Monday, October 16, 2017

Modelos de propriedade alternativos (II)

Labour's Alternative Models of Ownership Report (New Socialist):

Today Labour launch a report, Alternative Models of Ownership, commissioned by Shadow Chancellor John McDonnell and Shadow Secretary of State for Business and Industrial Strategy Rebecca Long-Bailey, that could mark a major milestone in the development of the Corbyn project and its ambitious attempt to re-make the British left. The report, authored by a group of theorists and practitioners at the cutting edge of ‘new economics’ thinking in the UK, potentially provides the basis for the most far-reaching, radical, yet practical, economic strategy to be argued for within the Labour Party in forty years. In a political landscape long characterised by triviality and a sullen lack of imagination, the authors of the report – as well as McDonnell and Long-Bailey – deserve enormous credit and have further demonstrated that it is the left that is producing the only serious, grown-up ideas for tackling our deepening social, economic, and ecological crises. The ideas contained in the report manage to be both justifiably pessimistic about the consequences of continued business-as-usual for the vast majority of people and for the environment, while also demonstrating powerful optimism regarding our capacity to change things for the better – for the many, not the few. (...)

In considerable detail, the report sets out the practicality and necessity of a shift to a variety of alternative forms of ownership and control of productive enterprises, including co-operatives, municipal and locally-led ownership forms, and finally – and most ambitiously – new democratic forms of national ownership. Ultimately, Alternative Models of Ownership is a remarkable document to be circulating at the highest levels of a major political party, combining a sober and plausible practicality with a profound radicalism in demanding a new socialist political economy that goes beyond nostalgia for a reheated, golden-age social democracy (...)

More generally, the report also contains certain policy themes that have not always been the preserve of the left – or at least of the left exclusively. Such themes include co-operatives, which formed a large part of the Big Society agenda; greater devolution of budgets to regions and councils, which superficially parallels both the “Northern Powerhouse” and the reason given for the support of some right-wing Labour council leaders for Liz Kendall’s 2015 leadership bid; a concern with automation and Unconditional Basic Income, which have interested figures like Tom Watson and Jonathan Reynolds; and a suspicion of how far states subject to the discipline of globalised capitalism can redistribute that underpinned Ed Miliband’s “predistribution” agenda (...).

[Via A Very Public Sociologist]

Diga-se, já agora, que a a análise do New Socialist ao documento dos Trabalhistas parece-me ser maior (e talvez mais aprofundado) que o documento propriamente dito...

Modelos de propriedade alternativos

Alternative Models of Ownership[PDF], documento do Partido Trabalhista britânico sobre diferentes formas de organização empresarial altertnativas ao modelo capitalista típico:

The economic system in Britain, in its current guise, has a number of fundamental structural flaws that undermine economic strength and societal well-being. The predominance of private property ownership has led to a lack of long-term investment and declining rates of productivity, undermined democracy, left regions of the country economically forgotten, and contributed to increasing levels inequality and financial insecurity. Alternative forms of ownership can fundamentally address these problems.

These issues are all the more pronounced given the increasing levels of automation in our economy. Automation has an emancipatory potential for the country’s population, but the liberating possibilities of automation can only be realised – and the threats of increased unemployment and domination of capital over labour only countered – through new models of collective ownership that ensure that the prospective benefits of automation are widely shared and democratically governed.

Cooperative ownership has the ability to increase employment stability and increase productivity levels, as well as making firms more democratic. To support the expansion of cooperatives in the UK it is necessary to improve their access to finance, and examples from Italy and Spain point in the direction necessary to achieve this. Cooperatives can further be supported by national legislation and a re-worked government procurement policy.

Municipal and locally-led ownership can improve service provision and guarantee that economic prosperity is not concentrated in certain regions of the country. A variety of policies, including place-based budgets, increased powers being handed to local authorities, and the relocation of various major institutions outside of London can foster this type of ownership.

National ownership of certain industries promotes long-term planning of the economy, helps to provide modernising infrastructure, quality health and social care, and to combat climate change. Examples around the world point to the positive contribution of national ownership, but in the UK national state ownership has historically tended to be too centralised, with power in the hands of a private and corporate elite. To improve national ownership in the UK requires taking measures to increase the democratic accountability of state ownership.

Wednesday, October 11, 2017

A "aversão à perda" vista por uma óptica mais clássica

[38] A Better Explanation Of The Endowment Effect, por Joe Simmons (via Marginal Revolution):

Weaver and Frederick’s theory is simple: Selling and buying prices reflect two concerns. First, people don’t want to sell the mug for less, or buy the mug for more, than their own value of it. Second, they don’t want to sell the mug for less, or buy the mug for more, than the market price. This is because people dislike feeling like a sucker. [2]

To see how this produces the endowment effect, imagine you are willing to pay $1 for the mug and you believe it usually sells for $3. As a buyer, you won’t pay more than $1, because you don’t want to pay more than it’s worth to you. But as a seller, you don’t want to sell for as little as $1, because you’ll feel like a chump selling it for much less than it is worth. [3]. Thus, because there’s a gap between people’s perception of the market price and their valuation of the mug, there’ll be a large gap between selling ($3) and buying ($1) prices.
Eu por mim dispensava as partes do "feeling like a sucker" e do "feel like a chump" - esse comportamento pode ser explicado assumindo apenas agentes racionais procurando maximizar o rendimento (e que portanto não vão vender por 2 euros algo que estão convencidos que poderão vender por 3).

A Reference Price Theory of the EndowmentEffect[pdf], por Ray Weaver e Shane Frederick (Journal of Marketing Reasearch, vol. XLIX, outubro de 2012, pp. 696–707):
The common finding that selling prices exceed buying prices (the so-called endowment effect) is typically explained by the assumptions that consumers evaluate potential transactions with respect to their current holdings and that the owners of a good regard its potential loss to be more significant than nonowners regard its potential acquisition. In contrast to this “pain-of-losing” account, the authors propose that the endowment effect reflects a reluctance to trade on terms that appear unfavorable with respect to salient reference prices. In six experiments (and eight more summarized in appendixes), the authors show that manipulations that reduce the gap between valuations and reference prices reduce or eliminate the endowment effect. These results suggest that the endowment effect is often best construed as an aversion to bad deals rather than an aversion to losing possessions.

Tuesday, October 10, 2017

Economia comportamental e conservadorismo social

Why Conservatives Should Celebrate Thaler's Nobel, por Tyler Cowen:

Richard Thaler, winner of the 2017 Nobel Memorial Prize in economics, is not usually considered to be a right-of-center thinker. His major idea in “Nudge,” co-authored with my fellow Bloomberg View contributor Cass Sunstein, however, is the most significant contribution to conservative thought in a generation.

As the debate usually proceeds, advocates of nudging call upon the government to structure “choice architecture” to produce better decisions. If you sign up for a pension plan with your employer, perhaps the default option should be the maximum contribution to a savings plan; in turn, the enrollee must check a box to receive a different option. Choice is still present, but the employer (or the government) is suggesting that people make a particular choice. Such practices have become widespread, and the British government has created an entire “nudge unit.”

As this debate has unfolded, many conservatives and libertarians have been very critical of Thaler and Sunstein. They describe nudging as manipulation, and perhaps one step down the road to an Orwellian future based on surveillance and subtle behavioral control. When I look around though, I mostly see the nudge idea in service of the ends of social conservatives. (...)

Consider marriage as a longstanding form of the nudge idea. Divorce, of course, is possible, but our government doesn’t allow marriage contracts that automatically expire after 5 years, or 10. That’s a nudge encouraging people to stay married, and a good one for the most part. (...)

Another conservative nudge comes in immigration policy. Throughout much of the 20th century, there wasn’t much, if any, barrier to people crossing from Mexico into the U.S. These days, there is an active Border Patrol. That said, Mexicans can buy false papers or overstay their visas if they don’t wish to hazard what is now a fairly dangerous border crossing experience. Even if we build President Donald Trump’s wall, these basic facts will not change: Mexicans have the option of entering illegally, but they must engage in considerable planning and incur some expense to do so. They are nudged to stay home, although a choice remains. (...)

An especially controversial conservative nudge is all the policy steps and regulatory restrictions and funding cuts that make it harder for women to get abortions. Many Americans must now travel a considerable distance to reach a qualified abortion provider, in some cases hundreds of miles. The cost is discouraging. And the greater inconvenience widens the gap of time between decision and final outcome, perhaps inducing some women to change their minds or simply let the plan go unfulfilled. Yet it is still possible to get an abortion, albeit with greater effort.(...)

I find it striking that nudge theorists usually market the idea using relatively “liberal” examples, such as improving public services. How much we view nudge as freedom-enhancing or as a sinister manipulation may depend on the context in which the nudge is placed. Neither conservatives nor liberals should be so quick to condemn or approve of nudge per se.

We should also consider that the politically relevant alternative to nudge may indeed be violence, rather than freedom of choice. That tends to make the nudge idea look better, though perhaps not in a way that social liberals should feel totally comfortable with.

Vagamente relacionado, um artigo que escrevi há uns tempos - Economia, política e os "agentes racionais", onde alego que assumir que muitas das decisões humanas são irracionais é muito mais fácil de enquadrar num programa de direita do que de esquerda.

Friday, October 06, 2017

Faleceu Pedro Romano (do blogue Desvio Colossal)

Morreu Pedro Romano, analista do Jornal Económico

O ex-jornalista, consultor e analista económico Pedro Romano faleceu esta quinta-feira em Braga, onde residia, segundo fonte próxima da família. Pedro Romano completava 32 anos este mês. A causa da morte ainda não é conhecida.

