Tuesday, June 06, 2017

Prisão perpétua para manifestantes anti-Trump?

Anti-Trump protester: 'Is this my last free birthday?' (Al-Jazeera)

More than 200 anti-Trump protesters are facing felony charges that could land some in prison for 70 to 80 years. (...)

On January 21, most of the 230 protesters and bystanders arrested the day before were charged with felony rioting, which carries a maximum prison sentence of 10 years and a $25,000 fine.

But on April 27, the Superior Court of the District of Columbia returned a superseding indictment which added additional charges for some 212 defendants, three of whom had not previously been charged.

With new felony charges including urging to riot, conspiracy to riot and destruction of property, many of the defendants are facing up to 80 years in prison. Many other defendants, among them journalists, are facing more than 70 years.

A handful of defendants have made deals with the authorities and entered guilty pleas in exchange for significantly shorter sentences.

But more than 130 of them have joined a 'Points of Unity' agreement, a collective pledge to reject any potential plea deals and reject cooperation with the prosecutors that comes at the expense of their co-defendants.

Wednesday, May 24, 2017

A nova "junta" latino-americana

Our Bankrupt Policy for Puerto Rico, por David Dayen (The American Prospect):

The endgame for Puerto Rico’s debilitating fiscal crisis has begun. Unable to manage a $74 billion debt that has accompanied a decade of recession, spikes in poverty, and a mass exodus of citizens, the island will now turn to federal courts to approve a resolution with its creditors.

But in many ways nothing has changed for Puerto Rico. The congressionally-imposed fiscal oversight board, known locally as the junta, remains in control as lead negotiator in restructuring talks. Whether Puerto Rico’s three million citizens get a fair deal or a continuation of harsh austerity depends almost entirely on seven unelected, unaccountable technocrats. (...)

But there are some key differences between Title III and a normal bankruptcy process. First of all, under Section 308(a) of PROMESA, the decision for who hears this case, bizarrely, is up to Chief Justice John Roberts. He selected U.S. District Court Judge Laura Taylor Swain to preside. While Swain has some experience in financial cases, including the prosecution of five former employees of Bernie Madoff, she's not a bankruptcy judge. And this puts the case in the heart of New York City, the nation's financial center, rather than Puerto Rico.

In addition, the elected government of Puerto Rico plays almost no role in this fight. The junta, an appointed body ushered in by PROMESA, actually filed the Title III order, and serves as the government’s “representative” in court. Only the junta can introduce or modify “adjustment plans” for the $73 billion in debts. They will be the sole negotiator with bondholders, not anyone approved by the Puerto Rican people through a formal vote.

Lawyers for bondholders have openly stated that the junta will enable them to win “fairer” outcomes in negotiations. In a little-noticed development, hedge fund creditors with constitutionally protected general obligation bonds reportedly had a deal nearly in place this week, but the junta intervened and stopped the talks. The Associated Press reported that the government offered general obligation bondholders 50 cents on the dollar, so that’s a benchmark we can use to assess the junta’s performance. (...)

Furthermore, you cannot look at Title III in a vacuum. In March, the junta forced Puerto Rico into more austerity, a necessary condition of invoking the bankruptcy-like process. This blueprint added $39.6 billion in revenue hikes and budget cutbacks, some of them rather vicious, in particular hits to the health system and public education. Public pension spending must drop by 10 percent within three years, through a conversion to 401(k) plans from defined-benefit awards. Water rates must go up. Core government operations must be privatized. Furloughs starting July 1 must be initiated; the school year would be cut by two months as a result.

