Friday, August 18, 2006

Sobre a escolaridade obrigatória

Há algum tempo que se fala em alargar a escolaridade obrigatória para o 12º ano - inclusivamente, por vezes tal até é apresentado como um forma de lutar contra a pobreza e exclusão social.

Ora, o aumento da escolaridade obrigatória até pode contribuir para o aumento da "exclusão social" (eu não gosto muito desse expressão, mas admito que pode ter as suas virtualidades).

Em primeiro lugar, quando se diz que a escolaridade obrigatória é o 9º ano, tal não é exactamente correcto: a escolaridade obrigatória é o 9º ano ou os 16 anos de idade - um jovem de 16 anos que tenha só o 7º ano pode deixar de estudar. No entanto, quando se trata de concorrer a empregos (nomeadamente no sector público), o que interessa já é mesmo ter o 9º ano (alguem nascido a partir de 01/01/1981 que só tenha o 7º ano não pode concorrer a empregos que exijam a escolaridade obrigatória, mesmo que tenha andado na escola até aos 16 anos).

Assim, se uma criança entrar na escola aos 6 anos de idade, em principio inciará o 9º ano com 14 anos de idade; mas, se reprovar 2 anos, já chegará aos 16 anos sem o 9º ano (ou seja, basta ter reprovado 2 anos em 8 para ser possível abandonar o sistema de ensido sem a escolaridade "obrigatória").

Se a escolaridade obrigatória aumentar para, digamos, o 11º ano ou 18 anos de idade, bastará ter reprovado 2 anos em 10 (e a probabilidade de reprovar pelo menos 2 anos em 10 é, obviamente, maior que a de reprovar pelo menos 2 em 8) para poder sair da escola sem a escolaridade "obrigatória". Ou seja, quanto mais elevada fôr a escolaridade obrigatória, maior será (se tudo o resto se mantiver igual) a proporção de jovens que não a completam, e que futuramente se calhar vão ter mais dificuldade em arranjar emprego por causa disso.

5 comments:

Gisela said...

Temos que subir os padrõezinhos. Upa, upa.;) É preferivel aumentar a quantidade de jovens que não completam o 12º porque reprovaram e atingindo os 18 saem no 10º, do que ter jovens a sair no 7º quando já fizeram os 16 anos.
A maturidade ao 16 e aos 18, ainda mais nos rapazes, que são os que mais abandonam, é bastante diferente. Lembre-se lá se isto da maturidade é ou não verdade.

Miguel Madeira said...

"É preferivel aumentar a quantidade de jovens que não completam o 12º porque reprovaram e atingindo os 18 saem no 10º, do que ter jovens a sair no 7º quando já fizeram os 16 anos."

Bem, o meu senão ao aumento da escolaridade obrigatória tinha a ver com o aumento na rubrica "anos de escola" (do 9º para o 12º), não com o aumento na rubrica "anos de idade" (de 16 para 18) - aliás, o aumento dos "anos de idade" da escolaridade obrigatória até tem o efeito oposto ao que eu referia no post: aumenta a proporção de jovens que abandonam a escola com a escolaridade obrigatória concluida.

Gisela said...

Compreendo o que disse. E estou de acordo. Mais jovens não vão ter a escolaridade obrigatória o que dificulta conseguirem emprego. Pior ainda para aqueles que estavam abrangidos pelo sistema antigo e sairam no 7º, pois vão ficar a anos luz da escolaridade obrigatória.
No entanto, e era aqui que eu queria chegar com o meu comentário anterior, se compararmos o potencial de aprendizagem de dois jovens, ambos sem a escolaridade obrigatória, um saiu no 7º pelo sistema antigo(9º ou 16 anos), outro no 10º, pelo novo sistema (12º ou 18 anos); qual terá mais capacidades, mais cultura geral etc.

Miguel Madeira said...

"Pior ainda para aqueles que estavam abrangidos pelo sistema antigo e sairam no 7º, pois vão ficar a anos luz da escolaridade obrigatória."

Também não é assim tão grave: a escolaridade obrigatória varia com a data de nascimento, pelo que penso que esses, caso queiram ter a escolaridade obrigatória, só terão que fazer até ao 9º ano.

garaujo said...

