Thursday, May 31, 2012

O casamento homossexual e as mudanças no casamento heterossexual

How Straight Marriage’s Evolution Led to Obama’s Gay-Marriage Endorsement, por Stephanie Coontz (The Daily Beast):

 Over the past two decades, and particularly in the last three years, we’ve seen a sea change in public opinion. In the mid-’90s, almost 70 percent of Americans opposed same-sex marriage. Now, according to a Gallup poll published last week, half of Americans believe that same-sex marriages should be legally recognized as valid, with the same rights as traditional marriages. The Pew Research Center reports slightly lower numbers, but also shows more Americans supporting same-sex marriage than opposing it. (...)

These changes in sentiment are not just about “tolerance.” They reflect a historic transformation in what heterosexuals expect from their own marriages.

For millennia, marriage was about property and power rather than mutual attraction. It was a way of forging political alliances, sealing business deals, and expanding the family labor force. For many people, marriage was an unavoidable duty. For others, it was a privilege, not a right. Servants, slaves, and paupers were often forbidden to wed, and even among the rich, families sometimes sent a younger child to a nunnery or monastery rather than allow them to marry and break up the family’s landholding.
The redefinition of traditional marriage began about 250 years ago, when Westerners began to allow young people to choose their partners on the basis of love rather than having their marriages arranged to suit the interests of their parents. Then, just 100 years ago, courts and public opinion began to extend that right even to marriages that parents and society disapproved.(...)

[T]he most important cultural change that has increased support for same-sex marriage is the equality revolution within heterosexual marriage.

For most of history, the subordination of wives to husbands was enforced by law and custom. As late as the 1960s, American legal codes assigned differing marital rights and obligations by gender. The husband was legally responsible for supporting the family financially, but he also got to decide what constituted an adequate level of support, how to dispose of family property, and where the family would live. The wife was legally responsible for providing services in and around the home, but she had no comparable rights to such services. (...)

Between the 1970s and 1990s, however, most Americans came to view marriage as a relationship between two individuals who were free to organize their partnership on the basis of personal inclination rather than preassigned gender roles. Legal codes were rewritten to be gender neutral, and men’s and women’s activities both at home and work began to converge.

Today, the majority of American children grow up in homes where their parents share breadwinning, housework, and child care. Some couples even decide to reverse traditional gender roles, with the woman becoming the primary breadwinner or the man becoming a stay-at-home dad.

The collapse of rigid gender expectations and norms has fostered the expectation that marriage should be an individually negotiated relationship between equals, replacing the older notion of marriage as a prefabricated institution where traditional roles and rules must be obeyed.

The result is a paradox. Marriage is now more optional than in the past, and people are far less willing to remain in a marriage that doesn’t feel fair, loving, and mutually respectful. On the other hand, as a result of these changes, many marriages have become more fulfilling and mutually beneficial than ever before.

Domestic violence rates have plummeted over the past 30 years, dropping by 50 percent since 1980. The divorce rate, which rose sharply in the 1960s and 1970s, has been falling since its peak in 1981, and it has fallen the most for educated couples, who are the most likely to mix and match traditional gender behaviors.
The growing acceptance of same-sex marriage is the result of these profound changes in heterosexual marriage. It’s not just the president’s views on marriage that have evolved. Marriage itself has evolved in ways that make it harder to justify excluding same-sex couples from its benefits and obligations.

 [Via Jesse Walker / Reason]

Thursday, May 24, 2012


Eu resumo assim as crenças do keynesianismo:

 - A despesa cria o seu próprio rendimento
- O investimento cria a sua própria poupança
- A procura cria a sua própria produção

 Keynes como em muita coisa, falsificou o que os clássicos supostamente diziam, em especial, Say, que teria dito "a produção cria a sua própria procura", (coisa que não disse, mas que para mim nem está incorreta mesmo que assim formulado). O que Say explicou é que a produção de um qualquer bem vai servir como procura para trocar por outro bem. Nada que possa ser objectado. Podem sim existir rácios (preços) propostos não aceites (o vendedor não aceita em troca o produto produzido no rácio proposto), mas o sistema de lucro e perdas faz o ajustamento. O que interfere com esse processo é a moeda, o crédito e o sistema bancário. Desde há séculos que o mal subsiste. Nada de novo. Tudo reside na expansão de crédito por criação de moeda em vez de mobilização de poupança anterior e voluntária. Nada interessante para banqueiros nem para o poder político...nem economistas dependentes de ambos.

