Friday, October 13, 2006

Re: A "Esquerda Florida" (II) e o Muro de Berlin

Aonde estavam quando "o muro" caiu (a 09/11/1989)?

A "esquerda florida" (imagino que esta etiqueta seja aplicável ao Neues Forum) estava na ruas a manifestar-se contra o regime.

Os democratas-cristãos estavam no governo, "coligados" (as aspas porque não era uma verdadeira coligação - a CDU não era um aliado, mas um satélite) com os comunistas. Claro que se pode argumentar que não eram "verdadeiros" democratas-cristão, mas o certo é que a CDU alemã-ocidental não teve problema nenhuma em os absorver após a unificação.

2 comments:

agitador said...

89 tinha eu 6 anos, portanto estava algures a fazer asneira.

Anonymous said...

O levante húngaro começou em 23 de Outubro de 1956, com uma manifestação pacífica de estudantes em Budapeste. Exigiam o fim da ocupação soviética e a implantação do "socialismo verdadeiro". Quando os estudantes tentaram resgatar alguns colegas que haviam sido presos pela polícia, esta abriu fogo contra a multidão.
No dia seguinte, oficiais e soldados juntaram-se aos estudantes nas ruas da capital. A estátua de Josef Stálin foi derrubada por manifestantes que entoavam, "russos, voltem para casa", "abaixo Gerő" e "viva Nagy". Em resposta, o comitê central do Partido Comunista Húngaro recomendou o nome de Imre Nagy para a chefia de governo.
Em 25 de outubro, tanques soviéticos dispararam contra manifestantes na Praça do Parlamento. Chocado com tais acontecimentos, o comitê central do partido forçou a renúncia de Gerő e substituiu-o por János Kádár.
Nagy foi à Rádio Kossuth e anunciou haver tomado a chefia do governo, na qualidade de presidente do Conselho de Ministros. Prometeu uma ampla democratização da vida pública do país, a melhoria radical das condições de vida do trabalhador e a busca do socialismo condizente com as características nacionais da Hungria.
Em 28 de outubro, Nagy e um grupo de colegas lograram obter o controle do Partido Comunista. Surgiam conselhos revolucionários por todo o país.
Em 30 de outubro, Nagy comunicou a libertação do cardeal Mindszenty e de outros prisioneiros políticos. Anunciou-se que o governo pretendia abolir o sistema de partido único. Reconstituíram-se os Partidos dos Pequenos Proprietários, Social-Democrata e Camponês Petőfi. Em 1º de novembro, Nagy comunica a intenção húngara de se retirar do Pacto de Varsóvia e pede a intervenção das Nações Unidas na controvérsia com a URSS.
Em 4 de novembro, o Exército Vermelho invadiu a Hungria e derrotou rapidamente as forças húngaras. Calcula-se que 20 000 pessoas foram mortas durante a intervenção soviética. Nagy foi preso (e posteriormente executado) e substituído no poder pelo simpatizante soviético János Kádár.