Licenciado e mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho, Pedro Romano iniciou a sua carreira no jornalismo económico em 2008, tendo sido jornalista do “Diário Económico” e do “Jornal de Negócios”, especializando-se na área de macroeconomia. Foi também assessor económico do Grupo Parlamentar do CDS e da Fundação Francisco Manuel dos Santos, entre outras entidades. Atualmente trabalhava como consultor e, embora estivesse afastado do jornalismo, era colaborador permanente do Jornal Económico, assinando semanalmente a coluna “Radar Económico”. Alimentava também o blogue Desvio Colossal.

A profundidade da sua análise, juntamente com a fineza e a lucidez dos seus raciocínios, faziam de Pedro Romano um dos mais promissores jovens analistas económicos em Portugal. E o seu sentido de humor apurado vai fazer muita falta a todos aqueles que tiveram o privilégio de o conhecer e de trabalhar com ele.
É daquelas pessoas que, sem o conhecer pessoalmente, é quase como se o conhecesse, de tão habituado que estava a "falar" com ele nos nossos blogues e no Facebook, durante os últimos dez anos.

Monday, September 11, 2017

A economia de serviços e a pós-verdade

Economic Roots of Post-Truth Politics, por Chris Dillow:

Here’s a conjecture: the rise of “post-truth” politics (defined by the OED as a process whereby “objective facts are less influential in shaping public opinion than emotional appeals”) is in part the product of deindustrialization.

What I mean is that in manufacturing, facts defeat emotions and opinions. If your steel cracks, or your bottles leak or your cars won’t start, all your hopes and fancy beliefs are wrong. Truth trumps opinion.

Contrast this with sales occupations. In these, opinion beats facts. If customers think a shit sandwich is great food, it’ll sell regardless of facts. And conversely, good products won’t sell if customers think they’re rubbish. Opinion trumps truth.

(Finance is a mix of these. In trading and asset management, beliefs are constantly defeated by cold hard facts. In asset gathering, sales and investor relations, however, bullshit works.)

Isn’t it therefore possible that a shift from manufacturing to other occupations will contribute to a decline in respect for facts and greater respect for opinions, however ill-founded? In 1966 – when employment in UK manufacturing peaked – 29.2% of the workforce were in manufacturing. This meant that millions more heard tales from fathers, husbands and friends about how brute facts had fouled up their day. A culture of respect for facts was thus inculcated. Today, however, only 7.8% of the workforce is in manufacturing and many more are in bullshit jobs. This is an environment less conducive to a deference to facts.

Friday, August 25, 2017

Esquerda, direita e liberdade de expressão

Ou, mais exatamente, "liberals", "conservatives" e liberdade de expressão.

Most liberals and smart people want racists to be allowed to speak, por Razib Khan:

Over the past year or so there have been many worries that liberals are backing off from their support for free speech. Even mainstream figures such as Howard Dean have started to chant the mantra “hate speech is not free speech”. And then you have op-eds from professors such as When ‘free speech’ becomes a political weapon.

But whenever I look at the General Social Survey I see no great change in support for free speech in terms of the patterns. Perhaps something has changed in the year 2017, but I think what we are seeing are vocal and motivated minorities who are drowning out liberal (in the classical sense) majorities. (...)

What the above plot shows is that liberals support free speech for both racists and Muslim radicals. Conservatives are more skeptical of free speech for both groups, but especially the Muslims. You might be curious why moderates seem so skeptical of free speech. That’s because on average moderates are less intelligent than people at the ideological poles, and the less intelligent are generally less supportive of heterodox speech


Friday, August 11, 2017

Sobre discriminação laboral

Se houver a perceção (verdadeira ou falsa, a curto prazo tanto faz) que 55% dos membros do grupo A e 45% dos membros do grupo B são bons numa determinada tarefa, as empresas vão procurar contratar (se não tiverem mais informação adicional sobre cada potencial trabalhador) 100% de elementos do grupo A para desempenhar essa tarefa.

Isto possivelmente aplica-se a outros cenários além do trabalho, mas é neste que me parece mais fácil chegar a essa conclusão.

[Post publicado no Vias de Facto; podem comentar lá]

O caso James Damore versus Google

Este caso deve provocar sentimentos contraditórios a muita gente.

James Damore has an 'above decent' chance of winning his legal case against Google (Business Insider):

James Damore, the man fired by Google after he published a manifesto that suggested women may have a disadvantage in tech because of their biology, may well prevail in the legal case he has filed against his former employer.

That's because he filed his complaint against Alphabet (Google's corporate parent) under a provision of the National Labor Relations Act that protects workers' rights activists. Under that provision, Damore's complaint will not be about whether he was discriminated against as a white person, a man, or a conservative, or whether the company had a right to let him go as an "at-will" worker.

Rather, the provision governs what workers are allowed to talk about in the workplace about pay, conditions, promotions, and other practices. The law was crafted to protect the right of union organisers to discuss pay rates with their colleagues, and more recently to protect anyone asking questions at work about who gets paid what, and why.

On that basis, he has a fighting chance, according to Valerie Sharpe, a labor lawyer based in the San Francisco area. (...)

Of course, the irony here is that if Damore wins, it could be regarded as a big victory for conservatives who work in tech, though the win would strengthen the kind of workers' rights that are traditionally the focus of the left.

Wednesday, August 09, 2017

O socialismo de Chris Dillow

My Socialism, por Chris Dillow:

Looking at critics of Venezuela makes me feel like intelligent religious believers when confronted with some new atheists: they’re attacking nothing I believe in. The shortcomings of the Chavez-Maduro government in no way whatsoever undermine my conception of socialism.

What is my conception? You might think I’m going to set out my blueprint of a socialist Utopia. You’d be missing the point. Capitalism was not the conscious design of a single mind, but rather it evolved. The same should be true for socialism.

For me, socialism is a system which fulfils, as far as possible, three principles.

One is real freedom. Oliver Kamm praises a liberal order as one in which – in contradistinction to state socialism - “embraces value pluralism, in which citizens are free to pursue the goals that matter to them.” I share this ideal, but I fear that capitalism does not sufficiently achieve it. Under capitalism, millions of us are compelled to work in often oppressive and coercive conditions. Our goals are thwarted. Perhaps Marx’s biggest gripe with capitalism was not its injustice but its alienation; the fact it prevents us from pursuing our goals.

In this context, a basic income is crucial. It would enable people to pursue their own lives. It would empower Cory Doctorow’s walkaways.

A second desiderata is voice. As Phil says, “socialism involves a deeper, more thoroughgoing democratisation of social life.” At the political level, this requires institutions of deliberative (pdf) democracy – not simply imbecile “speak your branes” referenda. At the economic level, it requires worker democracy. (...)

The third value is equality. I don’t mean here any particular Gini coefficient. Instead, what matters are two things.

One is how inequalities arise. I’ve no problem with some people getting rich if people freely reward them for good service – Nozick’s Wilt Chamberlain argumenthas no force for me – although luck egalitarianism justifies them paying some extra tax. (...)

The other is their effects. Inequalities of income spill over into inequalities of respect and political power. To me, this is unacceptable. (...)

What role would the state play in this?

I suspect it wouldn’t be a large one. We Marxists are wary of the state simply because it is often used for reactionary and repressive ends. A big state can be (and is) captured by capitalists. Nationalization, for example, cannot be sufficient for socialism simply because it can be reversed. Marxism is in some respects verydifferent from social democracy.

Instead, a big role for the state is to facilitate the transition to socialism, by encouraging socialistic institutions. Some call this accelerationism, othersinterstitial (pdf) transformation. Again, a basic income is crucial here: it enables people to walk away from oppressive capitalism (if they choose) and into cooperative ventures or self-employment. Also, the state could help spread coops by encouraging public sector mutuals and using procurement policies to favour them and penalize hierarchical firms. (...)

The general principle here is to empower people to reject exploitative capitalism (if they want). This would so squeeze profits that capitalists would have to transform into more egalitarian forms or die. (The state is, of course, needed to smooth this process).

As for the place of markets in all this, it should be what it is now - a narrow technical matter: does this particular market work and if not can we make it do so? It’s perfectly possible – I think desireable – to have freeish markets without (pdf)capitalism.

Personally, my socialism would have a perhaps big role for entrepreneurship – just not the sort that rips people off.

It should be obvious to everyone that this vision of socialism is massively different from that of a centrally planned dictatorship.

Of course, this vision of socialism differs from many others’, though it should be compatible with many of them: I’d hope there’s a parallel between it and Robert Nozick’s framework for utopia.

What all this is definitely not, of course, is statism, nor the illiberalism of Maduro’s government. Maybe the tragedy of Venezuela brings Jeremy Corbyn’s judgment into question. But it tells us nothing about my sort of socialism.

Thursday, August 03, 2017

O autoritário e elitista Alexander Hamilton

The Hamilton Hustle, por Matt Stoller:

AS DONALD TRUMP SETTLES INTO THE WHITE HOUSE, elites in the political class are beginning to recognize that democracy is not necessarily a permanent state of political organization. “Donald Trump’s candidacy is the first time American politics has left me truly afraid,” wrote Vox cofounder Ezra Klein just before the election. Andrew Sullivan argued in New York magazine that American democracy is susceptible, “in stressful times, to the appeal of a shameless demagogue.” Paul Krugman wrote an entire column on why republics end, citing Trump’s violations of political norms. But if you want to understand the politics of authoritarianism in America, the place to start is not with Trump, but with the cool-kid Founding Father of the Obama era, Alexander Hamilton. (...)

