Thursday, January 17, 2019

As pessoas estão a tirar o trabalho aos robots?

Parece que sim.

The Robot Paradox, por Chris Dillow:

My chart, taken from the Bank of England and ONS, puts this into historic context. It shows that the gap between the growth of the non-dwellings capital stock and employment growth has been lower in recent years than at any time since 1945. The time to worry about machines taking people’s jobs was the 60s and 70s, not today.

Of course, we shouldn’t set much store by the precise numbers here: measuring the capital stock is a fool’s errand. But these data are consistent with other facts. Households are saving less than they used to, which is not what you’d expect if they feared losing their jobs. Companies are still building up cash quickly and borrowing little, and of course real interest rates are low. All this is consistent with low capital growth.

If we looked only at the macro data, we’d fear that people are taking robots’ jobs – not vice versa.

Wednesday, January 16, 2019

O futebol infantil e juvenil não precisa de treinadores?

We Don't Need Soccer Moms—or Dads, or Coaches, por Lenore Skenazy (Reason):

Between the two of them, Carlo Celli and Nathan Richardson—both language professors at Bowling Green State University in Ohio—have coached youth soccer for about 30 years.

Sweet, right? Actually, they say they were doing it all wrong. The problem isn't that they were coaching improperly. It's that they were coaching, period.

All kids really need to learn the game, Richardson says now, is "a ball, a place to play and some older kids to play with them." Instead, we have delivered them into the soccer-industrial complex—a top-down, adult-run, structured, supervised system that drains all the joy out of the game and, not coincidentally, all the creative genius. Celli and Richardson submit that the reason the U.S. men's professional team was knocked out of World Cup contention so early is that we're raising "soccer robots." (...)

And that, they realized, is the key. To get good at a game, kids need to play it, and adults need to get out of the way. So they stopped interfering and saw their players improve week by week. Their new book, Shoeless Soccer: Fixing the System and Winning the World Cup (Carlo Celli), is inspired by that experience, and by Pelé, the greatest soccer player of all time, who was known as "The Shoeless One." He grew up so poor in Brazil that he played in the street without footwear or even a ball—he used a sock filled with rags.
A mim parece-me que a autora teve um bocado o complexo de, perante algumas diferenças culturais (neste caso entre os EUA e os outros países, como muitos costumam fazer com alguma tribo longínqua), assumir que a cultura do Outro é radicalmente diferente. Sim, o futebol infantil e juvenil europeu e sul-americano pode ser muito mais "de rua" e menos de equipas formais com treinadores que o futebol nos EUA (ou se calhar mesmo os outro desportos nos EUA, tirando talvez o basquetebol, que também é muito "de rua"); mas hoje em dia os grandes jogadores andaram todos em equipas formais e treinos a sério desde a adolescência.

Tuesday, January 15, 2019

A línguagem ter "género" influencia a sociedade?

O Ricardo Araújo Pereira parece achar que não, mas afinal até pode ser que sim:

Languages use different systems for classifying nouns. Gender languages assign many -- sometimes all -- nouns to distinct sex-based categories, masculine and feminine. Drawing on a broad range of historical and linguistic sources, this paper constructs a measure of the proportion of each country's population whose native language is a gender language. At the cross-country level, this paper documents a robust negative relationship between the prevalence of gender languages and women's labor force participation. It also shows that traditional views of gender roles are more common in countries with more native speakers of gender languages. In African countries where indigenous languages vary in terms of their gender structure, educational attainment and female labor force participation are lower among those whose native languages are gender languages
[Via Tyler Cowen]

Mas suspeito que pode haver uma inversão da relação causa-efeito: não as sociedades cuja gramática não distingue "géneros" terem mais igualdade entre homens e mulheres, mas sim as sociedades com historicamente mais igualdade entre homens e mulheres terem por isso evoluído para uma linguagem sem género (e bate certo com esse efeito ser, ao que parece, maior nos países subdesenvolvidos, em que é de esperar que a sociedade atual seja mais parecida com a sociedade que existiu durante séculos, enquanto o idioma se formou).

Monday, January 14, 2019

O militarismo dos "populistas"

Mexico’s fuel crisis shows why populists can’t resist politicizing the military, por Francisco Toro and James Bosworth:

Conventional wisdom has long treated the authoritarian populists of the (...) left, such as Maduro and López Obrador, as diametrically opposed to those of the (...) right, such as Bolsonaro and Trump. In our view, there’s much more that brings them together than what separates them. Enamored of men in fatigues, hungry for the automatic discipline of military hierarchy, they reliably break down the democratic norms needed to keep the military apolitical and under civilian control.

Exclusão sexual?

The Politics of Sexual Exclusion: Notes on Srinivasan's 'Does Anyone Have a Right to Sex?', por John Danaher.

O artigo é muito escrito a pensar nos "incels", mas para aí um dia depois do artigo ser publicado rebentou a mini-polémica do tal escritor que diz que não sente atração por mulheres de 50 anos, o que me fez pensar (já que li o artigo num momento em que esse era o assunto do dia) que até há alguma semelhança entre os tais "incels" e os escandalizados (e sobretudo as escandalizadas) pelas declarações do escritor (e atenção que isto não é necessariamente um crítica).

Já agora, um post de há uma porção de anos sobre o assunto, Radicalizing the Romanceless, por Scott Alexander.

A democracia implica o Brexit?

We must stop 2019 being the year of the antidemocrats - delivering Brexit is only the start, argumenta Simon Cooke (um autarca local do Partido Conservador) - a crítica dele ao elitismo parece-me mais interessante que a parte especifica da defesa do Brexit:

The depressing thing about all this is that it is only going to get worse - 'despite Brexit' as the phrase goes. Indeed, it worries me that the response to us leaving on 29th March 2019 from putative philosopher kings with columns in the Times or the Guardian will be to double down on "don't trust the people" and to argue for more limits to democracy so such a terrible thing doesn't happen ever again. (...) Plus an endlessly repeated patronising mantra - "stupid voters got it wrong, stupid voters got it wrong".

