Thursday, December 21, 2017

Ainda sobre as execuções extra-judiciais na Venezuela

Venezuela's security forces executing civilians, por "boz":

Sometimes statistics are harder to describe than individual narratives. However, it is important to realize that as bad as security force abuses are in places like Brazil, Colombia, Honduras and Mexico, these numbers in Venezuela are far, far worse. The WSJ notes that the numbers killed in Venezuela are higher than the numbers killed in the Philippines anti-drug campaign by President Duterte.

Let me offer a few other comparisons.

While there is rightful outrage at the missing 43 students in Mexico or the over two dozen protesters killed by security forces in Honduras since the election, both of those extreme examples are just an average week in Venezuela. Even on the low end of the statistics, approximately 40 people are extra-judicially assassinated by state security forces in Venezuela each week.

The number of people executed by state security forces in Venezuela in the past three years is greater than the number of people executed and disappeared during the entire 17 year Pinochet military dictatorship.

The number of civilians killed by Venezuelan security forces in the past three years is higher than the number of civilians believed to be killed in the six years of the Colombian military’s false positives scandal.

It is important to make these comparisons so people realize that this isn’t some small issue. When the numbers of dead are finally counted and their stories told, Venezuela’s current government under Nicolas Maduro will almost certainly rank as one of the most deadly governments in the past century in Latin America.

Uma "Reforma" para a Economia?

"Reforma" como em "Reforma Protestante".

33 Theses for an Economics Reformation[pdf]:

We propose these Theses as a challenge to the unhealthy intellectual monopoly of mainstream economics. These are examples – of the flaws in mainstream theories, of the insights that alternative perspectives have to offer, and of the ways in which a more pluralist approach can help economics to become both more effective and more democratic. This is an assertion that a better economics is possible, and an invitation to debate
Heretics welcome! Economics needs a new Reformation, por Larry Elliott (The Guardian):
In October 1517, an unknown Augustinian monk by the name of Martin Luther changed the world when he grabbed a hammer and nailed his 95 theses to the door of the Castle Church in Wittenberg. The Reformation started there.

The tale of how the 95 theses were posted is almost certainly false (...) [b]ut it makes a better story than Luther writing a letter (which is what probably happened), and that’s why the economist Steve Keen, dressed in a monk’s habit and wielding a blow up hammer, could be found outside the London School of Economics last week.

Keen and those supporting him (full disclosure: I was one of them) were making a simple point as he used Blu Tack to stick their 33 theses to one of the world’s leading universities: economics needs its own Reformation just as the Catholic church did 500 years ago.
Thirty-three flawed Theses, por Frances Coppola:
Five hundred years ago, so legend has it, a dissident priest called Martin Luther nailed a list of 95 "theses" to the door of the Castle Church in Wittenburg. His action launched the Protestant Reformation.

Last week, the dissident economist Steve Keen "nailed" a list of 33 Theses to the door of the London School of Economics. His aim was to launch a Reformation in economics as significant as the religious Reformation that Luther started. It was a bold gesture.

But for such a movement to take hold, there has to be substance in the criticisms. And as I read the 33 Theses, my heart sank. For these are in no way like the 95 Theses. (...)

As I read the 33 Theses, I found myself becoming more and more disappointed. They don't demonstrate enough scholarship to constitute a serious attack.
Dismal ignorance of the “dismal science”—a response to Larry Elliot (Prospect):
It has become routine to assault the “dismal science” with a dismal ignorance of what economics actually involves. Writers, students and even some social scientists from other disciplines who have very little exposure to what economists do are quick to point the finger and declare economics as a veil for vested interest, and dismiss it as a way of thinking that is fossilised in numbers.

Sometimes, though, the criticism can even come from within the economics bubble itself. This week, a column by Larry Elliott in the Guardian wrapped up a whole array of these fashionable assaults in a single piece of prose. He wrote: “Neoclassical economics has become an unquestioned belief system and treats anybody who challenges the creed of self-righting markets and rational consumers as dangerous heretics,” adding “Complex mathematics is used to mystify economics, just as congregations in Luther’s time were deliberately left in the dark by services conducted in Latin.”