 PS: a esquerda não ganha nada em estar assente em erros económicos. Qualquer política de redistribuição e regulação não precisa de estar assente nem em défices públicos, nem num sistema bancário suicida que favorece e incentiva a expansão de crédito sem poupança prévia - causa das bolhas e crises. Eu já procurei aqui expor que um sistema ultraortodoxo de ouro e 100% de reservas beneficia na verdade as pessoas comuns tornando-as independentes do sistema bancário e financeiro, prevenindo as bolhas e crises e impedindo que uma oligarquia tire partido das fontes de criação de moeda e crédito.

Uma solução para a crise do euro?

A Alemanha (em vez da Grécia ou Portugal) sair?

O poder explicativo dos economistas

Os modelos económicos permitem-nos prever que um dado evento vai acontecer e também, mais tarde, explicar de forma convincente porque é que afinal o evento não aconteceu.

Igualdade económica e social

 The equality paradox, por "Rick" (Flip Chart Fairy Tales):

It is certainly true that income inequality rose after the 1970s and, with a small dip in the 2000s, it has carried on increasing ever since. In financial terms, British people are more unequal now than they were in the 1960s. (...)

But that’s not the whole story. While all this was going on, the phenomenon known as political correctness took root. The term was invented by the American left but is now used pejoratively by the right as a catch-all for anything protects or advances the rights of women, minorities and other disadvantaged groups.(...)

 The Tory years also saw an increasing number of women in the workforce and in senior positions. No attempt was made by this right-wing government to roll back sex-discrimination and equal pay laws (it would have been a bit difficult, perhaps, with a women prime minister) and throughout the Eighties and Nineties the gender pay gap continued to reduce.

While all this was going on, the decline of deference which had gathered pace during the 1960s, continued. If anything, the anti-establishment rhetoric of the Thatcher years boosted it. Spitting Image took the rise out of everybody from politicians to the royal family and, over time, Britain became a less formal and, at least outwardly, less hierarchical society. (...)

The decline of deference also changed things in the workplace. Shortly after I first joined the corporate world in the 1980s, I remember hearing a middle manager call one of the directors Sir, like Jerry did in the Good Life. Even in the early 1990s I worked with people who could not bring themselves to call directors by their first names. Nowadays directors sit in glass offices, or even in the open plan with everyone else, and we are all on first-name terms. Graduate trainees challenge the CEO in open meetings and email their unsolicited suggestions to senior managers. Hierarchy, at least in its formal sense, has been eroded.

And yet the gap in earnings between senior executives and the rest of the workforce is much greater now than it was in the 1970s. It seems that, over the past few decades, the closer people sat to their bosses, the further apart their salaries moved. Furthermore, a greater part of the workforce is casual and non-union than it was in the 1970s.(...)

So the paradox of the last thirty years extends into the workplace too. Formal hierarchies have broken down and we are expected to treat each other as equals now, regardless of social background, race, gender or sexual orientation. The Sir of the 1970s is now plain old Dave. But Dave earns a hell of a lot more than everyone else.
Talvez relacionado com isto, também o artigo Nostalgianomics, de Brink Lindsay, na Reason, onde este argumenta que o crescimento da desigualdade económica nos EUA será o resultado de mudanças sociais e culturais que foram largamente impulsionadas pela esquerda (mais abertura à imigração - aumentando a quantidade de trabalhadores pouco qualificados; maior participação das mulheres do mercado de trabalho - duplicando o rendimento de muitas famílias da classe alta em que antigamente a esposa ficaria em casa; a erosão do espírito do "homem da organização" de fato cinzento, que faz o que lhe mandam sem fazer ondas - reduzindo a lealdade dos executivos à empresa onde trabalham e tornando mais intensa a competição entre as empresas pelos "melhores").

Dois comentários meus:

Suspeito que as reivindicações de igualdade económica são largamente uma "proxy" para reivindicações de igualdade de poder e/ou status (e tenho um ou dois post enterrados nos rascunhos dedicados especificamente a isso): quando muita gente reclama que alguém ganha muito mais que eles, frequentemente a verdadeira razão de queixa é o estarem socialmente submetidos a esse alguém, não a diferença de rendimento - veja-se que o grupo social que é mais vítima da acusação de que "ganham muito" são os gestores (raramente são dirigidas criticas dessas a futebolistas ou a artistas de Hollywood), e que trabalhadores assalariados tendem mais a ser "de esquerda" do que trabalhadores por conta própria com o mesmo nível de rendimento.

Assim, é possivel que o crescimento da igualdade "social" possa levar a mais desigualdade económica - já que numa sociedade em que há maior igualdade de estatuto e menos deferência pelas hierarquias haverá menos reivindicações de redistribuição da riqueza (algumas das teorias explicativas de nunca ter havido um partido socialista influente nos EUA andam à volta disso - a inexistência nos EUA de uma cultura de "respeito pelos superiores", à maneira europeia, terá feito com que os operários norte-americanos não sentissem grande revolta contra o sistema).