To assert Hamilton disliked democracy is not controversial. The great historian Henry Adams described an evening at a New York dinner, when Hamilton replied to democratic sentiment by banging the table and saying, “Your people, sir—your people is a great beast!” Hamilton’s recommendation to the Constitutional Convention, for instance, was to have a president for life, and to explicitly make that president not subject to law. (...)

Indeed, most of Hamilton’s legacy is astonishingly counter-democratic. His central role in founding both the financial infrastructure of Wall Street and a nascent military establishment (which supplanted the colonial system of locally controlled democratic militias) was rooted in his self-appointed crusade to undermine the ability of ordinary Americans to govern themselves. We should be grateful not that Hamilton structured the essential institutions of America to fit his vision, but that he failed to do so. Had he succeeded, we would probably be living in a military dictatorship.

Tuesday, July 25, 2017

É possivel um RBI que não tenha grandes custos e que não desincentivo o trabalho?

The 2 most popular critiques of basic income are both wrong, por Dylan Matthews:

Making the case for universal basic income (UBI) has always required advocates to address two criticisms of the idea:
1. Giving people cash will cause them to work less, hurt the economy, and deprive them of the meaning that work provides in life.

2. Providing an income floor set at a reasonable level for everyone is unaffordable.

Call these the work critique and the cost critique. (...)

Let’s take the work critique first. University of Chicago economist Ioana Marinescu recently conducted a wide-ranging review of the literature on unconditional cash programs for the Roosevelt Institute, focusing on programs in the US and Canada. She examined experiments in the 1970s and ’80s that evaluated “negative income taxes” (NITs, essentially basic incomes that phase out as you earn more), Alaska’s Permanent Fund (which taxes oil extraction and returns the money directly to every man, woman, and child through an annual check), and a dividend the Eastern Band of Cherokees issued to members of the tribe from casino revenues.

All of these cases find reductions in work that are, at most, modest. (...)

The cost critique is even simpler than the work critique. (...)

In an absolute must-read paper for anyone interested in the basic income debate, the University of Michigan’s Jessica Wiederspan, Elizabeth Rhodes, and Luke Shaefer estimate the cost of the US adopting a negative income tax large enough to wipe out poverty. To be conservative and get a high-end cost estimate, they assume that such a program would discourage work substantially.

Despite that, they find that a household-based negative income tax, set at the US poverty line and with a 50 percent phaseout rate, would cost $219 billion a year. That’s almost the same as the combined cost of the earned income tax credit (which supports the working poor), Supplemental Security Income (itself basically a negative income tax but only for the elderly and disabled), food stamps, cash welfare, school meal programs, and housing subsidies. You could swap those programs out, put a guaranteed income in their place, and wipe out poverty entirely.
Não confio muito que ambas as críticas estejam erradas.

Para começar, no que diz respeito ao trabalho, é necessário distinguir entre o efeito-rendimento e o efeito-substituição; receber subsídios tende a fazer as pessoas trabalhar menos por dois mecanismo diferentes:

- O efeito-rendimento consiste em simplesmente o beneficiário passar a ter mais dinheiro, logo tem menos necessidade de trabalhar

- O efeito-substituição consiste no mecanismo do tipo "se eu arranjar um emprego a ganhar 600 euros perco o subsidio de 400, logo no fundo vou ganhar só 200; e por 200 euros não vale a pena".

Supostamente a grande vantagem do RBI sobre sistemas estilo Rendimento Social de Inserção é que a redução do trabalho só acontece via efeito-rendimento, já que como o subsidio não é cortado quando o rendimento aumenta, não acontece o efeito-substituição (ou só acontece na medida em que tem que pagar mais impostos, não por via do subsídio). Assim, o RBI terá muito menos o efeito de levar as pessoas a não trabalhar, em comparação.

Mas, se para a despesa ser comportável, e vai cortar o RBI à medida que o rendimento vai aumentando (como no modelo sugerido por Wiederspan, Rhodes e Shaefer, em que para cada 100 dólares de rendimento adicional que o beneficiário receba, o RBI é cortado em 50 dólares, a que imagino se junte ainda os impostos pagos direta ou indiretamente sobre o rendimento), então o RBI (se é que ainda lhe podemos chamar "RBI" neste caso) também vai reduzir o trabalho via efeito-substituição.

Ou seja, não podemos simultaneamente usar o exemplo do Alasca ou dos cherokees (em que há um rendimento distribuído mesmo igualitariamente por toda a gente) para dizer que o RBI não reduz a oferta de trabalho, e depois usar a proposta de Wiederspan, Rhodes e Shaefer (com um pseudo-RBI que se diminui à medida que o rendimento aumenta) para dizer que um RBI não vai sair muito caro.





https://www.vox.com/policy-and-politics/2017/7/20/15821560/basic-income-critiques-cost-work-negative-income-tax

Tuesday, July 18, 2017

Rendimento Básico Incondicional - os limites de uma ideia

A basic income really could end poverty forever - But to become a reality, it needs to get detailed and stop being oversold, por Dylan Matthews (Vox):

Basic income advocates like to talk in effusive terms about the idea’s cross-partisan appeal, how it unites radical Marxists like André Gorz and libertarians like Milton Friedman and American heroes like Thomas Paine and Martin Luther King Jr. They speak of its radical potential to remake society, and position it as an inevitable and necessary response to an incoming torrent of technological change. (...)

You can’t assume away politics, though. And when you take a look under the hood of major plans from basic income advocates, the politics begin to look daunting. The coalition between left and right evaporates, the idea’s economic inevitability looks fanciful, and the promise that the plan could end poverty forever looks more dependent on technical details than you might think. (...)

We have gone through large automation shocks before; are self-driving trucks really a bigger step than, well, trucks were? And if trucks and washing machines and all the other labor-saving inventions of the 20th century didn’t put anyone permanently out of work, but instead shifted the kind of work that was being done, why would we think matters would be any different in the 21st century? Why could the laundry workers of the 1940s find new jobs but the truck drivers of the 2020s can’t?

Indeed, as my colleague Matthew Yglesias is fond of pointing out, technological productivity growth is actually well below historical averages. These are days of miracle and wonder, but our grandparents seem to have lived through even more miraculous times and did not see work disappear in the process.


Tuesday, July 11, 2017

Exercícios para desenvolver o cérebro versus jogos de computador

O Público dá destaque a uma notícia de título "Sabe aqueles exercícios que desenvolvem o cérebro? Talvez não o desenvolvam assim tanto", dizendo que  "os exercícios cognitivos vendidos por empresas para melhorar as capacidades neurológicas não trazem mais benefícios do que um simples videojogo".

No entanto, indo ver o estudo propriamente dito (de qualquer maneira, é um ponto a favor do Público terem posto um link para o estudo na notícia - grande parte das publicações on-line portuguesas não fazem isso quando falam de "estudos", e é uma trabalheira para encontrar o estudo e confirmar se tem alguma coisa a ver com o que é noticiado) parece-me um pouco mais complexo.

Em primeiro lugar, parece-me que o que está a ser testado é mais o efeito desses "exercicios" sobre coisas ligados à capacidade de autocontrole do que propriamente à capacidade intelectual em sentido estrito:

Increased preference for immediate over delayed and for risky over certain rewards has been associated with unhealthy behavioral choices. Motivated by evidence that enhanced cognitive control can shift choice behavior away from immediate and risky rewards, we tested whether training executive cognitive function could influence choice behavior and brain responses. (...) Pre- and post-training, participants completed cognitive assessments and functional magnetic resonance imaging (fMRI) during performance of validated decision-making tasks: delay discounting (choices between smaller rewards now vs. larger rewards in the future) and risk sensitivity (choices between larger riskier rewards vs. smaller certain rewards).
Ou seja, o que está a ser testado é se os participantes, após os treinos, "aprendem" a preferir o longo-prazo ao curto-prazo e o seguro ao arriscado.

Eu posso estar completamente enganado, mas tenho a ideia que as pessoas que fazem/compram esses exercícios tem com motivação primeira desenvolver e treinar o raciocinio, conseguirem pensar mais depressa, etc., não tento aumentar a sua autodisciplina e auto controle (ainda mais que creio que esses exercicios são frequentemente direcionados para a população mais idosa, cujas preocupações sejam mais "não quer ficar senil e com o raciocínio atrofiado" e não tanto "não quero ser um esgroviado que não pensa no futuro e gasta tudo em copos, mulheres [alterar de acordo com sexo e preferência] e motos de alta cilindrada").