That is simply wrong. Not only that, it is dangerous. Such ill-informed expert bashing is exactly what gives politicians the excuse they need to make policy whilst ignoring evidence. It is also very distant from the empirically based discipline that we see as modern economics. (...)

Critics complain that economists’ models are not realistic and make absurd assumptions. The London Tube map is not realistic and makes absurd assumptions. If it did not it would be illegible. And useless. The map is useful precisely because it abstracts from unnecessary details to show you the way. This is what economic models are for, they help us to find our way through complex data in a complex world.

Maduro, o Duterte sul-americano

Venezuela’s Brutal Crime Crackdown: Executions, Machetes and 8,292 Dead  (Wall Street Journal):

The full scope of the alleged atrocities is beginning to surface publicly now. Luisa Ortega, a former Socialist Party stalwart who was attorney general until fleeing to neighboring Colombia in August, is releasing data on the killings, as are independent human-rights groups and Venezuelan journalists.

Her office recorded the slayings of 8,292 people by the police, the National Guard, the army and Venezuela’s version of the FBI, from 2015 through the first six months of this year, she said in an interview with The Wall Street Journal. By her account, the operations target poor barrios that have traditionally formed the bedrock of support for Chavismo, the radical leftist movement in power since 1999 that is named after its late founder, Hugo Chávez. She and other human-rights activists criticize them as misguided and heavy-handed attempts to confront the crime running rampant in those neighborhoods.

“It’s a systematic policy against a social sector,” said Ms. Ortega. She said the police and armed forces enter poor barrios heavily armed in large numbers, “leveling everything that is in their way.” (...)

The government of President Nicolás Maduro says it respects human rights but must respond with force to battle a soaring crime wave he and his ministers say was hatched from abroad to destabilize the country. (...)

By Ms. Ortega’s count, Venezuelan security services claimed roughly the same number of civilian lives in the year ended June 30 as did Rodrigo Duterte’s controversial antidrug campaign in the Philippines, a country three times Venezuela’s size.

Forensic evidence from shootings and a chorus of complaints from the poorest barrios indicates the vast majority weren’t acts of self-defense by security forces.

Wednesday, December 20, 2017

Eleições decididas por um voto (atualizado)

Ali abaixo escrevia que é muito dificil um voto decidir uma eleição, e que mesmo nas eleições de 1961 em Zanzibar (em que o Partido Afro-Shirazi teve o maior grupo parlamentar porque tinha mais um deputado que o 2º maior partido, e em que num circulo eleitoral elegeu um deputado por um voto) isso acabou por não acontecer.

Bem, talvez tenha acontecido agora no estado norte-americano da Vírginia, em que os Republicanos perderem o controlo da assembleia por um mandato (agora está empatada), e em que os Democratas ganharam num distrito por um voto.

ATUALIZAÇÃO - afinal o voto em questão foi desqualificado e agora é a votação nesse distrito que está empatada, pelo que, se percebo, vai haver um sorteio par escolher o vencedor (portanto, se o candidato Democrata vencer o sorteio, a assembleia da Virginia fica empatada, se o Republicano vencer, os Republicanos ficam com a maioria).

Isso faz-me lembrar algo que li há uns anos, argumentando que um voto nunca faz diferença - se o resultado for por uma margem larga, um voto individual não afeta a resultado; e se for por uma margem tão estreita que um voto pudesse fazer diferença, quer dizer que vai haver contagens e recontagens, impugnações e desimpugnações de votos, etc. , e finalmente a decisão vai ser tomada por alguma comissão ou tribunal (e o tal voto individual volta a não decidir nada).

Wednesday, December 13, 2017

Economia comportamental (II)

Ainda sobre esta questão, Sandra Maximiano responde a Luís Aguiar-Conraria.

A crítica que ela faz ao exemplo dos doentes cardíacos parece-me fazer sentido, já que, pelo que leio, os incentivos incorporados eram tanto "comportamentais" como "neoclássicos".