At the heart of all this are two linked beliefs - first, that most people (not you and I, obviously but most people) are too stupid to make the right choices; second that there is an absolutely right choice and it can be determined by looking at the evidence. Now it's plain that we all (not you, I know, but exceptions prove the rule) make stupid choices from time to time, it's part of the human condition and it's also true that looking at evidence helps to make better choices. But this doesn't mean that you can eliminate "stupid" choices or that the evidence you have will necessarily lead to a better choice. (...)

 Not that democracy will be abolished or the franchise limited but rather that, in the manner of the EU, complicated pseudo-democratic structures will be put in place to give the illusion that leaders are elected and decisions are democratic. Alongside all this the real leaders (or "senior leaders" as we now call them) will carry on in their appointed and unaccountable world - the police, NHS, social services and transport will be managed in a supposedly businesslike manner by boards of wise folk who aren't actually accountable to anyone.

The irony in all of this is that, in Britain, only the loopier parts of our politics understands just how the current system threatens democracy - a few of the Corbynistas (when they're not pretending to be communists) and the libertarian parts of the pro-Brexit right understand that the Brexit vote was about saving democracy.

Friday, January 11, 2019

Sobre "Roseanne"

Roseanne Really is Deplorable, por Telly Davidson, em The American Conservative (o artigo é anterior ao cancelamento da série - aliás, só soube dele na sequência do cancelamento - mas acaba por se manter atual):

Roseanne Barr is not a conservative. Ronald Reagan and William F. Buckley were not exactly her favorite people. She supported Bill Clinton’s first presidential run to the point that she claimed her number one-rated show, Roseanne, helped put Clinton over the top by complaining about the crummy economy a week before the 1992 election. She’s had as much use for the “family values” conservatism of Phyllis Schlafly as a fish has for a bicycle. (...)

Yet in spite of all that, it is completely predictable—even almost inevitable—that Roseanne would have voted for Donald Trump, just like the 80,000 or so voters who made the difference for The Donald in the Rust Belt “swing states.” (...)

At this crucial point, the new fetish in Clinton and Dubya-era politics became “Swing Voters.” These were best defined as American Beauty-style professional husbands and fathers and (even more so) their SUV-driving, soccer-and-wine wives—secular or “mainline” religious, two-story suburban, money in the bank, “good college”-educated, and, for the most part, white.   (...)

The late Clinton and George W. eras proved that the Krystle Carrington world of conspicuous consumption, casino capitalism, and invisible poor people had become the New Normal. It was the grungy, ironic, early 90s intercession of Tupac & Biggie, Kurt Cobain, Married with Children, Do The Right Thing, Falling Down, King of Queens and, yes, Roseanne, that served as the brief exception. And so it would remain, right up until the economic meltdown of 2008.   

This wasn’t just limited to politics. By the end of Roseanne’s initial run, that same “swing voter” audience was also the only demo that Hollywood (or the news industry) cared about. In the decade between Clinton’s exit and the 2008 meltdown, it was all about upscale “prestige TV” ensembles, from the high-tech models of CSI, The West Wing, and Grey’s Anatomy, to self-consciously “chic” shows and movies like Sex and the City, Will & Grace, American Psycho, Mad Men, The Devil Wears Prada, and fantasy “rom-coms.” In the late 90s and 2000s, the single-minded pursuit of the “upscale” 18-to-49-year-old professional was complete and total—along with the marginalizing of everyone outside that target audience. (...)

Whether it was “Time for a Change” in 1992 or “Change Has Come to America” in 2008, many of the Roseanne Connors just didn’t think they had enough change left in their pockets after all was said and done. The revival of Roseanne (the character), who voted for Trump (reviewers, unsurprisingly, were scandalized), is the inevitable return-of-the-repressed revenge. Roseanne (and Roseanne) is getting up in our faces and gloating, “This time, I was the real Swing Voter—so DEAL with it!”

[Já agora, isto acaba por ter algo a ver com isto]

Social-democratas de direita?

Tucker Carlson has sparked the most interesting debate in conservative politics, por Jane Coaston (Vox):

But Carlson’s brand of populism, and the populist sentiments sweeping the American right, aren’t just focused on the current state of income inequality in America. Carlson tackled a bigger idea: that market capitalism and the “elites” whom he argues are its major drivers aren’t working. The free market isn’t working for families, or individuals, or kids. In his monologue, Carlson railed against libertarian economics and even payday loans, saying, “If you care about America, you ought to oppose the exploitation of Americans, whether it’s happening in the inner city or on Wall Street” — sounding very much like Sanders or Warren on the left.

Carlson’s argument that “market capitalism is not a religion” is of course old hat on the left, but it’s also been bubbling on the right for years now. When National Review writer Kevin Williamson wrote a 2016 op-ed about how rural whites “failed themselves,” he faced a massive backlash in the Trumpier quarters of the right. And these sentiments are becoming increasingly potent at a time when Americans can see both a booming stock market and perhaps their own family members struggling to get by. (...)

He added that regarding black poverty, “it’s pretty easy when you’ve got 12 percent of the population going through something to feel like, ‘Well, there must be ... there’s something wrong with that culture.’ Which is actually a tricky thing to say because it’s in part true, but what you’re missing, what I missed, what I think a lot of people missed, was that the economic system you’re living under affects your culture.”

Carlson said that growing up in Washington, DC, and spending time in rural Maine, he didn’t realize until recently that the same poverty and decay he observed in the Washington of the 1980s was also taking place in rural (and majority-white) Maine. “I was thinking, ‘Wait a second ... maybe when the jobs go away the culture changes,’” he told me, “And the reason I didn’t think of it before was because I was so blinded by this libertarian economic propaganda that I couldn’t get past my own assumptions about economics.” (For the record, libertarians have critiqued Carlson’s monologue as well.)

