioridade das instituições centralizadas?

Os autores, a dada altura, apresentam o sucesso da Veneza republicana como um exemplo da vantagem das instituições inclusivas; um pouco mais à frente, apresentam a estagnação da Polónia (uma monarquia eletiva em que os aristocratas e as assembleias regionais tinham muitas formas de bloquear o governo central) como um exemplo da desvantagem de um poder central fraco. Mas fico com a sensação que bastaria a Polónia ter sido um sucesso e Veneza um fracasso para que eles viessem notar que a Polónia tinha das instituições políticas mais inclusivas da época (com para aí 15% da população com direito a voto) e que o norte de Itália era uma coleção de cidades independentes, em que as supostas autoridades do Papa e do Imperador Romano-Germânico eram na prática inexistentes.

Diga-se que, aparentemente, depois da Revolução Francesa houve uma quase viragem de 180º - no século XIX (e, dentro dos limites da sua importância, no XX) os tradicionalistas defensores da monarquia e da nobreza tornaram-se os grandes defensores da autonomia regional e local (frequentemente animando guerrilhas regionalistas), enquanto que democratas e republicanos tendiam a combinar a defesa da democracia, do governo constitucional e da liberdade individual com a da autoridade do governo central (mas também dá-me a ideia que o regionalismo dos tradicionalistas foi fundamentalmente um fenómeno "de oposição" - nos casos em que se mantiveram no poder, como Metternich ou Bismarck, ou em que o recuperaram, como Franco ou de certa forma Salazar, creio que foram tão ou mais centralizadores que os liberais). Mas não me parece que esta exceção (que até suponho ter sido mais teórica que prática) mude os dados do problema, até porque tenho a ideia que Acemoglu e Robinson têm a pretensão de explicar os últimos 3.000 anos de história económica, não os últimos 200.

Agora, uma questão que me parece que os autores evitam no livro, emboram abordem no seu blogue: até que ponto os impostos cobrados pelo moderno Estado Social e Democrático não terão os mesmos efeitos distorcedores criados pelos tributos, rendas e afins cobrados pelas "instituições extrativas"? Os autores (no último post que escreveram, há quase um ano...) aventam a hipótese de num regime democrático as pessoas acharem esses impostos legítimos, já que vão para pagar despesas decididas por elas através do processo democrático; mas isso não explica o fundamental - porque é que essas taxas de imposto não desincentivam a inovação? Mesmo que as pessoas até concordem com a forma como os impostos são gastos, será de esperar (pelo menos se assumirmos os tais agentes racionais e movidos pelo interesse próprio da economia tradicional) que queiram à mesma reduzir os impostos que elas individualmente pagam, logo tenham menos motivação para trabalhar, poupar e inovar. Diga-se, aliás, que outros trabalhos dos autores até vão no sentido de considerar que o "Estado Social" efetivamente pode reduzir a inovação, logo não é um assunto que lhes seja estranho.

Diga-se que eu já estava a escrever esta "review" ainda antes de os autores escreverem o tal último post (sim, isto está há não sei quanto tempo nos rascunhos), e na altura tentei interpretar o pensamento dos autores e perceber porque é que eles consideravam as "instituições extrativas" (isto é, a redistribuição de baixo para cima) piores para o desenvolvimento económico do que o "Estado Social"; entretanto cheguei (pelo tal post) à conclusão que eles próprios não sabem bem, mas de qualquer maneira vou expor o que eu pensei que talvez fossem os raciocínios implícitos de Acemoglu e Robinson.

Por um lado, temos a tal distinção que eu fiz aqui entre taxa marginal marginal de imposto (isto é, a taxa de imposto que a pessoa mais rica paga sobre o último euro que ganha) e a taxa marginal média de imposto (isto é, a taxa de imposto que a pessoa média paga sobre o último euro que ganha). As "instituições extrativas" tradicionais tem por normal altas taxas marginais médias de impostos/rendas, já que a maioria da população paga as rendas aos latifundiários/subornos aos polícias/preços inflacionados pelos monopólios legais/etc.; já no Estado Social as altas taxas marginais tendem a recair sobre os mais ricos (que são quem paga os escalões superiores de impostos) e sobre os mais pobre (já que grande parte dos apoios sociais são cortados se conseguirem passar de pobres a classe média), ou seja, uma minoria da população. E aqui a tal diferença entre crescimento extrativo (motivado por mais trabalho e mais poupança) e crescimento inclusivo (motivado pela descoberta e adoção de melhores tecnologias) pode ser relevante - no caso de um crescimento motivado pela poupança e pelo investimento, é importante incentivar os mais ricos a poupar/investir mais, pela simples razão que, sendo eles que têm o dinheiro, a sua poupança contribui mais para a poupança total do que a poupança da classe média; já no caso de um crescimento movido pelo progresso tecnológico, o que interessa é ter o maior número de cabeças a pensar em (ou a investigar) novos produtos ou processos de trabalho (quanto mais cabeças a pensar, maior a possibilidade de alguma até ter uma ideia boa) - ou seja, pode ser vantajoso ter um sistema fiscal que cobre uma taxa marginal reduzida para a maioria da população, mesmo que a custo de uma mais elevada para os mais ricos (já agora, ver este meu post sobre a diferença entre capital propriamente dito e "capital humano", nomeadamente no que diz respeito ao sistema fiscal mais favorável à sua acumulação).