Ordoliberalismo e neoliberalismo

A respeito desta discussão entre Vital Moreira e João Rodrigues sobre se o "ordoliberalismo" é uma variante do "neoliberalismo", suspeito que o problema talvez esteja na história da palavra "neoliberalismo", que dá-me a ideia ter 3 sentidos distintos:

a) Nas décadas a seguir à II Guerra Mundial, era praticamente a mesma coisa que "ordoliberalismo", tendo o "neo-" o sentido de ser um "novo liberalismo", modernizado e sem os radicalismos do liberalismo clássico tradicional; p.ex., o texto de 1951 de Milton Friedman, "Neo-Liberalism and Its Prospects" [pdf] define "neoliberalismo" de uma forma praticamente idêntica a "ordoliberalismo"

b) A partir dos anos 80, "neoliberalismo" começou a ser usado pela esquerda para designar o movimento de privatização e desregulamentação da economia e redução dos impostos posto em prática por governantes como Reagan e Thatcher, e tendo como ideólogos Hayek e os economistas da Escola de Chicago, como Milton Friedman; neste sentido, o "neo-" tem um significado puramente cronológico, de ser, em termos temporais, uma nova vaga de liberalismo, depois do liberalismo do século XIX e do pré-I Guerra Mundial. Pode-se argumentar que Friedman mostra que os dois estão ligados, já que este escreveu o tal texto de 1951 sobre o "neoliberalismo" no sentido de ordoliberalismo, mas parece-me que não se pode fazer esse salto; em primeiro lugar, nem é certo que o Friedman dos anos 70/80/90/00 pensasse o mesmo que o de 1951; e, de qualquer maneira, não é por, pelos vistos, aceitar a politica anti-trust que Friedman é frequentemente chamado de "neoliberal" - é por todas as suas outras posições anti-intervenção e anti-regulação, e seria à mesma (ou se calhar ainda mais) chamado de "neoliberal" se fosse contra as leis anti-trust

c) Em certa altura, a partir dos anos 90, e com as políticas de Clinton, começou também a chamar-se, nos EUA, "neoliberais" aos "liberais" (no sentido norte-americano, isto é, social-democratas) mais adeptos de alguma desregulamentação (e talvez sobretudo dos acordos internacionais de comércio livre) - é praticamente a mesma coisa que na Europa se chamou "terceira via" (é neste sentido que, p.ex., um Brad DeLong se define por vezes como um "neoliberal"). Agora aqui, tal como no primeiro caso, o "neo-" tem a conotação de ser um "novo liberalismo", modernizado e sem os radicalismos do liberalismo tradicional - só que neste caso, o liberalismo tradicional é o "liberalismo" norte-americano dos anos 60/70. Diga-se que por vezes este sentido também se mistura com o anterior; p.ex., quando nas presidenciais de 2016 (nomedamente nas primárias Democratas) se dizia que Hillary Clinton representava as políticas neoliberais, dá-me a ideia que umas pessoas estavam a usar "neoliberal" neste sentido e outras no anterior

Por norma, o primeiro e o terceiro sentido são autoproclamados; já o segundo sentido praticamente só é utilizado pelos seus críticos.

Monday, July 10, 2017

Populismos

Há anos escrevi que "populista" quer dizer ou "politico de direita europeu de que não gosto" ou "politico de esquerda sul-americano de que não gosto".

Lembrei-me disto lendo este texto de Dani Rodrik (via Tyler Cowen):

The populist backlash may have been predictable, but the specific form it took was less so. Populism comes in different versions. It is useful to distinguish between left-wing and right-wing variants of populism, which differ with respect to the societal cleavages that populist politicians highlight and render salient. The US progressive movement and most Latin American populism took a left-wing form. Donald Trump and European populism today represent, with some instructive exceptions, the right-wing variant (Figure 2). What accounts for the emergence of right-wing versus left-wing variants of opposition to globalization?

Thursday, July 06, 2017

O Estado deve pagar o ensino superior? E a quem?

O economista inglês Andrew Lilico sugere que apenas os melhores alunos deveriam receber bolsas de estudo e os restantes deveriam pagar o custo da formação universitária.

Under this system, poor but gifted students would receive full funding and maintenance. There would be no means testing. Outside the top 10-12 per cent of students, all that the state would really be doing would be addressing liquidity issues. There would be state support only for the top 35 per cent of students.

We can afford to fund higher education to a much greater extent, but only if we do so by focusing that funding on a much smaller group of students — the most gifted being the most appropriate group to focus upon.

That does not mean that only 35 per cent of students would attend. Others would doubtless attend, funding themselves from parental resources, private sector loans or extra jobs.
Já agora, uma vista de olhos pelos motivos pelo qual ele considera que o Estado financia a educação (nomeadamente a superior):
There are three proper reasons:

1 The Externality Argument – Higher education delivers benefits to society as a whole in addition to those benefits experienced by the student herself. That means a pure market is likely to under-provide higher education (fewer people will go than is best for society).

2 The Liquidity Argument – People will gain the most from higher education if they attend when relatively young, when their minds are most flexible and they have longer post-education to reap its rewards. But early in life people will not have been able to establish a track record with banks and other lenders, and so may find it difficult to obtain loans against their future human capital improvements.

3 The Glory Argument – Once we had kings, dukes, and other Great Men of the past who acted as benefactors and promoters of art and research and other goods provided through universities. Modern governments tend to tax away much of the surplus wealth that Great Men used in this way (for other socially important programmes such as health and income support). That means there would be a loss from reduced philanthropy if the government did not at least replace the philanthropy of these Great Men.

Higher education obviously provides other important social functions, but these are not good reasons for government intervention in it. For example, one of the main purposes of higher education is as a “consumption good” — the university life, with its freedom of thought, bonding experiences and general fun is a great thing to be part of. But things we enjoy doing and benefit from are usually best paid for by us, not the government.

Similarly, much is made of the benefits of education in preparing students for working life in a modern economy — that it is an investment with a high personal return. In which case, people will be more than willing to invest and government intervention will not be needed.
As duas primeiras razões (externalidade e liquidez) parecem-me muito os que apresento aqui ("externalidade") e aqui ("liquidez"); mas Lilico é muito mais otimista face ao mercado poder resolver o fator "liquidez" - "I suspect people would find it fairly easy to borrow privately to fund education if the state did not lend to them and if financial markets were healthy (the latter possibly still not being so, post-2007)." - do que eu - "um empréstimo à educação que verdadeiramente não criasse "constrangimentos de tesouraria" ao beneficiários seria um que durante o curso pagasse, não só livros e propinas, mas também o equivalente ao ordenado que o beneficiários receberia se estivesse a trabalhar em vez de a estudar (ou talvez um valor um pouco abaixo, assumindo que estudar é mais divertido que trabalhar) e que, depois, pudesse ser amortizado em suaves prestações durante 20 ou 30 anos - ou seja, um empréstimo que cobrisse todo o custo da educação, e tivesse um prazo de amortização comparável ao período em que a educação gera rendimentos (que é basicamente o tempo de vida activa do individuo). Posso estar enganado, mas penso que não são frequentes os empréstimos com essas condições."

Mas a ideia que este artigo me despertou foi outra - até que ponto a proposta de Lilico, de que o Estado só deveria pagar a universidade dos melhores alunos (independentemente do seu rendimento), não era, na prática, o que vigorava em Portugal até 1993 (quando as propinas nas universidades públicas era simbólicas)? Isto é, os melhores alunos iam para a universidade pública (gratuita), e os outros, se quisessem tirar um curso universitário, iam para a privada, a pagar (OK, a Universidade Católica - privada, paga e para os bons alunos - sai um bocado deste esquema, mas tirando isso era a regra geral).

Tuesday, July 04, 2017

Conservadores, progressistas e "produtos alternativos"

All the “wellness” products Americans love to buy are sold on both Infowars and Goop, por Nikhil Sonnad (Quartz):

There are two Americas, we’ve been told.

There’s Duck Dynasty America and Modern Family America. There’s“gosh” America and “dope” America. Sometimes, though, Americans unite around a common idea. Like the healing powers of eleuthero root, cordyceps mushrooms, and “nascent iodine.”

Near the end of a profile of Amanda Chantal Bacon, founder of the “wellness” brand Moon Juice, the New York Times Magazine noted that many of the alternative-medicine ingredients in her products are sold—with very different branding—on the Infowars store. That’s the site run by Alex Jones, the radio show host and conspiracy theorist who has saidthat both the shooting at Sandy Hook Elementary School and the Boston Marathon bombing were staged. Moon Juice is frequently recommended by Gwyneth Paltrow’s wellness blog, Goop; it’s a favorite of Hollywood celebrities and others who can afford things like $25 “activated cashews.” Infowars, on the other hand, is a dark corner of the American right, heavy on guns, light on government intervention, and still very mad at Obama.

We at Quartz have created a compendium, from Ashwagandha to zizyphus, of the magical healing ingredients both sides of the political spectrum are buying, and how they are presented to each. We looked at the ingredients used in products sold on the Infowars store, and compared them to products on the wellness shops Moon Juice andGoop. All make similar claims about the health benefits of these ingredients, but what gets called “Super Male Vitality” by Infowars is branded as “Sex Dust” by Moon Juice.
Não me admirava que noutros assuntos (p.ex., vacinas) também haja alguma sobreposição entre a "esquerda Hollywood" e a "direita Infowars".

Thursday, June 29, 2017

Integrar os terrenos "não-cuidados" nas matas nacionais?

Ultimamente têm surgido propostas para nacionalizar, integrar nas matas nacionais, etc, os terrenos florestais considerados ao abandono.

Algo que receio nisso é que a integração nas matas nacionais pode ser o primeiro passo para um governo seguinte as privatizar, produzindo como resultado final a transferência dos pequenos proprietários para os grandes (1ª fase, com a esquerda no governo: pequenos proprietários → matas nacionais; 2ª fase, com a direita no governo: matas nacionais → grandes proprietários).

[Post publicado no Vias de Facto; podem comentar lá]

Tuesday, June 06, 2017

Prisão perpétua para manifestantes anti-Trump?

Anti-Trump protester: 'Is this my last free birthday?' (Al-Jazeera)

More than 200 anti-Trump protesters are facing felony charges that could land some in prison for 70 to 80 years. (...)

