Monday, May 31, 2010

Ainda sobre Dennis Hopper

Há primeira vista, muitos dos filmes que Hopper interpretou parecem em contradição com as suas posições politicas na vida real

No entanto, há um forte caso a favor de, nomeadamente, Easy Rider, ser um filme conservador (contra a opinião de muitos conservadores americanos...)- ver, p.ex., They Blew It: The Secret of "Easy Rider", ou esta passagem de Bill Kauffman:

I don't really have to convince you that Easy Rider is a reactionary picture, do I? The only characters that are depicted as unqualifiably virtuous are the homesteading family, living on their own acreage, raising their own food, teaching their own young... The only American Dream worth the snores is based in liberty and a community- (or family-) oriented independence, which the filmakers associate with the country's founders. Dennis Hopper (an admittedly unorthodox Kansas Reoublican) and Peter Fonda (a gun-loving libertarian) did not make a movie glorifying tripping hippies and condemning the southern gun culture; rather, as an exasperated Fonda explained, "My movie is about the lack of freedom. My heroes are not right, they're wrong. Liberty's become a whore, and we're all taking the easy ride."

I go on about what I am sure is now a ludicrously unfashionable movie because Easy Rider was groping toward a truth that might have set America free. The hippies and the small-town southerners gathered in the diner; the small farmers and the shaggy communards: they were on the same side. The side of liberty, of locally based community, of independence from the war machine, the welfare state, the bureaucratic prison whose wardens were McNamara, Rockefeller, Bundy, and the wise men and wealthy men who had never grasped Paul Goodman's point─or perhaps they had grasped it all too well, and wrestled it into submission─that "[i]t is only the anarchists who are really conservative, for they want to conserve sun and space, animal nature, primary community, experimenting inquiry.
E, já agora, mais este texto - Dennis Hopper, the reactionary radical, por Daniel McCarthy (um "paleoconservador" norte-americano).

Sunday, May 30, 2010

Dennis Hopper

O típico Republicano conservador.

Sunday, May 23, 2010

Krugman, o "libertarianism" e os derrames de petróleo (II)

Em resposta às criticas que lhe foram feitas a propósito deste artigo, Krugman responde:

I pointed out that the libertarian alternative to regulation — just use tort law to make people pay for the damage they cause — doesn’t work in practice, because when push comes to shove politicians will shield the rich and powerful from paying the real cost. Commenters say, but isn’t that an equally strong reason to believe that regulation won’t work either?

Well, here’s the thing: regulation demonstrably does work where tort law doesn’t. Consider the environmental issue: in reality, the perpetrators of oil spills never pay most of the cost; but in reality, environmental regulation has led to much cleaner air and water. (Look up the history of Los Angeles smog or the fate of Lake Erie if you don’t believe me.)
Nesta resposta, Krugman parece-me estar a usar um double standard para avaliar dos méritos da regulação vs. indemnização - para considerar a solução "regulação" como boa, basta-lhe estar ter reduzido a poluição; mas como a solução "indemnização" não resolve completamente os problemas causados pela poluição, é má . Mas também se podia fazer o raciocínio exactamente inverso - afinal, o sistema de indemnizações também reduz bastante os problemas de poluição (se a BP e a Exxon não tivessem que pagar indemnizações de certeza que haveria muitos mais derrames de petróleo do que há); e o sistema de regulação também não resolve completamente os problemas (afinal, continua a haver poluição).
So why does regulation work? If polluters can buy off the system ex post, after a disaster, why don’t they manage to totally corrupt regulation ex ante? There’s a lot to say about that, and I’m sure there’s a literature I haven’t read. 
A impressão que me dá é que Krugman está a dizer que não sabe bem porque é que a regulação funciona (um resposta simples seria a de que talvez não funcione melhor que o sistema alternativo, apenas parecendo melhor devido ao tal double standard que o economista adoptou) .

Wednesday, May 19, 2010

Re: Rothbard e os derrames de petróleo

Considerar o texto de Rothbard à luz da sua defesa de uma prática jurídica de indemnizações/negociação com base no direito civil / direitos de propriedade, como por exemplo, uma fábrica emitir poluição sobre uma Vila, e tendo por base o princípio do "homesteading" da qualidade do ar, etc.