Outra ponto que me ocorre é que uma economia assente nos "produtos imateriais", no "conhecimento", etc., pode favorecer ao mesmo tempo a igualdade social e a desigualdade económica:

- numa economia em que o trabalho de grande parte dos trabalhadores ande à volta de "pensar", a hierarquia não pode ser muito rígida/formal: afinal, se a função do trabalhador é "ter ideias", isso implica debater com os seus superiores hierárquicos qual a melhor maneira de fazer as coisas (em vez de simplesmente "executar")

- por outro lado, se grande parte do trabalho" consiste em "pensar", isso tende a gerar grandes economia de escala, podendo chegar ao ponto de mercados winner-take-all: como desenhar um modelo de uma máquina fotográfica custa o mesmo quer se vá produzir 100 ou 100.000 unidades, as empresas que conseguem vender mais têm muito menos custos unitários (veja-se como nos produtos da internet - que tendem a ser produtos em que os custos quase se resumem ao desenvolvimento técnico - há tendencia a surgir uma "marca dominante": o Google nos motores de busca, o Facebook nas redes sociais, a Wikipedia nas enciclopédias, etc. - diga-se que os browsers - onde o Chrome, o Firefox e o Internet Explorer têm mantido o equilíbrio - parecem ser uma excepção a esta regra). Ora, em mercados em que a empresa melhor sucedida tende a ficar com quase tudo e "o segundo é apenas o primeiro dos derrotados" (há uns 15 anos havia umas t-shirts a dizer isto), a competição tende a ser mais aguerrida (é mais um jogo de "vida ou morte"), o que pode levar a uma maior desigualdade salarial.

Sunday, May 20, 2012

O programa de Jean-Claude Trichet para a Europa

Ex-ECB Chief Trichet Unveils Bold Plan to Save Euro (CNBC/Reuters):

 Europe could strengthen its monetary union by giving European politicians the power to declare a sovereign state bankrupt and take over its fiscal policy, the former head of the European Central Bank said on Thursday in unveiling a bold proposal to salvage the euro. (...)

 The monetary union has always defied economic principles, because the euro was launched ahead of European fiscal or political union. This has caused strains for countries running huge budget deficits - namely Greece, Portugal, Ireland, Spain and Italy - that have led to financing difficulties and over-stretched banking systems.

For the European Union, a fully fledged United States of Europe where nation states cede a large chunk of fiscal authority to the federal government appears politically unpalatable, Trichet said.  

An alternative is to activate the EU federal powers only in exceptional circumstances when a country's budgetary policies threaten the broader monetary union, he said.  

"Federation by exception seems to me not only necessary to make sure we have a solid Economic and Monetary Union, but it might also fit with the very nature of Europe in the long run. I don't think we will have a big (centralized) EU budget," Trichet said in a speech before the Peterson Institute of International Economics here.  

"It is a quantum leap of governance, which I trust is necessary for the next step of European integration," he said.  (...)

Trichet said the building blocks already are in place for moving ahead with his fiscal plan.  

Countries have agreed to surveillance of each other's budgets and they have agreed to levy fines on countries that run excessive budget deficits, giving them fiscal oversight authority.  

The next step would be to take a country into receivership when its political leaders or its parliament cannot implement sound budgetary policies approved by the EU. The action would have democratic accountability if it were approved by the European Council of EU heads of states and the elected European Parliament, he said.  

The idea earned a warm reception from leading economists and prominent Europeans attending the session. 
"It is a very radical proposal, couched as a modest step," said Richard Cooper, international economist at Harvard.  

Caio Koch Weser, former German economics minister, said he found it "very attractive" because it addresses the problem of a strong European Central Bank, a weak European Commission which acts as the EU's executive branch, and a confused European Council, which provides political leadership.  
Aparentemente, a ideia de Trichet é dar ao Parlamento Europeu e ao Conselho Europeu (aquela reunião - normalmente de 6 em 6 meses - entre o presidente de França e os primeiros-ministros dos outros países da UE) poder para assumir a gestão das finanças de algum país-membro se o acharem necessário. Ele diz que isso é "democrático"; mas será?

Para mim, os habitantes de cada país (ou, pelo menos, os seus representantes) decidirem a politica económica de cada país é (relativamente) democrático; o conjunto dos habitantes da UE (ou, pelo menos, os seus representantes) decidirem a politica económica do conjunto da UE também seria (relativamente) democrático; já não me parece que fosse "democrático" a politica económica de algum (ou alguns) país(es) especifico(s) ser decidida por órgãos supostamente representativos do conjunto dos habitantes da UE - mesmo que aceitássemos que o Conselho Europeu e o PE são efectivamente representativos dos povos da UE (o que já de sí é duvidoso), estaria-se a violar o principio do governo exercido pelos governados, já que os "governados" seriam os cidadãos do países A, B e C e o "governo" seriam os representantes dos cidadãos dos países A, B, C, D, E, F...

