Friday, June 15, 2018

As empresas de mercenários e detenção de crianças imigrantes nos EUA

Defense Contractors Cashing In On Immigrant Kids’ Detention (Daily Best):

Separating refugee and immigrant children from their parents isn’t just an emotionally wrenching policy. It’s an enterprise that is benefitting intelligence and defense contractors.

Those contractors—including one with a history of scandals—have advertised a flurry of jobs in recent weeks to support the infrastructure surrounding undocumented children whom the Trump administration has taken from their families.

One of them, from Virginia-based MVM Inc., seeks a compliance coordinator to help in San Antonio with the “rapid deployment of an Emergency Influx Shelter for unaccompanied children.” As billed, the coordinator would ensure the children’s shelter met “policies and procedures” set by the Department of Health and Human Services’ Office of Refugee Resettlement. MVM posted the job on its website this week.

Thursday, June 14, 2018

A Revolução Industrial e a desqualificação do trabalho



[SMBC (versão ponto grande)]

Sobre os vistos gold

Mesmo a propósito disto e disto - imagino muitos argumentos contra os (e outros a favor dos) vistos gold, mas o argumento "apenas 9 foram para criar emprego" parece-me muito fraquinho, nomeadamente quando vem do BE ou do PS (tenho a ideia que já há uns anos, na Quadratura do Círculo, o António Costa ter feito uma crítica do mesmo tipo aos vistos gold).

Porquê? Porque normalmente a esquerda considera que as crises e expansões económicas são um problema de procura, e que a oferta é largamente a variável dependente (isto é, se houver muita gente a querer comprar coisas, isso vai estimular o desenvolvimento da capacidade produtivo, ou no mínimo pôr em uso capacidade já existente mas que não está a ser utilizada); já a direita tende a acreditar no contrário (que o fundamental para o crescimento económico é fazer aumentar a capacidade produtivo, via abertura de novas empresas ou ampliação das existentes, e a procura aumentará por si). Mas do ponto de vista de quem acha que o que interessa é aumentar a procura, essa conversa de o investimento associado aos vistos golds não criar emprego não faz sentido - se essas pessoas estão a comprar coisas em Portugal e dinheiro está a entrar no país, então a procura está a aumentar e assim estão fazendo crescer a economia (e criando postos de trabalho algures); a tal conversa de que poucos dos vistos gold têm a ver com investimento produtivo diretamente criador de postos de trabalho (ou seja, em empresas com atividade real, em vez de simplesmente comprar casas) só faria sentido do ponto de vista de quem acha que o principal é aumentar a capacidade produtiva.

Wednesday, June 13, 2018

Como os imigrantes poderiam pagar o muro de Trump

There is a way to make illegal immigrants pay for Trump's wall, por Steven Kopits (The Hill):

The president, and the Republicans in general, continue to twist in the wind on DACA and illegal immigration. Mexico still refuses to pay for the president’s Wall. In its absence, he has been forced to alternative ideas like raising visa fees as funding source. Properly implemented, that idea could be a winner.

Illegal immigration across the Mexican border is really a black market labor problem. Border jumpers can triple their net wages compared to Mexico, and earn almost ten times as much as they would in Guatemala. They come for the money.

Black markets are always created by government. They arise when government tries to keep willing sellers from willing buyers, ostensibly for our own good. (...)

According to the Center for Migration Studies, 42 percent of all illegal residents over-stayed their visas rather than coming undocumented over the border. For those who came on visas, the wall is irrelevant. Almost 19 million people entered the U.S. from Mexico last year on tourist visas. Even if every illegal Mexican were deported and the wall built a mile high, the entire undocumented Mexican population of 6.7 million could be reconstituted from visa overstays, theoretically, in as little as four months. If there is work and a material wage differential to Mexico, workers will come, on foot, with tourist visas, by water or air. But they will come.

As with tobacco, legalizing the migrant market and taxing it would make more sense. Here’s how it might work. In a market-based approach, an eligible Central American – one with a clean criminal record — could purchase a work visa at a market rate in return for on-demand access to the U.S. labor market. This visa would provide no rights to any social programs in the U.S., but would allow the conduct of daily business, for example, opening bank and mobile phone accounts, renting property and allowing holders to obtain U.S. driver’s licenses. Our estimates put the value of such a permit around $10 per day, representing an effective tax rate of 13 percent for the typical unskilled Central American worker. Fees from such visas would net the federal budget more than $30 billion annually.

The market would be managed by matching the price to the volumes of visas issued. If the price goes down, the number of visas could be reduced. If the value goes up, more visas could be issued.

A cimeira Trump-Kim

Se não tivesse havido um acordo, a esquerda e mesmo certas franjas anti-intervencionistas da direita iriam dizer que Trump é um louco que está a levar o mundo para a beira da III Guerra Mundial.

Havendo um acordo, os neoconservadores diriam sempre que tinha sido uma rendição e "Munique".

Já os "moderados" e o centro-esquerda (a ala clintoniana nos EUA e a generalidade do establishment mediático na Europa) diria sempre uma destas coisas, conforme o resultado (neste momento muitos estão a dfizer variantes da segunda opção, mas provavelmente estariam a dizer variantes da primeira se o encontro tivesse corrido de maneira diferente).

Tuesday, June 12, 2018

O "Pós-Capitalismo" de Paul Mason

Will there be postcapitalism? Review of Paul Mason’s “Postcapitalism: A Guide to our Future”, por Branko Milanovic:

I will not do any of this since this review is relatively short. I will discuss Mason’s view of the current state of capitalism and of the objective forces that, he argues, lead it to postcapitalism. The gist of Mason’s argument is that the ICT revolution is characterized by enormous economies of scale which make the marginal cost of production of knowledge goods close to zero, with both the quantities of capital and labor embodied in such products tending to zero. Imagine an electronic blueprint of whatever needed for 3D printing or a software directing the work of machines: once such investments have been made there is hardly any need for additional live labor, and since the capital (software) has a quasi infinite life, the share of capital “embodied” in each unit of output is minimal  (...)

When the marginal cost of production goes to zero, the price system no longer functions, nor can standard capitalism exist: if profits are zero, we do not have a capitalist class, nor surplus value, nor positive marginal product of capital, nor wage labor. We are approaching the world of mass abundance where the usual rules of capitalism no longer apply. It is a bit like the world of absolute zero temperature, or the world where time and energy become one. It is in other words a world very far from the one that we inhabit now but it is where, according to Mason, we are going.

What are the ways capitalists can offset driving themselves out of existence? There are three ways, and to those who have read Marxist literature of the early 1910s, they would be familiar because similar issues were discussed then. The first is to create monopolies. This is exactly what Apple, Amazon, Google and Microsoft are doing now. The economy can become monopolized and cartelized as it did in the last decades of the 19th and the first decades of the 20th century.

The second response is to reinforce protection of intellectual property. This is again what the just mentioned companies, or song producers and Disney are trying to do ever more aggressively using the power of the state. (The reader would realize that protection of property rights increases capital unit costs and thus prevents the marginal cost of production dropping to zero.)

The third response is to continually expand capitalism’s “field of action”: if profits in one area threaten to drop to zero move to another area, “skating [forever] to the edge of chaos” between expanding supply and falling prices, or …find new things that can be commercialized and commodified.

Readers of Rosa Luxemburg would recognize here a very similar idea, namely that the existence of capitalism depends on its continued interaction with non-capitalist modes of production and once these are exhausted capitalism will be driven to the world of zero profits. These concerns have an even older pedigree, going back to Ricardo’s view that, without the repeal of the Corn Laws, all capitalists’ profits will be eaten up by landlords’ rents and development stifled, and to Marx’s “law of tendencial fall of the rate of profit” caused by ever greater capital intensity of production.

