Saturday, March 04, 2006

Hitler foi eleito democraticamente?

Nas discussões sobre as virtudes e defeitos das "democracias", há dois argumentos recorrentes: do lado dos "optimistas" diz-se que "nunca houve uma guerra entre duas democracias"; do lado dos "pessimistas", diz-se que "Hitler foi eleito democraticamente" (p.ex, num comentário de Bruno a este post da Causa Liberal). São dois pressupostas que já fazem parte da "verdade consensualmente aceite" mas... ambos estão errados!

A respeito da "paz democrática", pode ser refutada sem grande dificuldade. Quanto à teoria da "eleição democrática de Hitler" está ainda mais enraizada mas não é por isso que deixa de ser incorrecta.

É verdade que nas duas eleições realizadas em 1932, os Nazis foram o partido mais votado (37% em Junho e 33% em Novembro), mas tal estava longe de uma maioria parlamentar (e creio que facilmente encotraremos exemplos em Portugal de eleições em que o partido derrotado teve uma votação nesse nível - p.ex., o PS em 2002). E, em Junho de 1932, mesmo com a maior votação da sua história, os nazis não foram para o governo - logo, por definição, não "ganharam as eleições". E, se não as ganharam em Junho, então, por maioria de razão, também não as ganharam em Novembro, quando tiveram uma quebra monumental.

O que aconteceu foi que nenhuma maioria se conseguia formar, e os "governos de iniciativa presidencial" (como díriamos em Portugal) caiam em poucos meses. Então Hitler foi nomeado chanceler, num governo composto por nazis e pelos conservadores do Partido Nacional-Popular (mesmo esse governo estava longe da maioria parlamentar). Esta nomeação só ocorreu após grandes manobras de bastidores, em que o ex-chanceler Franz von Papen e alguns grandes empresários conveceram o Presidente Hidenburg a nomear Hitler. Entretanto, foram convocadas novas eleições para Março de 1933.

Embora os conservadores tivessem a maior parte dos ministros no governo nacional, Herman Goering era o Ministro do Interior do Governo regional da Prússia (controlava a policia) e deu "luz verde" para que as milicias nazis (as SA e as SS) impedissem os socias-democratas e os comunistas de fazer campanha. A 27 de Fevereiro, o parlamento foi incendiado. Na madrugada de 28, começaram as prisões em massa de opositores, e, ainda nesse dia o Presidente Hidenburg concedeu poderes a Hitler para suspender as liberdades civis "até posterior notificação".

A 5 de Março de 1933, finalmente, os nazis e os conservadores conseguem a maioria dos votos, mas Hitler já era "ditador" há, pelo menos, quase uma semana. No entanto, nem mesmo esta vitória (obtida num ambiente de prisões e violência arbitrárias) foi decisiva - a coligação de direita não obteve os 2/3 suficientes para alterar a constituição e impor uma "ditadura definitiva".

Para conseguir essa maioria qualificada, Hitler, alem de negociar o apoio dos católicos do Partido do Centro, suspendeu os deputados do Partido Comunista (que tinham sido presos logo após as eleições) e mandou prender vários deputados do SPD (suspender deputados e ordenar prisões extra-judiciais faziam parte dos poderes concedidos a Hitler pelo decreto de 28 de Fevereiro).

Realmente, houve montes de ditadores que chegaram ao poder ganhando eleições, desde Napoleão III Bonaparte a Alberto Fujimori, mas não me parece que Hitler seja um deles.

Curioso: só agora notei que amanhã é o aniversário das tais eleições "democráticas" que Hitler ganhou.

9 comments:

Anonymous said...

sabia que o patriot act pode ser usado para igualar desobidiencia civil a terrorismo?

do genero, uma pessoa que destrua uma maquina industrial ou deitar abaixo um poste ou uma vedação como forma de desobidiencia civil, pode ser considerada terrorista.

alias, agora até já há "ecoterroristas"...

sabine said...

Quem nao tem nada que fazer, põe-se em discussoes inuteis:
Sim, a democria é um bom sistema.
Sim, Hitler foi eleito democraticamente.
Desculpe a raspidez mas há assuntos que ja me cansam...

Miguel Madeira said...

"Quem nao tem nada que fazer, põe-se em discussoes inuteis"

A Sabine não deixa de ter uma certa razão: como eu estava em busca de inspiração para um post (já há 2 dias que não escrevia nada) e li os comentários que referi, pensei: "aqui está um bom tema para um post - tentar desmontar o mito histórico da eleição democrática de Hitler".

De certa forma, escrever algo porque não me ocorria inspiração para mais nada não anda longe "pôr-se em discussões por não ter nada que fazer"

"Sim, Hitler foi eleito democraticamente"

Ou seja, falhei na minha tentativa de desmontar o mito histórico.

Anonymous said...

Hitler eleito democraticamente e' uma afirmacao que necessita de muitas qualificacoes - e nao apenas as apresentadas pelo Miguel.

Uma democracia pressupoe, no minimo, um quadro institucional estavel e ausencia de coercao violenta sobre as pessoas individuais e as mais variadas organizacoes politicas. Desde os anos 20, os Nazis levaram a cabo accoes violentas contra outras forcas politicas (comunistas, mas nao so'). Alem de accoes violentas, tambem defendiam accoes violentas contra grupos politicos, contra judeus e outros. Dificilmente se podera' considerar a accao politica do partido nazi (antes da ascensao ao poder, tal como depois) como compativel com as regras de um estado democratico. A situacao politica e economica da Alemanha tambem era particularmente grave. Formalmente, existia um regime democratico na Alemanha de Weimar; resta saber se resultava num Estado democratico.

Anonymous said...

Parece ser uma discussão inútil, sim. Com certeza a democracia é o melhor sistema apesar dos problemas. Mas essa discussão se tornou fundamental hoje: Trump venceu as eleições pra presidente nos EUA!

Luciano said...

No Brasil temos agora uma pessoa que lembra o Hitler: Jair Messias Bolsonaro,a pouco tempo eu me sentia orgulhoso de o Brasil não ter originado um Salazar, mas agora eu me sinto envergonhado.

Alexandre said...

Luciano, não force a barra: o Bolsonaro não é santo, mas não "lembra" Hitler. Por outro lado, tivemos por quase 14 anos no governo um partido que defende abertamente as ditaduras de esquerda em Cuba e Venezuela, mas que posa de democrático!

Maria Birkenhead said...

"Quem nao tem nada que fazer, põe-se em discussoes inuteis". Não concordo com Sabine porque muita gente ignora como Hitler chegou ao poder levando consigo o nazismo. Achei o artigo muito interessante, esclarecedor. E minha amiga Luíza, que é descendente de alemães, me disse que não conhecia esses fatos. Obrigada pelo ótimo artigo, mesmo tendo saído da falta de inspiração. Acontece com todos os jornalistas e escritores.

Anonymous said...

Muito obrigado, este post me convenceu ainda mais de que a democracia é um sistema que agride a liberdade individual daqueles que não concordaram em eleger alguém que também possui potencial para se tornar um novo Hitler. Só mexendo algumas peças e você já se torna o líder supremo da nação por mais um mandato "democraticamente".