[Atenção que falo de "tecnologia" num sentido muito amplo, incluindo também novos produtos, diferentes formas de organização do trabalho, etc.]

Também ligado à diferença entre as duas formas de crescimento, poder-se-á também supor que uma taxa marginal de imposto alta mas uniforme (no sentido de duas pessoas com o mesmo rendimento pagarem o mesmo imposto) reduz a oferta de trabalho e de capital, mas em principio não afetará muito a escolha da tecnologia a utilizar - afinal, por mais alto que seja o imposto, se antes de impostos a tecnologia A é mais lucrativa do que a tecnologia B, é de esperar que o continue a ser depois de impostos (admito que não seja totalmente assim, já que a redução da oferta de trabalho e de capital pode alterar os preços relativos e fazer a tecnologia B ser mais lucrativa, mas esse efeito não deve ser grande).

Pelo contrário, um sistema fiscal mais complexo, com taxas diferenciadas para diferentes sectores de atividade e/ou diferentes tipos de rendimento, e com montes de "taxas e taxinhas" (ou, inversamente, subsídios e benefícios fiscais) sobre atividades especificas pode já pode afetar as decisões sobre a tecnologia (no sentido de fazer com que a tecnologia mais rentável depois de impostos já não seja a mesma que a antes de impostos); assim, uma taxa de impostos de 30% para toda a economia pode ser menos distorcedora do que, p.ex., uma taxa de impostos de 10% para algumas atividades e de 20% para as outras.

Desta forma, enquanto que para gerar crescimento económico motivado pela acumulação de recursos (via poupança e/ou trabalho árduo) talvez interesse sobretudo impostos baixos, para gerar crescimento económico motivado pela escolha das tecnologias mais eficientes talvez o que importe seja sobretudo impostos simples (e sobretudo, um sistema fiscal que respeite as regras "se a Paula ganha mais que o Luís antes de pagar os impostos, deve continuar a ganhar mais depois de os pagar" e "se o Diogo e a Lúcia ganham o mesmo antes de pagar os impostos, devem continuar a ganhar o mesmo depois de os pagar", ou seja uma relação monotónica entre os rendimentos antes e depois de impostos). Assim, um sistema fiscal desenhado com o objetivo de redistribuir a riqueza a favor das "amplas massas" poderá ser menos inibidor do progresso do que um sistema fiscal desenhado para beneficiar grupos de interesses específicos (e creio que comparando os sistemas fiscais das democracias modernas com os, p.ex., da "era feudal", temos que os primeiros tendem a ter uma carga fiscal mais elevada mas são - apesar das queixas constantes contra a alegada complexidade dos códigos fiscais - mais simples que os segundos, que frequentemente tinham um imposto especifico para cada atividade possível ou imaginária, estilo "a terça parte do azeite, o dízimo do sal, a sexta parte do pescado, etc.").

Já agora, uma tentativa de comparação entre a taxa marginal de imposto moderna e "antiga": eu, com um rendimento bruto de 1.373 euros mensais (suspeito que quase o dobro do rendimento do português típico), pago uma taxa marginal de IRS de 28,5%; se eu gastasse todo o resto do meu rendimento em bens de consumo sujeitos a 23% de IVA, 13,4% do meu rendimento (marginal) bruto iria para o IVA [(1-0,285)*0,23/(1+0,23)], o que daria uma taxa marginal total de 42% (não estou a contar com a Segurança Social, já que mais contribuições para a SS supostamente significam uma maior pensão mais tarde, logo em termos de incentivos os dois efeitos deveriam se anular). Creio que na Idade Média, os camponeses tinham que dar entre 1/6 e 1/3 da produção (isto é, entre 16% e 33%) ao senhor das terras, a que se juntava mais o dizimo à Igreja, o que daria ao todo uma "carga fiscal" entre os 26% e os 43%; atendendo a que a maior parte dos portugueses provavelmente pagam menos impostos do que eu, possivelmente a taxa marginal do individuo típico não seria muito diferente na Idade Média e hoje em dia.

Uma nota final - a tese geral dos autores é que as elites mantêm instituições económicas extrativas porque, mesmo que tornem a sociedade no seu conjunto mais pobre, tornam-nos a eles mais ricos/poderosos, e aplicam este raciocínio a vários sistemas, incluindo o comunismo; no entanto (mas isto talvez seja resultado do meu passado trotskista) duvido que mesmo a elite dirigente dos regimes comunistas tivesse (em termos absolutos, não em comparação com a pobreza à volta) um nível de vida para aí além; sobretudo se compararmos com o nível de vida que teriam num sistema de "capitalismo crony" (se Angola continuasse a ter um sistema "marxista-leninista", a Isabel dos Santos teria acesso às riquezas que tem?).

Nos posts seguintes faço uma tentativa de investigar empiricamente as teses dos autores:

Procurando as instituições inclusivas e extrativas na prática (I)
Procurando as instituições inclusivas e extrativas na prática (II)
Procurando as instituições inclusivas e extrativas na prática (III)