So Mason’s points in this respect are not new, but situating them at the current stage of capitalism and ITC revolution is new.

Monday, June 11, 2018

Cooperativas: uma nova economia?

How Cooperatives Are Driving the New Economy, por EricMichael Johnson (Evonomics):

What does this mean for the different forms of business today? Corporate workplaces probably aren’t in sync with our evolutionary roots and may not be good for our long-term success as humans. Corporate culture imposes uniformity, mandated from the top down, throughout the organization. But the cooperative—the financial model in which a group of members owns a business and makes the rules about how to run it—is a modern institution that has much in common with the collective tribal heritage of our species. Worker-owned cooperatives are regionally distinct and organized around their constituent members. As a result, worker co-ops develop unique cultures that, following Tomasello’s theory, would be expected to better promote a shared identity among all members of the group. This shared identity would give rise to greater trust and collaboration without the need for centralized control. 

Thursday, June 07, 2018

SATs e evolução ideológica (entre os estudantes universitários nos EUA)

Segundo Philippe Lemoine:

Estudantes que se consideravam de direita no primeiro ano da universidade, mas de esquerda no último:  SAT médio de 1210

Mantiveram-se de direita: 1226

De esquerda no primeiro ano, mas de direita no último: 1167

Mantiveram-se de esquerda: 1238

Para quem não saiba, o SAT é uma prova que os estudantes do secundário norte-americanos fazem.

Tuesday, June 05, 2018

Socialismo, liberdades, etc.

[Editado - os links não estavam a funcionar, mas agora já funcionam; 2016/06/05 - 16:24]

Há uns meses, em novembro de 2017, o João Pereira da Silva no Facebook perguntava-me "diz-me lá o país que teve, ou tem (cada vez menos, graças aos santos) o partido socialista no poder e não tendeu/tende para o totalitarismo, redução, ou extinção do direito à propriedade privada e atropelo de todas as liberdades. Um só. E não menciones tendências de curto prazo. Valem as de decénios. Vê, por exemplo, o caso de Portugal: temos os socialistas no poder a maior parte do tempo no poder desde 1974 e estamos a dar passos largos para o controlo estatal da economia e o comunismo dentro de 50 anos, ou menos, se não aprendermos antes."; ao que respondi "Vou ter que fazer um estudo demorado sobre isso; critério: países que fossem democracias em 1995, desde 1995 até hoje tenham sido governados a maior parte do tempo por partidos da Internacional Socialista ou mais para a esquerda - como evoluiram no indice de liberdade económica da Heritage Foundation e no Indice de Liberdades Cívis da Freedom House (comparado com países que tenham sido maioritariamente governados por partidos liberais, democrata-cristãos ou conservadores); pode ser que tenha energia para fazer esse estudo e depois faça um post sobre isso" (isto começou até com uma conversa sobre o PS, portanto faz sentido usar como referência a Internacional Socialista)

Bem, cá vai uma série de posts sobre isso :


Alguns leitores poderão pensar "ver os governos de uma carrada de países durante mais de 20 anos... Isso deve ter dado trabalho - não admira que os posts tenham levado sete meses a serem escritos", mas na verdade a parte de ver os governos dos países foi o que deu menos trabalho (até por ser uma atividade que é facil separar em várias tarefas independentes - "agora vou ver os Paises Baixos, e depois a Nova Zelândia, e depois logo vejo" - pelo que não gera o efeito de uma pessoas assustar-se com a enormidade do trabalho e começar a procastinar); o que demorou estes meses todos foi pensar e escrever os textos, nomeadamente aqueles que são mais teóricos em vez de só mostrar cálculos - e quanto mais tempo levava a a acabar (ou mesmo a começar), mais coisas ia-me lembrado para escrever, e mais infindável a tarefa parecia.

Ainda sobre o nacional-socialismo e os socialismos

Pegando nesta análise do nacional-socialismo e nesta tipologia de modelos sociais que são chamados por alguém de "socialismo", é tentador querer ver o nacional-socialismo e o socialismo 3.1 como opostos polares - no primeiro temos empresas privadas que têm que atingir objetivos definidos pelo Estado; no segundo temos empresas supostamente propriedade do conjunto da coletividade (porque não escrevo "do Estado"? Porque os socialistas desta escola dão muita importância à distinção entre o Estado - que equiparam à maquina administrativa-militar-burocrática - e a comunidade, e entre "estatização" e "socialização") mas geridas autonomamente - e ainda mais tentador é para mim, que é a forma de socialismo (à mistura com algum 3.2.2) com que mais simpatizo.

Mas, infelizmente para mim, e contra o que pareceria lógico, o socialismo 3.1 é talvez o que tem tido historicamente mais vasos comunicantes com o fascismo - veja-se a influência que George Sorel (um defensor de um socialismo feito de cooperativas independentes) teve no fascismo, p.ex.; ou as teorias de Otto Strasser (da "ala esquerda" no Partido Nazi) sobre o "entail" [pdf; isto ficaria melhor com uma palavra, ou portuguesa, ou alemã, mas não sei qual a tradução exata] - "The proprietor of the entire German national economy will hence forward be no one other than the community at large, the whole nation. But the nation, or its organizational form the State, will not run this economy itself. It will hand the national economy over, fragmented and in 'entail', for exploitation by German individuals or German groups" (página 146) - ou a "Irmandade da Fábrica" [pdf], que também me parecem semelhantes aos modelo autogestionário (pelo menos na parte do Estado entregar terrenos ou fábricas a individuos ou grupos e dando-lhes grande autonomia para os gerirem).

Suspeito que as ideias de Ramiro Ledesma Ramos (das Juntas de Ofensiva Nacional-Sindicalista espanholas, que tantou até uma aliança com os anarquistas da CNT), de Ugo Spirito (da "ala esquerda" do fascismo italiano) ou de José Miguel Júdice (nos seus longínquos tempos de jovem "nacional-revolucionário") também andariam por aí (ou talvez fossem mais do tipo 3.2.2 - o que sei sobre o que eles defendiam é muito por alto).

Ainda (vagamente e não muito seriamente ) sobre este tema, o meu post sobre o cripto-nacional-sindicalismo da Branca de Neve e os Sete Anões.

O "nacional-socialismo" e a propriedade privada

Finalmente, outra questão que também surgiu na conversa e acaba por estar ligada ao tema central (da ligação entre "socialismo" - seja lá o que essa palavra quer dizer - e liberdades civis) - fará sentido pôr o regime nacional-socialista alemão no mesmo plano que os outros regimes e movimentos, argumentado-se que a direção estatal da economia (ainda que sem formalmente nacionalizar as empresas privadas) tornava a propriedade apenas uma ilusão?

Para começar, convém notar que a política económica da Alemanha nazi não era muito coerente, nem ao longo dos anos, nem de sector para sector [pdf] - o que aliás até faz sentido se nos lembrarmos que era um movimento em primeiro lugar anti-materialista (e que por isso considerava que o capitalismo e o marxismo eram duas faces da mesma moeda, ambos motivados mais pela busca do conforto material do que por coisas como a coragem, a honra ou o heroísmo), logo é natural que ache o modelo económico uma questão menor (alguns artigos sobre o sistema económico da Alemanha nazi - ."Soviet and Nazi Economic Planning in the 1930s"[pdf], de Peter Temin, enfatizado o controle estatal sobre a economia, e "The Role of Private Property in the Nazi Economy"[pdf], de Christoph Buchheim e Jonas Scherner, desenfatizando-o)

No entanto, penso que, numa versão muito simplificada, a ideia base do nacional-socialismo seria um sistema em que os proprietários privados continuavam a deter a direção técnica e operacional das empresas (será a isto que Mises se referia quando falava nos proprietários serem transformados em "gerentes de loja"?), mas em que os objetivos gerais de produção (como preços e quantidades) eram determinados pelo Estado (aliás, os dois artigos que cito atrás parece-me que acabam por dizer ambos isso, ainda que um concentre-se mais no copo meio cheio e outro no copo meio vazio) - no fundo, o proprietário acabaria por ter um papel similar ao de um diretor de uma fábrica estatal na URSS, ou ao que teria um "comité operário de fábrica" no "verdadeiro socialismo" (versão 3.2.2): decidir como atingir os objetivos determinados a nível central.

