Wednesday, June 30, 2010

Mas por outro lado...

As queixas de alguns alegados acionistas da PT (estilo "o Estado que mande no que é dele") também não fazem grande sentido - a golden share já existia quando eles compraram as acções (e o preço a que eles compraram as acções já reflectiu a existência de uma golden share - de certeza que foram mais baratas por isso). No fundo, um acionista ir agora queixar-se da golden share é como eu comprar um apartamento sem direito a garagem e depois reclamar de não poder estacionar o meu carro na garagem do prédio.

Mais - se a UE conseguir impor o fim da golden share, isso quer dizer que os actuais investidores vão receber uma espécie de "maná do céu", já que compraram "gato" (acções numa empresa com uma golden share) a preços de "gato", e de repente iriam ficar com uma "lebre" (acções numa empresa sem golden share).

A "golden share" e o negócio da Vivo (II)

O Daniel Oliveira escreve "A (...) golden share (...) foi usada para impedir que a maior empresa portuguesa perdesse o seu principal activo. Ainda bem."

Mas que mal vinha ao país que a PT perdesse "o seu principal activo"? Afinal, penso que a função de uma "golden share" não é o Governo intervir em defensa do que acha serem os interesses da empresa participada, é intervir em defesa do que acha ser o interesse geral. Como já escrevi alí abaixo, que diferença faz ao português médio quem é o proprietário de uma rede de telemóveis no Brasil?

A "golden share" e o negócio da Vivo

A função de uma "golden share" é poder impedir uma empresa de fazer negócios que possam ser contrários ao "interesse nacional". Agora Pergunto eu - em que medida seria prejudicial ao interesse nacional que a PT vendesse uma participação numa empresa estrangeira? Como é que isso afectaria (para o bem ou para o mal) o povo português?

Friday, June 25, 2010

Um petro-furacão?

The First OilCane? What Happens if a Hurricane Rides over the Oil Spill

The winds of a hurricane are so strong that the normal interface between ocean and atmosphere disappears. The winds begin to generate large waves. Spray is blown off the top of the waves. That spray mixes with the air so that after a short time there is no real boundary between what is ocean and what is the atmosphere. If a large hurricane moves over the spill, this chaotic mixture of water and air will inevitably also contain oil. The oil will become airborne and travel with the hurricane. (...)

Should a major hurricane push the spill towards the gulf coast there will be nothing that can be done to stop it. No amount of planning or engineering will help. No number of visits to the gulf by the president or any other official will stop the inevitable. The storm surge will drive the water and the oil miles inland. Everything in its path will be coated in a greasy bath of crude. Even the wind may have oil in it. In New England, I have seen hurricanes and tropical storms that have blown salt spray many miles inland from the coast. The leaves of the trees eventually turn brown and fall off. In the case of the gulf it will be oil that will spray the trees, buildings and everything else in the way. How far inland this oily mess will blow is anyone’s guess but it will be unprecedented in its economic and environmental damage.

BP queima tartarugas vivas?

Is BP burning sea turtles alive?

VENICE, La. - A boat captain working to rescue sea turtles in the Gulf of Mexico says he has seen BP ships burning sea turtles and other wildlife alive.

Captain Mike Ellis said in an interview posted on You Tube that the boats are conducting controlled burns to get rid of the oil.

"They drag a boom between two shrimp boats and whatever gets caught between the two boats, they circle it up and catch it on fire. Once the turtles are in there, they can’t get out," Ellis said.

Ellis said he had to cut short his three-week trip rescuing the turtles because BP quit allowing him access to rescue turtles before the burns.

"They're pretty much keeping us from doing what we need to do out there," Ellis said.


Ellis said most of the turtles he has seen are Kemps Ridley turtles, a critically endangered species. Harming or killing one would bring stiff civil and criminal penalties and fines of up to $50,000 against BP

Wednesday, June 23, 2010

Os 10 animais mais inteligentes

The 10 smartest animals (via Marginal Revolution).

Keynes e a social-democracia

Keynes and Social Democracy, por Mark Thoma:

On Keynesian policy and big government, as I've explained many times (e.g.), there is no necessary connection between the size of government and Keynesian stabilization policy. Want the government to grow? Then cure recessions by increasing spending, and pay for it by raising taxes during the good times. After a few business cycles under this policy, government will be larger. This is the strategy that Democrats are accused of playing.

Want the opposite result? No problem, just use tax cuts to stimulate the economy during a recession, then pay for the cuts by reducing government spending during the subsequent boom. A few cycles later, and government is much smaller. This is the Republican starve the beast strategy that they fully admit to playing (I am abstracting, of course, from the political difficulties with either strategy).

Want to keep government the same size? Then simply use the same policy tool on both sides of the business cycle. Increase government spending in a recession, then reverse it in the good times, or, alternatively, cut taxes during the bad times, then raise them when things improve.

Summarizing: Using a different policy tools on each side of as recession changes the size of government, while using the same policy tool does not. But the main point is that, contrary to what you may have been led to believe, there is nothing inherent in Keynesian economics that connects stabilization policy to the size of government.

Monday, June 14, 2010

Espanha, Irlanda e austeridade

Does Fiscal Austerity Reassure Markets?

Consider, if you will, the comparative cases of Ireland and Spain.

(...)Ireland quickly embraced harsh austerity; Spain has had to be dragged into austerity, and still faces major political unrest.