This savagery was required under PROMESA before triggering Title III. Activists have protested forced austerity for months, blaming the junta for prolonging the pain. On May Day, police broke up demonstrations with tear gas. Professionals continue to abandon the island, particularly medical students. And nothing the junta has instituted thus far has done anything for the island economy; Puerto Rico’s 12 percent unemployment rate has worsened every month for over four years, and those numbers have not improved since the junta took over.
[Pelos vistos "junta" são mais familiar a ouvidos latino-americanos do que troi... heptoika]

Monday, May 22, 2017

A fraude da fraude do "pénis conceptual"

Prickly questions (Crooked Timber):

Many CT readers will already be familiar with the recent effort by two scholars to repeat the Sokal hoax, as they understood it, by getting a bottom-feeder journal to publish a piece on imagined penises and global warming. (...)
The first journal that Bognossian and Lindsay submitted their hoax paper to, and that rejected it, was NORMA: The International Journal for Masculinity Studies. This journal doesn’t even hit the top 115 journals in Gender Studies. So, what happened here was that they submitted a hoax paper to an unranked journal, which summarily rejected it. They then received an auto-generated response directing them to a pay-to-publish vanity journal. They submitted the paper there, and it was published. From this chain of events they conclude that the entire field of Gender Studies is “crippled academically”. This tells us very little about Gender Studies, but an awful lot about the perpetrators of this “hoax”…. and those who tout it as a take down of an entire field.
Two additional notes. First, developing Taylor’s argument a bit, the research design, if you take it at face value is fundamentally inept. The authors of the spoof claim to be bothillustrating the problems of review by gender studies academics, and the problems of predatory access journals. But you can’t really do two for the price of one – if you demonstrate that a bad piece got published, you have no way of distinguishing between the two causal hypotheses that you are proposing – that gender journals will publish more or less anything as long as it has the right politics, and that predatory journals will publish more or less anything as long as you come up with the money. Indeed, given that there is already compelling evidence that predatory journals in the sciences will publish all sorts of shite for cash, and that the authors report themselves that their article was rejected by the journal they first submitted it to, it’s hard to come up with a convincing rationale for how the ‘gender studies will publish anything’ rationale is doing any explanatory work at all.

Os supostos "hackers norte-coreanos"

De há uns tempos para cá tem estado na moda atribuir à Coreia do Norte responsabilidade por ataques informáticos (hoje mesmo o Jornal Económico tem um artigo com essa teoria).

Duvido muito que isto seja verdade - a Coreia do Norte não me parece ter, nem a população, nem a tecnologia, nem sequer o ambiente cultural e institucional propício a produzir muitos hackers informático: a população é relativamente pequena (logo em termos absolutos haverá logo poucas pessoas com vocação para isso); também não deve ter muita abundância de computadores (logo poucas oportunidades de praticar); e finalmente um regime totalitário, em que as pessoas é suposto fazer o que lhes mandam, também não me parece o melhor ambiente para desenvolver uma atividade que requer muita criatividade e iniciativa pessoal.

Saturday, May 13, 2017

Os índios e os governos de esquerda na América do Sul

South America’s indigenous groups used to line up with the left. Not anymore. (Washington Post):

Venezuela’s political crisis spilled over into the spirit realm this week, when the governor of the state of Amazonas threatened to put a shamanic curse on President Nicolás Maduro and his administration.

Broadcast live on the Periscope app, the threat was mostly political theater. But it pointed to a broader problem for South America’s long-ruling leftist governments.

The indigenous minority groups fighting mining, deforestation and oil drilling in the region used to see left-wing leaders as their natural allies in a mortal struggle against global capitalism. Now, many see those leaders and their parties as just as rapacious as any foreign corporation, if not more so. (...)

The main reason for the breakup? Land-use conflicts across the region have grown mostly more intense, not less, because left-wing populists such as Ecuador’s Rafael Correa and Bolivia’s Evo Morales have financed their ambitious social welfare programs with revenue generated from the exploitation of natural resources. (...)

As the commodity boom of the millennium's first decade began to fade, those governments have tried to maintain spending levels by taking on new debt — mostly in the form of Chinese loans — in exchange for opening up more and more land to extractive industries. That has brought them in direct conflict with indigenous groups that expected the anti-capitalist rhetoric of leaders such as Correa and Morales to give them more control over their ancestral lands, not less.