Tuesday, May 18, 2010

Sugestões de leitura

Freedom of speech must be defended, even for homophobes, no Harry's Place:

The Crown Prosecution Service (CPS) has dropped all charges against homophobic Christian street preacher, Dale McAlpine, shortly after gay rights campaigner Peter Tatchell offered to testify in defence of his right to free speech. (...)

Although I disagree with Dale McAlpine and support protests against his homophobic views, he should not have been arrested and charged. Criminalisation is a step too far." (...)

“Nearly everyone holds opinions that someone else might find offensive. If offending others is accepted as a basis for prosecution, most of the population of the UK would end up in court. (...)", said Mr Tatchell.
The Gifted Underachiever - Marching to a Different Drummer?:
My concern is with the common perception of underachievement when it occurs in a gifted population as a problem, a pathology, a situation to be altered. The literature does not address in any depth just WHY underachievement is perceived of as a problem. Phrases such as "not working to potential", "not fulfilling ones responsibility to society", or "wasting a life" abound, without specifying just what is meant by those phrases or without demonstrating how the import of the statements is applicable to the student or students so labeled. (...)

It has been my experience that these students are not particularly concerned about their underachievement except for the fact that it may make their parents and other significant people unhappy. They are concerned about their choices in life, their need to explore a variety of options regarding their lives and their ability to reconcile their current life experience with their perceptions of the future. They appear to have a strong need to determine their own futures. (...)

Different drummers produce different music. Marching to a different drummer may produce a different, more interesting, more exciting, more integrated person when that person is given the opportunity to complete the march
From Two States to One, por Ran HaCoehen, no
Critical Israelis – the last of the Mohicans – know that there are two Jewish states in the Land of Israel: the state of Israel, and the Occupied Territories. The former is rather democratic, the latter is a dictatorship. The former is ruled by a government and police who impose law and order, the latter is a Wild East ruled by the military and terrorized by settlers. A crime on this side of the Green Line is a patriotic deed beyond it.  (...)

But the right-wing Israeli governments – and all Israeli governments are right-wing or worse – have never liked this way of looking at things, symbolized by the Green Line. The Green Line makes the wrong impression: someone might err to think that the territory beyond it isn’t ours. So Israel, the older Jewish state, has been doing its best to erase the line.(...)

 But what is happening now is that the two Jewish states are turning into one not in the predicted way.

Saturday, May 15, 2010

Rothbard e os derrames de petróleo

A respeito do Exxon Valdez, Murray Rothbard escreveu Why Not Feel Sorry for Exxon?

To say that the oil spill has been blown up to hysterical dimensions is a grave understatement. Hysteria abounds everywhere, and everywhere the term "disaster" is freely used. Even Pat Buchanan, who of all the media commentators I thought would be most resistant to the wiles of environmentalism, used that term. (...)
Who suffered the loss of the oil spill? None other than the Exxon Corporation, which lost ten million gallons of crude oil; in addition to the $5 million this loss represents, Exxon will be forced to pay cleanup costs, as well as compensation to the economic losses incurred by the fishing industry in Alaska. And so the only loser is Exxon, suffering from the negligence of its allegedly drunken sea captain. So is everyone feeling sorry for Exxon, as I do? Hell no; to the contrary, Exxon has been reviled every day by virtually everyone in the media and in public life. Contrary to government when it commits an accident or similar "externality," Exxon, as a private corporation, must pay the costs it inflicts on others. 
Não é correcto considerar a Exxon como o único prejudicado pelo acidente - como o acidente do Exxon Valdez destruiu recursos mais valiosos do que as indemnizações que ela pagou, quer dizer que provocou prejuízos a terceiros; mas, qual é a minha base para dizer que os prejuzizos foram maiores que a comnpensação paga? Simpes - preferência revelada: se, como Rothbard escreve, havia uma grande indignação contra a Exxon, isso quer dizer que a maior parte das pessoas valorizava mais o ambiente natural do Alasca do que a indemnização que a companhia teve que pagar (se não fosse assim, muita gente iria "feel sorry for Exxon").
Note the difference between the berserker reaction to the Valdez oil spill, and the response to the last great oil spill in 1978, off the French coast, when the Amoco Cadiz let loose no less than 60 million gallons of crude oil into the Atlantic – the worst oil spill in history. There was no hysteria, no screaming headlines, no bellyaching on television. The courts quietly forced Amoco to pay $115 million to compensate for costs of the accident, and that was that. The reactions were different because, in the meantime, the virus of environmentalism has deeply infected our culture. Arguing on the basis of private firms paying the costs of liabilities they impose upon others is all very well, but, as we see in the smears against Exxon, it is not enough.
No fundo, isso apenas quer dizer que, devido à influência do ambientalismo (da mesma forma que montes de mudanças culturais alteraram o valor que damos a determinadas coisas), as pessoas passaram a valorizar mais "a Natureza", logo (aplicando a tal "Teoria Subjectiva do Valor" que imagino Rothbard fosse fã...) a Natureza passou a ser mais valiosa, logo há umas décadas a "opinião pública" contentaria-se com uma dada indemnização e actualmente, mesmo com a indemnização, considera que a empresa continua "em dívida". Bem, e depois? Como eu digo, isso pode ser visto como simplesmente uma alteração de preferências dos consumidores (é verdade que influenciada pela publicidade ambientalista, mas há tantas preferências influenciadas pela publicidade...)