[Via Brad DeLong]

Thursday, January 10, 2019

"Seeing like a State", por James C. Scott

Algumas análises a esse livro (muitas vão parar ao tema "ele - que está mais próximo do anarquismo de esquerda - diz que não, mas diz coisas muito parecidas com Hayek"):

Os paraquedas são inúteis?

Parece que sim.

Parachute use to prevent death and major trauma when jumping from aircraft: randomized controlled trial, por Robert W Yeh , Linda R Valsdottir, Michael W Yeh, Changyu Shen, Daniel B Kramer, Jordan B Strom, Eric A Secemsky, Joanne L Healy, Robert M Domeier, Dhruv S Kazi, Brahmajee K Nallamothu:
Objective To determine if using a parachute prevents death or major traumatic injury when jumping from an aircraft.

Design Randomized controlled trial.

Setting Private or commercial aircraft between September 2017 and August 2018.

Participants 92 aircraft passengers aged 18 and over were screened for participation. 23 agreed to be enrolled and were randomized.

Intervention Jumping from an aircraft (airplane or helicopter) with a parachute versus an empty backpack (unblinded).

Main outcome measures Composite of death or major traumatic injury (defined by an Injury Severity Score over 15) upon impact with the ground measured immediately after landing.

Results Parachute use did not significantly reduce death or major injury (0% for parachute v 0% for control; P>0.9). This finding was consistent across multiple subgroups. Compared with individuals screened but not enrolled, participants included in the study were on aircraft at significantly lower altitude (mean of 0.6 m for participants v mean of 9146 m for non-participants; P<0.001) and lower velocity (mean of 0 km/h v mean of 800 km/h; P<0.001).

Conclusions Parachute use did not reduce death or major traumatic injury when jumping from aircraft in the first randomized evaluation of this intervention. However, the trial was only able to enroll participants on small stationary aircraft on the ground, suggesting cautious extrapolation to high altitude jumps. When beliefs regarding the effectiveness of an intervention exist in the community, randomized trials might selectively enroll individuals with a lower perceived likelihood of benefit, thus diminishing the applicability of the results to clinical practice.
[via Chris Dillow]

Wednesday, January 09, 2019

Alexander Hamilton, o mais contra-revolucionário dos fundadores dos EUA

The Hamilton Hustle, por Matt Stoller:

AS DONALD TRUMP SETTLES INTO THE WHITE HOUSE, elites in the political class are beginning to recognize that democracy is not necessarily a permanent state of political organization. “Donald Trump’s candidacy is the first time American politics has left me truly afraid,” wrote Vox cofounder Ezra Klein just before the election. Andrew Sullivan argued in New York magazine that American democracy is susceptible, “in stressful times, to the appeal of a shameless demagogue.” Paul Krugman wrote an entire column on why republics end, citing Trump’s violations of political norms. But if you want to understand the politics of authoritarianism in America, the place to start is not with Trump, but with the cool-kid Founding Father of the Obama era, Alexander Hamilton. (...)

What’s strange about all of this praise is how it presumes that Alexander Hamilton was a figure for whom social justice and democracy were key animating traits. Given how Democrats, in particular, embraced the show and Hamilton himself as a paragon of social justice, you would think that he had fought to enlarge the democratic rights of all Americans. But Alexander Hamilton simply didn’t believe in democracy, which he labeled an American “disease.” He fought—with military force—any model of organizing the American political economy that might promote egalitarian politics. He was an authoritarian, and proud of it.

To assert Hamilton disliked democracy is not controversial. The great historian Henry Adams described an evening at a New York dinner, when Hamilton replied to democratic sentiment by banging the table and saying, “Your people, sir—your people is a great beast!” Hamilton’s recommendation to the Constitutional Convention, for instance, was to have a president for life, and to explicitly make that president not subject to law.

A morte do liberalismo

The death of right libertarianism, por Chris Dillow:

Right libertarianism is dead. It has ceased to be. It has expired and gone to meet its maker. It has joined the choir invisible. That is the inference to draw from John Redwood’s recent claim that Brexit is a “huge opportunity to…grow more of our food”, prompting Jonathan Portes to note that the man has gone from “economic liberalism in its purist form” to rebooting The Good Life. As Jonathan Calder says, the Tories are staging a headlong retreat from the free market.

This is not an isolated instance. Just before Christmas Norman Lamb’s proposal to legalize cannabis was opposed by prominent Brexiters such as Rees Mogg, Bridgen and Cash. Support for more liberal immigration policy is more likely to be found on the left than on the right. (...)

All these cases show that the right is not libertarian. Lefties love to ask the IEA and TPA “who funds you?” Doing so, however, misses the key point – that such thinktanks have to rely upon a small cabal of cranks and oligarchs* because their causes lack widespread support.

Tuesday, January 08, 2019

Os EUA não são uma democracia

Outrage Over Minority Rule, por James Joyner:

There is a frustration and a growing sense that the American political system is illegitimate.

A series of narrow Supreme Court decisions and the prospect of what a second Trump appointee might do the balance of that institution has sparked a new conversation over an old topic: the extent to which American institutions are undemocratic.

O que são "elites"?

Uma passagem interessante sobre o assunto:

“Take the way the right has narrowed the meaning of elite, so that it’s more likely to be used to describe ‘liberal’ sectors like the entertainment industry, the media, and the academy than leaders of business or the military. It isn’t surprising that on Fox News, references to the business elite are outnumbered by almost 50-to-1. Yet when you look at British papers, whether the left-wing Guardian or the right-wing Telegraph, those proportions are reversed. British papers refer to the business elite about three times as often as to the media elite, which is pretty much the same thing you saw in American papers in the 1970s and 1980s, before the right’s campaign against the ‘elite liberal media’ went into high gear.” — Geoffrey Nunberg, Talking Right (2006).