No entanto, a respeito de outros pontos:

Por exemplo, os modelos neoclássicos assumem a existência de N agentes racionais, homogéneos nas suas preferências.
Se estou a perceber o que "homogéneos nas suas preferências" quer dizer, há alguma coisa no modelo neoclássico que implique que os "agentes" tenham que ser "homogéneos nas suas preferências"? É que já vi montes de argumentos, feitos em tom neoclássico, que me parecem ter implícito que diferentes indivíduos podem ter diferentes gostos - p.ex., quando se defende a seleção pelo preço dizendo que é "eficiente" porque quem está disposto a pagar mais é quem valoriza mais; a ideia que tenho é que o motivo porque muitos modelos neoclássicos assumem agentes homogéneos não é porque isso seja uma característica inerente ao modelo, mas para facilitar as contas.
Existe uma escola que advoga que os agentes não se comportam de forma neoclássica, por exemplo, têm preferências sociais e morais, mas o resultado das suas decisões não é necessariamente subótimo, sendo por isso racional. Por exemplo, há empresas que têm um comportamento que se não se coaduna com a maximização dos lucros “à la teoria neoclássica”, mas que no longo prazo sobrevivem, mostrando que o seu comportamento não é irracional. Considere, por exemplo, a REI, uma empresa americana que vende artigos de campismo e de desporto, e que mais uma vez não abriu portas no Black Friday porque considera que os funcionários têm direito a um fim de semana com a família. Este comportamento, aparentemente em desacordo como a maximização do lucro, atrai certos consumidores e pode no longo prazo trazer vantagens.
Isso será mesmo uma exceção ao modelo neoclássico? Ou será simplesmente que os donos da REI têm um dado conjunto de preferências (que inclui, entre outras coisas, querer que os seus empregados tenham tempo para estar com a família) e que agem racionalmente de forma a maximizar a utilidade que deriva de realizarem as suas preferências? É que aqui acho que é necessário distinguir duas coisas - ser "irracional" no sentido de não escolher a maneira mais adequada para atingir os fins que pretende; e ser "irracional" no sentido de pretender atingir fins "não-convencionais" (a mim parece-me que "irracional" só faz realmente sentido no primeiro caso; e a ideia de que as preferências são subjetivas até não me parece estranha ao pensamento neoclássico, pelo que me parece que ele pode viver facilmente com a segunda "irracionalidade").
Uma segunda escola de pensamento, advoga que os agentes económicos são inteligentes, fazem escolhas inteligentes, mas têm racionalidade limitada porque não têm toda a informação disponível. Neste caso, aplicar heurísticas e processos de escolha que são diferentes do processo de maximização pode fazer mais sentido e não vale a pena alterar o comportamento dos agentes por forma a que decidam melhor.
Esta parece mais ou menos o que eu escrevi no post anterior, com a diferença que aqui falam em informação limitada, e eu estava pensando mais em capacidade de processamento mental limitada.
Por último, existe uma escola de pensamento, popularizada por Daniel Kahnaman e Richard Thaler, que assume que os indivíduos são irracionais e que aplicam heurísticas nas suas decisões porque têm enviesamentos cognitivos e erram sistematicamente. Neste caso, assume-se que corrigir comportamentos é importante para que se gerem resultados melhores do ponto de vista do bem-estar.
Acho que há efetivamente um bom argumento que pode ser usado para, a partir do pressuposto de que os indivíduos são irracionais, achar que certas políticas públicas podem aumentar o bem-estar; e também há um péssimo argumento. O péssimo argumento é algo de género "se os indivíduos fossem totalmente racionais, tomariam as melhores decisões; infelizmente, eles são irracionais, logo há espaço para políticas para mudar os seus comportamentos para seu próprio bem" (parece-me que a Sandra Maximiano está a apresentar uma versão deste argumento); porque é que acho que este argumento é péssimo? Porque parece-me ter implícito que as pessoas são irracionais na sua vida privada, mas (se estivermos a falar de políticas estatais para contrabalançar essa irracionalidade) já são racionais na altura de votar e escolher as políticas que vão corrigir a irracionalidade privada - sinceramente, isso não me parece fazer sentido nenhum, já que, se alguma coisa, até há mais razões para as pessoas serem irracionais como votantes: a) a quantidade de informação que têm que processar é muito maior; b) o custo de não tomarem a decisão melhor é menor, já que a probabilidade do seu voto decidir o resultado final é bastante reduzida (veja-se que mesmo nas eleições parlamentares de Zanzibar de 1961, o eleitor que no circulo uninominal de Chake-Chake, Ilha de Pemba, votou no Partido Afro-Shirazi - dando-lhe, por 1538 contra 1537 votos, a vitória nesse círculo e elegendo o deputado que tornou, por 10 deputados contra 9,  o PAS o maior partido no parlamento - não decidiu eleição nenhuma, já que a seguir formou-se uma coisa ainda mais complicada que a geringonça); c) há grandes instintos "tribais" - o nosso partido contra o deles - na política que turvam ainda mais a racionalidade do ato de votar.