Ainda a respeito de os proprietários seem ou não puramente "nominais" - afinal, eu vi "A Lista de Schidler" e também uma série ("Pais e Filhos") que deu na RTP no final dos anos 80 sobre  o consórcio da indústria química alemã IG Farben, e vê-se claramente os proprietários nas suas empresas e a tomar decisões (ok, são obras ficcionadas - a primeira - ou de ficção - a segunda - mas claramente feitas com a intenção de serem verosímeis e com alguma pesquisa histórica por detrás); aliás, todo o próprio evento histórico em que se baseia "A Lista de Schindler" teria sido impossível se Oskar Schindler não tivesse qualquer autoridade como proprietário.

Agora, será que há diferença real entre uma empresa estatal num sistema de economia planificada do tipo da URSS, e uma empresa privada, com autonomia para os seus assuntos internos mas sujeita a objetivos determinados pelo Estado?














(o porquê desta imagem em breve se perceberá)

Formalmente, eu diria que há duas grandes diferenças:

a) um diretor de uma fábrica estatal é nomeado e pode ser demitido, substituído, transferido, substituído, etc, pelo órgão estatal responsável; um proprietário privado na Alemanha nazi possuía a sua empresa em permanência, podia deixá-la aos filhos quando morresse e dentro de certos limites podia vende-la

b) um diretor recebe um salário; um proprietário continua (por centralizada que seja a economia) a receber os lucros da empresa (esta diferença não é absoluta - se um diretor receber prémios de produtividade neste ponto começa a assemelhar-se a um proprietário)

Não é difícil imaginar que estas diferenças tem relevância, tanto no que diz respeito à repartição do rendimento e da riqueza, como no que diz respeito aos incentivos:

1) Num sistema de propriedade privada regulada o proprietário tem maior incentivo para tentar maximizar a produtividade do que um gestor nomeado de uma empresa estatal

2) É sabido (até houve uma série de televisão à volta disso) que nas organizações (e isso é provavelmente maximizado nessa mega-organização que é o Estado) os dirigentes intermédios acabam frequentemente (porque têm mais informação) por mandar mais que os decisores de topo; isso amplifica as diferenças entre a propriedade estatal e a propriedade privada regulamentada: se todo funcionasse como era para funcionar na teoria (as autoridades centrais definem os objetivos e os gestores/patrões decidem como atingir esses objetivos), a diferença entre um gestor público e um patrão privado talvez não fosse muita; mas se na prática as autoridades centrais acabarem por ser largamente manipuladas pelos gestores/patrões na elaboração do plano, acho que volta a haver uma diferença significativa entre gestores públicos e patrões privados, que em princípio terão interesse em manipular para atingir diferentes objetivos (acresce ainda que provavelmente um patrão privado, que se calhar está à décadas à frente da empresa, terá ainda mais poder de manipulação - já que a assimetria de informação face aos planificadores centrais é maior - do que um gestor público que vai mudando de cargos ao longo da vida)

3) Num sistema de propriedade privada regulada, os capitalistas continuam a ter lucros e a acumular património (até é possível que os capitalistas existentes acabem por ter maiores lucros - nomeadamente no tal cenário em que consigam manipular os ministros - do que num mercado livre; quem acaba por ser "expropriado" são, não os capitalistas que já eram capitalistas, mas os eventuais futuros capitalistas que nunca o chegam a ser por ser mais difícil entrar numa economia fortemente regulada)

Voltando à "lista de Schindler", é um exemplo da situação 2) - o gestor/proprietário usar a assimetria de informação para conseguir enganar o Estado e levá-lo a fazer o que ele quer (diga-se que a situação concreta - dizer que precisa de de mais trabalhadores dos que efetivamente precisa - é algo que até se esperaria mais facilmente de um gestor público do que de um proprietário).

Agora vou revelar (já toda a gente deve ter percebido, mas enfim) o porquê da referência à questão das PPPs - porque, no fundo, o modelo económico nacional-socialista (objetivos definidos pelo Estado mas implementados por empresas privadas) é similar à uma generalização do sistema das PPPs (outras possíveis analogias seria com empreiteiros, subcontratos ou concessões).

[Agora, vou contar algo que me aconteceu há uns anos - em tempos, estava-se a discutir um assunto qualquer na Assembleia Municipal de Portimão, e, como seria de esperar, o BE e a CDU defendia que o município deveria executar diretamente uma dada atividade, enquanto o PS, o PSD e o CDS defendia que se devia criar uma PPP;  a data altura, um autarca do PS disse que o BE e CDU continuavam a ter ideias estalinistas, de se o estado a gerir as coisas diretamente; eu estava a assistir e pensei "Se lá estivesse na assembleia poderia dizer que, por essa argumentação, o PS, o PSD e o CDS tinham ideias nazis, porque as PPP eram mais ou menos o modelo económico da Alemanha nazi; ou se calhar era melhor não dizer nada, porque corria o rico de ninguém me perceber"]

Ora, basta olhar para toda a polémica que há à volta das PPPs para se concluir que uma PPP é substancialmente diferente de uma empresa estatal - se não o fossem, nem PCP e BE se bateriam tanto contra elas, nem PSD e CDS (e normalmente também o PS) a favor.

Outro exemplo - ainda eu era um pré-adolescente no "Liceu" de Portimão, e, porque a fila para o bar (explorado diretamente pela escola) estava a andar muito devagar (com motivos para se poder atribuir parte da culpa à empregada), e um amigo meu (que já na altura tinha ideias muito para a direita nalguns assuntos) comentou "Se isto fosse entregue a uma empresa, isto não acontecia - se a tua mãe ou a minha estivessem a tomar conta disto, não punham a empregada a trabalhar?" (de novo, a consideração que uma empresa privada concessionário de um serviço estatal comportaria-se de forma diferente do Estado).

Ainda  quatro coisas que me ocorrem a respeito disto (umas talvez mais consensuais, outras talvez mais delirantes):

- Nos anos 30, houve um debate entre Trotsky e vários dissidentes do trotskismo, como Bruno Rizzo, sobre se os "burocratas" na URSS eram uma nova classe social (alguns desses dissidentes viriam a dar origem ao movimento neoconservador): Trotsky dizia que não (seria apenas uma casta privilegiada, não uma classe privilegiada), porque os burocratas não podiam passar os seus cargos aos filhos; Rizzi dizia que sim, porque os burocratas tinham o mesmo poder sobre a economia que teriam se fossem proprietários, e que haveria de chegar o dia em que os cargos se tornassem hereditários; há uns 10 anos eu falei desse debate, escrevendo que "os casos cubano e norte-coreano lançam uma nova luz sobre este assunto" (com o cargo supremo na Coreia do Norte a passar de pai para filho e para neto e em Cuba de um irmão para o outro) - mas se calhar a Alemanha nazi já seria o exemplo do que seria a URSS com cargos administrativos hereditários: como escrevi uns paragráfos atrás, os proprietários privados na Alemanha acabavam por ser uma espécie de gestores hereditários, mais do que proprietários privados puros.