So, how’s it going? This article is typical of what you read: it describes the Irish as doing what has to be done, while the Spaniards dither. And it has good things to say about how the Irish response is working:

Much bitterness but also stoicism; markets impressed by Irish resolve to bite the austerity bullet.

Well, I guess that’s right — if by “markets impressed” you mean a CDS spread of 226 basis points, compared with 206 points for Spain; not to mention a 10-year bond rate of 5.11 percent, compared with 4.46 percent for Spain.

So, I’m glad to hear that Ireland’s stoic acceptance of austerity is reassuring markets; it must be true, because that’s what everyone says. Because if I didn’t know that, I might look at the data and conclude that markets actually have less confidence in Ireland than they do in Spain, and that austerity in the face of a deeply depressed economy doesn’t actually reassure markets at all.

Sunday, June 13, 2010

Somália - tão mau como tudo isso?

Somalia — Is That Really All You Got?, por Kevin Carson, no Center for a Stateless Society:

Rachel Maddow, a popular liberal commentator on MSNBC, recently iterated — for the umpteenth time — the standard (...) talking point of Somalia as a supposedly unanswerable argument against anarchy.

But this is dirty pool for several reasons.  First, no intelligent anarchist argues that the sudden and catastrophic implosion of the state will result in a peaceful, self-regulating society.

We’ve lived through centuries of the process which Pyotr Kropotkin described in “Mutual Aid” and “The State,” by which centralized territorial states suppressed bottom-up, self-organized alternatives, and caused civil society to atrophy. Under such circumstances, when the state suddenly disappears, the result is likely to be a power vacuum with nothing ready to take its place, and the proliferation of all sorts of social pathologies.


Second, “Somalia” does not equal “Mogadishu.”  Most of the horrific, Mad Max scenes captured in Somalia are in Mogadishu, where the central state was most powerful before the collapse and the institutions of civil society were accordingly most atrophied.  As Roderick Long, director of C4SS’s parent body the Molinari Society, put it, “the farther one gets away from Mogadishu, the more one gets into relatively peaceful areas that have always been anarchic or close to it, barring occasional intrusions from the statebuilders in the city.


Third, the proper comparison to Somalia is not the United States and similar societies in the West, but to the actual state that existed in Somalia before the collapse of central power. Given that comparison, things in Somalia aren’t that bad at all.  For example:  a study by Benjamin Powell, Ryan Ford and Alex Nowrasteh took “a comparative institutional approach to examine Somalia’s performance relative to other African countries both when Somalia had a government and during its extended period of anarchy.”  And it found that Somalia, when subjected to an honest comparison — “between Somalia when it had a functioning government, and Somalia now” — is less poor, has higher life expectancy, and has experienced a drastic increase in telephone lines.

I’d also add, parenthetically, that while Somalia is often celebrated by anarcho-capitalist types, in reality it hardly fits the anarcho-capitalist stereotype (especially in those areas away from Mogadishu).   For example, there’s widespread communal ownership of land by extended families and clans, with only possessory or usufructory rights by individuals.

A Mente os os Meios de Comunicação

Mind Over Mass Media, no New York Times:

NEW forms of media have always caused moral panics: the printing press, newspapers, paperbacks and television were all once denounced as threats to their consumers’ brainpower and moral fiber.

So too with electronic technologies. PowerPoint, we’re told, is reducing discourse to bullet points. Search engines lower our intelligence, encouraging us to skim on the surface of knowledge rather than dive to its depths. Twitter is shrinking our attention spans.

But such panics often fail basic reality checks. When comic books were accused of turning juveniles into delinquents in the 1950s, crime was falling to record lows, just as the denunciations of video games in the 1990s coincided with the great American crime decline. The decades of television, transistor radios and rock videos were also decades in which I.Q. scores rose continuously.

Thursday, June 10, 2010

Is Applying Libertarian Principles to Israel Anti-Semitic?

Via filipeabrantes

A ler, por "Carol Moore is a 25 year member of the Libertarian Party, a long-time peace activist, and founder of several sites including Secession.Net, WhatWouldGandhiDo.Net, Non-Intervention.Net. She is also webmaster for Libertarians for Peace and Pro-Choice Libertarians. See her other web sites, published and online articles, photographs, etc. atCarolMoore.Net."

Contém uma conhecida citação de Murray N Rothbard:

"In “Pat Buchanan and the Menace of Anti-Anti-Semitism” (1990) Rothbard railed against “the cruel despotism of Organized Anti-Anti-Semitism,” stating: “Wielding the fearsome brand of ‘Anti-Semite’ as a powerful weapon, the professional Anti-Anti-Semite is able, in this day and age, to wound and destroy anyone he disagrees with by implanting this label indelibly in the public mind. How can one argue against this claim, always made with hysteria and insufferable self-righteousness? To reply ‘I am not an anti-Semite’ is as feeble and unconvincing as Richard Nixon's famous declaration that ‘I am not a crook.’"

E começa por citar um grande discurso de George Washington

"Excessive partiality for one foreign nation and excessive dislike of another cause those whom they actuate to see danger only on one side, and serve to veil and even second the arts of influence on the other. Real patriots who may resist the intrigues of the favorite are liable to become suspected and odious, while its tools and dupes usurp the applause and confidence of the people to surrender their interests." George Washington’s 1796 Farewell Address

O Estado é de direito

Excepto quando podem matar, bombardear, destruir, etc. O Estado de Direito é na verdade a organização social que mais produz ausência de direito. Os tribunais e a doutrina é que o dizem.