Resumindo, poderemos considerar que (pelo menos do ponto de vista de quem considere o gosto pela natureza como uma simples preferência subjectiva) a indignação generalizada contra desastres ambientais (ou, pelo menos, contra desastres ambientais afectando bens do propriedade pública) é sempre justificada (justifica-se a sí própria!) - se o público (no fundo, o "proprietário" dos bens danificados) está indignado, quer dizer que valoriza/valorizava bastante esses bens, logo que dizer que o prejuízo causado é elevado; e, se , mesmo após o pagamento dos danos, a indignação continua, isso quer dizer que o pagamento não compensou os danos (afinal, se a indignação continua, isso quer dizer que a maior parte das pessoas continuariam a preferir a situação "ausência de acidente" à situação "acidente + indemnização paga", o que significa que acham que os prejuízos  - incluindo o prejuizo psicológico provocado, digamos, pela morte dos patos - foram maiores que a indemnização).

É claro que se poderá contra-argumentar que, então, uma ausência de indignação contra um desastre ambiental também será sempre justificada, seguindo exactamente o mesmo raciocínio; mas não é o caso, porque normalmente os ambientalistas não consideram a preservação da natureza como uma simples preferência subjectiva, logo um ambientalista pode achar que uma dada destruição ambiental é gravíssima mesmo que ninguém mais se preocupe com isso; e, já agora, em certos casos um ambientalista pode não se preocupar minimamente com uma situação que a opinião pública ache uma "tragédia ambiental" (esses casos devem ser bastante raros, mas ocorre-me um: a caça à baleia nas Ilhas Feróe - circulam pelo mundo e-mails indignados sobre essa caçada anual - suspeito que em parte por uma razão estética, já que as baleias são reunidas numa baía antes de serem mortas, e portanto o mar fica vermelho de sangue - mas muitas organizações ambientalistas não vêm problema nenhum nessa caçada, já que é uma espécie que não corre risco de extinção).

Krugman, o "libertarianism" e os derrames de petróleo

Paul Krugman escreve Why Libertarianism Doesn’t Work, Part N

Thinking about BP and the Gulf: in this old interview, Milton Friedman says that there’s no need for product safety regulation, because corporations know that if they do harm they’ll be sued.
Interviewer: So tort law takes care of a lot of this ..
Friedman: Absolutely, absolutely.
Meanwhile, in the real world:
In the wake of last month’s catastrophic Gulf Coast oil spill, Sen. Lisa Murkowski blocked a bill that would have raised the maximum liability for oil companies after a spill from a paltry $75 million to $10 billion. The Republican lawmaker said the bill, introduced by Sen. Robert Menendez (D-NJ), would have unfairly hurt smaller oil companies by raising the costs of oil production. The legislation is “not where we need to be right now” she said.
And don’t say that we just need better politicians. If libertarianism requires incorruptible politicians to work, it’s not serious.
Se há coisa que eu estou longe de ser é um "libertarian" à americana (ao contrário de um libertário à europeia), mas este argumento de Krugman não faz sentido nenhum: basicamente, ele está a dizer que a solução "libertarian" não funciona porque... o Estado (através de uma lei) limita a responsabilidade das companhias petrolíferas???