On January 21, most of the 230 protesters and bystanders arrested the day before were charged with felony rioting, which carries a maximum prison sentence of 10 years and a $25,000 fine.

But on April 27, the Superior Court of the District of Columbia returned a superseding indictment which added additional charges for some 212 defendants, three of whom had not previously been charged.

With new felony charges including urging to riot, conspiracy to riot and destruction of property, many of the defendants are facing up to 80 years in prison. Many other defendants, among them journalists, are facing more than 70 years.

A handful of defendants have made deals with the authorities and entered guilty pleas in exchange for significantly shorter sentences.

But more than 130 of them have joined a 'Points of Unity' agreement, a collective pledge to reject any potential plea deals and reject cooperation with the prosecutors that comes at the expense of their co-defendants.

Wednesday, May 24, 2017

A nova "junta" latino-americana

Our Bankrupt Policy for Puerto Rico, por David Dayen (The American Prospect):

The endgame for Puerto Rico’s debilitating fiscal crisis has begun. Unable to manage a $74 billion debt that has accompanied a decade of recession, spikes in poverty, and a mass exodus of citizens, the island will now turn to federal courts to approve a resolution with its creditors.

But in many ways nothing has changed for Puerto Rico. The congressionally-imposed fiscal oversight board, known locally as the junta, remains in control as lead negotiator in restructuring talks. Whether Puerto Rico’s three million citizens get a fair deal or a continuation of harsh austerity depends almost entirely on seven unelected, unaccountable technocrats. (...)

But there are some key differences between Title III and a normal bankruptcy process. First of all, under Section 308(a) of PROMESA, the decision for who hears this case, bizarrely, is up to Chief Justice John Roberts. He selected U.S. District Court Judge Laura Taylor Swain to preside. While Swain has some experience in financial cases, including the prosecution of five former employees of Bernie Madoff, she's not a bankruptcy judge. And this puts the case in the heart of New York City, the nation's financial center, rather than Puerto Rico.

In addition, the elected government of Puerto Rico plays almost no role in this fight. The junta, an appointed body ushered in by PROMESA, actually filed the Title III order, and serves as the government’s “representative” in court. Only the junta can introduce or modify “adjustment plans” for the $73 billion in debts. They will be the sole negotiator with bondholders, not anyone approved by the Puerto Rican people through a formal vote.

Lawyers for bondholders have openly stated that the junta will enable them to win “fairer” outcomes in negotiations. In a little-noticed development, hedge fund creditors with constitutionally protected general obligation bonds reportedly had a deal nearly in place this week, but the junta intervened and stopped the talks. The Associated Press reported that the government offered general obligation bondholders 50 cents on the dollar, so that’s a benchmark we can use to assess the junta’s performance. (...)

Furthermore, you cannot look at Title III in a vacuum. In March, the junta forced Puerto Rico into more austerity, a necessary condition of invoking the bankruptcy-like process. This blueprint added $39.6 billion in revenue hikes and budget cutbacks, some of them rather vicious, in particular hits to the health system and public education. Public pension spending must drop by 10 percent within three years, through a conversion to 401(k) plans from defined-benefit awards. Water rates must go up. Core government operations must be privatized. Furloughs starting July 1 must be initiated; the school year would be cut by two months as a result.

This savagery was required under PROMESA before triggering Title III. Activists have protested forced austerity for months, blaming the junta for prolonging the pain. On May Day, police broke up demonstrations with tear gas. Professionals continue to abandon the island, particularly medical students. And nothing the junta has instituted thus far has done anything for the island economy; Puerto Rico’s 12 percent unemployment rate has worsened every month for over four years, and those numbers have not improved since the junta took over.
[Pelos vistos "junta" são mais familiar a ouvidos latino-americanos do que troi... heptoika]

Monday, May 22, 2017

A fraude da fraude do "pénis conceptual"

Prickly questions (Crooked Timber):

Many CT readers will already be familiar with the recent effort by two scholars to repeat the Sokal hoax, as they understood it, by getting a bottom-feeder journal to publish a piece on imagined penises and global warming. (...)
The first journal that Bognossian and Lindsay submitted their hoax paper to, and that rejected it, was NORMA: The International Journal for Masculinity Studies. This journal doesn’t even hit the top 115 journals in Gender Studies. So, what happened here was that they submitted a hoax paper to an unranked journal, which summarily rejected it. They then received an auto-generated response directing them to a pay-to-publish vanity journal. They submitted the paper there, and it was published. From this chain of events they conclude that the entire field of Gender Studies is “crippled academically”. This tells us very little about Gender Studies, but an awful lot about the perpetrators of this “hoax”…. and those who tout it as a take down of an entire field.
Two additional notes. First, developing Taylor’s argument a bit, the research design, if you take it at face value is fundamentally inept. The authors of the spoof claim to be bothillustrating the problems of review by gender studies academics, and the problems of predatory access journals. But you can’t really do two for the price of one – if you demonstrate that a bad piece got published, you have no way of distinguishing between the two causal hypotheses that you are proposing – that gender journals will publish more or less anything as long as it has the right politics, and that predatory journals will publish more or less anything as long as you come up with the money. Indeed, given that there is already compelling evidence that predatory journals in the sciences will publish all sorts of shite for cash, and that the authors report themselves that their article was rejected by the journal they first submitted it to, it’s hard to come up with a convincing rationale for how the ‘gender studies will publish anything’ rationale is doing any explanatory work at all.

Os supostos "hackers norte-coreanos"

De há uns tempos para cá tem estado na moda atribuir à Coreia do Norte responsabilidade por ataques informáticos (hoje mesmo o Jornal Económico tem um artigo com essa teoria).

Duvido muito que isto seja verdade - a Coreia do Norte não me parece ter, nem a população, nem a tecnologia, nem sequer o ambiente cultural e institucional propício a produzir muitos hackers informático: a população é relativamente pequena (logo em termos absolutos haverá logo poucas pessoas com vocação para isso); também não deve ter muita abundância de computadores (logo poucas oportunidades de praticar); e finalmente um regime totalitário, em que as pessoas é suposto fazer o que lhes mandam, também não me parece o melhor ambiente para desenvolver uma atividade que requer muita criatividade e iniciativa pessoal.

Saturday, May 13, 2017

Os índios e os governos de esquerda na América do Sul

South America’s indigenous groups used to line up with the left. Not anymore. (Washington Post):

Venezuela’s political crisis spilled over into the spirit realm this week, when the governor of the state of Amazonas threatened to put a shamanic curse on President Nicolás Maduro and his administration.

Broadcast live on the Periscope app, the threat was mostly political theater. But it pointed to a broader problem for South America’s long-ruling leftist governments.

The indigenous minority groups fighting mining, deforestation and oil drilling in the region used to see left-wing leaders as their natural allies in a mortal struggle against global capitalism. Now, many see those leaders and their parties as just as rapacious as any foreign corporation, if not more so. (...)

The main reason for the breakup? Land-use conflicts across the region have grown mostly more intense, not less, because left-wing populists such as Ecuador’s Rafael Correa and Bolivia’s Evo Morales have financed their ambitious social welfare programs with revenue generated from the exploitation of natural resources. (...)

As the commodity boom of the millennium's first decade began to fade, those governments have tried to maintain spending levels by taking on new debt — mostly in the form of Chinese loans — in exchange for opening up more and more land to extractive industries. That has brought them in direct conflict with indigenous groups that expected the anti-capitalist rhetoric of leaders such as Correa and Morales to give them more control over their ancestral lands, not less.

[Via Bloggings by Boz]

Tuesday, May 09, 2017

"Fascismo - Left, Right and Center"

Um texto que eu costumo recomendar em discussões sobre o fascismo (e sobretudo sobre a sua base social de apoio) é "Fascism - Left, Right and Center" um capítulo do livro "Political Man", de Seymour Martin Lipset (normalmente dizendo "vão a este link, procurem por
The return of De Gaulle to power in France in 1958 e leiam a partir daí").

Assim, decidi copiar esse capítulo e aproveitei para pôr uma letra maiorzinha (eu ia escrever  "isto é provavelmente ilegal, no entanto o ficheiro txt na net com o livro todo já deve ser ilegal de qualquer maneira", mas afinal já está "Out of copyright" - possivelmente só por isso é que está o livro todo online), para ser mais fácil da próxima vez que quiser "linká-lo" (é verdade que podia simplesmente linkar https://ia600503.us.archive.org/25/items/politicalmansoci00inlips/politicalmansoci00inlips.pdf#page=135, mas só percebi que também havia uma versão PDF já ia a meio do post, e de qualquer maneira é um PDF que demora a carregar).

Mas antes, algumas observações.

O autor escreve (em 1960...) que há três tipos de movimentos que por vezes são chamados (nomeadamente pelos seus opositores) de "fascistas":

- Os "de direita" têm uma base social similar aos da direita tradicional - as classes altas, as pessoas mais religiosas, mais idosas, e também mais as mulheres que os homens. Quando dão origem a ditaduras, limitam-se a reprimir a oposição aberta, sem exigirem adesão entusiástica. Exemplos; Dolfuss na Áustria, Franco em Espanha, Horthy na Hungria, Salazar em Portugal, os monárquicos italianos, os gaullistas em França.