"An appeals court on Tuesday upheld the dismissal of a $50 million lawsuit against the United States over then-President Bill Clinton's 1998 decision to order a missile attack on a Sudanese pharmaceutical plant.
The appeals court ruled the case involved a political question covered by a legal doctrine that means the suit cannot be reviewed by the judicial branch." US court dismisses 1998 Sudan missile strike suit

Porque não ter pena da BP? (II)

"City investors said the president was jeopardising the pensions of millions with his "excessive" criticism of the energy company following the Gulf of Mexico oil spill.

Before the accident on April 20, BP was Britain's biggest company, with a stock market value of £122 billion. Since then, £49 billion has been wiped off its value.

On Wednesday, BP's share price fell a further 17.35p to 391.55p – representing a 40 per cent drop on the 655p price of a share two months ago.

Experts have said that the clean-up costs of the oil spill will run to between £10 billion and £20 billion but the biggest cost to the company is from investors dumping stock for fear of BP being further punished by the US Government."

Ameaça de novo golpe nas Honduras?

Honduran president warns of new coup plot (CNN)

More Coup TalkLobo Sosa: I know who wants to throw me out (Honduras Culture and Politics)

Wednesday, June 09, 2010

Uma sugestão de novas fronteiras para a Europa


- Pode haver algumas incorrecções no mapa, mas quem percebe de História (p.ex., o Henrique Burnay) poderá indicá-las para se evitar injustiças no desenho das novas fronteiras

- A "Germânia" e a "Balto-Finlândia" podem ser compostas por vários países (tal como são actualmente, aliás); diga-se que convém, algures na Balto-Finlândia, arranjar espaço para os muitos húngaros que vão ter que abandonar a actual Hungria, de forma a não por em causa o carácter iliriaco/albanês da Grande Albânia

- Não faço a mínima ideia onde se vai arranjar pictos para povoar a Pictia e trácios para povoar a Trácia (parte dos búlgaros terá que ser transferida, ou para a Rússia, ou para algum território balto-finlandês)

E porque não ter pena da BP?

James Cameron on BP

"Morning Joe has the same content as the rest of the cable MSM: Oil, oil, oil, Helen Thomas, oil, oil, oil. Yesterday James Cameron, movie genius and environmentalist, was on. The last time, he denounced everyone at BP as “stupid.” But this time, he said he had made an investigation, and he thought they were doing “OK.” Indeed, he noted, there was a similar spill off Australia that took four months to cap, and one in the Gulf of Mexico, off the Mexican coast, that took nine months. I thought: nine months, and we’re all still alive, the fish still swim, the sun still shines? You don’t suppose the media are demagoguing the current oil leak, do you? OMG, an oiled bird! (Is that the same fowl we keep seeing?) Forget the wars, the economy, the police state.

Also on, the creepy Sen. Schumer, who called for ending the $75 million liability cap on oil spill damages, and said that if that bankrupted BP, so be it. Companies that cannot pay their obligations must go out of business. Well, yes, though no one sought to ask who put on the cap—the oily Bush I and Congress—and why this laudable principle did not apply to Goldman Sachs, J.P. Morgan, Citibank, and the rest of Schumer’s beloved bosses, for whom he arranged vast taxpayer bailouts, in effect a cap on their liability, to prevent them from going bankrupt. Note: BP has already paid out almost $1.25 billion." Via LRC

Tuesday, June 08, 2010

A pergunta

No 31 da Armada, Henrique Burnay:

"De cada vez que se tem uma discussão sobre Israel convém, antes de prosseguir, fazer uma pergunta: Israel tem direito a existir, ou (ou nosso interlocutor) acha que Israel não devia estar ali? Normalmente, com esta pergunta-se poupa-se imenso. É que a maioria dos que se entusiasmam a acusar Israel de ser um Estado terrorista, que compreendem o “desespero” dos terroristas suicidas, e por aí fora, normalmente confessam que, se dependesse deles, Israel não existia. Ora, é exactamente isso que está constantemente em causa. É por isso que com gente assim não vale a pena a discussão."

Eu respondo com outra pergunta:

Pode um dado povo étnico-religioso emigrar para uma dada zona do mundo e declarar-se um Estado? Existem muitos locais na Europa com muita população muçulmana. Querem arriscar uma resposta?

A passagem do 8º para o 10º ano

Anda muita gente indignada com a possibilidade de alunos com mais de 15 anos que estejam no 8º ano puderem fazer os exames do 9º ano e, se aprovados, passar para o 10º.

Eu, sinceramente, não vejo onde está o problema - reconheço que é pouco provável que um aluno que chumbou no 8º ano consiga passar aos exames do 9º ano; mas, se conseguir, porque não há de poder passar para o 10º? Afinal, frequentar o 9º ano (ou outro qualquer...) não é suposto ser um fim em si mesmo, mas sim um meio para aprender a matéria; ora se os alunos a conseguirem aprender de qualquer maneira, que necessidade há de frequentarem o ano?

Quanto às alegações de facilitismo - há anos que os anti-facilitistas fazem a apologia dos exames (implicitamente, considerando que são mais rigorosos que a "avaliação continua"); mas agora, pelos vistos, acham que passar a um exame é facílimo.