Quanto há conversa que "don’t say that we just need better politicians. If libertarianism requires incorruptible politicians to work, it’s not serious", recordo o que Krugman escreveu na sua coluna bi-semanal no NYT:
Yet there is a common thread running through Katrina and the gulf spill — namely, the collapse in government competence and effectiveness that took place during the Bush years. (...)

For the Bush administration was, to a large degree, run by and for the extractive industries — and I’m not just talking about Dick Cheney’s energy task force. Crucially, management of Interior was turned over to lobbyists, most notably J. Steven Griles, a coal-industry lobbyist who became deputy secretary and effectively ran the department. (In 2007 Mr. Griles pleaded guilty to lying to Congress about his ties to Jack Abramoff.)
Given this history, it’s not surprising that the Minerals Management Service became subservient to the oil industry — although what actually happened is almost too lurid to believe. According to reports by Interior’s inspector general, abuses at the agency went beyond undue influence: there was “a culture of substance abuse and promiscuity” — cocaine, sexual relationships with industry representatives, and more. Protecting the environment was presumably the last thing on these government employees’ minds. (...)

Yet antigovernment ideology remains all too prevalent, despite the havoc it has wrought. In fact, it has been making a comeback with the rise of the Tea Party movement. If there’s any silver lining to the disaster in the gulf, it is that it may serve as a wake-up call, a reminder that we need politicians who believe in good government, because there are some jobs only the government can do. 
Não poderíamos então dizer ""don’t say that we just need better politicians. If Krugmanism requires incorruptible politicians to work, it’s not serious""? Afinal, se a solução liberal de a protecção ambiental ser feita não por regulamentos mas por processos em tribunal sobre danos causados não funciona porque os políticos ao serviços dos interesses empresariais vão fazer leis limitando a responsabilidade das empresas, então a solução estatista de combater a poluição com regulamentos também não vai funcionar, EXACTAMENTE pela mesma razão (são também esses políticos que vão fazer esses regulamentos e, directa ou indirectamente, zelar pela sua aplicação).

Para uma opinião mais interessante e logicamente coerente sobre esse assunto (embora referindo-se a um caso específico diferente - um acidente numa mina), Corporate Welfare Queen Kills 25, por Kevin Carson.

Friday, May 14, 2010

Os alegados abusos numa famíia de Vila do Conde

Surgem notícias indicando que essa história pode não corresponder à verdade. Mas, independentemente de ser verdade ou não, o ponto que quero levantar é outro. É que ainda antes de se terem feito investigações sobre o caso (para confirmar ou não as alegações), foram reveladas informações sobre os pais acusados que tornaram a sua identidade, para todos os efeitos, pública (sinceramente, não me lembro se algum jornal chegou mesmo a divulgar os seus nomes, mas a riqueza de pormenores sobre as suas vidas é tanta que, suponho, seja facílimo identifica-los).

Thursday, May 13, 2010

A colição Conservadores-LibDems - a normalização do sistema partidário britânico?

A nova coligação em Londres pelos padrões europeus não teria nada de especial - no resto da Europa é mais ou menos assumido que, por "default", os conservadores(/democratas-cristãos/gaullistas) e os liberais coligam-se se puderem, e só procuram outros aliados se haver alguma razão específica para essa coligação não funcionar.

A situação britânica, em que (até anteontem) era mais ou menos assumido que os partidos Trabalhista e Liberal seriam aliados naturais é que era um anacronismo histórica: na maior parte do mundo, a colaboração entre socialistas e liberais contra os conservadores (e/ou forças mais à direita) foi um fenómeno do final do século XIX/principio do século XX (tendo talvez o último extertor nas Frentes Populares dos anos 30), não do principio do século XXI (um exemplo - o Partido Radical francês, de aliado de socialistas e comunistas na Frente Popular a facção organizada dentro da UMP sarkozysta).