[Via Bloggings by Boz]

Tuesday, May 09, 2017

"Fascismo - Left, Right and Center"

Um texto que eu costumo recomendar em discussões sobre o fascismo (e sobretudo sobre a sua base social de apoio) é "Fascism - Left, Right and Center" um capítulo do livro "Political Man", de Seymour Martin Lipset (normalmente dizendo "vão a este link, procurem por
The return of De Gaulle to power in France in 1958 e leiam a partir daí").

Assim, decidi copiar esse capítulo e aproveitei para pôr uma letra maiorzinha (eu ia escrever  "isto é provavelmente ilegal, no entanto o ficheiro txt na net com o livro todo já deve ser ilegal de qualquer maneira", mas afinal já está "Out of copyright" - possivelmente só por isso é que está o livro todo online), para ser mais fácil da próxima vez que quiser "linká-lo" (é verdade que podia simplesmente linkar https://ia600503.us.archive.org/25/items/politicalmansoci00inlips/politicalmansoci00inlips.pdf#page=135, mas só percebi que também havia uma versão PDF já ia a meio do post, e de qualquer maneira é um PDF que demora a carregar).

Mas antes, algumas observações.

O autor escreve (em 1960...) que há três tipos de movimentos que por vezes são chamados (nomeadamente pelos seus opositores) de "fascistas":

- Os "de direita" têm uma base social similar aos da direita tradicional - as classes altas, as pessoas mais religiosas, mais idosas, e também mais as mulheres que os homens. Quando dão origem a ditaduras, limitam-se a reprimir a oposição aberta, sem exigirem adesão entusiástica. Exemplos; Dolfuss na Áustria, Franco em Espanha, Horthy na Hungria, Salazar em Portugal, os monárquicos italianos, os gaullistas em França.

- Os "de centro" têm uma base social similar aos do liberalismo tradicional - os pequenos empresários e trabalhadores por conta própria, normalmente anticlericais. O discurso é simultaneamente anti-marxista e anti-establishment. Exemplos - o nacional-socialismo alemão e austríaco, o poujadismo francês, a Falange espanhola, o McCarthyismo nos EUA, o Movimento Social Italiano (já o fascismo italiano original, ele considera-o uma mistura de "centro" e "direita", pelo menos até ao rei ter demitido Mussolini).

- Os "de esquerda" têm, como seria de esperar, uma base social similar à da esquerda tradicional - os assalariados com baixos rendimentos. Normalmente ocorrem em países subdesenvolvidos, com um líder carismático, subido ao poder via golpe militar, que combina políticas sociais a favor dos trabalhadores com nacionalismo e glorificação do exército e um discurso a dizer que as oligarquias e o imperialismo são os responsáveis pelo atraso do país. Exemplos - Perón na Argentina, Vargas no Brasil.

Vejo logo uma dificuldade em adaptar esse esquema ao mundo atual - não estou a ver onde encaixar a Frente Nacional francesa, o Trumpismo nos EUA ou grande parte dos partidos que por essa Europa fora são chamados de extrema-direita; ao que tudo indica, a sua base de apoio já não é tanto a classe média, mas largamente a classe operária (bem, na "2ª volta", Trump teve o apoio do eleitorado tradicional republicano, mas nas primárias era sobretudo na classe operária que tinha o seu apoio), sendo de esperar que muitos dos seus eleitores sejam filhos ou netos de votantes Comunistas ou Democratas (é frequente dizer-se que a maior parte dos eleitores da Frente Nacional vêm do Partido Comunista; mas atendendo a que a FN tem mais votos que o PC desde 1985, os comunistas que passaram para a FN já devem ter morrido muitos). Mas todo o seu estilo e temas fazem lembrar muito mais o chamado "fascismo de centro" do que o "de esquerda" - nos dias de hoje, um exemplo quase perfeito ao milímetro do "fascismo de esquerda" seria a Venezuela de Chavez/Maduro.