Monday, January 07, 2019

Definam melhor "assédio sexual", s.f.f. (II)

Ainda sobre este assunto, um post no FiveThirtyEightWe Need A Better Way To Talk About ‘Sexual Misconduct’, sobre o conjunto dispare de situações que são ou podem ser chamadas "assédio sexual":

Eu por mim nem chamaria nada ao "Attempts to establishment a romantic sexual relationship despite rejection" e ao "Continued requests for dates despite rejection", e reservaria (como já deve ter dado para perceber) o nome "assédio sexual" ao que neste gráfico chamam "Quid pro quo"/"Sexual coercion".

Definam melhor "assédio sexual", s.f.f.

O Expresso noticia que "Aumentam as investigações por assédio sexual", dizendo que "foram abertos 903 inquéritos por importunação sexual, crime no qual se inclui o assédio, mais 33 do que em 2017"; depois grande parte da noticia é com supostos especialistas a argumentarem que o crime de assédio sexual deveria ser autonomizado e separado do de "importunação sexual".

Eu não percebo é onde é que foram buscar a ideia de que assédio sexual está incluído no crime de importunação sexual; eu não sou jurista, mas a mim parece-me que o assédio sexual corresponde muito mais à "coação sexual" (ou até a certas versões da violação) do que à "importunação sexual" (e sobretudo à "coação sexual" e "violação" como eram definidas até 2015). Compara-se como são definidos os crimes:


1 - Quem, por meio de violência, ameaça grave, ou depois de, para esse fim, a ter tornado inconsciente ou posto na impossibilidade de resistir, constranger outra pessoa a sofrer ou a praticar, consigo ou com outrem, acto sexual de relevo é punido com pena de prisão de um a oito anos.
2 - Quem, por meio não compreendido no número anterior e abusando de autoridade resultante de uma relação familiar, de tutela ou curatela, ou de dependência hierárquica, económica ou de trabalho, ou aproveitando-se de temor que causou, constranger outra pessoa a sofrer ou a praticar acto sexual de relevo, consigo ou com outrem, é punido com pena de prisão até dois anos.


Artigo 163.º
Coação sexual (versão atual)
1 - Quem, por meio de violência, ameaça grave, ou depois de, para esse fim, a ter tornado inconsciente ou posto na impossibilidade de resistir, constranger outra pessoa a sofrer ou a praticar, consigo ou com outrem, acto sexual de relevo é punido com pena de prisão de um a oito anos.
2 - Quem, por meio não compreendido no número anterior, constranger outra pessoa a sofrer ou a praticar ato sexual de relevo, consigo ou com outrem, é punido com pena de prisão até 5 anos.





Artigo 164.º
1 - Quem, por meio de violência, ameaça grave, ou depois de, para esse fim, a ter tornado inconsciente ou posto na impossibilidade de resistir, constranger outra pessoa:
a) A sofrer ou a praticar, consigo ou com outrem, cópula, coito anal ou coito oral; ou
b) A sofrer introdução vaginal ou anal de partes do corpo ou objectos;
é punido com pena de prisão de três a dez anos.
2 - Quem, por meio não compreendido no número anterior e abusando de autoridade resultante de uma relação familiar, de tutela ou curatela, ou de dependência hierárquica, económica ou de trabalho, ou aproveitando-se de temor que causou, constranger outra pessoa:
a) A sofrer ou a praticar, consigo ou com outrem, cópula, coito anal ou coito oral; ou
b) A sofrer introdução vaginal ou anal de partes do corpo ou objectos;
é punido com pena de prisão até três anos.


 Artigo 164.º
Violação (versão atual)
1 - Quem, por meio de violência, ameaça grave, ou depois de, para esse fim, a ter tornado inconsciente ou posto na impossibilidade de resistir, constranger outra pessoa: 
a) A sofrer ou a praticar, consigo ou com outrem, cópula, coito anal ou coito oral; ou 
b) A sofrer introdução vaginal ou anal de partes do corpo ou objectos; 
é punido com pena de prisão de três a dez anos. 
2 - Quem, por meio não compreendido no número anterior, constranger outra pessoa: 
a) A sofrer ou a praticar, consigo ou com outrem, cópula, coito anal ou coito oral; ou 
b) A sofrer introdução vaginal ou anal de partes do corpo ou objetos; 
é punido com pena de prisão de 1 a 6 anos.

Artigo 170.º
Importunação sexual
Quem importunar outra pessoa, praticando perante ela atos de carácter exibicionista, formulando propostas de teor sexual ou constrangendo-a a contacto de natureza sexual, é punido com pena de prisão até 1 ano ou com pena de multa até 120 dias, se pena mais grave lhe não couber por força de outra disposição legal.

Os pontos 2 das versões antigas da "coação sexual" e da "violação" parecem-me exatamente o que 99% das pessoas acha que é "assédio sexual"; é verdade que na nova versão está um bocado diluído (substituindo o "abusando de autoridade" por "por meio não compreendido no número anterior"), mas parece-me que o assédio sexual continua lá incorporado; já a "importunação sexual" parece-me aplicar-se mais aos maluquinhos das gabardinas até aos pés do que propriamente ao assédio sexual.

É verdade que o alargamento das definição de coação sexual  e de violação pode ter tido um efeito perverso - a versão inicial, referindo explicitamente "dependência hierárquica, económica ou de trabalho" definia claramente que era violação se um chefe usasse a ameaça de uma má avaliação ou uma não-renovação de contrato para levar uma empregada a ir para a cama com ele; a nova variante, com a sua redação vaga, pode abrir caminho a uma enorme discussão sobre se isso se considera ou não "por meio não compreendido no número anterior, constranger outra pessoa..." (mas atendendo que a ideia da alteração da redação foi aumentar o âmbito das situações em que se considerava que havia "coação sexual" ou "violação", penso que está implícito que tudo o que antes estava incluído continua incluído).