- Os "de centro" têm uma base social similar aos do liberalismo tradicional - os pequenos empresários e trabalhadores por conta própria, normalmente anticlericais. O discurso é simultaneamente anti-marxista e anti-establishment. Exemplos - o nacional-socialismo alemão e austríaco, o poujadismo francês, a Falange espanhola, o McCarthyismo nos EUA, o Movimento Social Italiano (já o fascismo italiano original, ele considera-o uma mistura de "centro" e "direita", pelo menos até ao rei ter demitido Mussolini).

- Os "de esquerda" têm, como seria de esperar, uma base social similar à da esquerda tradicional - os assalariados com baixos rendimentos. Normalmente ocorrem em países subdesenvolvidos, com um líder carismático, subido ao poder via golpe militar, que combina políticas sociais a favor dos trabalhadores com nacionalismo e glorificação do exército e um discurso a dizer que as oligarquias e o imperialismo são os responsáveis pelo atraso do país. Exemplos - Perón na Argentina, Vargas no Brasil.

Vejo logo uma dificuldade em adaptar esse esquema ao mundo atual - não estou a ver onde encaixar a Frente Nacional francesa, o Trumpismo nos EUA ou grande parte dos partidos que por essa Europa fora são chamados de extrema-direita; ao que tudo indica, a sua base de apoio já não é tanto a classe média, mas largamente a classe operária (bem, na "2ª volta", Trump teve o apoio do eleitorado tradicional republicano, mas nas primárias era sobretudo na classe operária que tinha o seu apoio), sendo de esperar que muitos dos seus eleitores sejam filhos ou netos de votantes Comunistas ou Democratas (é frequente dizer-se que a maior parte dos eleitores da Frente Nacional vêm do Partido Comunista; mas atendendo a que a FN tem mais votos que o PC desde 1985, os comunistas que passaram para a FN já devem ter morrido muitos). Mas todo o seu estilo e temas fazem lembrar muito mais o chamado "fascismo de centro" do que o "de esquerda" - nos dias de hoje, um exemplo quase perfeito ao milímetro do "fascismo de esquerda" seria a Venezuela de Chavez/Maduro.

Aliás, suspeito que a tal classe média de pequenos empresários e trabalhadores por conta própria já não tem grande relevância política (e, sobretudo, demográfica) no mundo "ocidental" - se os partidos ditos de extrema-direita já não têm a sua base nos merceeiros de esquina e taxistas, creio que o mesmo se passa com os partidos liberais. Posso estar a dizer um enorme disparate, mas quase que apostava que, hoje em dia, a base de apoio dos partidos liberais clássicos (estilo FDP alemão) é sobretudo a classe alta (ou no mínimo média-alta) "progressista nos costumes" (versão moderna do que ainda em 1960 se chamaria "anticlerical"), e que dos liberais-sociais (estilo LibDems britânicos) será uma classe média "progressistas nos costumes" mas composta mais por assalariados bem pagos (quadros técnicos e intermédios, empregados de escritório qualificados, etc.) do que por micro-empresários. Aliás, no caso dos liberais clássicos, nem me admirava que hoje em dia os seus apoiantes e eleitores sejam, mesmo controlando para a religiosidade, mais abastados economicamente que os dos conservadores ou democratas-cristãos.

Diga-se que há um região do onde o tal radicalismo dos pequenos empresários parece estar bem vivo - o mundo muçulmano, onde vários estudos indicam que os pequenos comerciantes e categorias similares são o grupo social que mais apoia os movimentos islamitas, o que até os tornaria bastante parecidos com o fascismo tradicional (e talvez dando razão ao tal conceito de "islamofascismo"?), se não fosse pela parte de os apoiantes dos tal "fascismo de centro" até costumarem ser pouco religiosos - mas talvez seja difícil transpor conceitos desenvolvidos no mundo ocidental para o mundo muçulmano; sobretudo, nos países muçulmanos o islamismo não me parece ter o papel conservador, de pilar do establishment e das elites respeitáveis, que o catolicismo tem (ou pelo menos tinha) nos países católicos. Será o resultado do islamismo não ter uma "Igreja" centralizada e hierarquizada (o que aliás também poderia, aplicado às versões mais radicais do protestantismo, explicar algumas peculiaridades do conservadorismo norte-americano)? Mas o xiismo tem quase uma "Igreja" e mesmo assim Khomeini foi o aliados dos comerciantes do bazar contra o Xá e a sua corte. Ou será o resultado de nos países muçulmanos as elites, ou serem laicas (como nos países "progressistas" estilo Síria), ou serem, pelo menos em termos de política externa, pró-ocidentais (como nos países "conservadores" estilo Arábia Saudita), o que leva, em ambos os casos, a que os pregadores mais extremistas não se sintam muito bem com o status quo?

E, já agora (já que estamos por lá), será que o Egito de Nasser, a Líbia de Kadafy e a Síria ou o Iraque baathistas (quase tudo regimes surgidos ou consolidados depois do artigo ter sido escrito) poderão ser vistos como versões do tal "fascismo de esquerda"? O estilo é praticamente o mesmo - um nacionalismo socializante e militarista, com uma retórica anti-imperialismo e anti-oligarquias (ainda que Jean Touchard, na sua obra "História das Ideais Políticas", refira que "a ideologia nasseriana é muito menos rica em declarações anti-capitalistas que a peronista"); mas pelo que sei, a base de apoio de esses regimes é/era sobretudo na classe média, não entre o operariado (aliás, penso que pouca ou nenhum indústria esses países tinham quando da implantação dos regimes referidos) - talvez o regime de Atassi e Salah Jadid na Síria (1966-1970) tivesse apoio "proletário", mas nem disso estou certo.

Outra coisa  - o autor considera que tanto o liberalismo como o fascismo são/foram movimentos da classe média em oposição às grandes organizações; ocorre-me se outro exemplo (embora aí já não a nível dos pequenos empresários e trabalhadores por conta própria, mas sobretudo da classe média assalariada - ou pelo menos dos seus filhos) não seria a esquerda radical dos anos 60/70, e os seus derivados atuais (e aqui reconheço que isto andará perto do Álvaro Cunhal, que falava de "radicalismo pequeno-burguês de fachada socialista", ou mesmo do Lenine em 1920, que dizia que a classe média arruinada era a base do "esquerdismo" e da "posição ultra-revolucionária"). Não que essas correntes defendessem a pequena propriedade e a pequena empresa (pelo contrário, até diria que por norma eram bastante críticos da politica comunista ortodoxa de alianças "anti-monopolistas" com os "pequenos e médios comerciantes/agricultores/industriais"; embora por outro lado, hoje em dia, se calhar é nessa área que há mais entusiasmo por tudo - seja cinema, fanzines ou cervejas - que seja "independente", "artesanal" ou "caseiro"), mas à sua maneira defendiam algo que combinasse o coletivismo económico com a iniciativa e a criatividade dos trabalhadores (acusando tanto o capitalismo ocidental como o comunismo soviético de mecanizar e "alienar" os trabalhadores), estilo alguma versão de propriedade coletiva gerida por assembleias plenárias em que todos participem e deiem ideias - talvez a reação de estudantes universitários que viam que os "empregos para licenciados" cada vez tinham menos autonomia?

A respeito de Lipset ter posto o McCarthysmo na mesma categoria que o nazismo - não sei se não haverá aqui uma componente de bias ou quase de hit job: por volta de  1960, atacar McCarthy e a "nova direita radical" era talvez o desporto favorito dos académicos "liberais" norte-americanos, frequentemente à mistura com acusações que ele e os seus apoiantes nem sequer seriam verdadeiros conservadores, mas, à sua maneira, rebeldes populistas contra o establishment (os mesmo académicos irão se tornar neoconservadores, uns dez anos depois, em reação a outra revolta contra o establishment - a dos seus alunos esquerdistas anti-guerra do Vietname), o que encaixa perfeitamente na análise que lhe é feita no artigo.

Uma nota acerca do voto por sexos, com o autor a dizer que os movimentos de direita têm normalmente mais apoio das mulheres do que dos homens - creio que nos últimos 50 anos isso teve uma quase total reviravolta: nos EUA, se alguma coisa, há uma total inversão, com os Democratas a ganharem esmagadoramente aos Republicanos entre o eleitorado feminino; na Europa (ou pelo menos no Reino Unido) li algures que a direita continua a ter mais votos entre as mulheres, mas que esse efeito desaparecerá quando se controla para a idade (isto, o maior direitismo das mulheres será apenas uma ilusão estatística derivada do eleitorado feminino ter mais pessoas idosas).

Agora uma nota pessoal sobre este artigo - há uns anos, na sequência de uns posts meus sobre o fascismo, o leitor "c." (que penso ser o mesmo que por vezes assina "HO"), depois de criticar bastante algo que eu tinha escrito, escreveu "No entanto, a sua grelha faz algum sentido (embora tema que por mero acaso). Aconselho leitura de Lipset sobre o assunto. Também ele analisou os movimentos radicais nessa perspectiva (de forma mais cuidada, preparada e elaborada). Conclui que algum fascismo é um radicalismo do conservadorismo de direita (por exemplo, salazar em portugal), e o nazismo um radicalismo de centro. Os argumentos de autoridade são abomináveis, mas por favor, pare de fazer estes posts até o ler, sim?" Na verdade, não foi totalmente por acaso - embora eu não tivesse lido o artigo de Lipset na altura, já tinha lido alguma coisa do Jaime Nogueira Pinto e do Nuno Rogeiro (os mais parecido que se encontra em Portugal com intelectuais fascistas?) sobre o artigo. Além disso, talvez possa ter havido outro fator - nos meus tempos de simpatizante do PSR, lí várias coisas de Trotsky e Mandel sobre o fascismo (nomeadamente a sua teoria que o fascismo começa como uma revolta dos pequenos empresários, que depois é cooptada pelo grande capital para atacar a classe operária, que contrasta com a teoria dos comunistas ortodoxos, de que o fascismo será simplesmente a "ditadura aberta da burguesia"); penso que Lipset nunca foi trotskista e que também nunca alinhou totalmente com os neoconservadores, mas ao longo da sua vida andou sempre mais ou menos próximo daqueles que fizeram o caminho trotskismo-schachtmanismo-"liberalism"-neoconservadorismo (como Lipset, muitos eram intelectuais judeus nascidos em Nova Iorque nos anos 20, filhos de emigrantes da Europa de leste), pelo que não me admirava que também tivesse havido alguma influência (sobretudo da parte do fascismo como um movimento dos pequenos empresários).