Aliás, suspeito que a tal classe média de pequenos empresários e trabalhadores por conta própria já não tem grande relevância política (e, sobretudo, demográfica) no mundo "ocidental" - se os partidos ditos de extrema-direita já não têm a sua base nos merceeiros de esquina e taxistas, creio que o mesmo se passa com os partidos liberais. Posso estar a dizer um enorme disparate, mas quase que apostava que, hoje em dia, a base de apoio dos partidos liberais clássicos (estilo FDP alemão) é sobretudo a classe alta (ou no mínimo média-alta) "progressista nos costumes" (versão moderna do que ainda em 1960 se chamaria "anticlerical"), e que dos liberais-sociais (estilo LibDems britânicos) será uma classe média "progressistas nos costumes" mas composta mais por assalariados bem pagos (quadros técnicos e intermédios, empregados de escritório qualificados, etc.) do que por micro-empresários. Aliás, no caso dos liberais clássicos, nem me admirava que hoje em dia os seus apoiantes e eleitores sejam, mesmo controlando para a religiosidade, mais abastados economicamente que os dos conservadores ou democratas-cristãos.

Diga-se que há um região do onde o tal radicalismo dos pequenos empresários parece estar bem vivo - o mundo muçulmano, onde vários estudos indicam que os pequenos comerciantes e categorias similares são o grupo social que mais apoia os movimentos islamitas, o que até os tornaria bastante parecidos com o fascismo tradicional (e talvez dando razão ao tal conceito de "islamofascismo"?), se não fosse pela parte de os apoiantes dos tal "fascismo de centro" até costumarem ser pouco religiosos - mas talvez seja difícil transpor conceitos desenvolvidos no mundo ocidental para o mundo muçulmano; sobretudo, nos países muçulmanos o islamismo não me parece ter o papel conservador, de pilar do establishment e das elites respeitáveis, que o catolicismo tem (ou pelo menos tinha) nos países católicos. Será o resultado do islamismo não ter uma "Igreja" centralizada e hierarquizada (o que aliás também poderia, aplicado às versões mais radicais do protestantismo, explicar algumas peculiaridades do conservadorismo norte-americano)? Mas o xiismo tem quase uma "Igreja" e mesmo assim Khomeini foi o aliados dos comerciantes do bazar contra o Xá e a sua corte. Ou será o resultado de nos países muçulmanos as elites, ou serem laicas (como nos países "progressistas" estilo Síria), ou serem, pelo menos em termos de política externa, pró-ocidentais (como nos países "conservadores" estilo Arábia Saudita), o que leva, em ambos os casos, a que os pregadores mais extremistas não se sintam muito bem com o status quo?

E, já agora (já que estamos por lá), será que o Egito de Nasser, a Líbia de Kadafy e a Síria ou o Iraque baathistas (quase tudo regimes surgidos ou consolidados depois do artigo ter sido escrito) poderão ser vistos como versões do tal "fascismo de esquerda"? O estilo é praticamente o mesmo - um nacionalismo socializante e militarista, com uma retórica anti-imperialismo e anti-oligarquias (ainda que Jean Touchard, na sua obra "História das Ideais Políticas", refira que "a ideologia nasseriana é muito menos rica em declarações anti-capitalistas que a peronista"); mas pelo que sei, a base de apoio de esses regimes é/era sobretudo na classe média, não entre o operariado (aliás, penso que pouca ou nenhum indústria esses países tinham quando da implantação dos regimes referidos) - talvez o regime de Atassi e Salah Jadid na Síria (1966-1970) tivesse apoio "proletário", mas nem disso estou certo.