Suspeito que o problema é que há efetivamente uma escola de pensamento que desvaloriza o critério "submissão hierárquica" como definidor do assédio sexual, mas fazendo isso entram no que me parece um beco sem saída intelectual; nomeadamente alguns preferem considerar que o que define assédio sexual é ser feito com o objetivo de humilhar ou ofender a vítima, mas isso parece-me não levar a lado nenhum (o patrão que insinua a uma empregada que a renovação do contrato depende de ela ir para a cama com ele faz isso com o objetivo de a humilhar ou diminuir a sua dignidade? Talvez seja o caso de alguns, mas outros - suspeito que a maioria - o objetivo é mesmo terem sexo com a empregada, e o "humilhá-la" será apenas um dano colateral, e se calhar até preferiam que a empregada fosse para a cama com ele de livre vontade, mas na minha opinião não deixa de ser assédio sexual por causa disso).

Diga-se, aliás, que a forma como o Código do Trabalho define "assédio sexual" parece-me derivada dessa visão:

Artigo 29.º
Assédio
1 – Entende-se por assédio o comportamento indesejado, nomeadamente o baseado em fator de discriminação, praticado aquando do acesso ao emprego ou no próprio emprego, trabalho ou formação profissional, com o objetivo ou o efeito de perturbar ou constranger a pessoa, afetar a sua dignidade, ou de lhe criar um ambiente intimidativo, hostil, degradante, humilhante ou desestabilizador.
2 – Constitui assédio sexual o comportamento indesejado de carácter sexual, sob forma verbal, não verbal ou física, com o objetivo ou o efeito referido no número anterior.
3 – À prática de assédio aplica-se o disposto no artigo anterior.
4 – Constitui contraordenação muito grave a violação do disposto neste artigo.

De novo, assédio sexual é definido como "comportamento indesejado de carácter sexual, sob forma verbal, não verbal ou física, com o objetivo ou o efeito de perturbar ou constranger a pessoa, afetar a sua dignidade, ou de lhe criar um ambiente intimidativo, hostil, degradante, humilhante ou desestabilizador" - o "ou o efeito" melhora um pouco a situação (já que admite que o hostilizar ou degradar o destinatário pode não ser a intenção), mas a ideia básica continua a ser de que o assédio sexual tem por objetivo criar um ambiente hospital ao trabalhador; suspeito que se levássemos essa definição à letra quase ninguém seria condenado por assédio sexual, já que inverte largamente os termos - desconfio que no mundo real, o assédio sexual consiste em criar um ambiente potencialmente hostil a fim de conseguir algo sexual com alguém (estilo tratar mal uma trabalhadora que tenha rejeitado avanços, para ver se ela cede) e não o inverso (o Código do Trabalho parece escrito a pensar num cenário em que alguém quer que uma trabalhadora se despeça, e faz-lhe propostas sexuais, apalpa-a, etc. com a intenção de ela se sentir desconfortável e pedir a demissão - duvido que essa situação seja a mais comum).

Ainda sobre este assunto, ver esta discussão no Vias de Facto.

[Título roubado ao deste post; estas discussões semânticas sobre qual deve ser o significado exato de expressões são uma obsessão minha]

O que mede realmente o QI?

IQ is largely a pseudoscientific swindle, por Nassim Nicholas Taleb.

No seu estilo não particularmente contido e razoável, parece-me que o que Taleb está a dizer é que ter bons resultados em testes de QI, a partir de um certo nível, é mais indicativo de um gosto por resolver exercícios abstratos mesmo que sem utilidade prática real do que de verdadeira inteligência.

Eu há algum tempo que já tenho pensado que medidas como o QI o que medem é mais uma combinação de inteligência (capacidade de resolver problemas intelectuais) com intelectualismo (gostar de tentar resolver problemas intelectuais) do que propriamente inteligência em si mesma; mas isso talvez não faça grande diferença, porque o desempenho em quase todas as atividades intelectuais é resultado de uma combinação de inteligência e intelectualismo, pelo que mesmo que o QI não meça apenas a inteligência, acabará por ter uma correlação significativa com o desempenho em tarefas que exijam capacidade intelectual.

No entanto, parece-me que Taleb levanta um ponto que pode ser relevante - os incentivos (o skin in the game, em talebanês): pessoas que não têm grande motivação para resolver testes de QI podem ser afinal demonstrar ser bastante inteligentes em atividades que tenham uma utilidade real.

Um exercicio que poderia ser interessante (será que já alguém o fez): fazer um teste de QI a uma porção de gente; depois de eles fazerem o teste, dar-lhes outro teste e aí dizer-lhes "por cada ponto acima de 80 neste teste vão receber 15 euros" e comparar os resultados.

Saturday, January 05, 2019

"Greve" da Uber

Motoristas da Uber têm “boicote” marcado para este sábado (Sapo):

Se pedir um Uber amanhã é capaz de demorar mais a ter resposta. No Porto e em Lisboa, a intenção é protestar contra o modelo de tarifa proposto pela plataforma de transportes, “parando” ou dando preferência à concorrência.
A página do Facebook que parece estar a organizar o protesto - https://www.facebook.com/DUROS-Do-PORTO-TVDE-354215942080851/

Friday, January 04, 2019

A "hotline" na Suécia (e em Portugal) nos anos 80

How a Phone Glitch Sparked a Teenage Riot, por Shaun Raviv (no Medium, talvez seja melhor abrir como janela privada):

When kids turned a state-owned telecom system into a proto-Internet, police cracked down with brutal force
Isto refere-se à Suécia, mas penso que, no final dos anos 80, em Portugal também havia um número em que várias pessoas poderiam falar umas com as outras se ligassem para lá (pelo menos ouvi falar disso duas vezes - na altura, em que alguém me contou que lhe tinham contado que esse número existia, e dando a entender que era usado sobretudo para combinar orgias; e li também num dos livros do Nuno Markl sobre os anos 80).

Heta linjen (telekommunikation), artigo na wikipedia sueca sobre o assunto.

Venezuela, Bolivia, EUA e socialismo

Venezuela’s Lessons for American Socialists, por Noah Smith (Bloomberg):

Socialists in the U.S. should take note — if there’s a right way to do socialism, this isn’t it. Instead of cautious policies like those of Bolivia, Venezuela’s leaders chose to ignore the menace of hyperinflation, nationalize private businesses across the economy, and muck up the smooth operations of PDVSA. The result was predictable — one of the worst self-inflicted economic catastrophes of the century so far.
Como sempre, noto que eu linkar um artigo não implica necessariamente concordância.