Uma nota pessoal - eu chumbei a Português no 10º ano, no ano lectivo de 1988/89; no final do ano lectivo de 1989/90, fui a exame de 10º e 11º ano e passei, tendo ficado com 11º completo (embora nunca tivesse frequentado formalmente a disciplina de Português do 11º ano). No fundo, é quase a mesma situação.

[Post publicado no Vias de Facto; podem comentar lá]

Thursday, June 03, 2010

"A única democracia do Médio Oriente"

Um dos argumentos que os defensores de Israel usam frequentemente é que é "a única democracia do Médio Oriente".

Bem, e se fosse? Imagine-se que eu sou agredido por um grupo de individuos; que diferença me faz a mim se eles têm um chefe incontestável que mandou agredir-me ou se decidiram por votação democrática agredir-me? O facto de uma organização ser ou não uma democracia pode ser relevante no que diz respeito à forma como a organização trata os seus membros; quando estamos a falar das relações dessa organização com elementos exteriores, a forma como internamente a organização funciona parece-me irrelevante para decidir quem tem razão.

Mas será que Israel é mesmo "a única democracia do Médio Oriente"? E o Líbano, também não é uma democracia (é verdade que o sistema eleitoral libanês é um bocado estranho, e nas ultimas eleições o bloco eleitoral mais votado ficou em minoria no parlamento, mas isso também aconteceu nos EUA nas eleições de 2000)?

E, mais importante ainda, não me digam que afinal o Iraque não é uma democracia? Eu pensei que era...

Além disso, se definirmos "democracia" como um sistema em que "o governo é escolhido pelos governados", Israel não é uma democracia - os árabes dos territórios ocupados estão submetidos à autoridade do governo israelita mas não votam para ele (atenção, estou a falar dos árabes dos "territórios", não dos de "Israel dentro da linha de cessar-fogo de 1948") - considerar Israel um democracia é um pouco como considerar a  antiga África do Sul uma "democracia", em que o governo também era eleito em eleições competitivas, pelas pessoas que consideradas "cidadãos", mas em que havia uns milhões de não-cidadãos sem direito a voto que também estavam submetidas a esse governo (essa contradição notava-se mais na África do Sul por os não-cidadãos serem demograficamente mais que os cidadãos, ao contrário do que se passa em Israel).

E, para finalizar, será que as pessoas que são a favor de Israel porque "Israel é a única democracia do Médio Oriente", durante a guerra de 1947/49 estariam contra Israel (OK, ainda não eram nascidos provavelmente, mas nas discussões sobre o conflito do Médio Oriente são recorrentes os argumentos "isto é justo porque, na guerra de [1948/1956/1967/1973/1982/etc.] alguém fez aquilo", logo a opinião sobre guerras passadas acaba por ser relevante)? Afinal, em 1948 a Síria e o Líbano eram democracias, enquanto Israel tinha um governo em larga medida auto-nomeado (a "Agência Judaica" basicamente proclamou-se "governo provisório de Israel", estilo "movimento de libertação").

[post também publicado no Vias de Facto - podem comentar lá]

Wednesday, June 02, 2010

O que é que Israel está a bloquear?

What Is Israel's Blockade For?, por Megan McArdle:

Many of my commenters seem to think that the point of the Gaza blockade is simply to keep war materiel from reaching insurgents in Gaza.  That is not the reason for the Gaza blockade, though it may be one goal.  But the strategy is much farther reaching than that:  it is to topple Hamas by immiserating the people who elected them.  Check out some of the war materiel being blockaded:

I know that terrorists can be fiendishly clever, but there is no real evidence, only unconfirmed rumors among the intel community, that Hamas actually has the Coriander Bomb. Most experts put them at least 5-8 years away from developing that sort of destructive technology.

Peter Beinart elaborates on the strategy:
The Conference of Presidents of Major American Jewish Organizations greeted news of the flotilla disaster by repeating a common "pro-Israel" talking point: that Israel only blockades Gaza to prevent Hamas from building rockets that might kill Israeli citizens. If only that were true. In reality, the embargo has a broader and more sinister purpose: to impoverish the people of Gaza, and thus turn them against Hamas. As the Israeli newspaper Haaretz has reported, the Israeli officials in charge of the embargo adhere to what they call a policy of "no prosperity, no development, no humanitarian crisis." In other words, the embargo must be tight enough to keep the people of Gaza miserable, but not so tight that they starve.

This explains why Israel prevents Gazans from importing, among other things, cilantro, sage, jam, chocolate, French fries, dried fruit, fabrics, notebooks, empty flowerpots and toys, none of which are particularly useful in building Kassam rockets. It's why Israel bans virtually all exports from Gaza, a policy that has helped to destroy the Strip's agriculture, contributed to the closing of some 95 percent of its factories, and left more 80 percent of its population dependent on food aid. It's why Gaza's fishermen are not allowed to travel more than three miles from the coast, which dramatically reduces their catch. And it's why Israel prevents Gazan students from studying in the West Bank, a policy recently denounced by 10 winners of the prestigious Israel Prize. There's a name for all this: collective punishment.
Israel does not deserve all the blame for Gaza's impoverishment. Gaza's other neighbor, Egypt, imposes an embargo of its own, though less effectively. And Hamas has been known to confiscate goods meant for Gaza's poor.
There is also an active and delightful industry in Israeli companies lobbying to get the blockade lifted for their products whenever sales dip.