[Post publicado no Vias de Facto; podem comentar lá]

Friday, May 18, 2012

Um movimento a seguir com atenção

Manifesto of the Pirate Party of Germany: English Version

Translated by: Emal Ghamsharik and Julia Reda April 10th 2012 
website: Piratenpartei Deutschland
Agreed on at the founding Meeting on September 10th 2006 in Berlin. The Chapter „Education“ was added at the federal party conference 2009 on 5.7.2009 in Hamburg. The chapters „Risking more democracy“ and „Free, democratically controlled technical infrastructure“ were were added at 16.5.2010 in Bingen, the Section „Equality of Software“ was removed there. The Resolutions of the second federal party conference 2010 on 20./21. November 2010 in Chemnitz were added as well. The Chapters „For more diversity“ (originally separated in different single petitions), „Drug Policy“, „Addiction Policy“, the Subchapter „Open Contracts with Businesses“, the extension of the Chapter „Open Access to public Content“ and the Chapter „Abolishment of compulsory membership in chambers and associations (excepting associations for lawyers, notaries and physicians)“ were agreed upon on December 3th/4th 2011 at the federal party conference in Offenbach.


[Os links para os vários pontos do manifesto não estavam a funcionar mas agora já estão]

A pirataria estimula a venda de música?

Um professor da Universidade da Carolina do Norte acha que sim:

Profit Leak? Pre-Release File Sharing and the Music Industry, por Robert G. Hammond.


It is intuitive that the potential for buyers to obtain a good without remuneration can harm the producer of the good. I test if this holds empirically in the music industry using data from an exclusive file-sharing website that allows users to share music files using the BitTorrent protocol. These are the most reliable file-sharing data available because they are from a private tracker, which is an invitation-only file-sharing network. The number of downloads is endogenous due to unobserved album quality, leading me to use an instrumental variable approach. In particular, I exploit exogenous variation in the availability of sound recordings in file-sharing networks to isolate the causal effect of file sharing of an album on its sales. The results strongly suggest that an album benefits from increased file sharing: an album that became available in file-sharing networks one month earlier would sell 60 additional units. This increase is sales is small relative to other factors that have been found to affect album sales. I conclude with an investigation of the distributional effects of file sharing on sales and find that file sharing benefits more established and popular artists but not newer and smaller artists. These results are consistent with recent trends in the music industry.
[Via Exame Informática, Boy Genious Report e TorrentFreak]

Os gregos querem mesmo ficar no euro?

Têm sido frequentemente referidas sondagens inidcando que cerca de 80% dos gregos querem permanecer no euro. Mas é mesmo isso que as sondagens indicam?

De acordo com esta sondagem, a opinião dos gregos será (tradução do Keep Talking Greece):

54% say “stay in Euro with sacrifices up to a certain extend, otherwise back to drachma”

34% say “Euro at any cost”

7% say “return to Drachma now”

5% say “Don’t know/Don’t answer”
Pode ser lido como "quase 90% dos gregos querem ficar no euro", mas há outras leituras possíveis.

O que é mais importante: movimentos sociais ou governantes?

The Strength of a Movement Is More Important Than the Warmth of a President's Heart, por Jesse Walker (Reason Hit and Run):

As I've said more than once, I'm less interested in electing officials who agree with me than in building movements that can pressure officials who don't agree with me. From January 2009 til yesterday, the president of the United States almost certainly agreed with the supporters of gay marriage but he wasn't willing to say so in public, thanks to the potential pressure to be felt from the other side. Then gay-rights activists organized some pressure of their own, and they got results.

(...) It isn't a big victory. But it's a victory, and it's a lesson in how victories are often achieved -- one that activists around other issues, such as the drug war, can learn from. At any rate, with gay marriage the most important battleground has always been the culture, not the government.

Tuesday, May 15, 2012

Mercado de Justiça Small Claims Court on the Internet Easily resolve disputes within days Why you'll love using Easily resolve disputes within days Our online arbitration system allows you to submit your testimony from anywhere, anytime, from any device you want. Our arbitrators will guide you through the entire email arbitration hearing. Within days, you can have a solution for all kinds of commercial and personal conflicts. Pricing like it should be Our fixed price is $149.5 per party, for a total of 299 USD. No case filing fees, no administration fees, no hearing fees, no case transcript fees, no hidden costs: You only pay once for the entire arbitration. We accept Visa, MasterCard, American Express, Discover and Paypal. No legal mumbo jumbo Our internet arbitration is "ex aequo et bono" , which means our arbitrators act "from equity and conscience". Without legal loopholes to exploit, there is no need to hire an expensive lawyer. Just defend yourself using our arbitration hearing tips.