Se estivermos a falar, não dos votantes, mas dos governantes mesmo (ou de todos os dirigentes de entidades privadas que se decidam a proteger as pessoas de si próprias - ao que me parece, as receitas "comportamentalistas" se calhar até têm sido mais usadas por privados bem-intencionados do que por Estados), também me parece haver motivos para supor que serão irracionais: além de toda a irracionalidade de qualquer ser humano, cargos de liderança tenderão a ser desproporcionalmente ocupados por pessoas com elevada autoconfiança e que tomam decisões sem grandes hesitações (afinal, os que hesitam e pensam muito antes de tomarem uma decisão tenderão mais frequentemente a perder oportunidades de serem nomeados ou eleitos para cargos - ou até a recusarem a ideia) e parece-me que essas pessoas, quase pode definição, serão mais dadas a tomar decisões "irracionais" (note-se que não me admirava que essas pessoas, se  estejam sobrerepresentadas nos cargos dirigentes, também estejam sobrerepresentadas entre os completos falhados, por um mecanismo semelhante a este).

Então qual é o bom argumento que eu acho que pode ser usado para propor políticas interventivas? Será o argumento "se os indivíduos fossem totalmente racionais, a política que vamos por em prática não faria qualquer efeito, porque eles ajustariam o seu comportamento; felizmente, eles são irracionais, logo a nossa política vai funcionar porque os indivíduos não se vão ajustar - ou  pelo menos não imediatamente - a ela"; um bom exemplo será todas aquelas discussões à volta da equivalência ricardiana, mas penso que também se aplicará às sobre ilusão monetária, ou talvez até mesmo à questão da rigidez nominal dos preços; indo à micro-economia, talvez possa ter alguma relevância para aquelas discussões de "quem devia pagar a taxa audiovisual eram as empresas, não os clientes".