Outra coisa  - o autor considera que tanto o liberalismo como o fascismo são/foram movimentos da classe média em oposição às grandes organizações; ocorre-me se outro exemplo (embora aí já não a nível dos pequenos empresários e trabalhadores por conta própria, mas sobretudo da classe média assalariada - ou pelo menos dos seus filhos) não seria a esquerda radical dos anos 60/70, e os seus derivados atuais (e aqui reconheço que isto andará perto do Álvaro Cunhal, que falava de "radicalismo pequeno-burguês de fachada socialista", ou mesmo do Lenine em 1920, que dizia que a classe média arruinada era a base do "esquerdismo" e da "posição ultra-revolucionária"). Não que essas correntes defendessem a pequena propriedade e a pequena empresa (pelo contrário, até diria que por norma eram bastante críticos da politica comunista ortodoxa de alianças "anti-monopolistas" com os "pequenos e médios comerciantes/agricultores/industriais"; embora por outro lado, hoje em dia, se calhar é nessa área que há mais entusiasmo por tudo - seja cinema, fanzines ou cervejas - que seja "independente", "artesanal" ou "caseiro"), mas à sua maneira defendiam algo que combinasse o coletivismo económico com a iniciativa e a criatividade dos trabalhadores (acusando tanto o capitalismo ocidental como o comunismo soviético de mecanizar e "alienar" os trabalhadores), estilo alguma versão de propriedade coletiva gerida por assembleias plenárias em que todos participem e deiem ideias - talvez a reação de estudantes universitários que viam que os "empregos para licenciados" cada vez tinham menos autonomia?

A respeito de Lipset ter posto o McCarthysmo na mesma categoria que o nazismo - não sei se não haverá aqui uma componente de bias ou quase de hit job: por volta de  1960, atacar McCarthy e a "nova direita radical" era talvez o desporto favorito dos académicos "liberais" norte-americanos, frequentemente à mistura com acusações que ele e os seus apoiantes nem sequer seriam verdadeiros conservadores, mas, à sua maneira, rebeldes populistas contra o establishment (os mesmo académicos irão se tornar neoconservadores, uns dez anos depois, em reação a outra revolta contra o establishment - a dos seus alunos esquerdistas anti-guerra do Vietname), o que encaixa perfeitamente na análise que lhe é feita no artigo.

Uma nota acerca do voto por sexos, com o autor a dizer que os movimentos de direita têm normalmente mais apoio das mulheres do que dos homens - creio que nos últimos 50 anos isso teve uma quase total reviravolta: nos EUA, se alguma coisa, há uma total inversão, com os Democratas a ganharem esmagadoramente aos Republicanos entre o eleitorado feminino; na Europa (ou pelo menos no Reino Unido) li algures que a direita continua a ter mais votos entre as mulheres, mas que esse efeito desaparecerá quando se controla para a idade (isto, o maior direitismo das mulheres será apenas uma ilusão estatística derivada do eleitorado feminino ter mais pessoas idosas).

Agora uma nota pessoal sobre este artigo - há uns anos, na sequência de uns posts meus sobre o fascismo, o leitor "c." (que penso ser o mesmo que por vezes assina "HO"), depois de criticar bastante algo que eu tinha escrito, escreveu "No entanto, a sua grelha faz algum sentido (embora tema que por mero acaso). Aconselho leitura de Lipset sobre o assunto. Também ele analisou os movimentos radicais nessa perspectiva (de forma mais cuidada, preparada e elaborada). Conclui que algum fascismo é um radicalismo do conservadorismo de direita (por exemplo, salazar em portugal), e o nazismo um radicalismo de centro. Os argumentos de autoridade são abomináveis, mas por favor, pare de fazer estes posts até o ler, sim?" Na verdade, não foi totalmente por acaso - embora eu não tivesse lido o artigo de Lipset na altura, já tinha lido alguma coisa do Jaime Nogueira Pinto e do Nuno Rogeiro (os mais parecido que se encontra em Portugal com intelectuais fascistas?) sobre o artigo. Além disso, talvez possa ter havido outro fator - nos meus tempos de simpatizante do PSR, lí várias coisas de Trotsky e Mandel sobre o fascismo (nomeadamente a sua teoria que o fascismo começa como uma revolta dos pequenos empresários, que depois é cooptada pelo grande capital para atacar a classe operária, que contrasta com a teoria dos comunistas ortodoxos, de que o fascismo será simplesmente a "ditadura aberta da burguesia"); penso que Lipset nunca foi trotskista e que também nunca alinhou totalmente com os neoconservadores, mas ao longo da sua vida andou sempre mais ou menos próximo daqueles que fizeram o caminho trotskismo-schachtmanismo-"liberalism"-neoconservadorismo (como Lipset, muitos eram intelectuais judeus nascidos em Nova Iorque nos anos 20, filhos de emigrantes da Europa de leste), pelo que não me admirava que também tivesse havido alguma influência (sobretudo da parte do fascismo como um movimento dos pequenos empresários).