Re: Re: Ainda a propriedade (I)

Sobre a teoria da aquisição original MM diz: "como foi o primeiro (supõe-se) a utilizar a fonte, torna-se o seu proprietário"

A teoria da aquisição original tem ser debatida usando a razão, como o teria de ser qualquer atitude a priori sobre o direito e a justiça. Pode-se discutir as questões de epistemologia colocadas com qualquer forma de apriorismo do conhecimento. Uma coisa é certa, se não existe apriorismo, não é o seu contrário (empirismo) a poder provar que o apriorismo é inválido (como diz Hoppe, um empirista por definição, não pode impor aprioristicamente que o apriorismo não é capaz de chegar a verdades).

Assim, vamos procurar usar um pouco de dedução, a utilização de água de uma fonte por si só, não transforma automaticamente o utilizador em proprietário da fonte, tal como o primeiro homem a pisar e utilizar um terreno de um Continente não o torna proprietário do Continente.

A primeira posse de um utilizador frequente de uma dada quantidade de água de uma dada fonte será a qualidade da agua, não a fonte. É essa posse, assim fosse reconhecida pelos tribunais civis, que pode fazer regular naturalmente os problemas de poluição como conflitos entre direitos de propriedade.

Chamo a atenção, que a teoria de aquisição original de propriedade pode e deve ser usada para defender comunidades não-desenvolvidas da invasão e usurpação de propriedade pelo colonialismo de Estado. Mas também posso chamar a atenção que muito do chamado colonialismo também tomou posse de terras e recursos não utilizados por populações locais. Pode uma tribo num deserto reclamar posse sobre um poço de petróleo (recursos existente a muitos metros de subsolo) descoberto e explorado por terceiros num dado terreno nunca utilizado sob forma alguma (outras questões de utilização mais indirectas podem ser colocadas)?

Agora quanto à "não-propriedade":

O facto de cada um poder ter o seu próprio critério sobre o que é propriedade honesta ou não é, não prova nada em si mesmo. Se à partida acharmos que tudo é uma questão de opinião e todos os valores sociais, todo o conceito de justiça, é subjectivo e nada da nossa razão é capaz de produzir qualquer verdade, mais uma vez vamos ter que produzir um teoria da vontade geral.

A teoria da aquisição de propriedade honesta, resolve o problema de conflitos eternos e induz à cooperação pela troca voluntária e previne a criação de sistemas centralizados hierárquicos (ainda que democráticos) e além disso, não impede a criação de zonas de não-proprietários (dentro de uma dada propriedade-fronteira).

Eu diria que no mínimo deve ser considerada especialmente por qualquer tipo de sensibilidade anarquista. Um anarquista tem de conseguir provar que o mundo (económico, monetário e legal) consegue funcionar (daí que por exemplo a defesa que nenhum Banco Central é necessário para exista uma economia monetária estável também tem de fazer parte de qualquer sensibilidade anarquista), que nenhuma lei universal económica ou de direito prova que necessariamente tem de existir um monopólio territorial da violência e que pelo contrário, a cooperação social voluntária (trocas e contratos não-violentos entre pessoas, incluindo a defesa contra actos violentos) é funcional.

Outro caminho: O consenso que pode fazer uma comunidade decidir sobre esta regra de propriedade ou aquela, pressupõe à partida um consenso territorial: um dado número de pessoas num dado território, ou seja, uma dada propriedade a que podemos chamar Estado ou outro. O contrário seria dizer que A, B, C localizados em X podem decidir sobre D, E, localizados em Y.

Neste ponto, os defensores desta vontade geral, vão perceber o caminho inevitável é só um: vão ser obrigados a defender uma vontade geral universal, no caso, mundial, e adicionalmente sem direito de secessão. Porque ou existe vontade geral universal sobre algo, ou a partir do momento que reconhecem a capacidade de D e E constituir-se fora dessa vontade geral (governo mundial), vão ter de reconhecer a propriedade de D e E, nem que seja colectiva. E se levarmos o conceito de secessão até pequenas comunidades e no limite ao indivíduo, o que fica é a sua propriedade.

O principal problema e fonte possível de conflito eterno é se os "não-proprietários" reclamarem a "não-propriedade" universal (ou seja, nem sequer reconhecendo qualquer tipo de fronteira) e agindo de forma violenta (para eles não será violenta, usam a violência em legítima defesa contra a propriedade). Daí o problema do comunismo internacionalista (Trotsky?), Estaline era mais realista (comunismo num país?). O principal problema do comunismo, mas como assim de qualquer forma de estado democrático é saber se existe um direito de secessão.

Re: Ainda a propriedade (II)

Quase por acaso, encontrei agora mesmo um artigo sobre o assunto - Do We Own Ourselves?

Find Your Philosophy Quiz

No Center for a Stateless Society:

The Find Your Philosophy quiz currently consists of 106 questions which aim to measure your views along five different axes: Economic Leftist/Economic Rightist, Civil Libertarian/Civil Authoritarian, Socio-Cultural Liberal/Socio-Cultural Conservative, Anti-Militarist/Pro-Militarist and Anarchist/Statist.

Os meus resultados:

Re: Ainda a propriedade (I)

O Carlos Novais pergunta "Mas o que significaria o "Não reconhecimento" [da propriedade]?".