Porque é que eu digo que este é um bom argumento? Porque não implica que os decisores sejam mais racionais que o comum dos mortais: o raciocínio "esta política vai ter efeito porque os indivíduos são irracionais e não vão alterar os seus atos" funciona perfeitamente mesmo que os próprios decisores não percebam que a política não funcionaria com indivíduos racionais (se calhar até funciona melhor, porque aplicam a política com mais convicção); e já agora, parece-me que se aplicará não só à irracionalidade tipo Kahnaman/Thaler mas também à irracionalidade tipo "informação limitada" ou "capacidade de processamento mental limitada".
Um exemplo interessante de como a economia comportamental pode afetar a teoria económica relaciona-se com a teoria da oferta de trabalho. De acordo com a teoria neoclássica, os indivíduos escolhem o tempo de trabalho e o tempo de lazer em função das suas preferências e da taxa salarial. Existem dois efeitos importantes, o chamado efeito substituição, que nos diz que os indivíduos trabalham mais, abdicando de horas de lazer, se a taxa salarial aumentar. Existe também o chamado efeito rendimento que mostra que quanto mais rendimento se tem mais se substitui o trabalho por lazer. Em geral o efeito substituição é dominante, explicando o facto da curva de oferta de trabalho ser positiva, até ao momento em que o efeito rendimento domina e a curva eventualmente sofre uma inflexão. Esta teoria é esteticamente bonita, mas tem dificuldade em explicar porque é que o efeito substituição é dominante e até quando é dominante. Mais, a teoria mostra que os indivíduos devem trabalhar menos se o salario baixar, um facto que não é observado na realidade, muito pelo o contrário.
Mostra? Imagine-se um modelo neoclássico em que a "função utilidade" é U = T*ln(R), sendo T o tempo livre e R o rendimento (sim, o que dará utilidade não será tanto o rendimento, mas sim os bens que podem ser adquiridos com ele, mas acho que isso em nada afeta o resultado e torna a conta mais simples; e, para os mais puristas, esta "função utilidade" não pretende medir a utilidade, mas apenas comparar a utilidade entre diferentes combinações de T e R); imagine-se que o individuo tem 100 unidade de tempo disponíveis (que pode usar para trabalhar ou para outra coisa qualquer), e que S é o salário por unidade de tempo; assim, a "função utilidade" poderia ser reescrita como U = T*ln[S*(100-T)]. Maximizando a utilidade (dU/dT=0), acho que o resultado será (se eu não me enganei nas contas) S = e^[T/(100-T)]/(100-T). É verdade que, se estamos a tentar determinar como uma variação do salário leva a uma variação do tempo trabalhado, o lógico seria resolver a equação em ordem a T; mas eu NÃO SEI resolver essa equação em ordem a T e só a consigo resolver em ordem a S - mas, de qualquer forma, penso que mesmo resolvendo em ordem a S, dá para ver que o equilíbrio será que uma maior escolha por tempo livre corresponderá a um maior salário (ou, inversamente, uma escolha por trabalhar mais corresponderá a um menor salário). Isto, como digo, se não me enganei nas contas, o que é bem provável (mas, mesmo que tenha, de certeza que haverá "funções utilidade" hipotéticas em que uma redução de salário leva as pessoas a trabalhar mais).

Em termos gráficos, daria uma curva assim:

Um possível contra-argumento será algo como "Miguel, o que você fez foi torturar os números e as variáveis até confessarem; provavelmente andou a inventar «funções utilidade» até lhe aparecer uma que desse os resultados que queria"; realmente foi, mas não acho que isso invalide as conclusões.

De qualquer maneira, nem precisaríamos de recorrer a um exemplo - afinal, é a própria Sandra Maximiano diz que a teoria neoclásica admite que em certas situações o efeito rendimento pode ultrapassar o substituição; se alguma coisa, acho são os neoclássicos que tendem a assumir que o efeito substituição predomina sobre o efeito rendimento que estão a intoduzir premissas ad hoc, que até podem ser empiricamente verdadeiras, mas sem uma fundamentação teórica sólida (como, aliás, a Sandra diz, quando afirma que a teoria "tem dificuldade em explicar porque é que o efeito substituição é dominante"); ou seja, parece-me que a questão do horário de trabalho poderá ser um problema para os economistas neoclássicos realmente existentes, mas não para a economia neoclássica enquanto modelo teórico.
A teoria comportamental, através de experiências laboratoriais e de campo têm mostrado que os indivíduos têm objetivos a alcançar no que respeita ao nível de rendimento desejado, ou seja, têm um alvo em mente, que em geral aumenta ao longo do tempo. Este alvo varia dependendo dos salários dos colegas pois por muito que o nosso salário seja, este sabe sempre a pouco se ganharmos menos que os nossos pares. Dada a existência de um rendimento alvo, se os salários se diminuírem é natural que a oferta de trabalho aumente para que o alvo continue a ser atingido. Mais, se o rendimento alvo aumentar, a oferta de trabalho aumenta mesmo sem aumentos salarias. O aumento de salários pode reduzir a oferta de trabalho apenas se esse aumento permitir que se atinja o rendimento objetivo com menos horas trabalhadas, o que tem acontecido em algumas economias desenvolvidas, onde aumentos salariais têm sido acompanhados com menos horas de trabalho semanais.
Eu até concordo com quase tudo o que é aqui dito, mas o problema é que me parece que a teoria comportamental não é precisa aqui para nada ou quase. Imagino que se escrevia:
Têm-se demonstrado que que os indivíduos têm objetivos a alcançar no que respeita ao nível de rendimento desejado, ou seja, têm um alvo em mente. Dada a existência de um rendimento alvo, se os salários se diminuírem é natural que a oferta de trabalho aumente para que o alvo continue a ser atingido. O aumento de salários pode reduzir a oferta de trabalho apenas se esse aumento permitir que se atinja o rendimento objetivo com menos horas trabalhadas, o que tem acontecido em algumas economias desenvolvidas, onde aumentos salariais têm sido acompanhados com menos horas de trabalho semanais.
As conclusões são quase as mesmas e já temos um cenário que me parece perfeitamente compatível com a visão neoclássica - o tal "rendimento alvo" mais não é que um caso extremo da ideia neoclássica da utilidade marginal decrescente (ter um "rendimento alvo" parece-me ser, simplesmente, ter um ponto a partir do qual a utilidade marginal de mais um euro de rendimento cai bruscamente, e foi mais ou menos isso que eu andei a tentar representar por uma função, ali acima).