Monday, May 14, 2012

Friday, May 11, 2012

Estes 147 também são de ver

Ron Paul on Gay Marriage: None of the State's Business

Retirem a figura do código civil e acabam-se as discussões sobre o que é ou deixa de ser. E digo isto do ponto de vista conservador social. Quem quiser que faça a cerimónia e o contrato civil (ou não) que quiser e chame-lhe casamento. A seu tempo os casamentos religiosos (acompanhados quem sabe de um dado contrato civil tipo) acabam a ser os únicos com credibilidade para tal relação ser denominada de casamento. Quem achar que não é uma boa previsão que se explique. Divórcio? Passa a ser uma questão exclusivamente de direito contratual(se for o caso).

Thursday, May 10, 2012

Preços concertados

A maneira mais eficaz de uma indústria tentar concertar preços e ter a certeza uma razoável certeza que são cumpridos (aquilo que falha sempre nas tentativas de concertação) é o legislador obrigar as empresas a fixar os preços publicamente, o que permite a cada um ver o preço do outro... e depois obrigar a cumpri-los. Coisa que nem a única concertação relativamente menos mal sucedida  - e entre Estados via OPEP - consegue.

Assim - é melhor não legislar sobre preços, e a outra medida, claro, é ter a certeza que não existem barreiras à entrada de novas empresas.

Quanto a fixar preços - é o caminho mais directo para se começarem a dar problemas na oferta. E determinados preços vão subir noutro ponto qualquer.

Antiwar Is the Health of the Anti-State Movement

Lee Wrights for president at the Libertarian Party's National Convention:

"Drowning people in fear is the key to power. But we also learned five years ago that antiwar is the health of the anti-state movement. And even if we do nothing other than end ALL the wars, real as well as metaphorical, we will be well on our way to a free society.(...)

War is such a useful concept to politicians that they declare wars on everything. The war on terror, the war on drugs, the war on ignorance, the war on poverty, the war on pornography, and even the war on trans-fats. You see, we can’t afford to respect life, liberty and property…WE’RE AT WAR."

Wednesday, May 09, 2012

Congelar o preço dos combustíveis?

O círculo A pretende representar o conjunto das pessoas que acham que devemos reduzir o consumo de combustíveis fósseis; o circulo B o conjunto de pessoas que querem congelar o preço dos combustíveis, nomeadamente da gasolina; a área C serão as pessoas (haverá muitas?) que pertencem aos dois conjuntos.

Nota: as dimensões de cada círculo e da área comum não pretendem (nem deixam de pretender) ser demograficamente realistas.

O Synaspismos grego

Um estudo académico [PDF] sobre a história e evolução do Synaspismos grego, a principal componente da coligação SYRIZA.

Já está um pouco desactualizado - a "ala renovadora" referida nas últimas páginas actualmente constituiu outro partido, a Esquerda Democrática.

O pirata Morgan

O Capitão Morgan está a ser processado por pirataria - não, o processo não tem a ver com o saque de Porto Bello em 1668, nem com o de Cartagena em 1669.

É mesmo a companhia que produz a bebida Captain Morgan Rum que é acusada de estar a copiar o design das embalagens de outra bebida.

Monday, May 07, 2012

A esquerda, a direita e as grandes superficies

Parte da explicação para isto pode estar no que talvez seja, tanto à "esquerda" como à "direita", uma contradição entre o "povo" e os "intelectuais" de cada área.

Numa maneira geral, penso que os "intelectuais", bloggers e afins da direita tendem a ser favoráveis às grandes superficies, a promoções, ao "mercado a funcionar", etc., enquanto os da esquerda tendem a ser mais críticos.

Mas vamos ver as coisas de outra maneira - quais são os interesses dos eleitores respectivos?

Primeiro, vou aventar uma hipotese (bastante discutível) sobre quais são os grupos sociais significativos que apoiam cada área política:

Apoiantes tradicionais da esquerda:

- trabalhadores "subalternos" (tanto a nível de rendimento como de função) das grandes empresas

Apoiantes tradicionais da direita:

- pequenos e médios empresários

Eleitores flutuantes tradicionais:

- trabalhadores das pequenas e médias empresas
- quadros intermédios das grandes empresas

Esta dimensão social pode ser complementada com uma dimensão geográfica - mantendo o resto igual, quanto mais rural mais de direita, quanto mais urbano mais de esquerda.