- Talvez a economia nazi possa também ser vista como uma espécie de feudalismo aplicada a uma sociedade industrial e não agrícola: no sistema feudal, os reis concediam aos nobres (e não só) extensões de terra em troca de estes se comprometeram a desempenhar determinados serviços; o sistema nacional-socialista poderá ser visto como a transposição dos princípios feudais para a industrias, em que os proprietários continuam a possuir as suas empresas, a deixá-las aos filhos, etc (tal como um barão feudal faz com os seus domínios), mas sujeitos aos objetivos definidos pelo Estado. Aliás, entre os "conservadores revolucionários" - que, talvez contra a sua vontade, influenciarem bastante os nazis - essa ligação parece explícita - veja-se, p.ex., Oswald Spengler em "Prussianismo e Socialismo" [pdf, página 77]:
"The Old Prussian method was to legislate the formal structure of the total productive potential while guarding carefully the right to property and inheritance, and to allow so much freedom to personal talent, energy, initiative, and intellect as one might allow a skilled chess player who had mastered all the rules of the game. (...) Socialization means the slow, decades-long transformation of the worker into an economic civil servant, of the employer into a responsible administrative official with extensive powers of authority, and of property into a kind of old-style hereditary fief to which a certain number of rights and privileges are attached. In socialism the economic will remains as free as that of the chess player; only the end effect follows a regulated course."
Também Mises, nas secções d'"A Crítica do Intervencionismo" (1929) dedicadas ao socialismo nacionalista anti-marxista (que ele designa por "anti-marxismo" e que me parece, no essencial, equivalente à "revolução conservadora") refere o medievalismo desta tendência.

- Outra maneira de vermos isso é que o que os conservadores-revolucionários e nacional-socialistas criticavam no capitalismo não era (como nas versões "de esquerda" do socialismo) a desigualdade económica e social (muito pelo contrário - os seus textos estão cheios de apelos às elites, aos grandes homens, ao "principio da personalidade", etc.) mas o espírito comercial da busca do lucro (em contraponto ao espírito heroico, da patriotismo, da honra e da glória, etc.) - e por isso criticavam também o socialismo marxista: porque consideravam que também estava dominado pelo ideologia da busca do lucro: já não o capitalista individual a procurar o lucro máxima, mas o proletariado a querer maximizar o seu bem-estar económico. De certa forma, o sistema em que as empresas continuam a ser geridas pelos donos, mas ao serviço de objetivos determinados pelo Estado representa isso - as diferenças económicas, a existência de uma classe de proprietários, a autoridade do patrão sobre os seus empregados, etc. tudo isso se mantêm; o que é fortemente limitado é a capacidade de por a propriedade ao serviço da busca do tal lucro máximo.

- [Agora vem a parte potencialmente mais delirante da minha análise] Um dos gurus da gestão empresarial dos anos 80, Harvey Mackey, autor de "Como Nadar Entre os Tubarões Sem Ser Comido Vivo", tem - ou pelo menos tinha quando escreveu esse livro - a teoria que as empresas - sobretudo as industriais - precisavam normalmente de dois gestores: o Senhor Interior, vocacionado para a atividade operacional da empresa, para a gestão da produção, a parte técnica, e o Senhor Exterior, vocacionado para a parte negocial, os contactos com clientes, potenciais investidores, políticos, etc.. Lawrence Miller, autor de "De Bárbaros a Burocratas", acaba por fazer também uma dicotomia semelhante, com a sua distinção entre "construtores" e "exploradores"[pdf]. E onde é que eu quero chegar? É que talvez o nacional-socialismo possa ser visto como o desejo de um mundo em que os "Senhores Interiores" já não precisem "Senhores Exteriores" - um mundo só de diretores técnicos e não de vendedores e comerciais (pode-se argumentar que isso não é especifico dos nazis e que até alguns posts meus podem ter essa leitura); afinal, se fosse levado ao extremo, o modelo nazi acabaria por ser um sistema em que os donos das empresas só de dedicariam a questões técnicas (como produzir), sendo as questões comerciais (que preços praticar, e a quem vender, etc.) essencialmente determinadas pelo Estado. E nem seria difícil saltar daí para o ângulo racial: de um lado o rigor e a excelência técnica da engenharia alemã/"ariana", do outro o "jeito para o negócio" dos comerciantes judeus (um ideólogo nazi,  Peter Schwerber, chegou a escrever, em "Nacional-Socialismo e Técnica", em 1930, exatamente que o objetivo era libertar a tecnologia do materialismo judeu) -  aliás, não tenho a certeza do que vou escrever, mas creio ter lido algures que, nos seus tempos de pintor em Viena, Hitler pintava os postais e tinha um amigo (!?) judeu que andava a vendê-los; a ser verdade seria exatamente a tal situação (ainda que numa "empresa" de duas pessoas...) do "ariano" responsável da parte "técnica" (ou, neste caso, artística) e o judeu a tratar da parte comercial.

O que são exatamente governos "socialistas"? (II)

Já agora, seria comparar a política dos grandes heróis do "anti-socialismo" (como Reagan ou Thtcher, que são quotidianamente incensados na internet liberal), com este esquema. No fundo, em que é que consistiram as suas políticas?

No caso de Thatcher, a sua política económica consistiu basicamente em: a) privatizações; b) aumentos de impostos para reduzir o deficit; c) um ligeiro aumento da despesa pública, em proporção do PIB; e d) dar aos empregadores a possibilidade de, em certas circunstância, processar os sindicatos em caso de greve. Ou seja, Thatcher basicamente o que fez foi passar do 2 para o 1 (ou seja, pelos padrões de algumas pessoas que chamam socialismo a tudo, provavelmente também seria socialista); aliás, se não fosse as privatizações, todo o resto da sua política económica poderia ser chamada de "estatista".

No caso de Reagan foi basicamente baixar os impostos e não mexer muito no total da despesa, mas diminuindo as despesas sociais e aumentando as militares - esse, assim, acho que se pode considerar que, mesmo de acordo com a definição "1" de socialismo (e assumindo que para o "1", é relevante que a despesa pública seja "social" e não basta haver apenas despesa em alguma coisa) diminuiu o socialismo.

O que são exatamente governos "socialistas"?

Ainda nesta discussão veio à baila o texto de Murray Rothbard, "O Mito do Socialismo Democrático", onde o autor argumenta que é impossível um socialismo democrático :

Contrastemos o sistema do socialismo. O que é socialismo? É a posse ou controle pelo estado dos meios de produção na sociedade. Em resumo, é o controle total pelo aparato estatal sobre os meios de atingir virtualmente quaisquer objetivos que os indivíduos possam almejar na sociedade. Uma vez que o estado tem um monopólio sobre os instrumentos de violência e se distingue de todas as outras organizações ou instituições sociais pelo uso contínuo da violência para atingir seus objetivos, isso significa que o socialismo é um sistema de total violência coerciva sobre todos os cidadãos, a ser exercida pelos líderes e gestores do aparato estatal. (...)

O socialismo, em resumo, coloca as vidas, as fortunas e a honra sagrada de cada cidadão sob o total comando do estado e sua elite dominante. Em nome de maximizar a liberdade humana, em nome de eliminar o domínio de uma classe e a exploração do homem pelo homem, em nome mesmo da “extinção do estado”, o socialismo dá todo poder ao estado e, portanto, à sua classe dominante. Dessa forma, o socialismo cria um domínio de classe e um sistema de despotismo e exploração do homem pelo homem, a fim de colocar todos os outros sistemas nas sombras. Mas o que mais poderíamos esperar de um sistema que coloca todo o poder nas mãos do estado – o estado, o maior genocida, explorador, parasita, ladrão e escravizador em toda a história humana? (...)