Já agora, a respeito do horário de trabalho, se alguma coisa eu até suspeito que a curva inversa é a norma e não a exeção: não só pela tendência histórica para o crescimento dos salários vir usualmente de mão dada com a redução do trabalho - tanto diário/semanal (redução do horário) como anual (mais dias de férias) ou até "existencial" (sobretudo via entrada mais tardia no mercado de trabalho, embora aí possa ser também uma componente de procura e não apenas de oferta) - como pelas referências que, nalguma literatura, se encontram às queixas dos empregadores, sobretudo no princípio da Revolução Industrial e/ou nas economias mais atrasadas, de que os trabalhadores reagiam aos aumentos salariais trabalhando menos e mantendo o rendimento final constante. A única exceção talvez seja a do trabalho assalariado feminino (que ao longos das últimas décadas tem vindo a aumentar), mas mesmo aí creio que é mais o resultado de um choque cultural quase "one-time" que alterou bruscamente a curva de oferta de trabalho feminina a dada altura. Note-se que isto que estou a escrever só se aplica a aumentos permanentes e generalizados dos salários: se os salários numa dada profissão ou numa empresa específica aumentarem, muito provavelmente irá haver mais pessoas a querer trabalhar nessa profissão ou empresa (em vez de noutras); e se houver um aumento salarial numa dada estação do ano ou num dado ano, e se esse aumento for percecionado como ocasional, também será de esperar que as pessoas trabalhem mais nessa estação ou nesse ano, deixando o descanso para as alturas de baixos salários (este parágrafo já pouco ou nada tem a ver com a questão da economia comportamental, mas os meus leitores regulares já devem ter percebido que a curva invertida da oferta de trabalho é um dos meus temas recorrentes).

Economia comportamental (I)

No Observador, Luís Aguiar-Conraria escreve sobre a "economia comportamental", nomeadamente referindo que não teve tantos resultados práticos como se esperava.

Uma ideia que pode em parte explicar isso: os estudiosos da economia comportamental estão constantemente a descobrir supostos "bias" que farão as nossas decisões não serem perfeitamente racionais, mas eu suponho que o "bias" fundamental é "tradicionalismo" - na maior parte das decisões seguir uma regra pré-estabelecida em vez de estar constantemente a calcular qual a solução mais ótima; e até diria que este "bias" pode ser facilmente integrado na teoria neoclássica: é só assumir que o próprio ato de resolver problemas de otimização tem um custo para que a meta-solução ótima seja, não estar sempre a determinar a solução ótima ("Daqui a dois meses a televisão vai voltar a passar os episódios de «A Quinta Dimensão» - em função disso, quantas latas de conserva de atum eu devo comprar amanhã?"), com o esforço mental permanente que isso implica, mas sim só determinar soluções ótimas periodicamente, e no intervalo entre essas reformulações seguir o que foi anteriormente decidido [ou seja, resolver um problema de otimização do tipo "Z(t) é o custo anualizado de usar a mesma estratégia durante t dias, sem a adaptar a mudanças externas; R é o custo de estar a resolver um problema de otimização; qual é o valor t que minimiza Z(t)+365*R/t?" - a versão neoclássica tradicional assume R=0 e logo t=0].