Pode ser argumentado que os Liberais Democratas e os Conservadores britânicos não são exactamente o equivalente aos liberais e democratas-cristãos continentais -  se em matéria de "costumes" e liberdades civis as posições são semelhantes de ambos os lados do Canal da Mancha, já não é o mesmo na economia: enquanto os liberais continentais continuam "liberais económicos", os liberais britânicos tornaram-se uma espécie de versão moderada da social-democracia; e enquanto (pelo menos até pouco tempo) os democratas-cristãos permanecerem fiéis à "Doutrina Social da Igreja" e à "economia social de mercado" (ou os gaullistas franceses a ataques periódicos de nacionalismo económico), os Tories nas últimas décadas abandonaram a suas tradições proteccionistas e paternalistas por um liberalismo económico radical. Mas essas diferenças não serão mais consequência do que causa dos diferentes alinhamentos partidários?

Wednesday, May 12, 2010

Se os extra-terrestres chegassem à terra

Jared Diamond (citado por Razib Khan):

…I find it mind-boggling that the astronomers now eager to spend a hundred million dollars on the search for extraterrestrial life never thought seriously about the most obvious question: what would happen if we found it, or if it found us. The astronomers tacitly assume that we and the little green monsters would welcome each other and settle down to fascinating conversations. Here again, our own experience on Earth offers useful guidance. We’ve already discovered two species that are very itnelligent but less technically advanced than we are-the common chimpanzee and pygmy chimpanzee. Has our response been to sit down and try to communicate with them? Of course not. Instead we shoot them, dissect them, cut off their hands for trophies, put them on exhibit in cages, inject them with AIDS virus as a medical experiment, and estroy or take over their habitats. That response was predictable, because human explorers who discvered technically less advanced humans also regularly responded by shooting them, decimating their popualtiosn with new diseases, and destroything or taking over their habitats.

Any advanced extraterrestrials who discovered us would surely treat us in the same way….

Monday, May 10, 2010

Irá a viagem do Papa ser travada pelos deuses nórdicos?

(a cascata de Gothafoss, onde os ídolos pagão foram atirados após a conversão da Islândia ao cristianismo)

Chavez elogia antigo ditador militar ("de direita") venezuelano

La.clase :

El 25 de abril, el Presidente Chávez dio rienda suelta a los elogios al dictador fascista Marco Pérez Jiménez, ante la estupefacción de aquellos que han creído en la pretendida posición socialista del gobierno nacional. "Yo creo que el general Pérez Jiménez fue el mejor presidente que tuvo Venezuela en mucho tiempo, fue mejor que Rómulo Betancourt, mejor que toditos ellos. ¡Ah, lo odiaban porque era militar! Yo fui a visitarlo allá en Madrid... seguro que ahorita van a atacarme... digan de mí lo que les dé la gana... a Dios lo que es de Dios y al César lo que es del César".

Chávez enumeró algunas obras realizadas por la dictadura y dijo que de no haber sido por Pérez Jiménez no se habrían construído. Asimismo, elogió un proyecto de la dictadura de construir un ferrocarril para transportar carbón de Perijá hacia Guayana. 

Perez Jimenez foi ditador da Venezuela de 1952 a 1958, tendo o seu governo sido marcado pela violenta repressão contra os sindicatos e partidos de esquerda e pela entrega dos recursos naturais do país às multinacionais (algum dos meus leitores leu "Banco", de Henri Charriére, a continuação de "Papillon"?).

Diga-se que o "peréz-jimenismo" de Chavez não é novidade, já que até o havia convidado para a sua tomada de posse.

Saturday, May 08, 2010

Em defesa da aristocracia socialista

O objectivo do socialismo não é transformar toda a gente em proletários, é transformar toda a gente numa espécie de aristocratas (i.e., pessoas que não tenham que trabalhar para sobreviver e cuja actividade produtiva seja  motivada pelo seu prazer nessa actividade e não pela necessidade material).