Examinemos brevemente as razões para a nossa alegação que aquele que diz “Socialismo” deve inevitavelmente dizer também “Auschwitz” e “Gulag”. (...)

Em terceiro lugar, uma vez que o socialismo significa planejamento central, qualquer escopo possível para reformas ou limitações “democráticas” serão virtualmente inexistentes. Pois, se o plano é central, isso significa que a ninguém será permitido interferir com o plano uma vez que o estado e os seus “experts” tecnocratas tenham tomado suas decisões. Pois quem são o público ou mesmo a legislatura para ousar frustrar os planos estatais cuidadosamente escolhidos? O papel dos eleitores, quer seja direto ou num parlamento, será estritamente plebiscitário: eles apenas serão capazes de votar a favor, para ratificar o plano escolhido pelos planejadores centrais.

Em quarto lugar, outra quimera dos social-democratas é que o socialismo será capaz de permitir liberdades civis, liberdade de expressão, imprensa e assembléia, enquanto mantém um sistema de comando e obediência na esfera puramente econômica. Stalin assassinou milhões de camponeses soviéticos, não por que eles eram dissidentes políticos, mas por que eles resistiram serem expropriados e nacionalizados pelos planejadores centrais soviéticos.

Em quinto lugar, como corolário, liberdades civis não podem ser mantidas sob o socialismo pela simples razão que o governo, como o dono e gerente de todos os meios de produção, de todos os recursos, tem o poder de alocar esses recursos àquelas pessoas e usos a seu favor. Não pode haver genuína liberdade de expressão, imprensa ou assembléia se uma única agência coerciva, o governo, tem o poder de alocar sozinho todo o papel, salões de assembléia, etc. para os usos que ele prefere.

Considere, por exemplo, um Conselho de Planejamento Socialista, que, com toda a boa vontade do mundo, tem a tarefa de alocar os preciosos e escassos papéis, salões de assembléias, impressoras, e assim por diante. Poderia alguém imaginar tal Conselho transferindo algum desses recursos para um periódico anti-socialista? De fato, do ponto de vista deles, por que eles deveriam? Como resultado, recursos tenderão a ser alocados para aqueles indivíduos ou grupos que se posicionam publicamente a favor do regime.
Assim, os vícios usuais da burocracia: favoritismo, nepotismo e troca de favores de políticos irão se profelirar sob o socialismo sem o impedimento das imposições do sistema de lucros e perdas aos quais eles estão sujeitos no livre mercado.
Primeiro uma nota a respeito do caso especifico dos jornais - a posição típica dos socialistas que pretendem combinar a coletivização dos meios de produção com o pluralismo político (p.ex., Trotsky quando passou para a oposição) é que os meios da imprensa devem ser postos à disposição das várias facções proporcionalmente ao número dos seus apoiantes, ou algo parecido. Claro que se pode perguntar "e o que é que impede o tal Conselho de Planeamento Socialista de revogar essa regra e determinar que só os jornais X, Y e Z podem ser publicados?"; mas, por outro lado, o que é que também impede, mesmo num sistema de propriedade privada, o governo ou o parlamento de revogarem as leis sobre a liberdade de impressa e determinarem que só os jornais X, Y e Z podem ser publicados? Se a resposta for "a Constituição", isso também seria válido para o tal regime socialista; se a resposta for "a existência de uma sociedade civil forte e independente do Estado, que se mobilizaria contra uma decisão dessas", já é mais discutível se isso também se aplicaria num regime socialista (de qualquer maneira, mesmo nos regimes da Europa de Leste a comunicação social não era toda propriedade do Estado; uns pertenciam ao Estado, outros ao Partido Comunista, outros às "organizações de massas", etc. - pode-se dizer que ia dar tudo ao mesmo, mas por vezes esse pluralismo formal na propriedade dos jornais levava ocasionalmente a um pluralismo real, como a revista da União dos Escritores da Checoslováquia, que em 1967 funcionou como a voz dos críticos a Novotny).

Mas o problema fundamental do argumento de Rothbard é ele definir "socialismo" como um sistema em que o estado controla os meios de produção - definição que penso que nenhum auto-proclamado socialista subscreverá (mesmo os socialistas mais estatistas, como Lenine ou Trotsky, não consideravam o controlo pelo estado dos meios de produção como condição suficiente para o socialismo, apenas como necessária).

O que complica esta discussão toda é que não é muito claro o que "socialismo", ou mesmo "socialismo democrático" significa.

Se nos limitarmos ao chamado "socialismo democrático" (ou à "democracia socialista" - este termo tem implicações mais fortes e anti-capitalistas que o anterior), a mim parece-me que a expressão pode ter os seguintes significados:

1 - Uma economia em que o essencial das empresas são capitalistas, e em que depois há impostos altos e/ou progressivos usados para financiar apoios sociais e serviços públicos

2 - Uma economia em que a maior parte das empresas são privadas, mas em que os chamados setores "estratégicos" são do Estado (esses sectores classificados como "estratégicos" tendem a cair, ou naquilo que os economistas chamam "monopólios naturais" - distribuição de eletricidade, comboios, correios, etc. -, ou então nos recursos naturais - minas, petróleo).

3 - Uma economia quase totalmente coletivizada, à maneira dos antigos países de Leste, mas com democracia e pluralismo político.

3.1 - Uma economia coletivista à maneira da Jugoslávia, em que as empresas, ainda que nominalmente públicas, são geridas pelos próprios trabalhadores (ou por representantes eleitos por eles) e atuam num mercado concorrencial (ou pelo menos com uma intervenção do governo central na economia não substancialmente maior do que nos modelos 1 ou 2)

3.2 - Uma economia coletivista com planeamento centralizado

3.2.1 - Uma economia coletivista planificada à maneira da ex-URSS, em que os responsáveis pela gestão económica são nomeados hierarquicamente - p.ex., o ministro da industria nomeia o diretor do conglomerado industrial, o diretor do conglomerado nomeia os diretores de cada fábrica e o diretor da fábrica nomeia os encarregados de sector

3.2.2 - Uma economia coletivista planificada em que os responsáveis pela gestão económica são eleitos - p.ex., os trabalhadores de cada sector elegem o seu encarregado, os trabalhadores de cada fábrica elegem o diretor, um conselho de delegados de fábrica elege o diretor do conglomerado, e um conselho geral de delegados de sector dirige o conjunto da economia (até há algum tempo, as escolas públicas portugueses funcionavam mais ou menos assim) - atenção que "eleitos" não significa necessariamente "eleitos pelos trabalhadores", podem ser também pelos utentes, ou um orgão colegial com representantes dos vários "stakeholders" (o ponto fundamental é não serem nomeados por um órgão hierarquicamente superior)

O termo mais correto para o modelo 1 será "social-democracia", mas é frequentemente usado indistintamente com "socialismo democrático"; o modelo 2 é mais ou menos o que tende a ser defendido por partidos como estes (enquanto estes defendem mais o 1 - mas se olharem com atenção há muitos que aparecem nas duas páginas); o modelo 3.2.1 era o que nos anos 70 era defendido por partidos como o PSU francês, a nossa UEDS e penso que o Partido Socialista Popular espanhol; já o modelo 3.2.2 é o que, em diversas variantes, é ou era defendido pelo sector heterodoxo (anti-soviético) da esquerda radical - comunistas de conselhos, DeLeonistas,  parte dos trotskistas, parte dos "comunistas de esquerda", etc. (os anarquistas estarão algures entre o 3.2.2 e o 3.1, com Kropotkin mais perto do modelo 3.2.2 e Proudhon do modelo 3.1).