Um exemplo - como disse aqui, Robinson Crosué encontra um fonte de água doce na ilha onde foi parar; como foi o primeiro (supõe-se) a utilizar a fonte, torna-se o seu proprietário (de acordo com a teoria Rothbard/Hoppe da aquisição original); uns tempos mais tarde aparece Sexta-feira; Crosué diz-lhe que a fonte é dele (porque foi a primeira pessoa a utilizá-la) e que, portanto, Sexta-feira só a pode utilizar com a sua autorização; no entanto Sexta-feira acha que isso não faz sentido nenhum e vai lá buscar água à mesma (ou seja, a suposta propriedade de Crosué não foi reconhecida pelo resto da "sociedade").

Diga-se que há várias formas de não-reconhecimento da propriedade?

- Pode-se não reconhecer o principio geral da propriedade (exemplo - o Sexta-feira acha que ninguém tem o direito a ser dono de nada)

- Pode-se reconhecer o principio geral da propriedade, mas não concordar com um dado conjunto de regras de aquisição (exemplo - o Sexta-feira acha que ter sido o primeiro a utilizar a fonte não é suficiente para estabelecer a propriedade; ele acha que são necessárias duas gerações de uso continuado para estabelecer esse direito)

- Pode-se reconhecer, em abstracto, quer a propriedade quer as normas de aquisição, mas achar que a propriedade concreta de que estamos a falar não cumpre essas normas (exemplo - o Sexta-feira argumenta que membros da tribo dele várias vezes visitaram a ilha e beberam daquela fonte, logo Crosué não é o "primeiro utilizador")

Tuesday, June 01, 2010

Ainda a Propriedade

MM: "[i]ndependentemente da opinião que tenhamos sobre o "direito de propriedade"(...) o "facto de propriedade" só existe, ou pelo reconhecimento mútuo da comunidade, ou por ser garantido por um poder supremo",

O reconhecimento mútuo da comunidade é um factor, esse reconhecimento pode ser utilitarista no sentido de reconhecer as vantagens mútuas.

Mas o que significaria o "Não reconhecimento"? Que qualquer pessoa pode tomar posse da propriedade honesta de outro pela violência? Ou que qualquer acto individual só é legítimo se tiver o acordo da norma social aprovada (código de direito, etc) pela comunidade? E quando falamos dessa comunidade, é uma comunidade voluntária, no sentido em que só participa nela quem quer (existe direito de secessão)?

Pode uma comunidade sem propriedade impor como norma a "não-propriedade" a uma minoria que deseja a secessão para (dentro de um dado espaço territorial) praticar o direito de propriedade?

Não tem uma comunidade sem direito de propriedade de se limitar ela própria a um dado espaço territorial (fronteira)?

Parece-me que a "não -propriedade" tem inerente o uso de violência e claro, essa percepção, pode ela própria conduzir à aceitação geral da propriedade por isso mesmo. Não por ser natural, mas por reconhecer utilidade.

Mas não reivindica a "não-propriedade" propriedade sobre a propriedade de terceiros? Porque, individualmente, podemos renunciar a posses, mas suspeito que quando se fala de não-direito-natural-de-propriedade se fala do direito de um dado colectivo (conjunto específico de pessoas) a decidir tomar posse da propriedade de terceiros, que como digo, têm o direito (natural?) de secessão a não fazer parte dessa comunidade.

Pessoalmente, para mim, toda a vontade geral é compatível com o direito natural, assim seja voluntária a participação nessa vontade geral. Isso pressupõe a não-violência e uma comunidade voluntária.

Mas na verdade, de forma consciente ou inconsciente, as formulações colectivas caiem numa certa defesa do direito "natural" de uma colectividade a decidir sobre tudo: o que é ou não o direito, a justiça, etc.

Ou seja, onde não existe direito natural da pessoa (a partir do qual se constrói a legitimidade de uma comunidade voluntária), passa a existir o direito absoluto de uma colectividade (mas mais uma vez pergunta-se: de uma comunidade sem direito de secessão ou com direito de secessão?).

Como pode coexistir pacificamente o direito natural com o não-direito-natural (necessariamente de "vontade geral" sem direito de secessão)?

Israel e a Coreia do Norte

A propriedade e o reconhecimento social

A respeito da minha tese de que "[i]ndependentemente da opinião que tenhamos sobre o "direito de propriedade"(...) o "facto de propriedade" só existe, ou pelo reconhecimento mútuo da comunidade, ou por ser garantido por um poder supremo", RBR responde: "um Robinson Crusoe, sozinho numa ilha, apropriando e transformando recursos naturais e obviamente exercendo sobre eles controlo exclusivo. Será que o seu controlo exclusivo necessita de reconhecimento por um «poder supremo»? É evidente que não"

Vamos por outra questão - nessa ilha haverá coisas que foram transformadas/apropriadas por Robinson Crosué (e, portanto, serão sua "legitima" propriedade); haverá outras que ele (ainda) não utilizou e que, portanto, permanecem sem dono. Agoro pergunto eu - qual é a diferença entre os pertences de Crosué e as coisas que não pertencem a ninguém? Parece-me que absolutamente nenhuma - Crosué é livre de utilizar ambas em qualquer situação, se lhe apetecer, e sem ter que pedir autorização a ninguém. A diferença entre a "propriedade de Crosué" e a "não-propriedade" só seria relevante se aparecesse outra habitante na ilha (aí, ele seria livre de utilizar a "não-propriedade", mas não a "propriedade de Crosué").