12 anos de escolaridade obrigatória
Os Equívocos

Recentemente, o 1º ministro José Sócrates anunciou a implementação da obrigatoriedade de frequência escolar de 12 anos, aplicável a partir de 2009/2010 e seguintes, a todos os jovens que se inscrevam no 7º ano.

A medida é correcta e já tinha sido apontada como necessária pelos governos de coligação PSD-PP anteriores ao actual.

O primeiro equívoco não é do Governo. É dos jornalistas e de – curiosamente – muitos responsáveis que comentam a decisão: a confusão entre uma escolaridade de 12 anos e a conclusão do 12º ano.

Até hoje, a escolaridade básica eram 9 anos (1º ao 9º ano) e a escolaridade obrigatória de 9 anos. Daí adveio a confusão. Entre os dois 9 (noves). A verdade é que nunca foi obrigatório que todos concluíssem a escolaridade básica (o 9º ano). Mas tão só que ficassem 9 anos, aí sim, de forma obrigatória, no sistema. Os alunos ficam “livres” de o deixar, ao completarem 16 anos antes do início do ano lectivo.

O 9º ano só é concluído em 9 anos nos casos em que a carreira do aluno é imaculada. Sem “chumbos”. Assim, é só nesse caso, que a conclusão da escolaridade obrigatória é simultânea com o termo do 9º ano.

A verdade é que esses casos seriam apenas alguns. Sempre cada vez mais, mas ainda longe de números que pudéssemos considerar como razoáveis.

E ali estava o problema. Muitas vezes, apesar da escolaridade obrigatória estar cumprida, a conclusão do 9º ano ficava muito longe para uma grande fatia dos alunos. Devido aos anos “repetidos” que originava atrasos na frequência. O que não é bom para os alunos e para o País.

Agora, a Escolaridade Básica vai continuar a ter 9 anos (1º ao 9º ano) mas passará a ser obrigatório ficar na escola (ou em formação), durante 12 anos.

Chegamos então, ao segundo equívoco. Este já de uma maioria considerável dos intervenientes, onde se incluem os responsáveis governativos: ao contrário do que vêm referindo, o alargamento da escolaridade obrigatória a 12 anos pouco irá influir no Ensino Secundário e não terá absolutamente nada a haver com o 12º ano…

Os grandes problemas estão bem identificados, nas situações de abandono precoce. Ou seja, no grupo de alunos que, ao atingir os 16 anos optavam por sair da escola. Encontrando-se, estes, nos 6º, 7º, 8º ou 9º anos. Ou seja, acumulando insucessos no ensino básico pelo que, muito longe de poderem almejar atingir (e muito menos concluir) o Secundário.

Esta saída precoce, destes alunos, do sistema (no qual não se identificavam) era, muitas vezes, uma benesse para as Escolas. E por razões entendíveis: afinal, esses alunos eram referenciais pouco interessantes para os restantes alunos e focos de instabilidade e problemas para o estabelecimento.

Mas são estes jovens que, agora, sentirão a mudança da lei: terão que ali (nas escolas) “penar” mais 3 anos. Não no Secundário, mas no Básico. Onde estão agora, sem perspectivas de ir muito mais longe. Com as óbvias implicações ao serem impedidos, antes dos 18 anos, de aceder ao mercado de trabalho. Serão mais problemas para as escolas e professores que os terão que aguentar mais 3 anos. Mais velhos, maiores, menos “controláveis”, mais frustrados, mais incompreendidos.

A notícia que a idade de empregabilidade se manterá nos 16 anos é contraditória. A não ser que esses jovens (16-18 anos) se mantenham em simultâneo, no mercado de trabalho e em frequência escolar/formativa.

O que nos leva ao 3º equívoco. A bolsa de estudo. Para os alunos no Secundário com aproveitamento. O que constitui um “tiro” completamente ao lado. Como vimos, o que esta nova lei vai acrescentar (e manter mais 3 anos no sistema) são alunos no Básico e sem aproveitamento regular. E são estes alunos os que terão que ser apoiados. Caso contrário, teremos um “inferno na Terra” para eles, para os outros alunos, para os professores e para as suas Escolas.

A bolsa de estudo para os alunos do Secundário, com aproveitamento, servirá para aqueles que, sem ela, estariam ali mesmo. Não acrescentará nada ao crescimento da escolaridade, sem prejuízo da oferta ser-lhes (a esses alunos) pessoalmente interessante (afinal é-lhes dado dinheiro).