As fronteiras entre os vários modelos não são muito bem definidas na prática - se formos ver bem, um modelo 1 puro seria um sistema estilo vouchers/ADSE-para-todos/single-payer-health-system, em que escolas, hospitais, etc. fossem privados mas o Estado pagasse as despesas; no entanto, as escolas públicas estão generalizadas e os mesmo os hospitais públicos são corriqueiros, pelo que na prática podemos alargar o modelo 1 aos sistemas em que o Estado presta diretamente serviços e a um preço simbólico (só classificando como "2" quando o Estado possui empresas produtoras de bens que são vendidos no mercado).

A fronteira entre o modelo 3.1 e o 3.2.2 também pode ser confusa (e o facto dos defensores do 3.2.2 por vezes chamarem aos seu sistema "autogestão" - tal como os defensores do 3.1 - ajuda à confusão), mas é mais ou menos a mesma diferença entre o capitalismo liberal e o nacional-socialismo - no modelo 3.1 a direção eleita gere a empresa no contexto de um mercado relativamente livre, e no modelo 3.2.2 põe em prática o que está definido no plano (no caso português, as escolas básicas e secundárias são - ou eram, penso que agora as câmaras acabam por escolher os diretores por portas travessas - um caso típico de 3.2.2; já as universidades, que decidem que cursos dar, e penso - posso estar errado - também o valor das propinas, já se aproximam do modelo 3.1, embora continuando a ter muito de 3.2.2).

Agora, convém ter uma certa coerência na argumentação - não se pode primeiro dizer "os países nórdicos não contam como socialistas, porque são tipo 1" e depois dar António Costa como um exemplo de "socialista" e dizer que o socialismo conduziu sempre à opressão e pobreza (já que Costa também é fundamentalmente tipo 1).

Agora, regressando ao argumento de Rothbard de que o controlo estatal da economia dá aos dirigentes do Estado poder total sobre os indivíduos; isso fará sentido de acordo com as várias definições de socialismo?

De acordo com o 1 e o 3.1, penso que não - nesses sistemas, as decisões sobre a economia (nomeadamente o que produzir, como produzir, a que preços vender, etc.) continuam a ser essencialmente descentralizadas; no 2, os governantes (ou os seus representantes) já controlam efetivamente grande parte da economia concreta (em vez de se limitarem a transferir dinheiro de uns para outros, como no 1), mas a evidência empírica é que esse poder não é necessariamente suficiente para impedir a existência de liberdades civis e de democracia política (exemplos - o Reino Unido após a II Guerra Mundial; Portugal a partir de 1976 - ou para os mais puristas a partir de 1982; a França de Mitterrand, etc. e já agora a Índia, durante décadas um típico modelo 2, e também durante décadas o país em que vivia para aí metade  - ou talvez mesmo a maioria? - dos terráqueos que viviam em democracia).

Portanto a questão de se é possível um "socialismo democrático" resume-se aos modelos 3.2.

No modelo 3.2.2, creio que os governantes continuam a não ter o poder total, já que grande parte das decisões continuam a ser tomadas por órgãos descentralizados (se considerarmos as universidades públicas portuguesas como 3.2.2 - e não como 3.1 - o facto de as tendências dominantes no ISEG e na Faculdade de Economia da UNL serem diferentes será um indicativo de que esse género de propriedade estatal será compatível com o pluralismo político) - o que se poderá questionar é se o 3.2.2 é sequer um modelo estável, ou se uma situação em que há um plano central, mas depois as direções das empresas (que supostamente vão implementar esse plano) não são nomeadas por quem faz o plano terá tais tendências centrífugas que, ou se desagrega, tornando-se na prática 3.1, ou se centraliza, passando os dirigentes sectoriais a serem nomeados centralmente (e assim reverte-se ao 3.2.1).

Quanto ao modelo 3.2.1, à primeira vista parece exatamente o modelo conducente à implantação de um regime totalitário; o problema é - se nos limitarmos aos que querem conciliar o socialismo com a democracia pluralista e as liberdades civis, alguém defende o 3.2.1? Sobretudo parece-me que não há ninguém que diga "Não queremos um regime totalitário como o da antiga URSS, mas queremos uma economia estatizada com dirigentes nomeados de cima para baixo"; entre os que dizem que os regimes de Leste não eram "o verdadeiro socialismo", passa-se quase diretamente dos defensores da "economia mista" para os defensores dos "conselhos operários" ou algo do género. Bem, alguns terão existido, já que as páginas 31 a 35 de "Os Conselhos Operários" de Anton Pannekoek[pdf] são dedicados exatamente a criticar os que defendem a combinação de economia estatizada, gestão hierárquica da produção e democracia parlamentar, mas nos últimos 70 anos duvido que tenha aparecido muita gente a defender essa posição.

Uma questão final que pode ser levantada - se considerássemos que a Venezuela chavista/madurista é ou foi em certa altura uma democracia (estou certo que agora não é, mas não estou seguro em que momento deixou exatamente de ser), que variante de "socialismo democrático" seria? Eu diria que inicialmente "1", e a partir de certa altura "2" (ver este post e comentários) - no entanto, mesmo na fase "2", o que Chavéz nacionalizou foi em larga medida o que já tinha sido nacionalizado nos anos 60 e 70 e privatizado nos 90 (curiosamente, muitas das nacionalizações dos anos 60/70 como das privatização dos 90 foram feitas pelo aqui-adversário de Chavéz, Carlos Andrés Peréz); mais do que as nacionalizações, eu diria que a grande particularidade do "modelo venezuelano" foi, a partir de certa altura, uma politca generalizada de controlo de preços, mesmo no setor privado (o que, admito, não é muito fácil de encaixar nesta tipologia que tentei definir - tanto o "1" como o "2" podem ter preços livres ou controlados no sector privado).

Governos "socialistas" e liberdades económicas (II)

Mas agora vamos a algo que é mais um pet issue meu, e vamos dividir o índice de liberdade económica da Heritage em dois sub-índices, a que chamarei "liberdade económica extrativa" (medindo o nível de impostos e despesa pública) e "inclusiva" (o resto, normalmente incluindo mais liberdade a nível micro-económica, de regulação, burocracia, etc.). Qual o porquê dessa divisão e desses nomes? Tem a ver com isto.

Como variaram esses liberdades em países com governos socialistas?

L. E. Extrativa 1995
L. E. Extrativa 2016
d
L. E. Inclusiva 1995
L. E. Incluisiva 2016
d
Albania 58,00 81,40 23,40 46,85 62,05 15,20
Argentina 83,65 58,70 -24,95 65,75 40,04 -25,71
Austria 27,95 36,55 8,60 80,65 80,45 -0,20
Bangladesh 67,75 83,15 15,40 33,82 45,86 12,05
Brazil 75,55 62,45 -13,10 43,57 55,06 11,50
Chile 83,20 78,95 -4,25 70,70 77,34 6,64
Ecuador 88,35 60,50 -27,85 48,72 45,58 -3,14
Greece 58,90 32,20 -26,70 67,18 58,46 -8,72
Guyana 43,05 70,88 27,83 49,17 51,49 2,32
Haiti 87,05 78,45 -8,60 33,80 44,51 10,71
Jamaica 77,00 79,85 2,85 59,32 64,36 5,05
Mali 64,75 76,55 11,80 52,02 51,54 -0,48
Mongolia 32,45 67,95 35,50 52,50 57,20 4,70
Mozambique 67,60 68,90 1,30 40,65 49,26 8,61
Portugal 48,25 42,65 -5,60 69,25 70,69 1,44
Sweden 22,00 29,65 7,65 76,42 82,54 6,12
Uruguay 82,10 72,40 -9,70 58,03 67,84 9,80
Venezuela 78,05 65,80 -12,25 52,00 25,73 -26,28
Zambia 73,60 77,20 3,60 46,40 54,19 7,79