Bem, após esta introdução, o artigo:

Thursday, May 04, 2017

O mistério da "baleia azul"

No meio de todas as notícias sobre a "baleia azul", a comunicação social portuguesa quase não tem abordado o que a mim me parece a questão mais interessante - isso existe mesmo ou é um "hoax"?

[Já a agora é interessante comparar a wikipedia portuguesa com a russa sobre o assunto - versões às 10:30 de 14/05/2017, com a russa traduzida para inglês; dá-me a ideia que tratar a "baleia azul" como um facto confirmado, em vez de como um hoax, ou pelo menos como um rumor por confirmar, é uma especifidade lusófona]

Mas há uma coisa que complica essa discussão - em tempos, li um artigo sobre a existência ou não do rei Artur, em que o autor dizia que, além de não se saber bem se o rei Artur teria existido, nem se sabe bem sequer o que contaria como existência, isto é, qual o grau de semelhança que teria que existir entre uma dada figura histórica e o rei Artur da lenda para podermos dizer que o rei Artur tinha mesmo existido?

O mesmo pode ser dito da "baleia azul" - qual o grau de semelhança que tem que existir entre um fenómeno verídico e o que tem sido apresentado na comunicação social como a "baleia azul" para podermos dizer que a "baleia azul" existe mesmo? Ou, dito por outras palavras, onde fica exatamente a linha entre "a «baleia azul» não existe - foi um mito que se criou, ainda que a partir de alguns factos verídicos" e "a «baleia azul» existe, embora não seja exatamente como está a ser noticiado"?

É que há aqui vários pontos, com diferentes graus de verosimilhança:

1) Há grupos em redes sociais, nomeadamente no VK (uma rede social baseada na Rússia), tendo como tema o suicídio, onde os participantes põem frequentemente posts dizendo "vou-me matar", partilha fotografias de automutilações e por vezes deixam uma mensagem final antes de se suicidarem mesmo. VERDADEIRO - isso está comprovado, e o moderador de um desses grupos, Philippe Budeikin, foi preso em novembro de 2016 e aguarda julgamento sob a acusação de "publicar trabalhos audiovisuais, tópicos de discussão e declarações promovendo a ideia do suicídio"; é a esse caso que a imprensa portuguesa se refere quando, há uns dias, houve uma epidemia de notícias dizendo "criador do «baleia azul» foi preso".

2) Há um "jogo" estruturado, com uma lista de 50 tarefas, que vão sendo dadas por "curadores" aos participantes, sendo a última o suicídio. POR CONFIRMAR, pelo que li sobre o assunto; no entanto, ainda está nos limites da verosimilhança

3) Os "curadores" escolhem sobretudo pessoas psicologicamente frágeis. Esta parte já me começa a parecer pouco lógica - como é que em contactos online com, presumivelmente, desconhecidos se sabe se as pessoas são psicologicamente frágeis? A menos que se refira aos participantes serem recrutados nos tais "grupos de suicídio" nas redes sociais, onde os membros, quase por definição, serão pessoas emocionalmente debilitadas.

4) As ameaças aos familiares, no caso de deixarem o "jogo" a meio - sinceramente, esta parte já me parece entrar no campo do altamente improvável (e provavelmente foi introduzida na história para dar um ar assustador, de "quem entra já não sai mesmo que queira")

Sunday, April 30, 2017

Jonathan Demme (1944-2017)

Dois filmes que gostei bastante de Jonathan Demme, falecido esta semana:




Sobretudo o primeiro (mas ambos parecem ter sido eclipsados pelas obras posteriores, como O Silêncio dos Inocentes e Filadélfia - os dois de que falo talvez sejam demasiado "leves" para se tornarem obras de referência).

Demme tinha também o hábito de terminar o genérico dos seus filmes com a expressão "A Luta Continua" (assim mesmo, em português) - não me perguntem porquê.

Wednesday, April 12, 2017

Hitler e as armas químicas

Está tudo indignado com as declarações da Casa Branca de que "nem Hitler desceu tão baixo ao ponto de usar armas químicas"; mas em certo sentido é verdade - a Alemanha nazi não usou armas químicas em combate, até porque Hitler foi gaseado na I Guerra Mundial e ficou com uma aversão a armas químicas. Claro, em compensação, usaram-nas sobre civis aprisionados.

Tuesday, April 11, 2017

"Fake news": um não-assunto

De há uns tempos para cá, tornou-se moda dizer que as fake news difundidas pelas redes sociais foram respnsáveis pelo Brexit, pela vitória de Trump ou até que estarão a por em perigo a democracia (!).

Mas haverá alguma evidência disso? Há várias razões que me levam a pensar que a influência das fake news não passa, ela própria, de uma fake new.

Em primeiro lugar, quase não há qualquer indicio sólido que "fake news" terão afetado os resultados, do género "no dia X começou a ser partilhada a falsa história Y sobre Hillary Clinton, e nos dias a seguir todos os agregadores de sondagens mostraram um subida das intenções de voto em Trump"; em segundo lugar, quase não há referências a "fake news" concretas que possam ter afetado o resultado (durante a campanha, o que mais se falava era dos e-mails de John Podesta e do DNC divulgados pelo Wikileaks e da investigação do FBI - por mais polémicos que esses assuntos sejam, não eram "fake") - o mais parecido será o "pizzagate", que praticamente só começou a circular depois das eleições; em terceiro lugar, praticamente só se começou a falar em "fake news" após as eleições (dados do Google Trends):


Há efetivamente um pequeno aumento nos dias antes das eleições (nesses dias começaram a surgir noticias de que a cidade macedónia de Veles viveria de produzir fake news), mas o conceito só começa a receber atenção depois das eleições (e os artigos da wikipedia sobre o assunto só foram criados ou re-criados cerca de uma semana a seguir às eleições), o que indicia uma justificação criada à posteriori, não algo que tenha mesmo tido um impacto visível durante a campanha; durante a campanha, e mesmo nos dias a seguir às eleições, as criticas dos apoiantes de Clinton - p.ex., os artigos de Paul Krugman - dirigiam-se sobretudo à decisão do FBI de reabrir o inquérito ao caso do e-mail e apresentavam isso até como a causa da vitória de Trump; só depois é que se lembraram da história das fake news (talvez por a partir daí a estratégia dominante entre os Clintonistas ter passado a ser procurar uma aliança com o deep state contra Trump, logo tiveram que arranjar outra alvo que não o FBI).

E, de qualquer maneira, se olharmos para os movimentos das sondagens, são perfeitamente explicáveis sem precisarmos de ir buscar a explicação "fake news" - primeiro Hillary apresentava uma pequena vantagem sobre Trump (da ordem dos 3 pontos percentuais), depois quando foi a história do "grab them by the pussy" a vantagem ampliou-se, e depois reduziu-se quando do anúncio do reinicio da investigação do FBI; no final, Clinton ficou à frente por 2 pontos percentuais, mais ou menos o que as sondagem previam, pelo que o resultado final pode ser perfeitamente explicado com base na sucessões de histórias verdadeiras (umas mais favoráveis a Clinton, outras a Trump) que foram sendo divulgadas durante a campanha.

Finalmente, em quarto lugar, o que me parece ser o argumento definitivo - quer o Brexit, quer a votação em Trump, quer a votação na extrema-direita europeia (veja-se as eleições austríacas na mesma altura) tiveram o seu pico de apoio entre as pessoas mais velhas e nas zonas rurais e pequenas cidades; exatamente as mesmas que é suposto passarem menos tempo na internet (pela demografia, imagina-se mais facilmente o típico eleitor de Trump ou de Hofer no café do bairro a queixar-se que "os miúdos de hoje estão sempre agarrados à máquina e já não fazem desporto nem convivem" do que no Facebook até às 3 da manhã a partilhar links) - note-se que no caso de Brexit poderia efetivamente ser argumentado que os votantes pela saída serão os que mais lêem tablóides, mas não é esse ângulo de crítica às "fake news" que mais tem sido feito (o alvo é a internet e as redes sociais, não a imprensa sensacionalista).

Para justificar a teoria das "fake news", por vezes vêm-se com argumentos do estilo "uma grande percentagem dos eleitores de Trump acredita que..." (qualquer absurda ou escabrosa), mas isso não distingue causa e efeito: essas pessoas apoiam Trump porque acreditam em montes de coisas muito provavelmente falsas? Ou são as suas simpatias ideológicas pre-existentes que os levam a votar Trump, por um lado, e a ser fãs do Infowars, por outro?