Poderão perguntar "Faltam os artistas e intelectuais, à esquerda! E os grandes empresários, gestores e bloggers liberais, à direita!". Mas lembrem-se do "significativos" à frente de "grupos sociais" - esses grupos não têm importância demográfica.

Agora, o ponto onde eu quero chegar - quais são os grupos mais beneficiados pelas grandes superficies, nomeadamente quando estas fazem promoções? E quais são os grupos que beneficiam menos, ou que até são prejudicados?

"When I have 5 minutes and 20 seconds to spare, I watch this"

Eleições gregas - curiosidades

O SYRIZA ganha na Ática (a "Grande Atenas") e penso ter o seu melhor resultado no Pireu (na "Antiguidade Clássica" o porto da cidade-estado de Atenas e penso que actualmente o principal porto da Grécia). Já os melhores resultados dos neo-nazis do Chris Avgi foram em Corinto e "Esparta".

Que forma poderia hoje assumir um perdão universal?

Solução: conversão das dívidas e créditos em propriedade e capital e no lado monetário, a dívida pública e operações com bancos centrais em moeda.

- os fornecedores passariam a accionistas das empresas
- as empresas passariam a accionistas de outras empresas-clientes
- os bancos passariam a accionistas das empresas devedoras
- os fundos de obrigações e outros similares passariam a fundos de acções (dado que as obrigações passariam a acções)
- os bancos passariam a proprietários das casas (no crédito à habitação) na quota parte do capital em divida.
- os depositantes e outros credores dos bancos passavam a accionistas dos bancos, na parte não coberta por reservas de moeda e/ou dívida pública (que passaria a moeda, ver ponto seguinte)

Problemas para resolver: os depósitos (hoje em dia, crédito aos bancos) a moeda e a dívida pública e ainda o balanço dos bancos centrais. A via consistente teria de ser:

- a dívida pública passaria a moeda
- os depositantes (crédito aos bancos) e outros credores dos bancos passavam a accionistas dos bancos na parte dos depósitos não cobertos por reservas de moeda e/ou dívida pública

Falta o banco central.

- para além da dívida pública (no activo dos bancos centrais) passar a moeda, passaria, também as operações de financiamento pelo banco central aos bancos, assim, o passivo dos bancos ao banco central passariam a depósitos nos bancos centrais. Isto faria com que o sistema se transforma-se num de 100% de reservas, e assim poderia e deveria depois continuar.

PS: acho perigoso estar a dar ideia, mas por outro, fica bem expresso a confusão conceptual da moeda sob a forma de depósito constituir crédito aos bancos. 

PS2: nunca apoiaria este plano, algo mais ou menos equivalente e para melhor se conseguiria mantendo a validade dos contratos: processos de falência e liquidação (transferência de propriedade) ocorrerem de forma rápida, incluindo bancos e a sua liquidação entre  credores (que inclui os depositantes). É assim que as dívidas desaparecem realocando-se os processos produtivos em novas estruturas de capital com muito menor recursos a crédito e custos de financiamento.

PS3: Pode estar a escapar-me alguma coisa, mas ainda poderei voltar ao assunto. Acho que se percebe a ideia. Isto ocorreu-me com um twitt do Rui Tavares a recordar que em alguns pontos da antiguidade tal coisa parece ter ocorrido.

Sunday, May 06, 2012

A outra eleição de amanhã

Não, não falo da Grécia nem da França; falo da Sérvia.

Não tem havido muita informação sobre estas eleições (se já estivessem na UE, provavelmente falaria-se mais) - além do artigo da wikipedia, a única coisa que se arranja (ou que eu arranjo) é este artigo, An April 2012 guide to Serbian Politics, do liberal nacionalista Nebojsa Malic ("Gray Falcon"), a ler tendo em atenção o "bias" político do autor (embora, claro, o mesmo possa ser dito de qualquer artigo de qualquer pessoa).

Saturday, May 05, 2012

Ainda sobre promoções (na categoria "ideias retorcidas demais para serem verdade")

Num ambiente de aparente guerra de preços entre as grandes superfícies, uma cadeia que se notabilizou pela oposição a promoções faz uma promoção num dia e em condições que chocam muita gente, levando o governo a equacionar novas leis restringido a possibilidade de fazer promoções.

[Pensei nisto lendo este post de Luis Aguiar-Conraria e a discussão subsequente]

 Ou será que isto é resultado de eu andar a ver episódios do Prison Break todos os dias (quem conheça a série percebe o que quero dizer)?