Bem, após esta introdução, o artigo:

Thursday, May 04, 2017

O mistério da "baleia azul"

No meio de todas as notícias sobre a "baleia azul", a comunicação social portuguesa quase não tem abordado o que a mim me parece a questão mais interessante - isso existe mesmo ou é um "hoax"?

[Já a agora é interessante comparar a wikipedia portuguesa com a russa sobre o assunto - versões às 10:30 de 14/05/2017, com a russa traduzida para inglês; dá-me a ideia que tratar a "baleia azul" como um facto confirmado, em vez de como um hoax, ou pelo menos como um rumor por confirmar, é uma especifidade lusófona]

Mas há uma coisa que complica essa discussão - em tempos, li um artigo sobre a existência ou não do rei Artur, em que o autor dizia que, além de não se saber bem se o rei Artur teria existido, nem se sabe bem sequer o que contaria como existência, isto é, qual o grau de semelhança que teria que existir entre uma dada figura histórica e o rei Artur da lenda para podermos dizer que o rei Artur tinha mesmo existido?

O mesmo pode ser dito da "baleia azul" - qual o grau de semelhança que tem que existir entre um fenómeno verídico e o que tem sido apresentado na comunicação social como a "baleia azul" para podermos dizer que a "baleia azul" existe mesmo? Ou, dito por outras palavras, onde fica exatamente a linha entre "a «baleia azul» não existe - foi um mito que se criou, ainda que a partir de alguns factos verídicos" e "a «baleia azul» existe, embora não seja exatamente como está a ser noticiado"?

É que há aqui vários pontos, com diferentes graus de verosimilhança:

1) Há grupos em redes sociais, nomeadamente no VK (uma rede social baseada na Rússia), tendo como tema o suicídio, onde os participantes põem frequentemente posts dizendo "vou-me matar", partilha fotografias de automutilações e por vezes deixam uma mensagem final antes de se suicidarem mesmo. VERDADEIRO - isso está comprovado, e o moderador de um desses grupos, Philippe Budeikin, foi preso em novembro de 2016 e aguarda julgamento sob a acusação de "publicar trabalhos audiovisuais, tópicos de discussão e declarações promovendo a ideia do suicídio"; é a esse caso que a imprensa portuguesa se refere quando, há uns dias, houve uma epidemia de notícias dizendo "criador do «baleia azul» foi preso".

2) Há um "jogo" estruturado, com uma lista de 50 tarefas, que vão sendo dadas por "curadores" aos participantes, sendo a última o suicídio. POR CONFIRMAR, pelo que li sobre o assunto; no entanto, ainda está nos limites da verosimilhança

3) Os "curadores" escolhem sobretudo pessoas psicologicamente frágeis. Esta parte já me começa a parecer pouco lógica - como é que em contactos online com, presumivelmente, desconhecidos se sabe se as pessoas são psicologicamente frágeis? A menos que se refira aos participantes serem recrutados nos tais "grupos de suicídio" nas redes sociais, onde os membros, quase por definição, serão pessoas emocionalmente debilitadas.

4) As ameaças aos familiares, no caso de deixarem o "jogo" a meio - sinceramente, esta parte já me parece entrar no campo do altamente improvável (e provavelmente foi introduzida na história para dar um ar assustador, de "quem entra já não sai mesmo que queira")

Sunday, April 30, 2017

Jonathan Demme (1944-2017)

Dois filmes que gostei bastante de Jonathan Demme, falecido esta semana:




Sobretudo o primeiro (mas ambos parecem ter sido eclipsados pelas obras posteriores, como O Silêncio dos Inocentes e Filadélfia - os dois de que falo talvez sejam demasiado "leves" para se tornarem obras de referência).

Demme tinha também o hábito de terminar o genérico dos seus filmes com a expressão "A Luta Continua" (assim mesmo, em português) - não me perguntem porquê.