Textos recomendados:

Possíveis desfechos da crise grega

Post no Vias de Facto

Wednesday, May 05, 2010

Conflitos de terras na India

India's Dirty War, por Megha Bahree, na Forbes (via Reason Hit & Run):

This is India's dirty war: a brutal struggle over valuable real estate that pits the Naxalites against some of the nation's most powerful commercial interests. What began 43 years ago as a small but violent peasant insurrection in Naxalbari, a West Bengal village, is now a full-fledged conflict led by the banned Communist Party of India (Maoist) across 20 of the country's 28 states (see map below), affecting 223 districts. The fight is over land, much of it in the interior, that has rich deposits of coal and bauxite. On one side of the struggle are the rebels--perhaps 10,000 of them armed and out in the field every day, and a militia of 100,000 who can be called up on short notice. Driven by a violent ideology, the Naxalites claim to be fighting for the land rights of the poor, especially farmers and small indigenous tribes who know only an agrarian way of life. On the other side are the wealthy families behind Tata Steel, Jindal Steel & Power and Vedanta Resources (run by mining mogul Anil Agarwal), who want to develop the untapped resources. (The three companies rank 345, 1,131 and 923 on the Global 2000 list.) Caught in the middle of the conflict between Maoists and billionaires are thousands of villagers.


It's no mystery why things have gotten worse. "India's boom period has coincided with maximum dissent and dissatisfaction in rural India," says Ajai Sahni, executive director for the Institute for Conflict Management, a New Delhi think tank. Over the last decade the Indian government has been trying by legal and other means to lock up the land for public projects like power plants and, more recently, for private enterprises like Tata. (Under the Indian constitution nontribal people are prohibited from directly acquiring land in certain parts of the country, so the government must obtain it on their behalf and sell it to the companies.) That trend has put the state more and more in conflict with the Maoist rebels, and it has ratcheted up paramilitary operations against them. The government has also squared off more frequently against those who have farmed the land for centuries, using various legal entitlements--and, villagers often claim, resorting to fraud or force--to gain possession of the property. Other times the state simply seizes the land, labeling any resistance rebel-inspired. Hundreds of thousands of people have been dispossessed and displaced. Many now live in what could become permanent refugee camps, where they are prey to both sides of the proxy war and easy converts to radicalism.
E, a esse respeito, The Economically Illiterate Have No Property Rights, por Kevin Carson, no Center for a Stateless Society:
But especially noteworthy is the reaction from the sorts of people on the Right who talk most about “free markets.”  One reader at Forbes, for example, commented that “the Maoists are no better,” because “for the most part its activities are criminal.”

And then this clincher from the same reader:  “Also Can in India afford to hold back Industries that will give employment to thousands directly (many more indirectly) because 1750 families have to be moved? Is that Justice? Proper Rehabilitation and compensation is a must. The activists will better serve the locals by ensure that they get proper compensation and are rehabilitated appropriately instead of opposing industries blindly.”

Another Forbes reader writes:  “The overly populist tone of the article pitting billionaires against Maoists is a little simplistic. If you are sitting on substantial deposits of iron ore, coal, bauxite or other precious minerals, I think the government has a right to acquire that land, but only after paying you adequate compensation.”

Another reader comment sounds oddly familiar, given some of the usual suspects’ responses to my own work published in free market periodicals:  “Who would have thought, Forbes publishing an article supporting Communists/Socialists and basically Terrorists….”  The Indian government, he says,  “should do what USA and China does all the time, apply Emminent Domain in such cases and get it over with. Trying to convince farmers/NGOs/Communists to give up land for factories is a futile excerise.”

Meanwhile, at Reason, a reader responds to Walker’s “upshot” by saying:  “There is no upshot. Maoists are not for property rights.”

So what it all boils down to is that, when the beneficiaries of theft are large corporations, the victims are peasants with traditional land tenure rights, and the people who resist it are Maoists, property rights don’t apply.
E, sem ter nada directamente a ver com isto, um artigo de há 4 anos atrás de Chris Dillow.

Tuesday, May 04, 2010

Anti-americanismo e anti-bushismo

O blog "Era uma vez na América" convidou-me para escrever um post - escolhi como tema a questão (aparentemente fora de moda...) do "anti-americanismo" vs. "anti-bushismo".

Cidadãos pela laicidade

Petição «Cidadãos pela Laicidade»

Senhor Presidente da República Portuguesa,

Nós, cidadãs e cidadãos da República Portuguesa, motivados pelos valores da liberdade, da igualdade, da justiça e da laicidade, manifestamos, através da presente carta, o nosso veemente protesto contra as condições – oficialmente anunciadas – de que se revestirá a viagem a Portugal de Joseph Ratzinger, Papa da Igreja Católica.

