Tuesday, May 30, 2006

Será que há solução (II)?

Entretanto, ocorreu-me uma possível solução para o problema: ser como fazíamos no ISEG, em que os alunos inscreviam-se nas turmas depois dos horários estarem feitos - assim, os professores já não "escolheriam" os alunos (mas há muitos detalhes que teriam que ser bem pensados nesta ideia, especialmente tendo em atenção que o que funciona para jovens adultos pode não funcionar para crianças ou adolescentes).

Outra possivel solução seria deixar de haver aulas, os alunos passarem a funcionar em auto-gestão (com a bibilioteca da escola à disposição), e a única função dos professores fosse prestar esclarecimentos/tirar dúvidas aos alunos. A vantagem deste sistema é que não era preciso haver turmas: cada professor teria um horário para estar na escola, e cada aluno (ou grupo de alunos) poderia escolher o professor que quisesse para pedir algum esclarecimento, logo iriam ter com o professor que achassem mais competente a explicar o assunto em causa (a menos que este já tivesse uma longa fila de alunos para serem atendidos). Claro que isto teria um preço: não se poderia recorrer à avaliação continua num sistema destes (teria que ser baseada em testes e/ou discussões de trabalhos). E tem mais outra desvantagem: é que a maior parte das pessoas iria achar isso uma ideia completamente lunática (eu até me inclino para achar que seria o sistema de educação ideal, mas se calhar estou a delirar).

8 comments:

agitador said...

claro que resultava ...desde que toda a gente tivesse acesso a pré escolar, onde ganhasse habitos e fosse despertado o interesse.

está mais que provado que as crianças que foram à préescola tem melhor aproveitamento e mostram iniciativa.

Miguel Madeira said...

Eu tenho grandes dúvidas sobre as virtudes do pré-escolar, mas é capaz de ser preconceito criado por eu quase não ter andado no pré-escolar (e nós temos sempre tendência a achar que o nosso modo de vida é o correcto)

Mais exactamente, eu andei para aí um mês na pré-escola quando tinha 5 anos.

Mas, por outro lado, se calhar até andei na pré-escola sem ter consciência disso: durante os meus 5 anos (tirando o tal mês), costumava ir para a escola aonde a minha mãe dava aulas e passava parte do tempo na sala de aula e outra parte a brincar pela aldeia (Mexilhoeira da Carregação, à época um povoado de operários conserveiros). Se calhar isto pode ser considerado uma pré-escola sui generis.

agitador said...

eu tambem passei por essa pre escola sui generis.

vivi com tenra idade numa aldeia, entre pedreiros, trolhas, trabalhadores texteis.

ainda hoje me lembro do senhor antonio onde toda a gente ia para usar os lagares, fazia-se vinho, azeite, vinagre de vinho e aguardente, e claro as trocas informais.
infelizmente tudo isso acabou.

agitador said...

já viu isto?

http://www.redwatch.org

Miguel Madeira said...

" já viu isto?"

Isso parece-me uma coisa nazi ou parecido.

agitador said...

exactamente... eles andam a marcar as pesssoas.
anarquistas, comunistas, esquerdistas em geral.

uma verdadeira organização criminosa.

agitador said...

o que acha da polemica ordem dos medicos vs autoridade para a concorrencia?

Miguel Madeira said...

A primeira vista, dá-me impressão que é autoridade para a concorrência que tem razão