Onde eu quero chegar com isso? Que o conceitos de "direitos de propriedade" só faz sentido quando é necessário arbitrar o uso de recursos escassos entre vários indivíduos; assim, usar como exemplo de direitos de propriedade a existirem sem reconhecimento social uma situação em que há apenas um individuo não é muito relevante.

Noutras palavras - a questão "o que é e o que não é propriedade de Robison Crosué" só passa a ter alguma importância prática quando aparece outra pessoa na ilha (vamos chamar-lhe Sexta-feira); e, a partir do momento em que há também um Sexta-feira, os direitos de propriedade de Crosué estão (mais ou menos) dependentes que o Sexta-feira concorde com eles (vamos imaginar que há uma única fonte de agua potável na ilha, e como Crosué já lá foi buscar água, ele, à luz da doutrina do homesteading, considera-se o dono da fonte e acha que Sexta-feira só pode lá ir buscar água com a sua autorização; será que Sexta-feira concordará? e, se ele não concordar, que valor tem a "propriedade" de Crosué sobre a fonte?).

Ainda a ética argumentativa (III)


A teoria mutualista não é defensível, porque não é universalizável. O problema começa no que se considera uso. E se o uso exige acção – como podemos assumir – esta teoria aplicada ao corpo humano justificaria que uma mulher que estivesse a dormir (e logo, inactiva) fosse abusada sexualmente e morta por um homem, sem nenhuma violação ética da parte do homem. Afinal, a mulher não estava a usar o seu corpo e o homem apenas se apropriou momentaneamente do recurso não-usado.
O que eu escrevi «segundo [a teoria Proudhom/Tucker/Carson] os recursos naturais devem ser propriedade (ou um nome parecido) de quem os "ocupa e usa" actualmente (em vez de do ocupante original ou a quem este tenha transferido a propriedade) - a regra de "a terra a quem a trabalha, a mina aos mineiros". Aplicando este raciocínio à propriedade de si mesmo, significaria que eu apenas poderia possuir o meu corpo enquanto eu habitasse o meu corpo, e que a propriedade absentista de corpos alheios seria considerada não-válida»; a mim parece-me que mesmo a dormir a mulher em questão está a "ocupar" o seu corpo (tal como, quando daqui a uns minutos eu for dormir, vou continuar a ocupar a minha casa).
A teoria georgista não está bem aplicada à propriedade no próprio corpo. Porque o facto de todos termos igual direito a todos os recursos quer dizer que eu sou dono de uma parte de todos os corpos do mundo e vice versa. Ou seja: todos temos propriedade em todos os corpos.
Parece-me que, à partida, a teoria georgista é tão compatível com cada pessoa possuir 1/6.800.000.000 de cada corpo como com cada pessoa possuir 100% de apenas um corpo.
A teoria comunal ou free-for-all é igualmente indefensável. Porque defendê-la exige a sua negação: isto é, exige que quem argumenta exclua outros de usar o corpo para o mesmo (ou outro) propósito no decurso dessa acção. Ou seja: implica que quem argumenta estabeleça propriedade sobre o próprio corpo.
A teoria comunal NÃO É a teoria free-for-all (a menos que com "comunal" o RBR pretenda dizer algo diferente do que eu pretendo) - num bem comunal (como eu entendo a palavra), em principio eu não posso usá-lo sem autorização do proprietário (a comunidade); no caso de free-for-all, qualquer pessoa pode usá-lo a qualquer momento sem pedir autorização a ninguém.

No exemplo em causa, quer dizer que as minhas cordas vocais (ou, já agora, os meus dedos, que são provavelmente a minha principal ferramenta argumentativa) podem ser usadas por qualquer pessoa sem pedir autorização a ninguém; ou seja - eu posso usar as minhas cordas vocais e dedos sem ter que pedir a ninguém (os outros também poderão tentar, se o conseguirem...).

Diga-se que, em termo de direitos pessoais, a regra do free-for-all, parecendo que não, produz resultados muito parecidos com o de "cada individuo é proprietário de si mesmo"; em teoria, parecem o oposto - a regra de que cada um é o seu proprietário implica que ninguém pode usar de violência contra outrem salvo em defesa própria ou de terceiros; a regra do free-for-all implicaria que qualquer um poderia usar violência contra qualquer outro; mas, se cada um pode usar violência contra quem lhe apetecer, também pode entrar em acordos (formais ou informais) do género "eu não te agrido e tu não me agrides " (ou "eu não te agrido e tu não agrides ninguém que eu ache digno de protecção"). Na prática o resultado é o mesmo - uma sociedade em que a regra é "se agredires alguém, estás sujeito à retaliação; se te agredirem, tens o direito a retaliar". A primeira diz que eu tenho o direito natural a não ser agredido (e a usar a força contra quem me agrida), a segundo que eu teria o direito natural(?) a agredir qualquer pessoa (e a estabelecer pactos de amizade e/ou não-agressão com outros), mas o resultado prática parece-me quase idêntico.

No que diz respeito à propriedade de bens extra-corporais é que as conclusão são bastante diferentes - enquanto a primeira abordagem considerará que existe um direito natural à propriedade, a segundo considerará que os direitos de propriedade são um resultado dos tais "pactos de não-agressão" ("eu não mexo nessa videira que tu plantaste, e tu não mexes neste terreno onde eu crio galinhas"), o que quer dizer que podem ser revogados (se não a qualquer momento, pelo menos por cada geração - afinal, estão periodicamente a entrar novas pessoas na sociedade, que não têm que estar sujeitas a pactos que elas não subscreveram).