Ou seja, ao contrário do que eu confesso que estava à espera, também não me parece que se possa concluir alguma coisa; o que eu estava à espera era de uma tendência marcada para a redução da liberdade económica extrativa - ou seja, um aumento dos impostos e despesas públicas - e uma situação de "nada se pode concluir" ou até aumento para a liberdade económica "inclusiva" - ou seja, regulação microeconómica, em resultado da politica de muitos governos socialistas dos anos 90 e 00, que continuaram as politicas de privatização e desregulamentação que já vinham de trás, mas combinadas com o aumento das despesas públicas, sobretudo as supostamente "sociais" (os países que mais se enquadram neste padrão: Brasil, Chile, Haiti e Uruguai, mas Portugal também anda por aí)

Governos "socialistas" e liberdades económicas (I)

Ainda a respeito disto, vamos ver como os governos socialistas afetam a liberdade económica (medida pelo indíce da Heritage Fundation). Diga-se que isto tem uma componente de "a rã sem pernas é surda" - afinal, é suposto governos socialistas reduzirem a liberdade económica, logo isso deveria dar a liberdade económica a descer; mas será que dá?

Vamos ver de novo os países com mais de 11 anos de governos socialistas (alguns faltam, porque a HF não tem dados para eles todos):

Liberdade Económica 1995 Liberdade Economica 2016 d
Albania 49,7 65,92 16,22
Argentina 68 43,77 -24,23
Austria 70 71,67 1,67
Bangladesh 40,9 53,32 12,42
Brazil 51,4 56,54 5,14
Chile 71,2 77,66 6,46
Ecuador 57,7 48,56 -9,14
Greece 61,2 53,21 -7,99
Guyana 45,7 55,37 9,67
Haiti 43 51,3 8,3
Jamaica 64,4 67,46 3,06
Mali 52,4 56,54 4,14
Mongolia 47,8 59,35 11,55
Mozambique 45,5 53,19 7,69
Portugal 62,4 65,08 2,68
Sweden 61,4 71,96 10,56
Uruguay 62,5 68,75 6,25
Venezuela 59,8 33,74 -26,06
Zambia 55,1 58,79 3,69

A liberdade económica desce na Argentina, Grécia, Equador e Venezuela e sobe nos outros; se nos limitarmos aos supostamente mais radicais, desce na Argentina e Venezuela e sobre no Brasil e na Guiana.

Claro que podemos ir mais longe e argumentar que os "verdadeiros" socialistas são aqueles em que a liberdade económica tem reduções significativas, e portanto agora vamos fazer uma análise comparando liberdades económicas e civis, e contar como "socialistas" os países em que a liberdade económica caiu 5 ou mais pontos, independentemente da ideologia reivindicada pelo partido no poder.

d Lib C Liberdade Económica 1995 Liberdade Economica 2016 d
Argentina 1 68 43,77 -24,23
Belize -1 62,9 57,35 -5,55
Bolivia 1 56,8 47,4 -9,4
Ecuador -1 57,7 48,56 -9,14
Greece 1 61,2 53,21 -7,99
Panama 1 71,6 64,8 -6,8
Thailand -1 71,3 63,86 -7,44
Venezuela -2 59,8 33,74 -26,06

Assim, nos países em que houve uma queda grande da liberdade económica, as liberdades civis aumentaram na Argentina, na Bolívia, na Grécia e no Panamá e diminuíram em Belize, no Equador, na Tailândia e na Venezuela.

Governos "socialistas" e liberdades civis

Há uns meses, o João Pereira da Silva no Facebook perguntava-me "diz-me lá o país que teve, ou tem (cada vez menos, graças aos santos) o partido socialista no poder e não tendeu/tende para o totalitarismo, redução, ou extinção do direito à propriedade privada e atropelo de todas as liberdades. Um só. E não menciones tendências de curto prazo. Valem as de decénios. Vê, por exemplo, o caso de Portugal: temos os socialistas no poder a maior parte do tempo no poder desde 1974 e estamos a dar passos largos para o controlo estatal da economia e o comunismo dentro de 50 anos, ou menos, se não aprendermos antes."; ao que respondi "Vou ter que fazer um estudo demorado sobre isso; critério: países que fossem democracias em 1995, desde 1995 até hoje tenham sido governados a maior parte do tempo por partidos da Internacional Socialista ou mais para a esquerda - como evoluiram no indice de liberdade económica da Heritage Foundation e no Indice de Liberdades Cívis da Freedom House (comparado com países que tenham sido maioritariamente governados por partidos liberais, democrata-cristãos ou conservadores); pode ser que tenha energia para fazer esse estudo e depois faça um post sobre isso" (isto começou até com uma conversa sobre o PS, portanto faz sentido usar como referência a Internacional Socialista)

Bem, cá vai a série de posts sobre isso :

A respeito dos dados da Freedom House, agora é muito mais díficil ir buscá-los se quiserem conferir o meu post, porque agora já nem os consigo encontrar navegando no site deles; mas pesquisando no google, encontra-se isto (o ficheiro - em Excel - com os indices dos países desde 1972 a 2016) e isto (a lista - também em Excel - dos países que eles consideram "democracias eleitorais").

Países que eram democracias eleitorais em 1995, com o índice de liberdade civis em 1995 e em 2016 (atenção que o índice da FH funciona ao contrário, quanto mais baixo mais livre; o "d" é subtraindo o índice de 1995 pelo de 2016, pelo que um "d" positivo significa mais liberdades civis):

Liberdades Civis 1995 Liberdades Civis 2016 d
Albania 4 3 1
Andorra 1 1 0
Argentina 3 2 1
Australia 1 1 0
Austria 1 1 0
Bahamas 2 1 1
Bangladesh 4 4 0
Barbados 1 1 0
Belgium 1 1 0
Belize 1 2 -1
Benin 2 2 0
Bolivia 4 3 1
Botswana 2 2 0
Brazil 4 2 2
Bulgaria 2 2 0
Canada 1 1 0
Cape Verde 2 1 1
Central African Republic 4 7 -3
Chile 2 1 1
Colombia 4 3 1
Congo (Brazzaville) 4 5 -1
Costa Rica 2 1 1
Croatia 4 2 2
Cyprus 1 1 0
Czech Republic 2 1 1
Denmark 1 1 0
Dominica 1 1 0
Ecuador 3 4 -1
El Salvador 3 3 0
Estonia 2 1 1
Fiji 3 4 -1
Finland 1 1 0
France 2 2 0
Georgia 5 3 2
Germany 2 1 1
Greece 3 2 1
Grenada 2 2 0
Guatemala 5 4 1
Guinea-Bissau 4 5 -1
Guyana 2 3 -1
Haiti 5 5 0
Honduras 3 4 -1
Hungary 2 2 0
Iceland 1 1 0
India 4 3 1
Ireland 1 1 0
Israel 3 2 1
Italy 2 1 1
Jamaica 3 3 0
Japan 2 1 1
Kiribati 1 1 0
Kyrgyzstan 4 5 -1
Latvia 2 2 0
Lesotho 4 3 1
Liechtenstein 1 1 0
Lithuania 2 1 1
Luxembourg 1 1 0
Macedonia 3 3 0
Madagascar 4 4 0
Malawi 3 3 0
Mali 3 4 -1
Malta 1 1 0
Marshall Islands 1 1 0
Mauritius 2 2 0
Micronesia 1 1 0
Moldova 4 3 1
Monaco 1 1 0
Mongolia 3 2 1
Mozambique 4 4 0
Namibia 3 2 1
Nauru 3 2 1
Nepal 4 4 0
Netherlands 1 1 0
New Zealand 1 1 0
Nicaragua 4 4 0
Niger 5 4 1
Norway 1 1 0
Pakistan 5 5 0
Palau 2 1 1
Panama 3 2 1
Papua New Guinea 4 3 1
Paraguay 3 3 0
Philippines 4 3 1
Poland 2 2 0
Portugal 1 1 0
Romania 3 2 1
Russia 4 6 -2
Samoa 2 2 0
San Marino 1 1 0
Sao Tome & Principe 2 2 0
Seychelles 3 3 0
Slovakia 3 1 2
Slovenia 2 1 1
Solomon Islands 2 2 0
South Africa 2 2 0
South Korea 2 2 0
Spain 2 1 1
Sri Lanka 5 4 1
Saint Kitts and Nevis 2 1 1
Saint Lucia 2 1 1
Saint Vincent & Grenadines 1 1 0
Suriname 3 3 0
Sweden 1 1 0
Switzerland 1 1 0
Thailand 4 5 -1
Trinidad & Tobago 2 2 0
Turkey 5 5 0
Tuvalu 1 1 0
Ukraine 4 3 1
United Kingdom 2 1 1
United States 1 1 0
Uruguay 2 1 1
Vanuatu 3 2 1
Venezuela 3 5 -2
Zambia 4 4 0