Ainda não se entendeu se a atribuição da bolsa será feita juntamente com o Abono de Família, pelo sistema da Segurança Social (deverá ser assim, para simplificação administrativa) ou através do sistema da Acção Social Escolar (processo muito mais complicado).

Escrevi no início que a medida é boa. E é.

O grande impacto será vivido na possibilidade de mais alunos concluírem a escolaridade básica. Pois 9 anos obrigatórios, para estes alunos com insucesso acumulado, não chegavam para, sequer, concluir a Escolaridade Básica. Agora com 12 anos, isso passará a será possível.

Mas isto não é suficiente. Fazer a lei é fácil. Assegurar os resultados objectivados, é mais difícil.

Mas é possível. E como:

Assegurando a multiplicação de ofertas de formação profissional de nível II (e não de nível III, conforme é usual se ouvir falar), de preferência nas Escolas de Ensino Secundário onde as idades dos alunos agora “retidos” no sistema se equivalerão às dos restantes, facilitando a sua integração. Nas zonas de população mais rarefeita, será necessário garantir transportes regulares para garantir o acesso desses alunos aos locais e escolas devidas. A idade (mais avançada) dos alunos facilita o processo (distâncias maiores a percorrer).

Por outro lado, haverá que incrementar os Cursos de Educação Formação que atribuem profissionalização de nível II a fim de os disponibilizar aos alunos, que, já perto dos 18 anos, concluem o Básico mas já não estão dispostos a continuar no sistema ao longo dos mais 3 anos que constituem o Secundário. Aí entram esses cursos com durações de 1 ano que acrescentam uma componente profissional ao Ensino Básico já concluído.

Realmente, como diz a Ministra, não deverá haver grande acréscimo imediato de alunos no sistema. Daí não se dever esperar grandes incrementos na oferta de trabalho docente. Gradualmente haverá mais alunos, mas contrabalançados com a redução demográfica, o seu número deverá manter-se mais ou menos estável ou com uma variação gradual positiva reduzida.

As ofertas prévias na Educação Pré-Escolar (alargamento da sua frequência) e numa Escola a Tempo Inteiro de qualidade, reduzirão o insucesso e permitirão, primeiro, que a conclusão da escolaridade básica possa ser, efectivamente, generalizada e que, depois, então, se aumente o mais possível e de forma sustentada o nível médio formativo dos jovens portugueses para além do Ensino Básico.

Finalmente:

A bolsa de estudo anunciada é um tiro falhado. Que custará 150 milhões de euros anuais dentro de poucos anos. Ora, não se entende para que serve.

Afinal, aqueles alunos são apoiados pela Acção Social Escolar para efeitos de acesso a livros, material escolar, transportes, alimentação, acesso à banda larga. Já quase tudo gratuito. Antigamente, a bolsa de estudo (e bem) justificava-se para os casos em que a escolaridade obrigava à frequência escolar em estabelecimentos distantes, servindo para financiar uma morada de recurso.

Assim, para que servirá este dinheiro dado assim, de forma avulsa? Não quero nem sugerir algumas aplicações (tão erradas quanto possíveis).

Muito mais correcto seria aplicar esse dinheiro no reforço dos apoios ASE, aplicáveis a todos os alunos com mais de 16 anos (sim, também do básico e sem considerar o facto do aluno não ter obtido, pontualmente, aproveitamento) de forma muito mais criteriosa (criar crédito para determinados usos) e, talvez, suportar estágios – por inteiro - nas empresas que aceitem alunos a frequentar cursos de nível II. Incluindo compensação às empresas e aos alunos (neste caso, substituindo-se ao emprego agora impossibilitado).

O acesso precoce destes jovens, já nesta fase (estágios nas empresas) ao sistema da Segurança Social (habilitando esses jovens aos benefícios correspondentes) também poderia ser analisado e financiado pelo Estado (ao invés da atribuição inútil das bolsas).

Considero que é aqui que se deverá centrar o esforço máximo a fazer nos próximos anos. Mesmo que, ganha a primeira aposta e ultrapassada a primeira fase, tudo se possa transferir para o nível seguinte: secundário e formação de nível III. Mas por agora, ainda estaremos longe (talvez 10 anos) disso.