Ainda a "ética argumentativa" (II)

A respeito de os filhos não serem propriedade dos pais, Carlos Novais escreve que "Os filhos não são propriedade dos pais porque eles próprios são seres humanos com a capacidade de uso da razão e da argumentação".

Mas isso não deitará por terra todo o argumento de tentar deduzir os direitos de propriedade em geral a partir do direito de propriedade sobre si mesmo? Afinal, a partir do momento em que se admite que a propriedade de sí próprio é uma propriedade "especial", com regras diferentes da propriedade "normal" (estilo - eu posso vender o meu videogravador, mas não me posso vender a mim; os meus pais são proprietários do dinheiro que ganharam com o seu trabalho, mas não são proprietários dos 3 seres humanos que produziram, etc.), isso não significa que então também é perfeitamente possivel aceitar que os indivíduos podem ser proprietários do seu corpo e continuar a achar ilegítimas outras formas de propriedade?

Ainda a "ética argumentativa"

[Respondendo ao Rui Botelho Rodrigues e ao Carlos Novais]

"Primeiro, esse computador, não sendo seu, é certamente de alguém. Esse alguém certamente lhe cedeu (de uma forma ou outra) o seu uso, e logo – tal como uma pessoa que arrenda uma casa – o Miguel tem controlo exclusivo sobre o recurso no decorrer da argumentação. Mas mais importante: não será seu o corpo que usa para argumentar? Não será necessário que o Miguel tenha controlo sobre o próprio corpo para produzir um argumento?."

"Defender esta norma por argumentação exige que quem argumenta exerça controlo total, não-momentâneo, sobre o seu corpo, já que a sua existência depende da não-apropriação por parte de outros do corpo que argumenta quando não está a argumentar" (RBR)
 Mas mantém-se que Argumentar com o seu próprio corpo implica controlo absoluto sobre o seu corpo senão não existe Argumento (CN)
Não necessito de ter controlo total e/ou permanente do meu corpo para poder argumentar (e repito que o próprio facto de nós estarmos aqui a argumentar prova isso).
Primeiro, esse computador, não sendo seu, é certamente de alguém. Esse alguém certamente lhe cedeu (de uma forma ou outra) o seu uso, e logo – tal como uma pessoa que arrenda uma casa – o Miguel tem controlo exclusivo sobre o recurso no decorrer da argumentação.
Mas não tenho poder absoluto e permanente sobre esse computador (tal como um escravo cujo dono lhe diga "Desde que cumpras a tua quota de produção e não te danifiques, podes fazer o que quiseres nas tuas horas vagas" não tem controlo absoluto sob o seu corpo).
Esse é o que chamo argumento da constatação da força. Por esse argumento poderíamos dizer que os escravos não tinham direitos naturais porque se constata que já existiam proprietários e não têm a força ou capacidade para o contrariar. (CN)
Bem, se o argumento contra a escravatura fosse "a escravatura vai contra a lei natural porque alguém não consegue fazer determinada coisa se for escravo", o facto que, no mundo real, os escravos podem fazer isso deitaria abaixo o argumento.

O que eu me parece é que na "ética argumentativa" há uma certa confusão entre os conceitos de propriedade e de posse.

Se o argumento é que para argumentar eu preciso de deter a posse, isto é, o controlo físico, do meu corpo, isso é verdade, mas não é lá muito relevante: afinal, penso que nenhuma ideologia à face da terra pretende abolir o conceito de posse (imagino que até na Coreia do Norte as pessoas tenham as "suas" casas, os "seus" instrumentos de trabalhos, etc., mesmo que não sejam os seus proprietários).

Mas se o argumento for de que para argumentar é necessário ter a propriedade do próprio corpo (isto é, o direito absoluto, permanente, irrevogável e eventualmente transferível de decidir o que fazer - ou o que não fazer - com esse corpo), penso que a simples observação do mundo real demonstra que isso não é necessário para a argumentação.

A menos que enfraqueçamos um pouco a definição de "propriedade", no sentido de considerarmos qualquer direito especifico de um individuo sobre um dado bem como uma forma de "propriedade" (p.ex., um inquilino - privado ou de um bairro social - terá uma espécie de propriedade sobre a "sua" casa), mesmo que limitada ou transitória; mas, se for assim, então qualquer sistema socio-económico respeita a "propriedade" (de novo, imagino que na Coreia do Norte as pessoas tenham a "sua" casa, ou pelo menos o "seu" quarto), logo isso deixa de servir como um argumento a favor do anarco-capitalismo (já que, de acordo com essa definição alargada de propriedade, quase todas as sociedades existentes reconhecem a propriedade, com maiores ou menores limitações).

Pondo a coisa de outra maneira  - a tese que "Para poder argumentar eu preciso de ter a [X] do meu corpo, e o respeito pela [X] implica o anarco-capitalismo como o sistema mais de acordo com o direito natural" só faz sentido se o significado de "X" mudar a meio da frase (uma variante do que alguém - suponho que um ancap - chamou a "falácia da sandes de fiambre") - se "X" significar algo como "controlo absoluto e permanente", a primeira parte é falsa; se "X" significar apenas "algum controlo, mesmo que temporário e/ou sujeito a limites por um poder superior, incluindo a revogação", então a segunda parte será falsa.