Sugestão adicional de leitura (não muito séria): Batman Gambit (TV Tropes)

Friday, May 04, 2012

Sobre promoções

Eu estava a pensar escrever um post que iria começar assim:

Não tenho nada contra promoções - na verdade, o meu ciclo de compras mensal é planeado com rigor quase científico a fim de maximizar os descontos conjugados do Continente, da GALP e da EDP (exemplo - hoje a minha despesa no supermercado foi paga em parte com o talão da EDP Continente que chegou ontem no correio e mais com um talão da GALP que acabava a validade no próximo domingo; e ainda comprei 3 quilos e trezentas de maçãs com um desconto de 75%; e há uns dias fui mesmo à bomba da GALP perguntar que promoções é que havia em Maio e a que dias). Também não tenho grandes objecções ao dumping - afinal, a Google Inc. cobra-me, para alojar os blogues onde escrevo, 100% abaixo do custo dos chips de silicio onde estão armazenados os bits deste post. Mas...
Entretanto, o Filipe Mouraescreveu tudo o que eu estava a pensar em dizer.

[Post publicado no Vias de Facto; podem comentar lá]

O professor de climatologia na USP Ricardo Augusto Felício

"O professor de climatologia na USP Ricardo Augusto Felício fez doutorado sobre a Antártida e afirma com todas as letras: “o aquecimento global é uma mentira”. Segundo ele, não existem provas científicas desse fenômeno.
Ricardo Augusto Felício comentou que o nível do mar não está aumentando e que o gelo derrete sim, mas depois volta a congelar, porque esse é o seu ciclo. O professor lembrou ainda que o El Niño, um fenômeno natural, faz esse nível variar cerca de meio metro.
“O nível do mar continua no mesmo lugar. Primeiro se fosse derreter alguma coisa, teria que ser a Antártida, mas para derretê-la você tem que ter na Terra uma temperatura uns vinte ou trinta graus mais elevados”, explicou o professor.
Ricardo também afirmou que o efeito estufa é uma física impossível e que a camada de ozônio é uma coisa que não existe. O professor ainda respondeu perguntas da plateia como se a Amazônia é o pulmão do mundo e se a garoa característica de São Paulo está diminuindo."

Re: Moedas competitivas e politica económica

Num sistema competitivo de moedas, o ouro e em menor dimensão a prata acabariam a prevalecer, como de resto prevaleceram antes do ouro ser expropriado e o seu uso como meio de troca ilegalizado.

Motivo? a quantidade total disponível a cada momento é a mais estável que se conhece, estando assim livre das decisões de um emissor poder emitir uma dada moeda, em especial a capacidade de emitir moeda a custo zero, criando capacidade de aquisição "virtual" baseado na perda de poder de compra dos actuais detentores, beneficiando quem primeiro utiliza essa nova quantidade.

A razão de vez em quando me referido ao que chamo de deflação benigna é para tentar demonstrar que não existe benefício na inflação em si, único argumento para os inflacionistas poderem argumentar algo do tipo:

- sim, em livre escolha o ouro seria o meio escolhido mas isso seria mau porque provocaria deflação.

Outro argumento é a emissão de moeda poder obviar a crises, mas este é circular, é a expansão de crédito por emissão de moeda que fomenta a tal financeirização excessiva apontada por alguma esquerda. Os bancos criam crédito fomentado uma bolha e ao mesmo tempo colocando os seus depósitos de clientes em risco de liquidez dado que deixam de possuir a cobertura imediata para retiradas. Com a chegada da crise a insustentabilidade da estrutura de produção, investimento e consumo e a insolvabilidade dos bancos é revelada.

Existiria alguma forma de alguma moeda ser escolhida por causa da possibilidade da sua expansão? Não creio de todo. A moeda como meio de troca tende a ser única e a afastar qualquer outra dado que a tendência será para escolher o meio mais líquido e estável e não o segundo ou terceiro. A ser tempo, qualquer meio de troca proposto cuja quantidade pode ser objecto dos caprichos ou ainda que de gestão bem intencionada será preterido por um que não o é.

Tuesday, May 01, 2012

O "Tea Party" e a privacidade na Internet

CISPA Passes The House With Tea Party Support (Forbes):

CISPA, or the Cybersecurity Intelligence Sharing And Protection Act, passed the House yesterday. The bill is full of problematic intrusions into individual privacy and online liberty, and yet those members of the House who associate themselves with limited government were largely responsible for its passage.

“The complete roll call shows 206 Republicans voting for the bill, 28 against,” writes reason’s Tim Cavanaugh. “Democrats went 42 to 140 in the opposite direction.”

Of these Republicans, “47 of the 66 members of the House Tea Party Caucus” also supported the bill, notes Patrick Cahalan.

“For those tricky with the math,” Cahalan continues, “this means 88% of the overall GOP members (casting a vote) voted yea, 23% of the Dems (casting a vote) voted yea, and 71% of the Tea Party (casting a vote) voted yea (Paul and Pence didn’t cast a vote).”