Os problemas da censura (empresarial) na Internet

Why Internet Censorship Doesn’t Work and Never Will, por Tyler Cowen:

I’d like to suggest a simple trilemma. When it comes to private platforms and speech regulation, you can choose two of three: scalability, effectiveness and consistency. You cannot have all three. Furthermore, this trilemma suggests that we — whether as users, citizens or indeed managers of the platforms themselves — won’t ever be happy with how speech is regulated on the internet.

Thursday, January 03, 2019

Governo Bolsonaro "supervisiona" e "monitoriza" ONGs

Bolsonaro presidential decree grants sweeping powers over NGOs in Brazil (Reuters):

The temporary decree, which will expire unless it is ratified within 120 days by Congress, mandates that the office of the Government Secretary, Carlos Alberto Dos Santos Cruz, “supervise, coordinate, monitor and accompany the activities and actions of international organizations and non-governmental organizations in the national territory.”(...)
Jose Miguel Vivanco, director of the Americas division of Human Rights Watch, said the decree on NGOs could be viewed in a positive light, but also expressed concerns.

“If the purpose of the measure were to facilitate a constructive relationship between international civil society groups and the government at its highest level, it would be a welcome step,” he said.

“However, what strikes me is the use of the terms ‘supervise’ and ‘monitor’, which suggest a fundamental lack of understanding of the independent role that these entities play in any open and democratic society.”

O dilema dos Trabalhistas face ao Brexit

Brexit: In Defence of Corbyn, por Chris Dillow:

More importantly, I fear that Corbyn’s critics are are insufficiently sympathetic to the philosophical dilemma that Labour faces. On the one hand, Brexit is a stupid idea: escaping weak constraints upon state intervention in the economy is too small a gain to offset the cost of leaving the single market. But on the other, there is a clear mandate for it. As Phil says, seeing Brexit through is “the democratic thing to do.”

This dilemma has little force for technocrats who think voters are Putin’s dupes or for paternalistic centrists. But it is a problem for the left. A big part of our philosophy is the desire to give working people greater voice in work and in public services. It’s difficult to say people should have more voice in boardrooms whilst denying that voice in a referendum*.

It is this dilemma, perhaps more so than electoral considerations, that justifies Labour’s ambivalence towards Brexit.

O que é "O Ocidente"?

Dismantling the “West”, por Daniel Walden (Current Affairs):

The alt-right may depart from mainstream conservatism in a number of ways, but one trait they both have in common is an obsession with something known as “Western Civilization.” The term gets waved around a lot by people all across the political right. The near-genocidal Traditionalist Worker Party founder Matthew Heimbach once headed a chapter of the “Youth for Western Civilization,” Stanford pop historian and Kissinger hagiographer Niall Ferguson makes a hierarchical distinction between “the West and the rest,” while noted social-scientific blowhard Jordan Peterson has repeatedly declared that “The West is right.” But what is this mysterious entity called “the West” anyway? Or, to break the question down a bit more, what do they think they mean by “the West,” what are they actually signaling by talking about “the West,” and why should anyone care about “the West” at all (since, spoiler alert, it’s largely a fabrication)?

When people on the right talk about “the West,” they almost always do so in glowing terms. It’s the “birthplace of democracy” or the “mother of reason” or the “nursemaid of science” or any number of other natal clichés. The achievement of the West, in their minds, is a kind of origination or invention of various significant cultural institutions that, for better or worse, now shape the experiences of billions of people around the world. (Ferguson nauseatingly calls these great Western institutions “killer apps.”) Setting aside for a moment the fact that modern democracy looks absolutely nothing like the Athenian system, or that Indian scholars began developing multiple systems of formal logic several hundred years before Aristotle was born, this affection is understandable: Democracy and reason and science are generally considered good things, and it’s good to want to know how they came about.
[Via Brad DeLong]

Filmes de ficção cientifica sem acção/aventura

Há uns anos, eu escrevia que:

para todos os efeitos práticos, a FC é uma subvariante dos géneros acção e/ou aventura; mesmo quando são comédias, normalmente são pastiches ao género acção/aventura (exemplo). Os livros e filmes de FC, por regra, retratam personagens vivendo aventuras; não é obrigatório que assim seja: podíamos ter uma obra de FC retratando a vida quotidiana de pessoas "normais", mas no contexto de um ambiente de alta tecnologia; mas tal não é frequente - o único caso parecido que me lembro é o de Zenon, a Rapariga do Século XXI, que, tendo uma componente de aventura, tem também muito de clássica comédia de adolescentes, apenas com a diferença de se passar numa estação espacial (bem, talvez o boneco animado The Jetsons - que nunca vi, nem sei se passou em Portugal - fosse um bom exemplo).
Duas exceções (ou uma exceção e meia) que vi nos últimos tempos:

- Nunca me Deixes, que é praticamente um exemplo do realismo britânico /kitchen sink drama em estado quase puro, não fosse o facto de se passar numa Grã-Bretanha com uma diferente organização social e tecnológica, de tal forma que o próprio facto de ser um filme de ficção científica é quase um spoiler: um filme sobre a vida dificil de pessoas de um extrato social desfavorecido, que fazem umas pequenas tentativas para melhorar a sua condição, mas sem grande resultado (o tipo de filme que poderia ter "Ken Loach" ou "Mike Leigh" no nome do realizador)

-Um Amor Entre Dois Mundos: tem um bocadinho de ação, mas se não fosse a componente de ficção científica seria quase uma mistura de comédia romântica e daqueles filmes que se faziam nos anos 80 em que um empregado de uma grande empresa, mal-tratado ou ignorado pelas hierarquias, acaba por derrotar os patrões na competição capitalista (algo estilo O Segredo do Meu Sucesso).