Agora, para os países que eram democracias eleitorais em 1995, foi ver que partidos estiveram no governo de 1995 a 2016;

Partidos ligados à Internacional Socialista ou aparentados estão a rosa; partidos à esquerda da IS estão a vermelho; partidos liberais ou centristas (frequentemente ligados à Internacional Liberal) estão a azul claro; partidos conservadores, democratas-cristãos  (frequentemente ligados à União Democrática Internacional) ou nacionalistas estão a azul escuro; partidos não identificáveis ou governos de independentes estão a amarelo; governos militares que tenham existido pelo meio estão a cinzento, por vezes às riscas com outra cor nos casos em que o alinhamento ideológico do regime militar é bastante claro

Diga-se que a metodologia que segui pode ser muito contestável:

- Para coligações, optei, em regra, por classificá-las pelo partido do chefe do governo (e em países como San Marino ou a Suiça, que não têm um chefe de governo facilmente identificável, acho que usei o partido mais votado).

- Quando o governo muda a meio do ano, pintei cada ano com a cor do governo que esteve mais tempo, e, quando foi quase ela-por-ela, pelo governo da segunda metade do ano.

- Poderá-se questionar opções como os Democratas do EUA estarem a cor-de-rosa e os Liberais canadianos (que estão seguramente à sua esquerda) estarem a azul-claro; em parte é pelo critério da filiação internacional, e em parte porque nisto é mais relevante a posição relativa do que absoluta (isto é, os Democratas estão provavelmente muito mais à esquerda dos Republicanos nos EUA do que os Liberais à esquerda dos Conservadores no Canadá).

- O Congresso da Índia está a azul-claro, apesar de ter aderido à Internacional Socialista, basicamente porque em tempos esteve envolvido na criação de uma "internacional democrática" (supostamente entre a IS e a IL) e quando andei a pintar o gráfico nem sequer sabia da adesão à IS (de qualquer maneira, desde os anos 90 que o Congresso tem seguido uma politica de liberalização económica, sendo nalgumas coisas se calhar até mais liberais que a direita nacionalista do BJP - até faria mais sentido pintá-los de rosa ou de vermelho quando NÃO  faziam parte da IS, nos tempos de Nehru ou Indira).

- O governo de Manuel Zelaya nas Honduras foi pintado a vermelho, apesar de ser de um partido da IL; o motivo é que o seu governo colou-se bastante à Venezuela, e até foi sobretudo do seu Partido Liberal que veio o golpe que o derrubou.

- O Partido Democrático do Botswana agora está na IS, mas pintei o Botswana de azul-escuro porque durante décadas esteve na UDI (nem me admirava que a adesão à IS tenha sido por razões de geopolítica, para estar na mesma internacional que o ANC, a SWAPO e a Frelimo).

- Apesar de Duterte das Filipinas ser sobretudo elogiado, no resto do mundo, pela extrema-direita, a wikipedia classifica o partido dele como "left-wing", portanto está a vermelho.


































Agora vamos lá ver como foi a evolução das liberdades civis em países que tenham tido mais de 11 anos de governos socialistas, em sentido lato:

Anos de governo socialista
Liberdades Civis 1995
Liberdades Civis 2016
d
Albania 12 4 3 1
Argentina 16 3 2 1
Austria 15 1 1 0
Bangladesh 14 4 4 0
Barbados 22 1 1 0
Brazil 14 4 2 2
Cape Verde 15 2 1 1
Chile 13 2 1 1
Congo (Brazzaville) 19 4 5 -1
Costa Rica 14 2 1 1
Dominica 17 1 1 0
Ecuador 14 3 4 -1
Greece 13 3 2 1
Guinea-Bissau 22 4 5 -1
Guyana 22 2 3 -1
Haiti 15 5 5 0
Jamaica 17 3 3 0
Kyrgyzstan 12 4 5 -1
Lesotho 22 4 3 1
Lithuania 13 2 1 1
Mali 22 3 4 -1
Mauritius 22 2 2 0
Mongolia 15 3 2 1
Mozambique 22 4 4 0
Namibia 22 3 2 1
Nepal 18 4 4 0
Norway 13 1 1 0
Portugal 13 1 1 0
Sao Tome & Principe 16 2 2 0
Seychelles 21 3 3 0
South Africa 22 2 2 0
Sri Lanka 18 5 4 1
Saint Kitts and Nevis 20 2 1 1
Saint Lucia 14 2 1 1
Sweden 14 1 1 0
Trinidad & Tobago 12 2 2 0
United Kingdom 13 2 1 1
United States 14 1 1 0
Uruguay 12 2 1 1
Vanuatu 17 3 2 1
Venezuela 18 3 5 -2
Zambia 22 4 4 0

Ou seja, as liberdades civis aumentaram na Albânia, Argentina, Brasil, Cabo Verde, Costa Rica, Grécia, Lesoto, Lituânia, Mongólia, Namíbia, Saint Kitts and Nevis, Santa Lúcia, Reino Unido, Uruguai e Vanuatu; diminuíram no Congo-Brazzaville, Equador, Guiné-Bissau, Guiana, Quirgustão, Mali e Venezuela.

Mas, e se nos limitarmos apenas a governos socialistas mais hard-core? Vamos ver só pelos "vermelhos".

Anos de governo socialista+ Liberdades Civis
1995
Liberdades Civis
2016
d
Argentina 13 3 2 1
Brazil 14 4 2 2
Congo (Brazzaville) 19 4 5 -1
Guyana 20 2 3 -1
Venezuela 18 3 5 -2


As liberdades civis aumentaram na Argentina e Brasil e diminuíram no Congo-Brazzaville, Guiana e Venezuela.

Atenção que estas variações (para cima ou para baixo) podem até não ter ocorrido num momento em que socialista estiverem no poder, mas penso que para ver a tendência a longo prazo isso não afeta muito (mesmo que tenha subido/descido com um governo não-socialista, se se manteve quer dizer que os governos socialistas posteriores não interferiram com essa subida/descida).