Worse still, the bill underwent some last minute changes, which may have made CISPA even worse than in previous iterations.

TechDirt’s Leigh Breadon points out that under the final version of CISPA the, “government would be able to search information it collects under CISPA for the purposes of investigating American citizens with complete immunity from all privacy protections as long as they can claim someone committed a “cybersecurity crime”. Basically it says the 4th Amendment does not apply online, at all.”

One important thing to glean from this, especially when held up in contrast with the defeat of SOPA and PIPA, two bills aimed at combating online piracy, is that once you tack the word “security” onto a bill it becomes far more toxic to oppose.

The Tea Party may be the small government wing of the Republican Party, but when it comes to national security suddenly limiting the state becomes far less critical. If SOPA had been billed as a cybersecurity law, it may have found a great deal more support in congress, and had a better time resisting internet backlash. For opponents of anti-piracy laws, this is an important thing to bear in mind.

[Via LewRockwell]

Moedas competitivas e politica económica

Pelos vistos, segundo o resumo da Business Insider, a possibilidade de haver várias moedas em competição foi um dos temas abordados no debate Paul vs. Paul (Ron a favor, Krugman contra).

A isso inspira-me a repescar o que escrevi aqui (e que, até certo ponto, retomei aqui) sobre como, num sistema com várias moedas concorrentes, seria possível (a quem o quisesse) por em prática uma "politica expansionista" por simples cooperação voluntária, sem intervenção do Estado:

Vamos à questão da reduzida massa monetária. Esse problema pode ser resolvido(?) pelo sistema de um grupo de pessoas se associar, imprimirem uns papelinhos a dizer "Vale 10 euros" (ou inventarem uma designação própria) e comprometerem-se a aceitá-los como pagamento.

Ou então nem precisam de ter uma moeda física: podem simplesmente criar um sistema contabilístico, em que começam todos com um saldo de zero euros, e quando eu compro alguma coisa ao Fernando no valor de 100 euros, passo a ter um saldo de -100 euros e ele um saldo de +100, sem nenhum dinheiro físico mudar de mãos. Se, p.ex., as regras do sistema permitirem aos membros chegarem a um saldo negativo de 500 euros, isso equivale na prática a um aumento da quantidade de moeda em circulação no valor de 500 euros por sócio (bem, não totalmente, já que essa moeda só serve para pagamentos entre os sócios).

O que eu estou a descrever não é nenhuma invenção - mais não é que um LETS, um sistema usado em muitos sítios.

A esse respeito (LETS, "moedas locais", etc.), o economista liberal (penso que versão Chicago, não Viena ou Auburn) Tyler Cowen escreveu há uns tempos:
I am more positively inclined than is Tim. First, local currencies blossom when the nominal money supply is too low and wages and prices are sticky downwards. A boost in the real money supply is needed and the private sector will do it -- albeit at high transactions costs -- even if the government will not. That's why so many of these local currencies blossomed in the 1930s but then disappeared. They did good but then they were stamped out or ceased to be necessary.
E, na actualidade, creio que essas moedas locais têm aparecido exactamente em épocas de depressão económica. A que é talvez a mais famosa de todas - o "hour" da cidade norte-americana de Ithaca - apareceu durante aquela recessão do principio dos anos 90 (a que fez o Bush pai perder as eleições). Também o WIR suiço (uma espécie de banco cooperativo cujo funcionamento faz lembrar vagamente o LETS) apareceu numa crise económica, a dos anos 30.

Bem, já temos uma maneira de aumentar a moeda em circulação sem intervenção do Estado. Mas, e quando já estamos na tal "armadilha da liquidez", em que um aumento da moeda em circulação apenas origina um aumento da moeda que os agentes entesouram?

Aí, penso que também há uma solução (que já foi posta em prática nalguns sítios): é as "notas" emitidas pela associação/cooperativa/o-que-lhe-queiramos-chamar serem impressas dizendo "esta nota só é válida até dia 31/05/2010". A partir dessa data, os membros da associação já não aceitariam essas notas como pagamento, e elas teriam que ser trocadas por notas novas, com desconto. Assim, quem as recebesse teria um incentivo para as gastar (no fundo, algo parecido com o modelo aqui proposto). Creio que os "créditos" argentinos funcionavam assim, embora não consiga encontrar nenhuma referencia.

Assim, se vivêssemos numa sociedade sem uma moeda oficial, talvez fosse possivel aos keynesianos organizarem-se em cooperativas de crédito mútuo (ou seja, bancos centrais descentralizados, passe o paradoxo) e os "austríacos" usarem as notas de bancos com reservas de ouro a 100%, e com o tempo talvez se visse qual seria o sistema que funcionaria melhor.