Wednesday, January 02, 2019

A direita religiosa e Trump

Why Trump Reigns as King Cyrus, por Katherine Stewart (New York Times):

I have attended dozens of Christian nationalist conferences and events over the past two years. And while I have heard plenty of comments casting doubt on the more questionable aspects of Mr. Trump’s character, the gist of the proceedings almost always comes down to the belief that he is a miracle sent straight from heaven to bring the nation back to the Lord. I have also learned that resistance to Mr. Trump is tantamount to resistance to God.

A democracia direta reduz o poder do grande capital

Does Direct Democracy Reduce Regulatory Capture?, por Samantha Eyler-Driscoll, no ProMarket blog (atenção que isto é um artigo de junho do ano passado):

To the great mortification of Switzerland’s domestic banking sector, on June 10 Swiss voters will head to the polls to decide on an initiative that could radically hobble local lending. TheVollgeld (sovereign money) Initiative has taken advantage of the country’s famously liberal system of referenda and popular initiatives—the former can be brought to a public vote with just 50,000 signatures to a petition launched by any citizen voter and the latter with 100,000—to propose a ban on fractional reserve banking and restrict money creation to the Swiss National Bank alone. Should the initiative pass, banks will no longer be allowed to expand the money supply electronically through lending—the origin of 90 percent of Switzerland’s current money supply. (...)

New research by John Matsusaka of the University of Southern California, however, suggests that the sequestering of economic policymaking from special interest influence may be precisely what direct democracy is for. His latest Stigler Center working paper works from theories of how regulatory capture operates on therepresentative institutions of democracy and seeks to answer the question: “Does special interest influence decline when policy is chosen using direct democracy?” More specifically, Matsusaka examines whether business interests are most often helped or hurt by the passage of state initiatives and referenda (I&R). (...)

Matsusaka uses data on all 2,548 US state-level initiatives from the period 1904–2017 and pulls out info on the three industries most often targeted by ballot measures—energy, finance, and tobacco—then classes them by whether they were pro- or anti-business (see Figure 1). Only 19 percent of the proposed initiatives were beneficial to industry interests, and only two percent of the initiatives were in fact adopted and worked in the industries’ favor. Pro-business initiatives that make it onto the ballot at all draw significantly fewer votes in favor (6.6 percent) than anti-business ones.

The ability of economic interest groups to influence policy is a common theme in economics and political science. Most theories posit that interest group power arises from the ability to influence elected or appointed government officials through vote-buying, lobbying, or revolving doors; that is, by exploiting the representative part of democracy. This raises the question: does special interest influence decline when policy is chosen using direct democracy, without involvement of representatives? An analysis of the content of the universe of state-level ballot initiatives during 1904-2017 reveals that business interests have been worse off as a result of initiatives across major industrial groups. An examination of all large contributions to ballot measure campaigns in California during 2000-2016 reveals that corporate and business interests were usually on the defensive with initiatives, and were much less likely to gain favorable legislation from citizen-initiated proposals than from proposals that originate in the legislature. The evidence suggests that economic interest groups have less influence under direct than representative democracy.
[Via Tyler Cowen]

O "modelo nórdico" da prostituição não pune as prostitutas?

Nalguns sectores e países tem estado na moda o chamado "modelo nórdico" no combate à prostituição - criminalizar os clientes mas não as prostitutas (há dias no Público havia uma crónica sobre isso, em tom crítico). Mesmo recentemente o Congresso dos EUA aprovou normas que vão em parte nesse sentido e Israel provavelmente fará o mesmo.

Mas será que punir os clientes não acaba por prejudicar as prostitutas?

Vamos imaginar um modelo simples de oferta e procura:

A vermelho temos a oferta, a azul a procura, e inicialmente o preço será "P1" e a quantidade "Q1" (o preço está no eixo dos Yx e a quantidade no eixo dos Xs); até este momento não há grande diferença entre estarmos a falar de prostituição ou de ir ao cabeleireiro.

Agora vamos imaginar que começa a haver punições legais para os clientes das prostitutas; isso vai, em principio, reduzir a procura (para alguns poderá aumentar, em busca da emoção de estarem a fazer algo ilegal, mas duvido que esse efeito seja predominante).

A linha azul tracejada é a nova curva da procura, inferior à anterior: assim, o preço baixa de P1 para P2 e a quantidade também baixa de Q1 para Q2. Mas, se o preço dos seus serviços baixa, as prostitutas ficam sem dúvida prejudicadas - no esquema acima, o retângulo rosa corresponde ao prejuízo que as prostitutas têm pela baixa do preço (a área do retângulo corresponde à quantidade de serviços que vendem - Q2 - multiplicada pela redução do preço - a diferença entre P1 e P2). Se estivessemos a falar de outro serviço ou produto qualquer, tanto o retângulo rosa como o triângulo amarelo (este correspondendo ao prejuízo derivado de passarem a ter menos clientes) contariam como perdas de quem vende, mas como aqui reduzir a prostituição é mesmo o objetivo, vamos aceitar as premissas dos defensores do modelo nórdico e considerar que as prostitutas só são prejudicadas por passarem a receber menos por cliente, mas não por passarem a ter menos clientes.

Claro que o efeito total disto - sobretudo a questão do reduzir preço versus reduzir o número de clientes - depende do formato da oferta da prostituição; se as prostitutas tiveram muitas alternativas e puderem facilmente mudar de profissão se passarem a ganhar menos na prostituição, a oferta será largamente elástica (o que nos quadros acima corresponderá a uma linha perto do horizontal), pelo que uma redução da procura levará sobretudo a uma redução da prostituição, com uma pequena redução dos preços:

Numa situação destas, o prejuízo para as prostitutas é muito reduzido, quer o meçamos apenas pela redução dos preços que recebem (a área rosa), quer incluamos também o prejuízo por terem menos clientes (a área amarela). O que há é uma redução significativa da prostituição - ou seja, um sucesso quase total do "modelo nórdico" face aos objetivos proclamados: reduzir a prostituição sem prejudicar as prostitutas.