Um dos exemplos que o LA-C dá (da medicação dos doentes cardíacos) faz-me até pensar no caso da minha medicação para a hipertensão - um comprimido por dia, que normalmente tomo junto com uma caneca de leite de manhã; mas não foram nem uma nem duas as vezes que, ao tomar um caneca de leite a outra hora do dia, lá vai mais um comprimido também (com o hábito "tomar um comprimido para a tensão a seguir a beber leite" a levar a melhor às instruções "tomar um comprimido por dia"); um exemplo da "tradição" a agir?

Mas, se o principal "bias" for "tradicionalismo", isso pode indiciar que políticas (sejam elas públicas ou privadas) feitas a pensar nos "bias" podem ter pouco efeito a médio/longo prazo, ou talvez mesmo a curto: é só esperar algum tempo para os indivíduos se ajustarem que as novas políticas deixam de fazer efeito; mais - se a mudança for demasiado visível, pode incentivar os indivíduos a mudar os seus planos mais depressa que o que tinham inicialmente projetado, e ai o efeito da política esvazia-se logo.

Diga-se que os subsídios de férias e natal podem ser uma exceção ao que estou a dizer - aí o pagamento por duodécimos é capaz de poupar realmente trabalho de planificação às empresas (e, inversamente, o pagamento concentrado em dois pode poupar trabalho de planificação aos empregados), independentemente de estarem ou não habituados a ele (se fosse só pelo tal tradicionalismo, isso explicaria porque muitos trabalhadores preferem receber concentrado, mas não porque muitas empresas preferem pagar em duodécimos), pelo que talvez alguns dos seus efeitos económicos se prologuem mesmo no tempo (mas de qualquer maneira mantêm-se o principio de o "bias" estar associado a querer poupar o trabalho intelectual necessário). E, por outro lado, nunca ouvi dizer que nos países em que o ordenado é pago em 12 (ou em 52) prestações haja algum reivindicação dos trabalhadores no sentido de ser pago em 14, logo se calhar é mesmo só uma questão de hábito.

Ainda a respeito de haver custos na resolução de problemas de otimização, o próprio facto de a maior parte dos alunos das disciplinas de micro-economia não terem nota 20 nos exames é indicativo: se alunos previamente selecionados por uma aptidão intelectual para esse tipo de raciocínio provavelmente acima da média, e depois especialmente treinados para resolver esse tipo de problemas, não conseguem resolver todos corretamente (e tendo frequentemente mais de uma hora para o fazerem), quer dizer que há alguma dificuldade em resolver problemas de otimização, não sendo algo que possa ser resolvido sem custos (incluindo o custo de oportunidade de não poder pensar noutra coisa enquanto se está a pensar nisso). Caso a micro-economia neoclássica tenha ganho algum Prémio "Nobel" (e suponho que tenha ganho), isso também será um indício de que a resolução de problemas de otimização tem uma dificuldade potencial (suficiente para merecer que alguém que se dedique a essa área ganhe um "Nobel").

O esquecer que o ato de pensar tem custos, e que há a opção entre pensar mais ou pensar menos, parece-me, aliás, estar na base de algumas outras simplificações excessivas em que por vezes certos neoclássicos caem: além do de frequentemente assumirem que os agentes estão sempre a otimizar, outro exemplo são as teorias do crescimento exógeno, em que o progresso tecnológico é (ou era) assumido como caído do céu, esquecendo o trabalho intelectual necessário, quer para inventar novas tecnologias, quer para ficar a saber que elas existem, quer para tomar a decisão de as adotar ou não.

Wednesday, December 06, 2017

12 anos do Vento Sueste

Este blogue começou a 5 de dezembro de 2005, fez ontem 12 anos.

Como de costume, relembro aqui alguns dos posts do último ano:

  • Proteccionismo e liberalismo, sobre a combinação (à Donald Trump) de liberalismo na economia interna com protecionismo face ao mercado externa 
  • Quem paga o imposto sobre... , sobre a questão da "incidência económica do imposto" (sobretudo pretendendo demonstrar que é irrelevante se a lei diz que é o comprador ou o vendedor que tem que pagar o imposto)