Portanto, de onde é que vem a fascinação pela teoria das fake news? Ocorre-me várias hipóteses, não necessariamente exclusivas:

- Negação: recusam-se a acreditar que grande parte dos votantes simpatiza mesmo com as ideias e valores protagonizados por Trump, e por isso têm que se convencer a si próprios que a culpa é de estarem mal informados (ou seja, não querem acreditar que 40 e tal % dos votantes são mesmo deploráveis, preferindo acreditar que eles são é facilmente enganados)

- Recusa em reconhecer que Hillary Clinton era uma péssima candidata - recorde-se que ela perdeu as primárias Democratas de 2008 para um quase desconhecido, ia perdendo as de 2016 para um candidato que nem está inscrito no partido, e finalmente perdeu as gerais de 2016 para um semi-louco; sou só eu que noto um padrão?

- Interesse dos media estabelecidos em denegrir a concorrência, dando a entender que o melhor é as pessoas cingirem-se às fontes mainstream.


[Post publicado no Vias de Facto; podem comentar lá]

Monday, April 10, 2017

Os robots estão a destruir empregos? (post n+2 sobre o assunto)

Ainda a respeito desta questão, ocorre-me que talvez haja uma maneira de termos simultaneamente dois fenómenos que à partida parecem incompatíveis - desemprego tecnológico via substituição do trabalho humano por máquinas; e estagnação do crescimento da produtividade.

Imaginemos que para produzir 100 unidades de produto (p.ex., 100 kgs de peixe) é preciso 100 horas de trabalho e mais 100 unidades de capital (p.ex., maquinaria no valor de 100 mil euros).

Agora vamos comparar 3 cenários alternativos; em todos um gabinete de engenharia descobre/inventa um processo de produção mais eficiente, mas as implicações desse processo são diferente:

No cenário A, pelo novo processo são preciso apenas 50 horas de trabalho e 50 unidades de capital para produzir 100 unidades de produto.

No cenário B, serão precisos 50 horas de trabalho e 100 unidades de capital.

No cenário C, 50 horas de trabalho e 150 unidades de capital.

Em todos estes cenários, a produtividade aparente do trabalho aumenta 100%; quando à produtividade aparente do capital, aumenta 100% no cenário A, fica na mesma no cenário B, e diminui 33% no cenário C (convém ter em atenção que, na linguagem semi-corrente, "produtividade aparente do trabalho" e "produtividade aparente do capital" passam frequentemente a "produtividade do trabalho" e "produtividade do capital"; e, na linguagem corrente, "produtividade aparente do trabalho"/"produtividade do trabalho" fica mesmo só "produtividade"; e estes detalhes talvez não sejam tão irrelevantes assim).

Agora, vamos lá ver - em qual deste cenários a introdução da nova tecnologia levará a mais (se alguma) destruição de postos de trabalho? Se a produtividade aparente do trabalho duplica, a variação do número de horas trabalhadas irá ser (crescimento da produção% - 1)/2; isto é, se a produção aumentar 100% (ou seja, também duplicar), o nível de trabalho fica na mesma (é preciso metade dos trabalhadores para produzir o mesmo, mas como se passa a produzir o dobro, fica tudo na mesma); se aumentar 50%, passam 25% dos trabalhadores a estar a mais (onde antes eram precisos 100 horas para produzir 100 unidades, agora são precisas 75 horas para produzir 75 unidades)

No cenário A, em que é preciso menos trabalhadores e menos máquinas para produzir a mesma quantidade, os custos de produção descem para metade; no cenário B, não descem tanto, já que os custos com capital mantêm-se; no cenário C, os custos com trabalho diminuem e os com o capital aumentam - sabemos que no total diminuem, porque se não fosse assim o cenário C nunca seria sequer posto em prática, mas diminuem ainda menos que no B. Assumindo uma relação entre preços e custos, podemos concluir que os preços descem mais no cenário A, depois no B e finalmente no C salvo situações muito excecionais, quanto mais baixarem os preços, mais aumenta a procura e, logo, a produção. Assim, se a produção aumenta mais no cenário A do que no C, isso significa que a introdução da nova tecnologia vai destruir mais empregos no cenário C do que A.

Agora vamos ao outro ponto - em qual destes cenários a produtividade (aparente do trabalho...) crescerá mais? É verdade que em todos cresce 100%, desde que a nova tecnologia se aplique. Mas em qual dos cenários é maior o incentivo para aplicar a nova tecnologia? De novo, no A - um empresário, à partida, tem muito mais incentivo para adotar uma nova tecnologia se essa reduzir a metade todos os custos, do que se reduzir a metade os custos salariais mas manter ou até aumentar os custos com capital (e, além dos custos, por vezes nem sequer há capital disponível para modernizações que impliquem grandes investimentos - como é no cenário C, em que a nova tecnologia implicaria duplicar o valor do equipamento).

E agora temos o meu cenário de como se poderá ter ao mesmo tempo muito desemprego tecnológico e pequeno crescimento da produtividade - se o progresso tecnológico for bastante capital-intensivo (quanto mais capital-intensivo for o progresso tecnológico, mais demora a ser aplicado, por um lado, e mais empregos destrói quando é aplicado, por outro), o que no fundo talvez seja algo similar à velha história marxista do colapso final do capitalismo vítima do aumento da "composição orgânica do capital" (isto é, do progresso técnico capital-intensivo).

Mas será que este cenário pode pode corresponder à realidade na prática? Talvez (sobretudo, não nos esqueçamos que, para efeitos deste modelo, tanto faz que o investimento sejam em máquinas ou em licenças de software), mas tenho muitas dúvidas. Aliás, mesmo na teoria tenho dúvidas que isto faça sentido.

Tuesday, April 04, 2017

Os robots estão a destruir empregos? (post n+1 sobre o assunto)

Ultimamente tem-se discutido muito a questões sobre se a automatização está a destruir postos de trabalho - nos últimos dias tem sido apresentado o paper Robots and Jobs: Evidence from US Labor Markets, de Daron Acemoglu e Pascual Restrepo, como evidência que essa destruição está efetivamente a ocorrer.

Mas antes acho que é necessário clarificar alguns conceitos: primeiro, o que se quer dizer quando se fala em destruição de empregos pelos robots? Tanto podemos estar a falar da destruição de empregos concretos (isto é, haver empregos específicos que são destruídos pelos robots), como de destruição líquida de empregos (isto é, não apenas que os robots destroem alguns empregos, mas que esses empregos, no conjunto da economia, não são compensados por outros que surgem); para nos orientarmos, vou chamar à primeira situação "micro-destruição de empregos" e à segunda "macro-destruição de empregos".

Por outro lado, entre as pessoas que negam ou minimizam o problema da destruição de empregos, há duas grandes linhas de argumentação - há os que consideram que a automatização não vai causar problema nenhum, que desde a Revolução Industrial que há substituição do trabalho humano por máquinas e não estamos todos no desemprego por causa disso, e que os empregos que se destroem num lado são compensados com empregos que surgem noutros (o meu professor de matemática do secundário dava o exemplo da automatização, creio, da FIAT: segundo ele, desaparecerem muitos trabalhos nas linhas de montagem, mas como passou a produzir-se e vender-se mais carros, surgiram depois empregos nas oficinas de reparação automóvel que mais que compensaram a destruição de empregos nas fábricas); e há os que consideram que, pura e simplesmente, não parece estar a acontecer nenhuma automatização significativa (ver este meu post e os seis últimos parágrafos deste post do Pedro Romano). Dito de outra maneira (e usando a terminologia que inventei) - os primeiros consideram que a micro-destruição de empregos não irá originar macro-destruição; já os segundos contestam que esteja a existir mesmo micro-destruição, pelo menos a nível significativo.

E agora entra aqui o estudo de Acemoglu e Restrepo - o que esse estudo argumenta é que as industrias e regiões onde houve mais introdução de robots nas últimas décadas foram aquelas onde houve maior redução de emprego e/ou dos salários; isso parece refutar (sobretudo no que diz respeito às regiões) o argumento de que os robots, quando são introduzidos, não levam a uma destruição líquida de postos de trabalho; mas parece-me largamente irrelevante para o argumento de que não está a haver grande introdução de robots (imagine-se uma analogia - vamos supor que estamos a discutir se o vírus Lujo causa grande mortalidade; mesmo que uma alta percentagem de pessoas infetadas com o vírus morra, isso pode não ser muito relevante se muitas poucas pessoas forem infetadas).

Agora, o estudo também, ainda que de passagem, aborda a questão sobre se está a haver muita robotização: nas páginas 16 e 17, é referido que "In our sample of European countries, robot usage starts near 0.6 robots per thousand workers in the early 1990s and increases rapidly to 2.6 robots per thousand workers in the late 2000s. In the United States, robot usage is lower but follows a similar trend; it starts near 0.4 robots per thousand workers in the early 1990s and increases rapidly to 1.4 robots per thousand workers in the late 2000s", dando a entender que entre entre o principio dos anos 90 e o final dos "anos 0" terá havido grande crescimento da quantidade de robots utilizados (para aí uns 10% ao ano, se estivermos a falar de um período de uns 15 anos); no entanto, pelo menos na Europa, a partir daí parece ter havido estagnação do uso de robots (página 41) - o que é paradoxal, porque tem sido sobretudo desde então que mais tem estado na moda a conversa que os robots vão ficar com os nossos empregos:

Já nos EUA, o crescimento do número de robots parece ter-se mantido mais ou menos ao mesmo ritmo.