Mas esse cenário (em que as prostitutas podem facilmente mudar para outra profissão qualquer) fará sentido? Provavelmente não; aliás, são os próprios defensores do "modelo nórdico" que enfatizam que as prostitutas não o são por sua vontade verdadeiramente livre, mas sim porque frequentemente não têm alternativa, devido a uma combinação de pobreza, baixas qualificações, dependências e exclusões sociais diversas. Nesse caso, será mais realista assumir que a oferta da prostituição será largamente inelástica, e que não é por os preços que os clientes pagam subirem ou descerem muito que a prostituição vai aumentar ou diminuir muito. Nesse caso, os efeitos da criminalização dos clientes serão mais estes:

Ou seja, haver uma redução significativa dos preços, mas não grande redução do número de mulheres a se prostituir (condizente com o facto de não terem outra alternativa realista de vida) - o único resultado significativo será as prostitutas passarem a ganhar menos; ou seja, se as premissas dos defensores do "modelo nórdico" estiverem corretas (e eu suspeito que estão), então o resultado será exatamente o contrário do pretendido: grande prejuízo pessoal para as prostitutas, mas quase nenhuma redução da prostituição.

Mas podemos imaginar um cenário ainda mais radical; vamos supor três hipóteses (nenhuma das quais me parece especialmente irrealista):

a) prostituta mãe solteira/divorciada/abandonada que precisa de se prostituir diariamente até arranjar dinheiro para alimentar os filhos

b) prostituta toxicodependente que precisa de se prostituir diariamente até arranjar dinheiro para a dose

c) prostituta "de luxo" que fixou como objetivo de carreira ter X apartamentos para alugar numa zona turística e viver desses rendimentos  e que pretende prostituir-se até conseguir comprar esses apartamentos (ou outro plano de investimentos qualquer, mas suspeito que comprar apartamentos deve ser o investimento preferido - e mais seguro - das pessoas sem formação na área financeira)

Essa situações podem ser bastante diferentes nalguns aspetos, mas têm um ponto comum: todas estas três prostitutas estão numa situação em que têm que se prostituir até obterem uma dada quantidade de dinheiro; o corolário será uma curva da oferta invertida, em que quanto menor o preço que receberem por cliente, mas terão que trabalhar - no caso a) e b) terão que atender mais clientes por dia até obterem o dinheiro que necessitam (eu diria que esses dois casos são quase idênticos em termos económicos, embora possam ser diferentes a nível de eventuais juízos morais), no caso c), terá que se prostituir por mais anos até conseguir comprar os tais apartamentos.

Assim, se este efeito fosse geral, e a curva da oferta da prostituição tivesse mesmo uma inclinação descendente, o resultado seria este:

A redução da procura, além de reduzir os preços, iria ainda aumentar (em vez de diminuir!) a prostituição, devido ao tal efeito de terem que atender mais clientes para ganharem o dinheiro que precisam ou querem (neste modelo não estou certo que o prejuízo para as prostitutas seja exatamente a área que pintei a rosa, mas se não for anda lá perto) - ou seja, um fracasso total da política face aos objetivos pretendidos (diga-se que, apesar de tudo, não acredito muito neste cenário de uma curva da oferta invertida - mesmo que uma redução dos preços leve cada prostituta individual a ter que atender mais clientes, de certeza que também levará menos mulheres a prostituírem-se, o que provavelmente anulará o efeito anterior).

Uma objeção que poderá ser feita a este modelo é que estou a assumir uma prostituta que fica com o rendimento do seu trabalho - no caso de uma prostituta escrava, a baixa do preço do seu trabalho não a irá prejudicar a ela, mas sim a quem a mantêm aprisionada e a obriga a prostituir-se (ficando com o dinheiro e dando-lhe provavelmente apenas o necessário para não morrer de fome), e até diminuirá o incentivo a raptar mulheres para as obrigar a prostituir; mas é duvidoso que haja (no mundo real, e não no mundo das telenovelas brasileiras ou dos filmes de ação norte-americanos) mesmo uma quantidade significativa de mulheres sequestradas e obrigadas a prostituir-se (alguns artigos sobre o assunto em vários países); parte desse mito é capaz de derivar da ambiguidade da expressão "tráfico de pessoas" (veja-se que essas medidas são invariavelmente apresentadas como um meio de combater o "tráfico de pessoas") - como alguém escreveu, "tráfico de pessoas" é usado sem grande critério para dizer três coisas diferentes:

a) imigração ilegal
b) trabalho escravo
c) prostituição

O estereótipo da "vítima de tráfico" é uma mulher introduzida ilegalmente no país por uma rede de "tráfico" e obrigada a prostituir-se - ou seja, a tripla, combinando os três pontos; esta ambiguidade semântica contribui para criar a ideia de que grande parte das prostitutas são escravas: porque são prostitutas e frequentemente imigrantes ilegais, foram automaticamente "traficadas", de acordo com algumas definições de "tráfico"; e se foram "traficadas", então são escravas, já que outras definições de "tráfico" associam-no a trabalho escravo.

Diga-se que isto tem alguma semelhança com o principio da incidência económica do imposto, que diz que quem paga um imposto não é quem a lei diz que paga o imposto,  mas sim sobretudo que tiver um comportamento menos sensível a variações de preços, e que é indiferente a lei dizer que um dado imposto é pago pelo cliente ou pelo vendedor (ou pelo empregador ou pelo trabalhador) - não é totalmente igual (porque sanções criminais não são exatamente iguais a impostos) mas anda perto.

[Uma nota quase de última hora - recentemente foi divulgado um estudo concluindo que todas as formas de criminalização da prostituição, incluindo a criminalização apenas dos clientes, levam a maior violência contra as prostitutas - Associations between sex work laws and sex workers’ health: A systematic review and meta-analysis of quantitative and qualitative studies (via The Guardian e Richard Stallman)]

[Post publicado no Vias de Facto; podem comentar lá]