Embora reconhecendo que o Estado português mantém relações diplomáticas com o Vaticano e que a religião católica é a mais expressiva entre a população nacional, não podemos deixar de sublinhar que ao receber Joseph Ratzinger com honras de chefe de Estado ao mesmo tempo que como dirigente religioso, o Presidente da República Portuguesa fomenta a confusão entre a legítima existência de uma comunidade religiosa organizada, e o discutível reconhecimento oficial a essa confissão religiosa de prerrogativas estatais, confusão que é por princípio contrária à laicidade.

Importa ter presente que o Vaticano é um regime teocrático arcaico que visa a defesa, propaganda e extensão dos privilégios temporais de uma religião, e que não reúne, de resto, os requisitos habituais de população própria e território para ser reconhecido como um Estado, e que a Santa Sé, governo da Igreja Católica e do «Estado» do Vaticano, não ratificou a Declaração Universal dos Direitos do Homem – não podendo portanto ser um membro de pleno direito da ONU – e não aceita nem a jurisdição do Tribunal Penal Internacional nem do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, antes utilizando o seu estatuto de Observador Permanente na ONU para alinhar, frequentemente, ao lado de ditaduras e regimes fundamentalistas.

Desejamos deixar claro que, se em Portugal há católicos dos quais uma fracção, mais ou menos importante, se regozijará com a visita de Joseph Ratzinger, há também católicos e não católicos para quem o carácter oficial da visita papal, o seu financiamento público e a tolerância de ponto concedida pelo Governo, são agressões perpetradas contra os princípios de laicidade do poder político que a própria Constituição da República Portuguesa institui.

Esta infracção da laicidade a que estão constitucionalmente vinculadas as autoridades republicanas torna-se ainda mais gritante e deletéria quando consideramos que se celebra este ano o Centenário da Implantação da República, de cujo legado faz parte o princípio de clara separação entre Estado e Igreja, contra o qual atentará qualquer confusão entre homenagens a um chefe de Estado e participação oficial dos titulares de órgãos de soberania em cerimoniais religiosos.

Declaramos também o nosso repúdio pelas posições veiculadas pelo Papa em matéria de liberdade de consciência, igualdade entre homens e mulheres, auto-determinação sexual de adultos, e outras matérias políticas.

Porque nos contamos entre esses cidadãos que entendem que a laicidade da política é condição fundamental das liberdades e direitos democráticos em cuja defesa e extensão estão apostados, aqui deixamos o nosso protesto e declaramos a Vossa Excelência o nosso propósito de o mantermos e alargarmos através de todos os meios de expressão e acção ao nosso alcance enquanto cidadãos activos da República Portuguesa.

Subscritores iniciais:
Alexandre Andrade, Andrea Peniche, António Serzedelo, Carlos Esperança, Eugénio de Oliveira, Francisco Carromeu, João Pedro Cachopo, João Tunes, Joana Amaral Dias, Joana Lopes, José Rebelo, Ludwig Krippahl, Luís Grave Rodrigues, Luís Mateus, Luis Sousa, Maria Augusta Babo, Miguel Cardina, Miguel Duarte, Miguel Madeira, Miguel Serras Pereira, Onofre Varela, Palmira Silva, Pedro Viana, Porfírio Silva, Ricardo Gaio Alves, Rui Tavares, J. Xavier de Basto.

A petição pode ser assinada aqui.

Sunday, May 02, 2010

Pirataria e Progresso

A respeito das alegadas declarações de Mariano Gago, Tiago Moreira Ramalho escreve:

Mesmo que a pirataria tenha sido fonte de progresso (não é líquido que tenha sido, no entanto, assumamos que sim, para facilitar), a questão é que o «progresso», ou um certo tipo de «progresso», ao contrário do que o sr. Gago, ministro de Portugal, parece pensar, não é um valor absoluto.  Se para que haja «progresso» tenham de se cometer injustiças, como permitir que se roube via Internet, então não sei se é esse o tipo de «progresso» que a humanidade precisa.
Uma questão simples - o TMR acha que os direitos de propriedade intelectual devem durar eternamente para todo o sempre (estilo - se os descendente de Virgilio fossem identicáveis, continuar a pagar-lhes direitos de autor sempre que alguém re-editasse a Eneida)? Se sim, tudo bem (isto é, "tudo mal" para mim, mas há uma coerência lógica). Mas a verdade é que, ao que me parece, a maior parte dos defensores da propriedade intelectual costumam defendé-la só para um dado período de tempo, e tal posição só me parece fazer sentido se a propriedade intelectual for defendida com argumentos utilitários do que com argumentos de principio: pelo menos eu consigo imaginar argumentos utilitários para a propriedade intelectual limitada no tempo (estilo "a propriedade intelectual é necessária para estimular a criação e sustentar os criadores, mas não se justifica por mais de 100 anos, já que o incentivo adicional que resultaria desses direitos durarem 100 anos em vez de 80 seria tão pouco que não compensava os custos representados pela obra permanecer de uso restrito mais 20 anos"); quase não consigo imaginar argumentos de "direitos naturais" para a propriedade intelectual limitada no tempo (só consigo imaginar num caso muito específico - alguém que seja contra a herança de qualquer maneira).

E onde é que eu quero chegar com esta conversa? Simples - é que se a "propriedade intelectual" como existe actualmente é fundada em argumentos utilitários (ser "benéfico para a sociedade"), então a sua violação também pode ser justificada com argumentos utilitários.

TMR também escreve:
Não há diferenças substantivas entre roubar um filme através da Internet ou roubar um filme numa loja especializada. Podem dar o pino, que não encontram uma única diferença em termos éticos.
Quer entre os defensores da PI, como entre radicais de esquerda anti-PI (como eu, de certa maneira)  é frequente essa analogia entre propriedade intelectual e propriedade física, mas está errada - se eu roubar um filme numa loja, o dono perde um bem que tinha; pelo contrário, se eu fizer um download de um filme na internet, ninguém fica pior do que ficaria se eu não fizesse rigorosamente nada. No fundo, vamos comparar estas opções:

A1 - eu roubo um filme numa loja
A2 - eu compro um filme numa loja
A3 - eu no faço nada e não vejo o filme


B1 - eu faço um dowload ilegal dum filme
B2 - eu pago pelo filme
B3 - eu não faço nada e não vejo o filme

No primeiro caso, a opção A1 é sempre pior para o dono da loja do que a A2 e a A3; no segundo, a B1 é prejudicial para o dono em relação à B2, mas não o prejudica em nada em relação à B3

[Publicado também no Vias de Facto; podem comentar lá]

Comparações arrojadas

Este é daqueles posts que um Krugman pode escrever sem criar nenhum escândalo, mas provavelmente a maior parte das pessoas não poderia.

Saturday, May 01, 2010

Re: O Mito dos Sindicatos

João Miranda escreve que:

E também não foram os sindicatos que contribuíram para o aumento dos salários. Numa economia de mercado, os salários são determinados pela oferta e pela procura. O preço de equilíbrio entre a oferta e a procura não aumentou por causa da acção dos sindicatos mas sim por causa do aumento da produtividade dos trabalhadores e do aumento da procura de trabalhadores qualificados à medida que cada vez mais empresários passaram a ter acesso a métodos de produção cada vez mais sofisticados.
Sempre que os sindicatos conseguem obrigar um patrão a reduzir o horário de trabalho ou aumentar os dias de férias (ou, já agora, a não contratar estrangeiros ou trabalhadores de minorias étnicas, para darmos exemplos mais politicamente incorrectos de reivindicações sindicais em certos países e certas épocas) estão a reduzir a oferta de trabalho, logo a contribuir para que o preço (salário) que equilibra a oferta com a procura suba.

Outro ponto: desde quando é que métodos de produção mais sofisticados implicam trabalhadores mais qualificados? A mim parece-me que é exactamente ao contrário: quanto mais sofisticada a tecnologia, mais "user-friendly" costuma ser. Um exemplo - o que dá mais díficil: escrever à maquinaem ou num programa de processamento de texto (com corrector ortográfico, formatação automática de parágrafos, possibilidade de apagar qualquer erro que se faça, etc.)? E mais outro - o que é mais fácil de manejar: o Windows XP ou o MS-DOS?