Friday, February 13, 2009

A ICAR é contra o casamento homossexual. E depois? (II)

Nos comentários a este post, a Ana Matos Pires e o José Manuel Faria manifestam-se contra a Igreja dar "indicações de voto" aos católicos para estes não votarem em partidos que sejam a favor do casamento homossexual.

Imagine-se que, numas eleições autárquicas, uma associação ambientalista apelava a que não se votasse num presidente de Camara que tivesse autorizado "atentados ambientais". Haveria algum problema com isso?

2 comments:

Carlos Pinto said...

Interessante comparacao...

Stipouff said...

Epá Miguel, claro que havia. Senão porque é que uma suscita escândalo e a outra não?
A igreja enquanto "autoridade religiosa" apenas terá autoridade (pelo menos para quem lha atribui) em questões do foro religioso e é altamente discutível que a orientação sexual de alguém tenha alguma relevância no plano de vivência religioso. Uma coisa são os costumes outra coisa é a relação do indivíduo com o seu deus. Ao invés uma associação de defesa do ambiente é exactamente para isso que existe.
Mais interessante seria colocares a questão da igreja apelar ao voto contra o autarca ambiento-prevericador. Mas mesmo assim parece-me muito mais do foro religioso a preocupação com o bem ambiental (indiscutível aos olhos de todas as principais religiões e bastante esquecido por elas) do que a orientação sexual privada e o respectivo direito em vivê-la em plena legalidade.

inté